segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Hemopa comemora Dia do Voluntariado com apoio de parceiros

                              
Neste sábado, 27, a Fundação Hemopa receberá o reforço de doações de sangue incentivadas por instituições parceiras com o objetivo de elevar o estoque de sangue do hemocentro, mesmo porque a Unidade de Coleta do Pórtico Metrópole estará com o funcionamento interrompido de 25 a 30 deste mês, para manutenção e correção de problemas estruturais, visando a melhoria do atendimento. Nesse período, as atividades de coleta de sangue serão centralizadas na sede do hemocentro, em Batista Campos.
                                   Image description
A mobilização em favor da manutenção do banco de sangue do hemocentro vem sendo desenvolvida desde o dia 24, com ação estratégica da Companhia Independente de Policia Turística do Pará (Ciptur), que encerrou nesta sexta-feira (26), com a participação de 30 voluntários.

Segundo o subcomandante Capitão Cesar Carvalho, a ideia da parceria surgiu como parte das comemorações alusivas aos 20 anos de criação da unidade de policiamento turístico. A ação contou com a participação de familiares e amigos dos militares.

A mobilização para aumentar o número de doações de sangue continua neste sábado com a 19ª Campanha Sangue Corinthiano, que tem como meta levar à sede do hemoentro pelo menos 100 colaboradores, e tambem com a participação de alunos e professores da Faculdade Estácio do Pará (FAP), que pretendem levar mais 20 voluntários.

O sargento Luiz Ferreira, 45, é doador há mais de vinte anos, desde quando ingressou na carreira militar. “Como meu tipo sanguíneo é raro, A Negativo, sempre que me convocam ou quando promovem campanhas eu faço questão de vir. Encaro isso como meu papel social dentro e fora da corporação”, diz.

O militar da Aeronáutica Alberto Pereira, 30, portador de sangue A Positivo, vai ao Hemopa pelo menos três ao ano para fazer a doação voluntária de sangue, rotina que se repete há 12 anos. “É um prazer pra mim doar, é um dos meus passatempos preferidos. Quando venho aqui me sinto bem, pois sei que estou ajudando a salvar vidas com a minha atitude. Além de interagir com outros doadores, tenho a oportunidade de fazer uma avaliação completa e atestar que estou saudável. Enfim, saio satisfeito porque pratico a solidariedade e sou muito bem tratado.”

A servidora pública Célia Santiago, 52, foi à sede do Hemopa com a filha Anilcelia Santiago, 22, estudante. As duas estão com uma parente hospitalizada e doaram sangue pela primeira vez. “Sempre nos agendamos para vir, mas ainda não tinha dado certo. Hoje conseguimos fazer a doação e pretendemos continuar . É nosso dever, independemente de termos um parente nosso necessitando de sangue ou não. Agora, mais do que nunca, sabemos a importância desse gesto.”

A gerente de Captação de Doadores do hemocentro, a assistente social Juciara Farias, reconhece a importância do apoio dado pelas antigos e novos parceiros e lembra que neste domingo, 28, será comemorado o Dia Nacional do Voluntariado, a quem ela credita a viabilidade do trabalho desenvolvido pelo hemocentro. “Quem faz a doação de sangue sabe o verdadeiro sentido de ser um voluntário pela vida. E sem as doações não teríamos como atender a demanda e cumprir nossa missão como hemocentro regulador.”

Podem doar sangue candidatos com boa saúde, com idade entre 16 e 69 anos e peso acima de 50 quilos. É necessário portar documento de identidade original, assinado e com  foto. Não é necessário estar em jejum, ao contrário, o ideal é que o doador esteja bem alimentado. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher, a cada três meses.

Serviço: O Hemopa fica na Travessa Padre Eutíquio, 2.109, em Batista Campos. Funcionamento para coleta: de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h. Mais informações pelo telefone 0800 280 8118, de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h.

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Pará chegará a 2018 com saldo de 20 mil contratados em concursos públicos



O Pará é um dos poucos estados da Federação que, até 2018, deve alcançar altos investimentos em concursos públicos e em novas contratações para seu funcionalismo. Elegendo prioridades - a exemplo da necessidade de gradual substituição de servidores temporários por quadros efetivos e da atenção aos limites previstos em lei para os gastos com a folha de pagamento, além da exigência de ampliação do funcionalismo em áreas-chave, como a segurança, a saúde e a educação -, o Estado vem se destacando por manter investimentos em pessoal, mesmo sob o cenário de crise que atinge todo o País.

Desde 2011, quando o governador Simão Jatene assumiu novo mandato, já foram nomeados 13.793 novos servidores efetivos concursados. Desde então, o Pará já acumula 11 concursos públicos realizados. E a previsão é de que o Estado ainda realize mais certames até 2018. Assim, segundo projeção da Secretaria de Estado de Administração (Sead), até o final deste segundo mandato consecutivo de Jatene, o Pará poderá chegar a um total de 20 concursos públicos, realizados de 2011 a 2018, além de um saldo de 20 mil novos servidores efetivos contratados através de concursos nesse período.

O mais recente desses certames está com inscrições abertas até este domingo (21). O concurso público para a Polícia Civil do Pará oferece 650 vagas, em cargos com salários que variam de R$ 5.204,05 a R$ 12.250. As provas serão realizadas em Belém, Santarém, Marabá e Altamira. As inscrições podem ser feitas pelo site www.funcab.org.

“Com isso, executaremos ainda este ano todos os ciclos de concursos necessários à área de segurança pública e estamos contribuindo para a ampliação do efetivo de servidores e policiais. Daí, passaremos à organização dos demais concursos públicos, que resultam da necessidade de expansão dos serviços públicos do Estado vivida nos últimos anos. Foi dessa demanda que resultou a necessidade de contratos temporários, e agora estamos efetivando essas substituições por concursados”, avalia Alice Viana, titular da Sead.

A secretária ressalta os motivos para que o Pará figure hoje entre os pouquíssimos estados brasileiros que vêm realizando concursos, e também se coloque entre os que atualmente mais oferecem oportunidades de vagas abertas em certames públicos em todo o País: Alice Viana lembra que a maioria dos estados hoje está em dificuldades financeiras e com sérias medidas de restrições de despesas. “Muitos hoje têm, inclusive, enormes dificuldades para pagar e mesmo parcelar salários atrasados do funcionalismo”.

Para a Secretaria de Estado de Administração do Pará, o atual destaque do Pará nesse panorama é fruto de um planejamento estratégico traçado pelo Estado. O objetivo é a reposição da força de trabalho de temporários e também a ampliação de efetivos em áreas prioritárias como a de segurança pública. “E isso tudo dentro de uma política de gestão fiscal e financeira responsável, observando estritamente os limites legais impostos para despesas com pessoal”, ressalta Alice Viana.

“A situação do Pará é de relativo conforto, embora a crise também nos afete, sim. E por isso mesmo, nosso foco é a reposição da força de trabalho dos temporários. Não estamos ampliando a despesa com o pessoal. Estamos readequando e mantendo-a estritamente dentro dos limites impostos pela Lei de Responsabilidade Fiscal”, diz a titular da Sead. “Nossas prioridades são a manutenção do pagamento do funcionalismo em dia e a ampliação do efetivo em setores prioritários, além de garantir que os serviços públicos sejam cada vez melhores”.

Temporários

Atualmente o Pará tem cerca de 13 mil funcionários temporários  – dentro de um universo total de 106 mil servidores públicos, que inclui também comissionados e efetivos. “Estamos fazendo hoje um redimensionamento desse quadro de pessoal, substituindo temporários por efetivos apenas dentro da estrita necessidade da administração direta e indireta”, esclarece a Sead. A secretária Alice Viana lembra que é esse trabalho de redimensionamento do funcionalismo que vai gerar o quadro de substituições necessárias. Dos 13 mil temporários do Estado, a Sead já estima que apenas cerca de oito mil são necessários – a serem substituídos por vagas abertas em concursos públicos.

“Esse redimensionamento está avaliando a real necessidade dessa força de trabalho diante das limitações orçamentárias e financeiras e da escassez de recursos com que vive hoje o País pela crise econômica instalada atualmente”, pondera Alice Viana. A preocupação com esse controle é mais que justificada: “A despesa com pessoal é a maior do Estado do Pará. E essas reposições se darão exatamente no limite da capacidade financeira do Estado em arcar com uma despesa permanente, que significa a efetivação de pessoal concursado”.

A titular da Sead lembra ainda que, com isso, o Estado também está cumprindo o termo de ajustamento de conduta firmado com o Ministério Público, que visa exatamente a substituição desse quadro de servidores temporários. “Eles foram contratados pelas necessidades de expansão dos serviços e de reposição de servidores que se aposentaram, faleceram ou foram exonerados”.

O Governo do Estado iniciou 2016 com a oferta de três grandes concursos públicos. Só neste primeiro semestre, foram abertas cerca de 3,5 mil vagas somente na área de segurança pública, com certames para os concursos dos Bombeiros, Polícia Militar e Polícia Civil. Apenas para a PM, foram 2.194 vagas abertas em concurso realizado em julho passado. Essa agenda reflete o fato da segurança ser a primeira das áreas consideradas prioritárias pelo governo, ao lado da saúde e educação. “Isso é fruto de uma política de controle e combate à violência e à criminalidade, e também de um esforço de valorização dos servidores. Esses concursos eram fundamentais também para garantir melhores condições de trabalho”, pontua Alice Viana.

A secretaria prevê publicar, ainda neste mês de agosto, o edital para a Superintendência do Sistema Penitenciário do Pará (Susipe), com a expectativa de 2 mil vagas. A previsão é que o concurso aconteça ainda em 2016. Pela primeira vez serão ofertadas vagas para agentes prisionais, que até então eram contratados em regime de serviço temporário. Até o fim do ano também devem ser divulgados os editais para os concursos do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves (CPC) e do Departamento Estadual de Trânsito (Detran). Cerca de 600 vagas serão abertas apenas nesses dois concursos.

Também está em andamento a reparação dos concursos para a Secretaria de Educação do Estado (Seduc), que ofertará vagas para professores e servidores administrativos, e para a Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas). “Eles estão em fase de dimensionamento do quantitativo do pessoal necessário. Assim também está ocorrendo com a área de saúde, com vagas a serem abertas para a Sespa, Santa Casa, Hospital de Clínicas, Hemopa e Ophir Loyola”, adianta Alice Viana.

O edital para o concurso da Seduc deve ser publicado ainda em 2016. Ainda este ano serão publicados os editais de concursos da área de saúde, que envolverão quase todos os hospitais públicos do Pará. Em 2017 serão feitos os demais concursos previstos pela Sead. Segundo o planejamento da secretaria, após as demandas vencidas nas áreas de segurança, educação e saúde, seguirão as frentes de trabalho para ampliação do quadro na área de suporte administrativo e também para a garantia de desenvolvimento econômico e sustentável do Pará.

Folha de pagamento

Entre remunerações de servidores ativos, aposentados e pensionistas, a atual folha de pagamento do funcionalismo do Pará soma hoje gastos de R$ 720 milhões mensais. Atualmente, o comprometimento dos gastos do Estado com pessoal é de 46,52%. “É um pouco acima do limite prudencial de gastos, conforme prevê a Lei de Responsabilidade Fiscal. Mas, pelas medidas de gestão adotadas pelo Pará e pelo rigoroso controle das despesas com pessoal feito neste governo, já estamos voltando ao limite prudencial de 46,17%”, garante Alice Viana.

A titular da Sead esclarece que a Lei de Responsabilidade Fiscal exige atualmente um comprometimento máximo de 48,60% da receita corrente líquida dos estados com despesas destinados à folha de pagamentos do funcionalismo. Quando um estado chega ao patamar acima do previsto pelo limite prudencial previsto pela legislação, são impostas várias medidas de restrição de despesas - de cortes de gratificações à vedação de realização de concursos e até exonerações de servidores.

“O panorama do Pará hoje aponta um equilíbrio do patamar de gastos com o pessoal. A manutenção do custeio da máquina administrativa, como um todo, está controlada. Temos um acompanhamento permanente, por meio do sistema de governança de gestão do Estado, do qual fazem parte a Sead, Casa Civil, Secretaria Estado da Fazenda do Pará (Sefa), Secretaria de Planejamento do Estado do Pará (Seplan), Auditoria Geral do Estado (AGE) e Procuradoria Geral do Estado (PGE)”, garante a titular da Sead.

Alice Viana ressalta que isso permite hoje a avaliação e um rígido controle de todo o planejamento das despesas de manutenção da máquina administrativa, de gastos com combustíveis, passagens e diárias à compra de material do consumo de forma geral.

Segundo a secretária, a atual conjuntura das finanças do Estado e o investimento na ampliação do quadro de servidores em áreas prioritárias significam uma boa blindagem aos efeitos da crise atual, mas também se refletirão positivamente para os avanços necessários para a próxima década. “Pelo seu enorme potencial de desenvolvimento econômico, e com a atual política de atração de investimentos e o plano estratégico de desenvolvimento traçado, que busca a internalização de nossas riquezas, o Pará pode ser considerado um estado com excelentes perspectivas de futuro, em termos de desenvolvimento, frente às demais unidades da Federação”, complementou.

O ganho médio real do servidor estadual em cinco anos foi acima de 30%. Desde 2011, a política de gestão de pessoal implantada pelo Governo do Estado teve como pilar a valorização dos servidores públicos, permitindo avanços em diversas áreas, que agregaram ganhos reais aos servidores de todas as categorias funcionais, a manutenção dos pagamentos em dias, a garantia da reposição integral da inflação e a quitação de passivos trabalhistas. No período o governo ainda garantiu a nomeação de 14 mil aprovados em diversos concursos públicos, o que contribuiu para o crescimento quantitativo do total dos servidores em 6%.


Nos últimos anos, o governo estadual priorizou a elevação da remuneração e a concessão de reajustes salariais que garantissem a reposição inflacionária do período e proporcionou ganhos reais de salários para todas as categorias, evitando, desta forma, o acúmulo de perdas salariais. A remuneração média dos servidores ativos, que em 2010 era de R$ 2.859, passou para R$ 5.315 em 2015, variando 85,9%, com ganhos reais de 31,39%, já que a inflação do período foi de 41,48%, segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

Funcionários de pizzaria fazem doação voluntária de sangue no Hemopa

Mais um grupo de voluntários estará neste sábado (20) na sede da Fundação Hemopa, em Belém, participando da campanha de doação de sangue em benefício de crianças internadas no Hospital Oncológico Infantil “Octávio Lobo”. Desta vez, a campanha tem a parceria da empresa Pizzaria Domino's, cujos funcionários aceitaram se tornar doadores. A Fundação Hemopa espera receber 30 voluntários.

A ação faz parte do projeto “Empresa Cidadão”, desenvolvido pela Fundação Hemopa para estimular a prática da doação de sangue entre pesoas da iniciativa privada. Entre os próximos dias 24 e 26 prosseguem as ações internas, com participação da Companhia Independente de Policiamento Turístico (Ciptur), das 8h ao meio-dia. A meta é que 30 voluntários façam doações.

Segundo a gerente de Captação de Doadores do Hemopa, Juciara Farias, o estoque continua precisando de mais doações. “Essas ações em parcerias fortalecem o estoque de sangue e permitem melhor atendimento aos usuários que precisam de transfusão de sangue para sobreviver ou ter melhor qualidade de vida. Sempre há alguém precisando de sangue na rede hospitalar”, informou.

Além de elevar a coleta de sangue no Pará, a captação de doadores vem intensificando as atividades para atrair novos voluntários e manter aqueles que fazem doações frequentes. “Não basta doar uma única vez. Precisamos de doadores assíduos”, ressaltou Juciara Farias. Segundo ela, é importante fazer, pelo menos, duas doações por ano.

Podem doar sangue candidatos com boa saúde, com idade entre 16 e 69 anos e peso acima de 50 quilos. É necessário portar documento de identidade original. Não precisa estar em jejum. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher, a cada três meses. O doador deve estar bem alimentado.


Serviço: O Hemopa fica na Travessa Padre Eutíquio, 2.109, em Batista Campos. Funcionamento para coleta: de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h. Mais informações pelo telefone 0800 280 81 18, de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h.

domingo, 14 de agosto de 2016

Hemopa tem expediente facultado no feriado

Neste feriado de Adesão do Pará à Independência do Brasil, nesta segunda-feira, 15, a Fundação Hemopa não funcionará para coleta de sangue. No entanto, o serviço de atendimento transfusional será normal. Por isso, a gerência de Captação de Doadores conta com a compreensão dos voluntários que podem retornar as doações de sangue a partir da terça-feira, 16, para manutenção do estoque de sangue e garantir o abastecimento da rede hospitalar que é composta por mais de 200 hospitais no Pará.

E para contribuir com o atendimento da demanda de transfusões, o servidor público estadual da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefa), José Alves da Costa, 54 anos, pai de três filhos, afirmou que incentiva seus a exercitar esse ato solidário.
“Doar sangue é bom demais. Digo aos meus filhos que eles continuem fazendo o que estou fazendo agora, que os pais sejam amorosos e calorosos com seus filhos”, comentou, revelando estar muito feliz ao doar sangue como presente para o Dia dos Pais, pois sabe que muitos estão internados em hospitais precisando de sangue para sobreviver e comemorar a data com a família,
Paciente:
Do outro lado, o paciente Edson Armando Ramos, 65, servidor público aposentado do Ministério da Aeronáutica, pai de três filhos, faz hemodiálise há dois anos. “Existem muitas pessoas que necessitam da doação e queria que todos tivessem a consciência disso.  Que os pais cuidem mais da saúde, para que possa aproveitar o crescimento dos filhos”.
Servidor da Fundação Hemopa, Edson Correa, 44, é doador e incentiva esse ato para todos aqueles em condições de saúde para tanto. Ele também aproveitou a oportunidade e agradeceu a homenagem que a direção do hemocentro ofereceu aos pais servidores, com oferta de serviços de beleza com corte de cabelo e barba, em parceria com empresas privadas. “Participar dessa ação do Dia dos Pais é muito valoroso. Nos sentimos parte da Fundação. Quero que todos os pais estejam em família e recebendo e trocando carinhos”.

Walter Machado também é funcionário do hemocentro e doador voluntário de sangue há 8 anos. Com duas filhas menores e garante que ensina as filhas que a melhor coisa do mundo é ser solidário e doar amor. “Tento criar uma consciência coletiva e tenho certeza serão futuras doadoras”.

Podem doar sangue pessoas com boa saúde, que tenham entre 16 e 69 anos e pesem acima de 50 quilos. Menores de 18 anos podem doar somente com autorização dos pais ou responsável legal. É necessário portar documento de identidade original e com foto, além de estar bem alimentado. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher, a cada três.
A Fundação Hemopa fica na Travessa Padre Eutíquio, 2.109, em Batista Campos, e a Estação de Coleta Hemopa-Castanheira, no térreo do Pórtico Metrópole (BR-316, km 1). 
Alô Hemopa (0800-2808118).

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Hemopa comemora 38 anos com segurança e qualidade nos serviços oferecidos



A Fundação Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará (Hemopa) celebra seus 38 anos nesta terça-feira, 2. Para comemorar a data, a diretoria agradece aos voluntários que, por ano, chegam a 100 mil doadores de sangue. Com excelência de gestão reconhecida nacional e internacionalmente, em 2014, pela Associação Brasileira de Hematologiada Hemoterapia e Terapia Celular (ABHH) e pela Associação Americana de Bancos de Sangue (AABB), a direção do hemocentro investe na capacitação do quadro de servidores para assegurar cada vez mais a qualidade do produto utilizado na transfusão de sangue.
A presidente do hemocentro paraense, Ana Suely Leite Saraiva, destaca a adoção de padrão de codificação internacional de bolsas de coleta, amostras de sangue e hemocomponentes, o que reduz ainda mais o risco de falhas nos processos de identificação e rastreabilidade do sangue, assim como o fortalecimento das ações de hemovigilância em conjunto com as Vigilâncias Sanitária e Epidemiológica Estaduais e Municipais.
Fundada, inicialmente, para prover um sangue de qualidade à população de Belém, hoje, além de coordenador da Política Estadual do Sangue, o Hemopa tem suas ações capilarizadas em todo o Estado do Pará por meio de uma Rede de Unidades, denominada de hemorrede estadual, que promove o acesso universal, descentralizado e regionalizado aos cidadãos.
O coordenador de Hemoterapia, Carlos Victor Cunha, ressalta a importância contínua da realização de campanhas de conscientização da população, como forma de minimizar riscos tanto para a saúde do doador quanto para a do receptor.
Atendimento - Muitos avanços foram alcançados com a utilização de tecnologias de ponta com o objetivo de elevar cada vez mais a segurança transfusional. O médico Carlos Victor Cunha destaca a renovação de maquinário para a realização de exames laboratoriais e para o processamento do sangue em seus componentes, visando a manutenção do alto padrão de qualidade dos produtos fornecidos pela Fundação, sempre primando pela inovação e qualidade.
E nesse aspecto, o coordenador de Laboratórios, Maurício Koury Palmeira, ressalta que desde 2012, o hemocentro executa o Teste do Ácido Nucleico (NAT) no sangue de todos os doadores do estado do Pará e do Amapá. Este teste identifica o material genético do vírus do HIV, das Hepatites B e C, garantindo maior segurança transfusional. “Anteriormente uma janela imunológica para detecção do HIV e da Hepatite C, era em torno de 30 dias, e hoje conseguimos encurtar essa janela para 11 dias, garantindo um sangue mais seguro, uma triagem mais rigorosa e eficiente das bolsas que são coletadas e disponibilizadas para transfusão”, explicou.
Essas melhorias somam-se aos benefícios proporcionados aos pacientes atendidos em nível ambulatorial na Fundação Hemopa, entre eles, os avanços no tratamento de pessoas com Hemofilia e Hemoglobinopatias. “Nosso maior compromisso é salvar vidas. E para que isso aconteça é preciso o comprometimento de cada servidor da hemorrede. Só tenho a agradecer a todos que fizeram e fazem parte dessa história de solidariedade e esperança de vida que nosso trabalho produz. Feliz aniversário para todos nós”, completou.
Números - Hoje a hemorrede paraense é composta pelo Hemocentro Coordenador e a Unidade de Coleta Castanheira, ambos em Belém, três Hemocentros Regionais (Marabá, Santarém e Castanhal), cinco Hemonúcleos (Abaetetuba, Altamira, Tucuruí, Redenção e Capanema) e 41 Agências Transfusionais (AT´s) na capital e interior do Estado, que garante a distribuição do produto com segurança e qualidade para milhares de pacientes internados na rede hospitalar.
Em 2015, a hemorrede estadual registrou 126.320 comparecimentos, que corresponderam a 102.163 coletas, resultando em 109.860 unidades de hemocomponentes distribuídos, que ajudaram a salvar aproximadamente 439.440 pacientes, no Pará. De janeiro a junho deste ano, em Belém, houve o comparecimento de 43.807 voluntários na sede do hemocentro e na Unidade de Coleta Castanheira. Desse total, 34.044 doações foram efetivadas.
Atualmente, a população doadora de sangue no Brasil é de 1.9%. Na Região Norte é de 1.5%. No Pará passou de 1.7% para 2.2%, superando a média nacional, mas que precisa melhorar ainda mais e atender a sugestão da Organização Mundial de Saúde (OMS) e ficar entre 3% e 5%.
Quem pode doar sangue: candidatos com boa saúde; idade entre 16 anos completos e 69 anos. Peso acima de 50 kg. Necessário portar documento de identidade original com foto e assinatura. Não precisa estar em jejum. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses. O doador deve estar bem alimentado.
Serviço: O Hemopa fica na travessa Padre Eutíquio, 2109. Funcionamento para coleta: de segunda a sexta-feira, de 7h30 as 18h, e aos sábados de 7h30 as 17h. Maiores informações pelo fone: 0800-2808118, de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h.

quarta-feira, 27 de julho de 2016

Hemopa aciona doadores e anuncia atendimento com horário excepcional

A campanha de doação de sangue do veraneio, promovida pela Fundação Hemopa desde o dia primeiro deste mês, vem ganhando a adesão da população, porém a média diária de comparecimento do voluntariado neste mês, que é de 175 doadores, ainda está abaixo da meta pretendida para o período, que era de 250 bolsas de sangue coletadas. O deslocamento de pessoas para as praias do estado é um dos fatores que contribuem para essa estatística.
Para atingir a meta de doações, a Gerência de Captação de Doadores do Hemopa intensificou ações em parceria com a sociedade civil. “A responsabilidade pela qualidade do serviço é de todos ”, observa a assistente social Juciara Farias, que coordena a Gecad. “Muitas pessoas estão de férias, mas a necessidade de quem precisa de sangue para sobreviver não cessa”, destaca.
A dona de casa Maria Reis da Cunha, 46, que é paciente do Hemopa, conta que nunca imaginou precisar de doações. “Fui diagnosticada com um mioma e por conta disso perco grande quantidade de sangue. Agora sei bem o que é precisar da solidariedade de todos”, diz.
A diarista Maria Decelia da Luz, 60, já é doadora há oito anos e sente-se privilegiada por ajudar a salvar vidas. Ela começou a doar sangue quando sua filha precisou de transfusão. “As pessoas precisam levar um susto para perceber o quanto é importante a doação de sangue”, conta.
Aos veranistas que pretendem deixar a capital rumo aos balneários, a dica do Hemopa é que deem uma paradinha na Unidade de Coleta Castanheira, situadada no térreo do Pórtico Metrópole, na BR-316, para exercer a solidariedade e doar sangue, como fez o autônomo José Luciano Brito, 30. “Durante as férias o número de acidentes tende a aumentar e a demanda por bolsas de sangue aumenta, daí a necessidade de manter o estoque técnico de sangue para atender a rede hospitalar”, reforça Juciara Farias.
Apesar da necessidade de elevar o número de coletas, a Fundação Hemopa será obrigada a funcionar em horário excepcional neste final de semana para coleta de sangue em virtude da adoção de um padrão internacional de identificação dos componentes sanguíneos, que exige a necessidade de implantação de um novo sistema informatizado, para o registro eletrônico de todas as atividades executadas no ciclo do sangue.
Por conta disso, neste sábado (22) o hemocentro funcionará para coleta de sangue de 7h30 as 12h. No sábado, 23, não haverá atendimento. Já no dia 25, o serviço funcionará de 13h as 18h. Todavia, a mudança no horário para coletas não vai interferir no atendimento transfusional e nem no atendimento aos pacientes.
Quem pode doar sangue: candidatos com boa saúde, idade entre 16 anos completos e 67 anos e peso acima de 50 quilos. É necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum, ao contrário, o doador deve estar bem alimentado. Com a doação são realizados exames para diversas doenças, entre elas, Aids, Sífilis, Doença de Chagas, Hepatites, HTLV I e II, além de tipagem sangüínea. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três.
Serviço: O Hemopa espera por você na Travessa Padre Eutíquio, 2109. Funcionamento para coleta: de segunda a sexta-feira, de 7h30 as 18h, e aos sábados, de 7h30 as 17h. Maiores informações pelo fone 0800 280 8118, de segunda a sábado, das 8h às 18h.

Hemopa leva Cozinha Brasil aos servidores

Uma iniciativa de um grupo de amigos de trabalho da Fundação Hemopa vem rendendo bons frutos, através do projeto Saúde Mais, que trouxe ao hemocentro, nos dias 12 e 13, a “Cozinha Brasil”, do Sesi em parceria com o Correios, que ofereceu aulas para reaproveitamento de alimentos, reunindo dezenas de servidores do hemocentro na área de estacionamento do prédio.
A idéia teve origem a partir de um grupo de whastapp que sensibilizou alguns colegas de trabalho para melhorar o hábito alimentar, visando incentivar a alimentação saudável e estipularam oito meses para  a obtenção de bons resultados.
Dentro do cronograma de ação proposto pelo grupo, uma vez ao mês, será realizada ação relacionada a melhor qualidade na alimentação, melhor qualidade de vida e neste mês, os servidores contaram com o apoio dos Correios para viabilizar o curso do SESI: Cozinha Brasil.
Durante o breve curso os servidores tiveram oportunidade de aprimorar e melhorar seus conhecimentos, com aulas sobre alimentos e cozimentos. A servidora pública Adriana Pimenta, farmacêutica bioquímica, 45 anos, aprovou a iniciativa. “Achei a  iniciativa maravilhosa, ao trazer este projeto do SESI. É muito importante o reaproveitamento de todos os alimentos. Em tempos de crise, é necessário fazer contenções”.
A outra servidora que se sentiu beneficiada com o curso, foi a agente administrativa Alice Abdon, 25. Segundo ela, fomentar esse tipo de discussão e preocupação pela qualidade de vida do servidor, traz benefícios de ponta a ponta. “Um servidor com saúde é cada vez mais presente no trabalho, tem mais produtividade, onde reflete no atendimento da população”, observou.
O projeto Saúde Mais dará continuidade com o trabalho de conscientização do hábito alimentar mais saudável, estimulando cada vez mais o servidor a participar de cursos, atividades e palestras.