quarta-feira, 4 de maio de 2016

Parceiros de braços dados com o Hemopa em prol da doação de sangue



Neste sábado, 30, o Hemopa recebeu voluntários da Cruz Vermelha do Pará que participaram da campanha de incentivo a doação de sangue, que contou com 164  doações efetivadas.
A ação fez parte de uma programação voltada para os 35 anos da Cruz Vermelha e em comemoração aos 32 anos de braços dados com o Hemopa. A ação contou com orientações e cadastro para novos voluntários, simulação de acidentes, socorro através da atividade de rappel, entre outras tipos de resgates.  Hoje, a Cruz Vermelha é composta por 6.500 voluntários entre técnicos de enfermagem, médicos, engenheiros civis, bombeiros, dispostos a ajudar em casos de situações de emergência.
Na Cruz Vermelha há 17 anos, a Técnica de Enfermagem e socorrista Ana Claudia do Socorro, aproveitou a oportunidade e fez a sua primeira doação de sangue. “É uma boa ação, e faço parte da Cruz Vermelha e nossa missão é salvar vidas”, disse.
Segundo a presidente da Cruz Vermelha, Jane Hassegawa, essa parceria já está ao longo de mais de trinta anos. ”Hoje os agentes estão aqui trabalhando juntos, que o objetivo é o mesmo, é um trabalho humanitário, trabalho de combate de salvar vidas, ajudar, trabalho preventivo. Essa parceria é maravilha e que continue por muito tempo”, completou.
Sensibilizada com a mobilização para captar doadores, Cleudilene Louzado, mãe de um casal de crianças com câncer, que também faz parte do Movimento em Prol das Crianças com Câncer de Tomé-Açu, se mantém firme nessa batalha em busca de doadores e convidou amigos e familiares para participarem da ação. “O que as pessoas não tem consciência  da importância da doação, mas pra gente é o que mantém eles vivos, pois se não tiver sangue não tem como fazer o tratamento. O ato de doar pode trazer vida, fazer uma criança feliz, e o nosso desespero é grande quando não tem sangue. Vi várias vezes minha filha quase morrer em meus braços por falta de sangue. Fico muito comovida quando vejo as pessoas se mobilizando e vindo doar”. Completou.
Para a assistente social do Hemopa, Nilvete Nunes, essa mobilização é de grande importância para o Hemopa e toda a rede hospitalar do nosso Estado. “ O nosso obrigado por todos aqueles puderam vir e que efetivaram sua doação. Aos nossos parceiros que sempre estão atentos ao nosso chamado”, ressaltou sobre a responsabilidade social e a vontade de contribuir, como é o caso do movimento Sangue Corinthiano, que se fez presente durante toda a manhã e que além de doar também fazem o trabalho de captadores.
Critérios da doação: Podem doar sangue pessoas com boa saúde, que tenham entre 16 e 69 anos e pesem acima de 50 quilos. Menores de 18 anos podem doar somente com autorização dos pais ou responsável legal. É necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher, a cada três meses. Para fazer o cadastro de doadores de medula óssea, o candidato deve estar bem de saúde, ter entre 18 e 55 anos e portar documento de identidade original e com foto.
Serviço: A Fundação Hemopa fica na Travessa Padre Eutíquio, 2.109, em Batista Campos, e a Estação de Coleta Hemopa-Castanheira, no térreo do Pórtico Metrópole (BR-316, km 1). As coletas são feitas de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h. Alô Hemopa: 0800-2808118.



quinta-feira, 28 de abril de 2016

Tema da doação de sangue ganha espaço na rede de ensino municipal de Belém




A Fundação Hemopa recebeu quarta feira,27, cerca de 50 professores da educação  de Ensino Fundamental e Médio da rede municipal, que participaram de uma oficina “Doadores do Futuro- Mobilizando e motivando multiplicadores para o ato de doar sangue”, que faz parte de um dos projetos de Captação de Doadores da Fundação.
De acordo com a professora e coordenadora do Núcleo de Pesquisa e Projeto do ensino fundamental, Manuela Porto, essa proposta inicial com o Hemopa é de grande importância para que possam desenvolver e repassar essas informações com palestras, material didático, e promover um “Hemotur” (visita nas instalações) com os alunos, para que possam acompanhar e interagir no processo da doação de sangue. “Queremos iniciar esse trabalho de conscientização através desses materiais, além de construir programas on line para que os alunos possam ter esse acesso nos laboratórios de informática das escolas, juntamente com os profissionais voltados para essa área, e levando adiante a ideia que o ato de doar sangue é humanitário e voluntário“, concluiu.
Durante toda a manhã, os profissionais assistiram palestras sobre doação de sangue e cadastro de medula óssea, palestra sobre “Motivação”. O ponto alto da atividade contou com a apresentação da Turma da Mônica que entregou de gibis produzidos pelo escritor Maurício de Sousa com o tema “Turma da Mônica e a doação de sangue”. Ao final, cada grupo apresentou suas propostas que serão colocadas em prática nas escolas.
“Achei a oficina muito proveitosa, a importância de conscientizarmos nosso alunado de ser doador, pois é algo necessário para toda a sociedade”. Afirmou a professora da Escola Municipal Ernestina Rodrigues, Sirley Campos Viana que firmou a parceria com a Fundação Hemopa nessa divulgação para toda a comunidade e para os alunos, pais, e funcionários, promovendo essa sensibilização e aderindo ao projeto do doador do futuro.
Segundo a presidente da Fundação Hemopa, Dra Ana Suely Saraiva,  essa parceria vem sendo buscada no decorrer de todos esses anos para conseguir que o cidadão traga pra si a responsabilidade da doação de sangue, esse ato individual de impactar no ato coletivo de salvar vidas se realmente cada um se sensibilizar para esse papel quanto cidadão.”Fico muito feliz de vocês terem proposto esse trabalho e de estarem  aqui conosco, para fazer com que essa parceria seja estreitada.É um trabalho muito importante para nós quanto Fundação Hemopa, poder encontrar em vocês esses parceiros que fazem a diferença e nosso trabalho tem muito mote de salvar vidas, mas sabemos que ele é construído através da educação, através da educação do cidadão, através de cada um de nós, ninguém melhor q vocês para estarem trazendo para nós, qual  a melhor forma  de se fazer na prática”, concluiu.
Critérios da doação: Podem doar sangue pessoas com boa saúde, que tenham entre 16 e 69 anos e pesem acima de 50 quilos. Menores de 18 anos podem doar somente com autorização dos pais ou responsável legal. É necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher, a cada três meses. Para fazer o cadastro de doadores de medula óssea, o candidato deve estar bem de saúde, ter entre 18 e 55 anos e portar documento de identidade original e com foto.
Serviço: A Fundação Hemopa fica na Travessa Padre Eutíquio, 2.109, em Batista Campos, e a Estação de Coleta Hemopa-Castanheira, no térreo do Pórtico Metrópole (BR-316, km 1). As coletas são feitas de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h. Alô Hemopa: 0800-2808118.

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Professores participam de projeto Doador do Futuro no Hemopa

Nesta quarta-feira (27), cerca de 100 profissionais da rede municipal de ensino fundamental e médio participarão de Oficina de Educação em Saúde, na sede da Fundação Hemopa, em Belém, para futuramente atuarem como agentes multiplicadores para incentivo à doação voluntária de sangue junto aos estudantes. A ação faz parte do Projeto Doador do Futuro, do Programa Estadual de Captação de Doadores do Hemopa.
Com o tema “Mobilizando e motivando multiplicadores para o ato de doar sangue”, a oficina deverá contar com a participação de dois professores de cada estabelecimento de ensino. A ação conta com a parceria da Secretaria Municipal de Educação (Semed), em parceria com Hemopa, através da Gerência de Captação de Doadores (Gecad).
De acordo com a titular da Gecad, a assistente social Juciara Farias, o projeto Doador do Futuro visa socializar e sedimentar conhecimentos em parceria com escolas públicas e privadas, através de atividades sócio-educativas que promovem a saúde e o exercício da cidadania com o incentivo ao ato de doar sangue.
A oficina formará agentes multiplicadores e facilitadores de informações, inclusive, sobre medula óssea na comunidade escolar com apresentação da cartilha “A turma da Mônica & a doação de sangue”, que é importante ferramenta para orientação do trabalho a ser desenvolvido pelo corpo docente das escolas junto aos alunos, contribuindo decisivamente para o aumento no número de coletas de sangue no Pará.
Para Angela Pantoja, mestra na Educação de Ciências e professora na Rede Municipal de Ensino de Belém, o Projeto Doador do Futuro se faz necessário no espaço escolar, já que as ações educativas contribuirão para sensibilização ao processo de doar sangue, na prevenção e cuidados com a saúde.
O trabalho contínuo do Projeto Doador do Futuro já rende frutos com elevado percentual de doações do segmento jovem no Estado que em 2015, foi de 41% na faixa etária de 18 a 29 anos. Também ano passado, o Hemopa conseguiu atuar em 51 escolas, sendo que 42 da esfera pública.
“O trabalho gerado em 2015, rendeu 1.107 doações voluntárias de sangue que ajudaram a salvar cerca de 1.430 pacientes”, informou Juciara Farias, agradecendo as parcerias e reforçando a necessidade de composição de outras para potencializar o número de coletas.
Programação
8h30 – Abertura do evento com a palestra da presidente da Fundação Hemopa, Ana Suely Leite Saraiva
9h - Palestra “O papel da Escola na Formação do Cidadão: A contribuição do Projeto Doador do Futuro”, com a assistente social Rosely Neves
9h40 - apresentação de material didático com Juciara Farias, seguida de relato de experiências bem sucedidas com instituições parceiras, como a Escola Oneide Tavares. As ações terão continuidade com palestra motivacional com a psicóloga Graça Megume, da Assessoria de Gestão de Pessoas (Agesp), da Fundação Hemopa
11h - Construção de trabalhos em grupo – “Construindo novas experiências para o Projeto Doador do Futuro nas Escolas a partir da troca de saberes”, seguido de socialização dos trabalhos
Serviço: A Fundação Hemopa fica na travessa Padre Eutíquio, 2.109, em Batista Campos, e a Estação de Coleta Hemopa-Castanheira, no térreo do Pórtico Metrópole (BR-316, km 1). As coletas são feitas de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h. Alô Hemopa: 0800-2808118.

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Dia D estimula doação de sangue



Foto em destaque
Campanha “Doadores Futebol Clube” terá ação promocional dia 29     

A Cultura Rede de Comunicação, em parceria com a Fundação Hemopa, realiza na próxima sexta-feira, dia 29, o Dia D da campanha “Doadores Futebol Clube”, uma ação promocional de estímulo à doação voluntária de sangue, que vai colaborar para elevar o número de coletas e colaborar para restauração do estoque estratégico do hemocentro que vem sofrendo com a significativa queda de 40% de doações, neste primeiro trimestre.
Durante todo o dia, jogadores e torcedores do Remo e do Paysandu estarão convocando o público a ingressar no time de doadores, com sorteio de camisas autografadas e outros brindes, na sede do hemocentro, em Belém. TV e Rádio Cultura farão flashes ao vivo acompanhando a programação contando com a participação da presidência da Fundação Hemopa, Ana Suely Leite Saraiva, que vai falar sobre a importância dessa parceria para a saúde pública do estado, através dos serviços de hemoterapia e hematologia oferecidos pelo Hemopa, que coordena a Política Estadual do Sangue.
Pacientes também darão depoimentos sobre a importância da campanha para sensibilizar antigos e novos doadores, já que a maioria deles precisa de transfusão de sangue para sobreviver.
A campanha “Doadores Futebol Clube” foi lançada em março no decorrer do Parazão, com a participação de diversos atletas dos times que integram o campeonato. “O objetivo é estimular a doação de sangue, uma importante ação de cidadania”, explica Joyce Okamoto, coordenadora de Marketing da Cultura Rede de Comunicação.
Juciara Farias, gerente de Captação de Doadores do Hemopa, acredita que a mobilização é fundamental para disseminar informações entre a população potencialmente doadora, em especial, os torcedores dos times do Remo e Paysandu. “Fomentar esse tema entre as torcidas de futebol é importante para aumentar o número de doadores, seja para manter o nosso estoque estratégico de sangue ou para estimular o voluntariado”, diz ela.   
O Dia D vai reunir, na sede da Fundação Hemopa, ídolos dos dois maiores times do futebol paraense, com sorteio de camisas da promoção autografadas pelos jogadores.
A campanha “Doadores Futebol Clube” segue até dia 8 de maio, quando será disputada a final do Campeonato Paraense, entre Paysandu e São Francisco. Neste dia, haverá sorteio de camisas oficiais do Remo, do Paysandu e do Cametá, autografadas pelos jogadores e que serão entregues durante o programa especial “Meio de Campo”, transmitido ao vivo direto do Mangueirão. O diretor Administrativo e Financeiro do hemocentro, o administrador Jorge Rêgo participará do encerramento enfatizando o grande valor de responsabilidade social da campanha.
De acordo com Juciara Farias, o estoque estratégico do hemocentro está com apenas 60% da capacidade de atendimento provocada pelo intenso período de chuvas na região, quando boa parte da população sofre de viroses e outras doenças comuns no período. “As chuvas dificultam o acesso dos voluntários aos serviços de coleta de sangue, que acaba prejudicando o atendimento transfusional da rede hospitalar do estado. Isso sem contar os casos de doenças do período, pois um dos principais critérios para doar sangue é estar bem de saúde”, comenta.
QUEM PODE DOAR:
Podem doar sangue pessoas com boa saúde, que tenham entre 16 e 69 anos e pesem acima de 50 quilos. Menores de 18 anos podem doar somente com autorização dos pais ou responsável legal. É necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum. O homem pode doar a cada dois meses, e a mulher, a cada três meses. Para fazer o cadastro de doadores de medula óssea, o candidato deve estar bem de saúde, ter entre 18 e 55 anos e portar documento de identidade original e com foto.
Além do Hemocentro Coordenador em Belém, na travessa Padre Eutíquio, a Fundação Hemopa possui a Unidade de Coleta no Castanheira e três Hemocentros Regionais (Marabá, Santarém e Castanhal), com o apoio de cinco Hemonúcleos (Abaetetuba, Altamira, Tucuruí, Redenção e Capanema).
Serviço: Dia D da Campanha “Doadores Futebol Clube”. Sexta-feira, dia 29, a partir de 8h, na Fundação Hemopa (Travessa Padre Eutíquio, 2.109, Batista Campos). Para tirar dúvidas sobre a doação de sangue: Alô Hemopa (0800-2808118).

Coral do Hemopa inicia cronograma de atividades para 2016



O coral da Fundação Hemopa foi criado em Junho de 2009, e é uma das ações que fazem parte no Programa de Qualidade de Vida da Fundação, o “VIDA VIVA”, cujo objetivo é a valorização e a integração dos servidores. Cerca de 20 funcionários das áreas administrativas e técnica participam do coral e reúnem para ensaiar duas vezes por semana. Atualmente está sob a regência de Danihellen Prince Dias Siqueira e acompanhamento do pianista Rodolfo José Nascimento Santana.
Segundo a regente, Danihellen Siqueira, 33, formada em Licenciatura Plena em Música pela Universidade do Estado do Pará. Já participou do coral da Secretaria de Estado de Administração em 2009 quando foi monitora, há um ano está à frente do coral do Hemopa. O coro segue um cronograma anual com apresentações internas e externas, para isso é preparado um repertório eclético pensado para curto, médio e longo prazo com canções específicas para cada evento, que incluem composições paraenses para valorizar a cultura do estado, além de explorar as preferências do público.
Na agenda de apresentações em 2015 constam os eventos internos do Hemopa, tais como: Dia das Mães, Dia dos Pais, Círio, Semana do Doador e programação de Natal. Além de participação, pelo 2º ano consecutivo, da XVII Mostra de Corais Santa Cecília realizado pela Arquidiocese de Belém na Catedral Metropolitana. Para 2016 o cronograma já está pronto, nele constam as já tradicionais participações nas campanhas estratégicas do hemocentro e os ensaios semanais que foram retomados este mês.
O técnico em patologia clínica do Hemopa, servidor há mais de dez anos Waldecir Garcia comenta como é a experiência de participar de grandes eventos com o grupo de cantores. “Durante a vivência do coral aprendi muitas coisas, consigo trabalhar a postura corporal e respirar bem para cantar melhor e isso contribuiu para minha prática profissional e na vida pessoal também. Nós nos equiparamos aos melhores corais da capital e realizar apresentação em um recital importante com este é um momento único.”
A biomédica Patricia Jeanne é servidora da instituição e uma das coralistas. Ela fala da importância do coral como meio de socialização entre os colegas e do bem estar que causa igualmente a cada um. “É muito interessante que as pessoas participem dessas oportunidades que a Fundação oferece pois agrega ainda mais para o órgão e para as pessoas que se reúnem, formam grupos. Nós somos uma família, a relação é muito boa e a gente leva a sério e nos esforçamos para realizar um bom trabalho”, relata a biomédica que também participa de outros corais.
Critérios da doação:
Podem doar sangue pessoas com boa saúde, que tenham entre 16 e 69 anos e pesem acima de 50 quilos. Menores de 18 anos podem doar somente com autorização dos pais ou responsável legal. É necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher, a cada três meses. Para fazer o cadastro de doadores de medula óssea, o candidato deve estar bem de saúde, ter entre 18 e 55 anos e portar documento de identidade original e com foto.
Serviço:
A Fundação Hemopa fica na Travessa Padre Eutíquio, 2.109, em Batista Campos, e a Estação de Coleta Hemopa-Castanheira, no térreo do Pórtico Metrópole (BR-316, km 1). As coletas são feitas de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h. Alô Hemopa: 0800-2808118.