segunda-feira, 2 de março de 2015

Hemopa promove campanha em homenagem ao Dia da Mulher

Hemopa prepara programação especial para as doadoras
Nos dias 6 e 7 de março, a Fundação Hemopa vai comemorar o Dia Internacional da Mulher com realização de campanha de incentivo à doação voluntária de sangue, para elevar o número de coletas femininas no estado do Pará, que atualmente representa 32% do total de doações efetivadas, em 2014.  “Mulher, quando você doa sangue, a vida se multiplica”. É o tema da mobilização que tem a meta 300 doações.

Segundo a gerente de Captação de Doadores do Hemopa, a assistente social Juciara Farias, serão dois dias de homenagem para agradecer todas as mulheres que salvam vidas, anonimamente. “As mulheres têm as mesmas condições físicas de doar sangue que os homens”, observou, informando, que devido ao ciclo menstrual, as mulheres podem repetir a doação com intervalo de três meses e os homens a cada dois meses.

Ela explica ainda que alguns fatores impedem temporariamente a doação de mulheres, entre eles: a amamentação, a menos que o parto tenha ocorrido há mais de um ano. “Mulheres grávidas não podem doar sangue”, alertou Juciara Farias, orientando, que o período menstrual não inabilita de imediato. A candidata deve passar pela Triagem Clínica, pois somente o profissional poderá avaliar suas condições físicas para  efetivar ou não a doação de sangue, sempre vislumbrando a preservação da saúde do doador e do receptor.

A campanha será realizada na hemorrede estadual: em Belém, na sede do hemocentro e na Estação de Coleta Hemopa-Castanheira; Santarém, Castanhal, Marabá, Abaetetuba, Altamira, Tucuruí, Capanema e Redenção.

No Hemocentro Coordenador, na capital paraense, a mobilização para incentivar o ato solidário no segmento feminino contará com a parceria de instituições públicas e privadas. Mas, este ano, a campanha na sede do Hemopa, estimulará também a doação de cabelos para vítimas de acidentes de motor. O material coletado, será encaminhado para confecção de perucas no abrigo “Acolher”, da Fundação Santa Casa, que é referência para o atendimento de pessoas vitimas desses tipos de acidentes.  A doação de cabelo envolverá os públicos interno e externo do hemocentro.

A programação alusiva ao Dia Internacional da Mulher, contará com sorteio de brindes, caricaturas e mudas de plantas disponibilizados por parcerias. As doadoras ainda poderão contar com oferta de serviços variados de beleza: massagem, maquiagem, chapinha, escova e sombrancelhas.

Quem pode doar sangue: candidatos com boa saúde; idade entre 16 anos completos e 69 anos. Menor de 18 anos somente com autorização dos pais ou responsáveis. Peso acima de 50 kg. Necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses.

Serviço: A Fundação Hemopa fica na Travessa Padre Eutíquio, 2109, e realiza coleta de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18 h, e aos sábados, das 7h30 às 17 h.

Estação de Coleta Hemopa-Castanheira, fica no térreo da passarela Pórtico Metrópole, que dá acesso ao Castanheira Shopping, funciona de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18 h, e aos sábados, das 7h30 às 17 h. . Mais informações pelo fone 0800 280-8118.


Universitários da UFRA iniciam Trote Solidário em Capanema

Iniciou nesta segunda-feira (2) o Trote Solidário, em parceria com a Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), no Hemonúcleo de Capanema (Henca), no nordeste do Estado. A campanha se estenderá até o dia 6 e tem a meta de 100 doações voluntárias de sangue. Em Belém, o Trote Solidário está agendado para o dia 3, às 15h, com a participação de técnicos da Gerência de Captação de Doadores do Hemopa, durante recepção de aula inaugural, com os vestibulandos da Universidade Federal do Pará (UFPA).

O objetivo da campanha é reforçar o estoque estratégico de sangue da hemorrede e promover a substituição dos trotes violentos durante a recepção dos calouros nas universidades pelo voluntariado da doação de sangue. A campanha universitária ocorrerá em todas as oito unidades do hemocentro no interior paraense.

Ávila Amaral foi o primeiro doador da campanha
‘’Ser doador de sangue é ser cidadão, pois todos nós somos responsáveis pela manutenção do estoque de sangue na Região. Espero que todos os meus colegas participem também do trote e que a doação de sangue se torne um hábito.", afirmou , Ávila Júnior de Sousa Amaral, 28, calouro do curso de administração da UFRA, servidor da Secretaria de Saúde do Estado (SESPA) e primeiro participante da campanha deste ano.

Neuma Andrea Matos Silva da Silva, 19, universitária do 5° semestre de administração e uma das organizadoras do Trote Solidário, diz que a campanha procura agregar calouros e veteranos em torno de causas solidárias. ‘’Ano passado, doamos material escolar para escolas públicas e este ano já doamos artigos de higiene para abrigo Santo Antônio. Quem não pode doar sangue, pode ajudar de outras formas’’.

Segundo a responsável pelo serviço de captação de doadores do Henca, Luiza Helena Progênio, a campanha contará como apoio do 4º Centro Regional de Saúde da Secretaria de Estado de Saúde (Sespa), que disponibilizará material impresso educativo e preservativos que serão distribuídos aos voluntários do Trote Solidário.

Além das doações de sangue, as alunas que participam do Trote Solidário serão estimuladas ao engajamento na campanha de doação de cabelos para a Organização das Vítimas de Acidente de Motor (Orvam), que atua na promoção e apoio a essas vítimas.

“Essa ação deve servir de exemplo para outros estabelecimentos de ensino. Estamos abertos para novas parcerias”, destacou Luiza Helena. 

Para a gerente de Captação de Doadores da Fundação Hemopa, a assistente social Juciara Farias, o engajamento na campanha do Trote Solidário é muito importante para a formação de um novo voluntariado acadêmico, que pode incluir a ação no calendário de ações do estabelecimento, através dos seus respectivos centros acadêmicos. “Eles podem, inclusive, envolver a comunidade ao redor da instituição a participar dessas ações de responsabilidade social com a promoção da doação de sangue”, sugeriu.
A Fundação Hemopa possui unidades de coleta e transfusão de sangue em Castanhal, Santarém, Marabá, Capanema, Redenção, Altamira, Abaetetuba e Tucuruí. Os doadores ainda dispõem da Estação de Coleta do Hemopa Castanheira.

Quem pode doar sangue:
Candidatos com boa saúde; idade entre 16 anos completos e 69 anos; peso acima de 50 kg. Necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum.

Serviço:
A Fundação Hemopa fica na Travessa Padre Eutíquio, 2109, e realiza coleta de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h.

Estação de Coleta Hemopa - Castanheira, fica no térreo da passarela Pórtico Metrópole, que dá acesso ao Castanheira Shopping, funciona de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h. Mais informações pelo fone 0800 280-8118.


sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Alunos do Cesupa visitam a Fundação Hemopa para conhecer o modelo de gestão do hemocentro

Ligia Garcia explica como funciona o modelo de gestão do Hemopa
Os alunos dos cursos de Administração e Ciências Contábeis fizeram uma visita técnica ao Centro de Hematologia e Hemoterapia do Estado do Pará (Fundação Hemopa), na manhã desta sexta-feira, 27. No auditório do hemocentro, os universitários assistiram palestras sobre o modelo de gestão do Hemopa.


Foram apresentados aos alunos o Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ), a Política de Gestão de Pessoas e a Gestão de Atendimento ao Cidadão pela Ouvidoria, processos que colaboraram para A acreditação nacional e internacional concedida pela Assossiação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular (ABHH) e a American Association of Blood Banks (AABB)  recebida pelo hemocentro em novembro de 2014. Após as palestras, os estudantes participaram do ‘’hemotour’’, atividade que apresenta as rotinas de cada setor do hemocentro.

‘’Disseminar o modelo de gestão que seguimos para universitários é fundamental porque eles passam a ter a ciência da excelência administrativa em empresas públicas ou privadas. Ao passarmos esta cultura, incentivamos a manutenção da qualidade pelos futuros gestores’’, explica Ligia Garcia, titular do Núcleo de Qualidade do Hemopa.

Para o professor e coordenador do curso de Ciências Contábeis, Valter Barbosa Guimarães Júnior, a visita ao hemocentro faz parte do plano de ensino do CESUPA, que visa apresentar aos alunos de maneira prática a teoria apresentada em sala de aula, gerando debates que enriqueçam o conteúdo discutido e aprendido. ‘’As experiências que os alunos têm no Hemopa são diferenciadas porque eles entram em contato com a gestão de excelência no setor público. Perceber os resultados alcançados pelo serviço de qualidade e do respeito ao servidor e à população marcam o órgão como referência de competência’’, afirma o professor.

A universitária Jéssica Girard reconheceu a gestão eficiente
A estudante de ciências contábeis Jéssica Bentes Girard, 20, comenta que a gestão do hemocentro paraense é exemplar para o serviço público. ‘’Percebemos que o Hemopa planeja e controla seus procedimentos e recursos de maneira estratégica. É um órgão público que lembra as gestões de grandes empresas privadas, o que para a sociedade é excelente porque podem usufruir da eficiência que o hemocentro proporciona em relação aos serviços que oferece’’.

Quem pode doar sangue: candidatos com boa saúde; idade entre 16 anos completos e 69 anos. Peso acima de 50 kg. Necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum.

Serviço: A Fundação Hemopa fica na Travessa Padre Eutíquio, 2109 e no térreo da passarela Pórtico Metrópole, BR 316. Realiza coleta de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h.

Mais informações pelo fone 0800 - 280 - 8118.


terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Calouros doarão sangue com o Trote Solidário na hemorrede estadual

Com o início do ano letivo nos estabelecimentos de ensino superior públicos e federais, a Fundação Hemopa começa o agendamento do Trote Solidário, que estimula a substituição dos antigos trotes violentos, durante a recepção dos calouros no ensino superior, com o estimulo ao voluntariado da doação de sangue. A ação também tem outro importante objetivo ao reforçar estoque estratégico da hemorrede estadual, tendo em vista que a atividade será realizada em todas as oito unidades do Hemopa no interior paraense.

Na próxima segunda-feira, 2, será realizado a campanha do Trote Solidário em parceria com a Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), no Hemonúcleo de Capanema (Henca), no nordeste do Estado, que se estenderá até o dia 06. A meta será de 100 doações voluntárias de sangue. Em Belém, o Trote Solidário está agendado para o dia três, às 15h, com a participação de técnicos da Gerência de Captação de Doadores do Hemopa, durante recepção de aula inaugural, com os vestibulandos da Universidade Federal do Pará (Ufpa).

Segundo a responsável pelo serviço de captação de doadores do Henca, Luiza Helena Progênio, a campanha contará como apoio do 4º Centro Regional de Saúde da Secretaria de Estado de Saúde (Sespa) que disponibilizará material impresso educativo e preservativos que serão distribuídos  aos voluntários do Trote Solidário.

“Além da doação de sangue, os calouros doarão alimentos e roupas para o Abrigo de Idosos de Capanema”, comentou, informando que as alunas serão estimuladas ao engajamento na campanha de doação de cabelos para a Organização das Vítimas de Acidente de Motor (Orvam), que atua na promoção e apoio a essas vítimas. 

Luiza Helena agradece e parabeniza pela atitude de responsabilidade social da Ufra e seus calouros pela realização da campanha que salvará muitas vidas. “Essa ação deve servir de exemplo para outros estabelecimentos de ensino. Estamos abertos para novas parcerias”, destacou.

Para a gerente de Captação de Doadores da Fundação Hemopa, a assistente social Juciara Farias o engajamento à campanha do Trote Solidário é muito importante para a formação de um novo voluntariado acadêmico que pode incluir a ação no calendário de ações do estabelecimento, através dos seus respectivos centros acadêmicos. “Eles podem, inclusive, envolver a comunidade ao redor da instituição a participar dessas ações de responsabilidade social com a promoção da doação de sangue”, sugeriu.

A Fundação Hemopa possui unidades de coleta e transfusão de sangue em Castanhal, Santarém, Marabá, Capanema, Redenção, Altamira, Abaetetuba e Tucuruí. Os doadores ainda dispõe da Estação de Coleta Hemopa Castanheira.

Quem pode doar sangue: candidatos com boa saúde; idade entre 16 anos completos e 69 anos. Peso acima de 50 kg. Necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum.

Serviço: A Fundação Hemopa fica na Travessa Padre Eutíquio, 2109, e realiza coleta de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18 h, e aos sábados, das 7h30 às 17 h.


Estação de Coleta Hemopa-Castanheira, fica no térreo da passarela Pórtico Metrópole, que dá acesso ao Castanheira Shopping, funciona de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18 h, e aos sábados, das 7h30 às 17 h. . Mais informações pelo fone 0800 280-8118.




segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Expandir e fortalecer a hemorrede são prioridades da nova gestão

O auditório da Fundação Centro de Hemoterapia e Hematologia (Hemopa) ficou lotado na manhã desta sexta-feira, 20, por servidores e representantes de instituições parceiras, durante transmissão de cargo de presidente pela dra Luciana Maradei, que dirigiu a instituição no período de 2011 a 2014, para Ana Suely Leite Saraiva, que vai conduzir o hemocentro até 2019. Na ocasião, a nova gestão recebeu a certificação de Acreditação concedido pela Associação Brasileira de Hemoterapia e Hematologia (ABHH) e pela Associação Americana de Banco de Sangue (AABB).
O evento contou a presença da secretária de Estado de Saúde, Heloisa Guimarães e do ex-secretário de Estado de saúde, dr. Hélio Franco. Ao transmitir o cargo de presidente à Ana Suely Saraiva, Luciana Maradei, agradeceu o apoio dos servidores da hemorrede e do governo do Estado, nos quatros anos de convivência e com trabalho árduo. Ao entregar o Relatório de Gestão à nova presidente do Hemopa, a médica pontuou as ações mais relevantes de sua gestão.
“Após 33 anos de serviços públicos prestados, me despeço de todos com a sensação de dever cumprido”, ressaltou, estendendo seus agradecimentos aos seus diretores, assessores, gerentes, nominando cada um deles. Das ações implantadas, Luciana Maradei destacou a Estação de Coleta Hemopa Castanheira, como o marco da descentralização da doação de sangue no Pará. Outros dois projetos deixados devem expandir o serviço para o Distrito de Icoaraci e Cidade Nova V, em Ananindeua.
A médica citou também o programa de aula virtual promovendo o ensino à distância, focando na educação em saúde, em todas as unidades do Hemopa no interior do Estado: Castanhal, Marabá, Santarém, Abaetetuba, Altamira, Redenção e Tucuruí. A finalização de quatro convênios para captação de recursos para a modernização dos serviços e maior qualidade dos serviços e da sustentabilidade, também foi mencionado pela médica
Luciana Maradei finalizou citando a mais recente Acreditação concedida pela ABHH e AABB, reconhecendo a excelência de gestão praticada no hemocentro paraense, conduzindo-o ao topo dos melhores serviços de hemoterapia e hematologia do Brasil e do mundo para o biênio de 2015/2016.
Com a palavra, a atual presidente do hemocentro, Ana Suely Saraiva agradeceu ao governador Simão Jatene pela oportunidade de conduzir o hemocentro, e mais uma vez, dar sua contribuição de forma gerencial ao hemocentro onde atua, indiretamente, desde sua implantação, em 1978, acompanhando o seu marido, fundador e ex presidente do Hemopa, dr. João Carlos Pina Saraiva. “Então, posso dizer que a Fundação Hemopa está literalmente no meu sangue”, comentou, a servidora de carreira, que faz parte do corpo funcional há quase 30 anos.
Ana Suely Saraiva falou da sua responsabilidade enquanto nova gestora de uma instituição com elevado grau de visibilidade e reconhecimento nacional e internacional que o Hemopa alcançou nesses 35 anos, pelos serviços de qualidade prestados com seriedade à população. “Sou pelo diálogo e pelo trabalho em equipe. Daremos continuidade ao trabalho exitoso que a Dra. Luciana e seus diretores e demais servidores desenvolveram nos últimos quatro anos, fruto de muito comprometimento e amor ao cumprimento da nossa missão”.
De acordo com ela, a busca pela excelência continua porque faz parte da cultura organizacional da instituição. “Essa busca resulta em muitos desafios a enfrentar, visando uma hemorrede sustentável”, ressaltou, citando os dois grandes desafios que já se impõe: a manutenção da certificação da ABHH/AABB, a cada dois anos; e o fortalecimento da integração da hemorrede.
Logo após, o dr. Hélio Franco parabenizou pela gestão de Luciana Maradei, ressaltando o compromisso, a competência, a cooperação, a criatividade e o comprometimento de sua gestão à frente do hemocentro nesse quatro anos. “O Hemopa é um exemplo de excelência de gestão pública no Pará, no Brasil e no mundo. Todos estão de parabéns”.
Heloisa Guimarães agradeceu à Luciana Maradei e parabenizou sua sucessora pelo novo desafio de conduzir uma importante instituição como o Hemopa. “Nosso desafio está em regionalizar e fortalecer as unidades da hemorrede para que o usuário seja atendido e tratado na sua própria localidade ou região, através da oferta de serviços de confiança e de qualidade também em nosso interior paraense”, ressaltou.
Ela parabenizou pela proposta e implantação de descentralização da doação voluntária de sangue. Ela concordou que novas unidades devem ser implantadas em Icoaraci e Ananindeua. Heloisa Guimarães ressaltou ainda que apesar de alguns desafios econômicos que o País enfrenta, o Pará foi um dos oito Estados do Brasil que fecharam 2014 com suas contas  em dia. A médica também ressaltou que o governo, em sua nova gestão, dará prioridade ao Plano de Cargos/carreira e salários do servidor público.
Ao concluir sua fala, a secretária acentuou a necessidade imperativa de investimentos para educação em saúde. “A excelência de gestão aqui dentro é evidente, mas temos que levá-la para o nosso interior”, finalizou agradecendo a equipe de profissionais da hemorrede estadual pelo excelente trabalho na prestação de serviços de qualidade e segurança aos milhares de usuários.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Transmissão de cargo no Hemopa

Discurso de posse na íntegra, feito na transmissão de cargo de presidente, nesta sexta-feira (20)

“Ao ser convidada pelo Excelentíssimo Senhor Governador Simão Jatene, a quem reitero meus agradecimentos, para responder pela Presidência do Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará, já nominado como Fundação Hemopa, foi-me concedida à oportunidade de mais uma vez colaborar em uma função gerencial.
Saúdo, de forma reconhecida, quantos comigo trabalharam e que, por razões várias, deixam de compartilhar a jornada que prossegue.
Jornada em que eu estou desde a sua concepção em 1978, quando o então Secretário de Saúde, dr. Manuel Ayres, durante o governo do dr. Aloysio Chaves, convidou o dr. João Carlos Saraiva para concretizá-la. Assim, é que posso lhes dizer que a Fundação Hemopa está literalmente no meu sangue. 
Fomos o segundo hemocentro no Brasil, e logo percebemos que a estratégia para vencermos nossas adversidades (principalmente as adversidades impostas pela geografia) era criando uma Rede de Serviços – nascia o Hemocentro Regional de Castanhal (que, no Brasil, nascia com uma singularidade: ser o primeiro hemocentro localizado fora de uma capital. O pioneirismo foi, pois, a nossa marca. Em seguida, implantamos Santarém, Marabá, Tucuruí, Altamira, Redenção, Capanema, e Abaetetuba. Não, não quero colocar depois do Núcleo de Hemoterapia de Abaetetuba um ponto final; prefiro colocar reticências, a sugerir que a complexidade da nossa Hemorrede esteja em constante realinhamento estratégico com a implantação e desenvolvimento de novos serviços de média e alta complexidade na área da saúde no nosso Estado.
Tenho a consciência da enorme responsabilidade que me foi delegada, visto o grau de visibilidade e reconhecimento nacional e internacional que a Fundação Hemopa alcançou nos seus 35 anos pelos serviços de qualidade prestados com muita seriedade à população.
Sou pelo diálogo e pelo trabalho de equipe. Juntos, daremos continuidade ao trabalho exitoso que a dra. Luciana e seus Diretores de áreas em conjunto com todos os servidores, desenvolveram nos últimos quatro anos, fruto de muito comprometimento e amor ao cumprimento da nossa missão.
A impaciência pela busca da excelência continua, pois faz parte da nossa cultura organizacional. Essa busca resulta em muitos desafios a enfrentar visando uma hemorrede sustentável. Dentre esses desafios, dois grandes já se impõem: a manutenção da Certificação da ABHH/AABB a cada dois anos e o fortalecimento da integração da hemorrede estadual.
Eu lhes pergunto: - Será fácil?
Eu lhes respondo: Prefiro não lhes fazer essa pergunta; e sim, indagar: - Será possível?
Esta sim, eu posso lhes responder: Sim, será possível!
Sei que a gestão exige uma atitude permanente de estratégias, de construção, e por que não dizer de união, de uma maior integração por meio de parcerias interinstitucionais. E como construtores que somos do presente e do futuro desta fundação, muitas proposições faremos à Secretaria de Saúde e ao Governador Simão Jatene. E, desde agora, agradeço ao acolhimento que for dado a essas solicitações.
Afinal, durante os últimos 20 anos agregamos ferramentas de gestão que associadas ao nosso comprometimento de fazermos cada vez mais e melhor com os recursos possíveis e disponíveis, atingiremos nossas metas, ou seja, o objetivo de todos e de cada um, que na Fundação Hemopa labuta.
E parafraseando o escritor português José Saramago, que foi agraciado em 1998, com o Prêmio Nobel de Literatura, digo: “Não tenhamos pressa, mas não percamos tempo”.
Agradeço a toda a minha família aqui presente, como também, não poderia me furtar de lembrar e agradecer ao meu pai e ao meu irmão Marco Antônio, que da eternidade plena de luz, estão vibrando por mais esta conquista.
Que Deus me abençoe sempre e conceda sabedoria para conduzir com humildade a Política do Sangue no Estado do Pará em prol da nossa população”.

Ana Suely Leite Saraiva

Presidente da Fundação Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará (Hemopa)

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Excelência em gestão reconduz Hemopa ao comando do GesPúblicaFundação Hemopa

Fundação Hemopa
A reconhecida excelência de gestão da Fundação Hemopa reconduziu a instituição à ancoragem do Núcleo Estadual do GesPública, programa nacional vinculado ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão que tem como usuários diretos os órgãos que integram a administração pública do país. Atualmente, o programa possui 15 órgãos adesos no Pará, onde o GesPública iniciou sua atuação em 2003.
A solenidade que marca a recondução do Hemopa ao comando do Gespública no Estado será no dia 11 de março, com vigência de cinco anos e participação de representante do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Na ocasião será apresentada a nova agenda de trabalho.
O GesPública tem a finalidade de contribuir para a melhoria da qualidade dos serviços públicos prestados aos cidadãos e para o aumento da competitividade do País, buscando assegurar a eficácia e efetividade da ação governamental, promover a gestão democrática, participativa, transparente e ética e eliminar o déficit institucional.
Ana Suely Saraiva, Presidente do Hemopa
A presidente da Fundação Hemopa, Ana Suely Leite Saraiva, explica que o processo de ancoragem nos Estados se dá pela escolha de uma organização com comprovada referência na adoção do Modelo de Excelência em Gestão Pública. “Isso significa boas práticas de gestão, reconhecidas pela sociedade e com ciclos de reconhecimento por Prêmios da Qualidade e Certificações por Normas do Sistema de Gestão da Qualidade, como acontece com o Hemopa”, explica.
De acordo com a titular do Núcleo de Qualidade do Hemopa, a socióloga Ligia Garcia, desde que aderiu ao programa o hemocentro paraense participou de todos os ciclos de avaliação da gestão, tendo obtido vários reconhecimentos na área, disseminando o modelo de gestão na Região Norte e em outros Estados da Federação.
O GesPública iniciou sua atuação no Pará em 2003, tendo pela primeira vez como organização âncora, o Tribunal Regional do Trabalho da 8ª. Região (2003–2007), seguido pela Fundação Hemopa (2007–2009) e, por último, a Superintendência de Administração do Ministério da Fazenda – SAMF/PA (de 2009 até o momento).