quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Servidores e usuários do Hemopa recebem imagem peregrina de Nazaré


Servidores participaram de missa no auditório
Em clima de fé e comunhão, a Fundação Hemopa recebeu na manhã desta quarta-feira , 17, a imagem peregrina de Nossa Senhora de Nazaré, que percorreu os setores do hemocentro, começando pela Recepção de Doadores, seguindo para a sala de coleta, que estava parcialmente vazia, em função da redução do comparecimento de doadores, desde o início desta semana, registrando uma queda de 15%.

Logo depois, a imagem foi conduzida até o ambulatório, onde são atendidos os pacientes portadores de doenças hematológicas, que estava com todos os leitos ocupados, contrapondo com a oferta de sangue. Logo após, a imagem passou pela Recepção de Pacientes, subindo para  o primeiro, segundo e terceiro piso do hemocentro, para onde seguiu até o auditório lotado de servidores e familiares, onde foi celebrada missa em Ação de Graças, celebrada pelo diácono Erilberto do Nascimento Brandão. A cerimônia teve acompanhamento do Coral do Hemopa, que é composto por servidores do Hemopa.

‘’Este é um momento de renovação da fé por parte dos servidores de cada órgão que Maria visita e abençoa. Aperta os laços de amizade e solidariedade do servidores e ’’, disse o diácono. Para a servidora e organizadora da visita da imagem peregrina, Maria de Lurdes Almeida, a visita é importante para agradecer a padroeira dos paraenses e refletir sobre a fé. ‘’Agradecemos a nossa mãe a benção que ela nos dá. No Círio o espírito se renova. A visita de Nossa Senhora é aguardada por nós o ano inteiro’’, disse.

Amauri Martins pede a benção de Nossa Senhora de Nazaré
Bastante emocionado, o servidor Amaury Martins, lotado na ASCOM, disse que todos os anos aguarda a visita da imagem da Virgem de Nazaré. “É um momento de confraternização, de oração e fé com os colegas de trabalho com quem passamos a maior parte do dia”, comentou, parabenizando a direção do hemocentro pela iniciativa em proporcionar esse momento de integração.

Antes de visitar o hemocentro, a imagem de Nossa Senhora de Nazaré visitou o Centro de Perícias Cientificas Renato Chaves (CPC), no último dia 9. A próxima visita será na Companhia de Habitação do Estado do Pará (Cohab), dia 22.

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Hemopa continua campanhas externas de coleta de sangue

 Nesta terça-feira (16) e quarta-feira (17), a Fundação Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará (Hemopa) dá continuidade às campanhas externas de coleta sangue e cadastro de doadores de medula óssea, com a unidade móvel, na área externa do shopping Castanheira, na BR-316, de 10h às 19h. A ação tem como meta a coleta diária de 80 bolsas de hemocomponentes e atende aos moradores da Augusto Montenegro, Ananindeua e Marituba e pessoas que moram próximas ao shopping.
A campanha anterior realizada na sexta-feira (12) pelo Hemopa, com apoio da Secretaria Municipal de Saúde, em parceria com a Agência Transfusional (AT), no município de Bragança, no nordeste paraense, registrou o expressivo comparecimento de 385 candidatos voluntários e a coleta de 255 bolsas.
A AT de Bragança atende mensalmente 130 transfusões em média, além das rotinas diárias de pacientes internados no Hospital Santo Antônio Maria Zacarias, Hospital Geral Municipal (com uma Unidade de Cuidados Intermediários Neonatal) e no Hospital Municipal. Os municípios de Traquateua, Viseu e Augusto Corrêa também têm suas demandas atendidas pelo estabelecimento.

Doador regular há 4 anos, o professor Eliney Trindade Miranda, 32 anos, sabe da importância das campanhas externas, da doação de sangue e de se realizar o cadastro de medula óssea, pois na infância dele a família vivenciou um grave drama familiar, com a perda de um irmão, vítima de leucemia. “Doar é ver, mesmo sem saber, a felicidade que faço à uma família. Precisamos ter a cultura do amor ao próximo”, diz o servidor estadual de tipo sanguíneo O Negativo.
Segundo Lilian Bouth, assistente social da Gerência de Captação de Doadores (Gecad) do Hemopa, tanto o shopping quanto a AT bragantina são parceiros antigos com forte participação e mobilização de pessoas. “Em Bragança fizemos um trabalho de divulgação prévia nas rádios e TVS locais e palestras no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará e na Universidade Federal do Pará, para sensibilizar a comunidade. Agradecemos à população, que sempre atende nosso chamado e se organiza, além das muitas instituições parceiras que nos ajudaram”.
A técnica lembra que as pessoas podem doar sangue em qualquer uma das unidades da hemorrede paraense, situadas em Castanhal, Marabá, Santarém, Altamira, Capanema, Redenção, Tucuruí e Abaetetuba. Ainda este mês, a Fundação Hemopa realiza coletas externas no dia 18, Escola Benjamin Constant, na Trav. Benjamin Constant, 497; no Reduto, de 8h às 15h; e no período de 29 de setembro a 3 de outubro, em parceria com as empresas Albras e Hydro Alunorte, em Barcarena.
Em Belém, o candidato à doação deve se dirigir à Fundação Hemopa, fazer uma ficha cadastral e passar na triagem clínica. Se for considerado apto, pode fazer a sua doação imediatamente. Qualquer pessoa com boa saúde, que tenha entre 16 e 69 anos (menores de 16 a 17 anos só podem doar com a autorização dos pais ou representante legal) e pese acima de 50 quilos pode doar sangue. É necessário portar documento de identidade original e com foto e não precisa estar em jejum – ao contrário, deve estar bem alimentado. O homem pode doar a cada dois meses, e a mulher a cada três meses.
Para fazer o cadastro de doadores de medula óssea, o candidato deve estar bem de saúde, ter entre 18 e 55 anos e portar documento de identidade original e com foto.

Serviço:
O Hemopa fica na Travessa Padre Eutíquio, 2109. Funciona para coleta de segunda-feira à sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h. E-mail: captacao@hemopa.pa.gov.br. Alô Hemopa: 0800 280 8118. O calendário das próximas campanhas está disponível no site www.hemopa.pa.gov.br.

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Atletas Solidários promovem campanha interna no Hemopa



Atletas Solidários finalizaram campanha no Hemopa
A campanha promovida pelo grupo dos Atletas Solidários encerrou em clima de festa neste sábado, 13. A Fundação Centro de Hematologia e Hemoterapia do Estado do Pará (Hemopa) recebeu quase 30 membros do grupo, que se mobilizou para colaborar com o reabastecimento do estoque do banco de sangue. A campanha começou no último sábado, 6, e teve como meta 100 doações no decorrer de uma semana.
A dentista Flávia Karla Corrêa , 44, informa que o grupo doa sangue e também capta novos doadores, não necessariamente esportistas, além de atuar em outros tipos de mobilizações sociais. ‘’Vamos atrás de quem pode ajudar. Incentivamos todos a colaborar com causas sociais, da doação de sangue à doação de alimentos não perecíveis, por exemplo’’. Karla foi impossibilitada de doar, mas garante que virá ao Hemopa, de novo, em breve ‘’Não vou poder fazer minha doação hoje. Um detalhe me impossibilitou, mas em breve estarei apta a doar sangue’’, disse.
Roberto é doador de sangue há mais de 10 anos
Geógrafo e corredor, Roberto Arede Mendes, 34, é doador de sangue há mais de 10 anos. Ele conta que a primeira doação que fez foi para a cunhada, que desenvolveu um tumor cerebral e precisou de transfusões. "Doar sangue é doar vida e vida tem tudo a ver com saúde e esporte. A doação é muito simples, não custa nada e ajuda as pessoas’’, disse Roberto.
‘’As doações de sangue salvaram minha vida’’, lembrou a dentista Rosa Maria Pereira, 38, que acompanhou a mobilização dos Atletas Solidários e já passou por duas cirurgias cardíacas. ‘’Se colocar no lugar do próximo é algo que todos nós deveríamos fazer. Precisei de quatro bolsas de sangue quando fui operada e sei o quanto estas campanhas são importantes. Toda doação faz diferença’’, afirmou.
Janete Araújo, assistente social da Gerência de Captação de Doadores do Hemopa, afirma que o movimento aos sábados tem sido satisfatório porque conta com diversas campanhas de diferentes grupos e instituições. ‘’As parcerias são fundamentais. O Atletas Solidários é mais um importante e consciente grupo que se torna parceiro do Hemopa. As campanhas internas acontecem geralmente aos sábados, pois isso facilita a vida de quem não tem muito tempo para vir ao Hemopa durante a semana’’.
Qualquer pessoa pode doar sangue. Basta que tenha boa saúde, entre 16 e 69 anos (menores de 18 anos devem estar acompanhados dos pais ou do responsável legal) e pese acima de 50 quilos. É necessário portar documento de identidade original e com foto. O doador deve estar bem alimentado. O homem pode doar a cada dois meses, e a mulher a cada três.
Para fazer o cadastro de doador de medula óssea a pessoa deve estar bem de saúde, ter entre 18 e 55 anos e portar documento de identidade original e com foto.
Serviço: O Hemopa funciona para coleta de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h. Contatos pelo e-mail captacao@hemopa.pa.gov.br e no Alô Hemopa (0800-2808118). O calendário das próximas campanhas está disponível no site www.hemopa.pa.gov.br.

Hemopa recebe visita de comissão francesa



O Simpósio foi promovido pela Coordenadoria Geral do Sangue e Hemoderivado,
em parceria com a Embaixada da França















A presidente da Fundação Hemopa, Luciana Maradei, recebeu visita de uma comissão francesa na sede do hemocentro nesta sexta-feira, 12, por ocasião da realização do XIII Simpósio Franco-Brasileiro de Hematologia e Hemoterapia, em Belém. O grupo veio conhecer a instituição e conferir in loco a tecnologia e excelência em gestão que tornaram o Hemopa reconhecido nacionalmente. 
A visita estava prevista na programação científica do evento, promovido pela Coordenação Geral do Sangue e Hemoderivado (CGSH), em parceria com a Embaixada da França, reunindo cerca de 100 profissionais e especialistas da área da hematologia e hemoterapia do Brasil e da França.
Durante os dois dias do encontro, no Hotel Crowne Plaza, foram debatidos temas de relevância e interesse da hemorrede nacional, passando pela evolução da organização da rede de serviços de hemoterapia, da hemovigilância, e da experiência junto à sociedade civil na mobilização da população, visando a promoção da doação voluntária de sangue, levando-se em consideração a experiência dos dois países cooperados.
Público do Simpósio
Os especialistas franceses, especificamente, tiveram oportunidade de apresentar suas tecnologias e estratégias de implantação e operacionalização da inativação de patógenos e automação na produção de hemocompenentes. Eles também evidenciaram a gestão de coletas de sangue e sua relação com o gerenciamento de estoque de hemocomponentes.
Durante as exposições, chamou atenção o relato, a partir de resultado de pesquisas realizadas na França, que 80% da população concorda com a importância da participação no processo da doação de sangue, mas somente 4% o faz efetivamente. De qualquer forma, esse percentual chega bem perto da média entre 3% a 5% sugerida pela Organização Mundial de Saúde (OMS). 
No Brasil, esse percentual é de 1,9%. No Pará, 2,2% da população doa sangue. A média paraense é considera boa e acima da média nacional, mas precisa melhorar para aumentar e reforçar o estoque de sangue do hemocentro, que assim como os demais hemocentro da hemorrede nacional, enfrenta insuficiência do número de doadores, eventualmente.
Segundo a titular da CGSH, a médica paraense e ex-presidente do Hemopa, Maria de Fátima Pombo Montoril, a cooperação técnica Franco Brasileira com o estabelecimento Francês do Sangue (EFS), que este ano completou 30 anos, representa inestimável contribuição para a gestão nacional da Política do Sangue e Hemoderivados e para o aperfeiçoamento dos serviços oferecidos na hemorrede pública nacional. “O modelo de gestão da hemoterapia e hematologia brasileira é inspirado no modelo francês”, informou.
O XIII Simpósio Franco-Brasileiro de Hematologia e Hemoterapia, contou com a presença do secretário de Estado de Saúde, dr. Hélio Franco, que prestigiou a abertura, no dia 11. Ao compor mesa, ele parabenizou a realização do evento e citou alguns dos principais desafios de administrar um estado da Amazônia, mas enfatizou a competência dos gestores, sobretudo da Fundação Hemopa, que cumpre sua missão de oferecer serviços de qualidade aos usuários e na captação de doadores. “Precisamos nos unir para sensibilização de mais doadores”, sugeriu.
A comissão de franceses que visitou o hemocentro paraense foi composta pelo presidente do EFS, François Toujas; da adida de Cooperação Técnica, da Embaixada da França no Brasil, Rose-Anne Bisiaux; Christian Gochet, e Stephane Begué, ambos do EFS. Eles estiveram acompanhados de Fátima Montoril, da biomédica do Hemopa, Ana Suely Saraiva; e da médica e pesquisadora do Hemocentro de Minas Gerais (Hemoninas), Anna Bárbara Proietti.
“Parabenizo a CGSH e à cooperação Técnica Francesa pela realização de mais um importante encontro entre os especialistas da área. O simpósio foi, como nos anos anteriores, um sucesso não apenas pela significativa participação, como também pela troca de experiências de gestão entre os dois países, que certamente vai continuar renovando e inovando os serviços da hemorrede pública do Brasil e da França”, comentou Luciana Maradei.

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Hemopa apresenta desafios e conquistas em simpósio franco-brasileiro

Com uma média anual de 120.131 coletas e 92.995 atendimentos transfusionais para toda a rede hospitalar pública e privada paraense, a Fundação Hemopa foi um dos destaques no primeiro dia do XIII Simpósio Franco-Brasileiro de Hematologia e Hemoterapia, durante mesa redonda sobre “Experiências brasileiras de estruturação de hemorredes estaduais”, com a participação da presidente do hemocentro, Luciana Maradei, que evidenciou a evolução, ampliação e qualificação dos produtos e serviços ao longo desses 36 anos de fundação.
O Hemopa é o segundo hemocentro inaugurado no Brasil, em 1978, e o primeiro a interiorizar a hemoterapia e hematologia, ao inaugurar o Hemocentro Regional de Castanhal, em novembro de 1985. O evento científico ocorre nesta quinta (11) e sexta-feira (12), no Hotel Crowne Plaza, em Belém. O simpósio é promovido pela Coordenação Geral do Sangue e Hemoderivados (CGSH), em parceria com a Embaixada da França, e reúne cerca de 100 profissionais e especialistas da área da hematologia e hemoterapia do Brasil e da França.
O simpósio foi aberto às 9h, pela titular da CGSH, Maria de Fatima Pombo Montoril, que é paraense e ex-presidente do Hemopa. “Aproveitem muito bem esses dois dias de debates sobre a hemorrede brasileira e francessa, e não deixem de conhecem nossa linda e acolhedora cidade”, disse, ressaltando a importância dos 30 anos de cooperação franco-brasileira em hemoterapia e hematologia.
O presidente do Estabelecimento Francês de Sangue (EFS), François Toujas, enfatizou a importância do EFS para a qualidade da saúde do seu país, retratando toda a evolução desses serviços e desafios, garantindo atendimento transfusional seguro e de qualidade referenciada no mundo. Toujas disse que todos os esforços são destinados para garantir as ações voltadas para a promoção da doação de sangue, mesmo com alguns desafios que são enfrentados, como o aspecto econômico. “Doar sangue é um ato solidário, de cidadania e devemos oferecer as melhores condições de atendimento tanto ao doador como aos nossos usuários”, afirmou.
Em seguida, os diretores do hemocentros do Pará, Minas gerais, Amazonas e de Santa Catarina falaram sobre as “Experiências brasileiras de estruturação de hemorredes estaduais”. Luciana Maradei demonstrou abordou os desafios enfrentados para garantir o abastecimento de sangue para a rede hospitalar num Estado com dimensões continentais, informando que, muitas vezes, a logística exige o transporte do sangue por via área, fluvial e rodoviária para chegar ao seu destino em tempo hábil e condições adequadas.
Responsável pela coordenação da política estadual do sangue, o Hemopa tem três Hemocentros Regionais (Marabá, Castanhal e Santarém); cinco Hemonúcleos (Altamira, Tucuruí, Redenção, Capanema e Abaetetuba) e Agência Transfusionais, formando uma hemorrede com 49 unidades, que corresponde a uma cobertura transfusional de mais de 90%.
Para aumentar o número de coletas, Luciana Maradei citou algumas estratégicas que estão colocadas em prática para dar mais acesso aos antigos e novos doadores, com a descentralização da coleta de sangue que vai fazer campanhas semanais no shopping Castanheira e, futuramente, se transformará um ponto fixo de coleta. Esse mesmo serviço será estendido em espaço predial na cidade de Ananindeua e no Distrito de Icoaraci. Isso tudo com a parceria das prefeituras de Belém e Ananindeua.
Debates – No segundo dia de simpósio, os participantes começam as atividades com a conferência sobre “O papel da Federação Francesa para a Doação Voluntária de Sangue na promoção da doação voluntária de sangue”, por Alain Beauplet, que é conselheiro médico da FFDSB. Logo após, uma mesa redonda vai tratar sobre “Estratégias sociais para mobilização da população na promoção da doação voluntária de sangue”, que terá como moderadores Alain Beauplet e Paloma Abelin Saldanha Marinho, da CGSH/ DAHU/ SAS.
Em seguida, haverá exposição das experiências do Centro Francês de Strasbourg, França, por Frederic Bigey, da EFS; do Hemocentro de Pernambuco (Hemope), por Elizabeth Cristina Vilar; do hemocentro da UNICAMP, por Roberta Aparecida dos Santos.
Posteriormente, serão debatidos os seguintes temas: “O uso das mídias sociais na mobilização da população para a promoção da doação voluntária de sangue”, por Kathlen Rabelo Amado de Oliveira, da ASCOM do Ministério da Saúde. Conferência sobre “A  experiência francesa na gestão de estoque de hemocomponentes e sua relação com as estratégias de captação de doadores”, por René Tardivel, da EFS.
A partir das 15h, o simpósio vai tratar sobre “A experiência do Centro Francês de Strasbourg na programaão e organização de coletas externas”, por Frederic Bigey.
ÀS 16h, haverá mesa redonda sobre “qualificação equipe envolvida no ato transfusional” tendo Marcelo Addas como moderador. Logo em seguida, outro tema será debatido: “O projeto de qualificação do ato transfusional”, por Maria de Fátima Alves Fernandes, que é coordenadora do projeto “Qualificação do ato transfusional”, da Vigilância Sanitária do Estado de São Paulo. Depois, os participantes vão conhecer um “A experiência francesa na qualificação da equipe envolvida no ato transfusional”, por René Tardivel, EFS.

O evento será encerrado por Fatima Montoril, François Toujas e Alain Beauplet. O simpósio franco brasileiro é realizado a cada dois anos. Em 2012, o evento foi realizado na cidade do Rio de Janeiro e reuniu 100 profissionais brasileiros e franceses.

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Hemopa recebe grupo de doadores mobilizado por bacharel em Direito

A bacharel de Direito Grace Kelly Pamplona Heriques Fagundes comemorou o aniversário de 42 anos nesta quarta-feira (10) levando um grupo de 30 doadores voluntários ao Hemopa. Os parentes, amigos e companheiros de voluntariado no Hospital Ophir Loyola foram convidados por meio das redes sociais. Segundo o Hemopa, a iniciativa ajuda muitos pacientes de repõe o estoque do hemocentro, que atualmente apresenta significativa queda nos tipos sanguíneos A Positivo, B Positivo e O Negativo.
  

“Só quem precisa ou conhece a realidade de quem está internado num hospital sabe o quanto isso aqui é importante”, disse a voluntária, que vivenciou a rotina do hemocentro na captação de doadores. “Realmente pude constatar o quão difícil é o trabalho do Hemopa na busca por voluntários”, enfatizou Grace.
Um dos amigos de voluntariado no Hospital Ophir Loyola, Gustavo Cavalcante, 36 anos, saiu de Castanhal, no nordeste paraense, para doar sangue. “Conheço a Grace há pouco tempo, mas vejo que ela é uma pessoa especial, e achei a ideia fantástica”, frisou ele, que é doador de repetição desde o início desse ano, do tipo sanguíneo A Negativo – e agora também faz parte do cadastro de doadores de medula óssea.
Acompanhando o marido, Katiane Schwanke Cavalcante, 30 anos, já doou sangue uma vez, do tipo sanguíneo O Positivo. Aos seis meses de gravidez, ela também fez o cadastro de doadores de medula óssea. “Acho a atitude da Grace ótima. Se todos agissem assim, seria bem diferente”, aduziu. Para ela, a doação é fundamental. “Se puder salvar uma vida então, melhor ainda, principalmente para quem vive a realidade de quem precisa”, declarou.
A gerente de Captação de Doadores do Hemopa, Juciara Farias, agradeceu a Grace pela iniciativa. “Gostaria que existissem mil pessoas com a responsabilidade dela para com o próximo. Infelizmente ainda vemos muito poucas pessoas pensando no outro”, constatou, lembrando que o hemocentro está sempre de portas abertas a qualquer manifestação voluntária da sociedade civil organizada em prol da doação de sangue. “É sempre importante contarmos com a parceria de pessoas como a Grace, que não pensam só em si mesmas, mas no bem estar da coletividade”, finalizou.
A mobilização continua na internet, pelo Facebook. Inspirada no famoso “desafio do balde”, Grace lançou o “desafio sangue bom”, em que amigos são desafiados a ir ao Hemopa, gravar vídeos desafiando outros amigos a também doar e postar em suas páginas com a #desafiosanguebom. “Assim criaremos uma corrente solidária, que, espero, nunca quebre”, afirmou.
Pode doar sangue qualquer pessoa com boa saúde, acima de 50 quilos e que tenha entre 16 e 69 anos (menores de 18 anos devem estar acompanhados dos pais ou responsável legal). É necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum – ao contrário, o doador deve estar bem alimentado. Para fazer o cadastro de doadores de medula óssea, basta ser saudável e ter entre 18 e 55 anos. É necessário portar documento de identidade original e com foto.

O Hemopa funciona para coleta de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h. E-mail: captacao@hemopa.pa.gov.br. Alô Hemopa: 0800-2808118. O calendário das próximas campanhas está disponível no site www.hemopa.pa.gov.br.

Hemopa promove campanhas de doação de sangue em Santarém e Bragança

O Hemocentro Regional de Santarém prossegue até esta sexta-feira (12) a campanha de estímulo à doação de sangue, aproveitando a festividade do Çairé 2014. Durante o evento, milhares de pessoas chegam à cidade para participar da festa, o que aumenta as ocorrências e a necessidade de sangue na rede hospitalar. A campanha visa reforçar o estoque da unidade do Hemopa em Santarém, que atende os demais municípios do oeste paraense.
A unidade, coordenada pelo médico Valdir Mesquita,  desenvolve várias frentes de trabalho para incentivar a doação de sangue, entre antigos e novos doadores, como as campanhas externas em várias localidades da região. Também são desenvolvidos programas de incentivo à doação entre jovens, mulheres e estudantes. Instituições interessadas em firmar parceria para elevar o número de coletas podem entrar em contato com o serviço de captação de doadores.
Estoque - A Fundação Hemopa também realizará nesta sexta-feira, das 8 às 17 h, com apoio da Secretaria Municipal de Saúde, mais uma campanha externa de doação de sangue, em parceria com a Agência Transfusional (AT), no município de Bragança, no nordeste paraense. A campanha, que visa reforçar o estoque de sangue do hemocentro, tem como meta 300 coletas de sangue.
A Agência Transfusional, coordenada pela médica Suellen Rocha, atende uma média mensal de 130 transfusões, demanda de pacientes internados no Hospital Santo Antônio Maria Zacarias, Hospital Geral Municipal (que tem uma Unidade de Cuidados Intermediários neonatal), e no Hospital Municipal. Também são atendidas demandas dos municípios de Traquateua, Viseu e Augusto Corrêa.
Segundo a gerente de Captação de Doadores do Hemopa, Juciara Farias, a expectativa é superar a meta de doações. “As comunidades de Bragança e localidades vizinhas sempre atendem ao nosso apelo”, disse ela.
Quem pode doar sangue: Pessoas com boa saúde; idade entre 16 anos completos e 67 anos. Peso acima de 50 kg. É necessário portar documento de identidade original e com foto. O doador precisa estar bem alimentado. O homem pode doar a cada dois meses, e a mulher a cada três meses.
O cadastro de doação de medula óssea pode ser feito por homem ou mulher saudável, na faixa etária de 18 a 55 anos. É necessário portar documento de identidade original e com foto.

Serviço: A sede da Fundação Hemopa fica na Travessa Padre Eutíquio, 2109. Mais informações podem ser obtidas pelo número 08002808118.