sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Campanha de doação de sangue do Círio

"Renove sua fé, doando sangue". Será o tema da campanha de incentivo à doação de sangue referente ao Círio de Nª. Srª de Nazaré, que a Fundação Hemopa, através da Gerência de Captação de Doadores, está elaborando. A ação terá a meta de 300 coletas/dia.
Qualquer pessoa saudável, com idade entre 18 e 65 anos e portar documento de identidade.Com a doação são realizados exames para diversas doenças, entre elas: Aids, Sífilis,Doença da Chagas, Hepatites, HTLV I e II, além de tipagem sangüínea. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses. Para doar sangue não é preciso estar em jejum. O doador deve estar bem alimentado. O Homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses.
O Hemopa espera por você na travessa Pe. Eutíquio, 2109.Funcionamento para coleta: de segunda a sexta-feira, de 7h30 às 18h, e aos sábados de 7h30 às 12h30. Maiores informações pelo fone: 08002808118 ou pelo blog do Hemopa: http://fundacaohemopa.blogspot.com. Ou página do Orkut

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Hemopa cumpre fases para implantação do BSCUP

Na manhã do dia 25, funcionários e representantes de instituições parceiras da Fundação Hemopa participaram de reunião para a apresentação do “Software de Gerenciamento da Rede Nacional de Bancos de Cordão Umbilical (RENACORD), pelo diretor de Tecnologia de Informação da Fundação do Câncer, o engenheiro Altino Leitão, que detalhou o funcionamento desse serviço com a implantação do Banco de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário (BSCUP), do Hemopa, cujas obras iniciaram em junho e devem ser concluídas em outubro. A inauguração está prevista para primeiro semestre de 2010, tendo em vista a aquisição de equipamentos e capacitação profissional, ainda este ano.O evento foi aberto pela presidente do hemocentro, dra. Maria de Fátima Pombo Montoril, que falou sobre a importância do BSCUP para a melhoria do serviço, especialmente, aos pacientes que precisam do transplante de medula óssea para sobreviver. “Isso representa elevação das chances de encontrar doador compatível”,observou a médica.O Hemopa é o único representante da região Norte a fazer parte da Rede BRASILCORD, com a implantação de seu BSCUP, em parceria com a Fundação do Câncer e financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Social e Econômico (BNDES). O BSCUP do Pará possuirá tanque com capacidade de armazenamento para 3.600 amostras de sangue de cordão umbilical. Inicialmente, o hemocentro atuará em duas maternidades e armazenará 960 coletas. A ampliação da rede o objetivo de representar 100% da diversidade étnica brasileira e atender a demanda de doadores para facilitar a realização de transplantes de medula óssea.Logo em seguida, o gestor de Projetos da Fundação do Câncer, o engenheiro Marson Rebuzzi falou sobre a Rede BRASILCORD. Criada em 2004 pelo Ministério da Saúde (MS), ela reúne os bancos públicos de sangue de cordão umbilical e placentário. Sua expansão recebeu financiamento de R$ 31,5 milhões do BNDES, para construção de oito novas unidades: Pará, Rio Grande do Sul, Pernambuco, Ceará, Santa Catarina, Paraná, Minas Gerais e Distrito Federal. Esse recurso também está sendo utilizado em compra de equipamentos das unidades já em funcionamento e treinamento de recursos humanos. Logo após, a responsável técnica pelo projeto de implantação do BSCUP do Hemopa, a economista Terezinha Negrão, fez exposição sobre o andamento das obras, que até o momento está atendendo cronograma.
Estiveram presentes na reunião: dr. Paulo Soares, diretor do Hospital Ofir Loiola; William Saraiva da Silva e dr. Daniel Gomes de Lima, representantes do Hospital de Clínicas “Gaspar Viana”; dr. Walace Santos, Marisol Ohana e dra. Ana Beltrão, representantes da Fundação Santa Casa; Bruno Sierro e Luciane de Oliveira, representantes da Secretaria de Estado de Saúde do Pará.

Hemopa faz palestra sobre serviço de Ouvidoria

A responsável pelo serviço de Ouvidoria da Fundação Hemopa, a socióloga, Silvânia Assunção, vem participando de diversos eventos promovidos pelo Estado, para relato de experiência sobre o êxito do serviço no hemocentro.
No próximo dia 10 de setembro, ela estará ministrando palestra para funcionários do Laboratório Central. Naquela mesma semana, com data a ser definida, Silvânia Assunção também promovera palestra no auditório da Defensoria Pública do Estado.

Clube de Hematologia e Hemoterapia reúne nesta sexta.

Nesta sexta-feira, às 10h, o Núcleo de Ensino e Pesquisa (NEPES), da Fundação Hemopa, realizará reunião para exposição do resumo dos trabalhos que serão apresentados durante o Congresso Brasileiro de Hematologia e Hemotarapia 2009 (HEMO 2009), que será promovido de 11 a 14 de novembro em Florianópolis (SC). A reunião tem a finalidade de socializar o conhecimento gerado na instituição.O evento fará parte da reunião do Clube de Hematologia e Hemoterapia do Hemopa que, de acordo com a convocação do NEPES, os servidores com trabalhos aprovados, mesmo em forma de pôsteres, independente de viajarem para particição no evento. Apenas um dos autores deve fazer a apresentação em tempo médio de até 10 minutos.

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Exemplo de Solidariedade

Na manhã desta quarta-feira, a coordenadora de Hemoterapia da Fundação Hemopa, dra. Silvia Teixeira, deu exemplo de solidariedade ao doar sangue voluntariamente. "Somos profissionais do hemocentro e sabemos da dificuldade diária da captação de doadores de sangue. Então, além de dar exemplo, temos que conhecer os dois lados da situação", comentou a médica, ressaltando que a sensação de estar salvando várias vidas com apenas uma doação é indescritíivel e todos deveriam passar por ela.
Atualmente, o Hemopa, assim como os demais hemocentros brasileiros estão passando por dificuldades com a evasão de doadores em função dos receios de contaminação da Gripe A (H1N1). No hemocentro, a redução da coleta atinge cerca de 30%. Mas, a gerente de Captação de Doadores, a assistente social Juciara Farias, aposta no atendimento da população ao apelo para comparecer no hemocentro e efetivar a doação para regularizar o estoque técnico, garantindo assim, o atendimento satisfatório da demanda transfusional, que somente na capital corresponde a 85 casas de saúde.
Qualquer pessoa saudável, com idade entre 18 e 65 anos e portar documento de identidade.Com a doação são realizados exames para diversas doenças, entre elas: Aids, Sífilis,Doença da Chagas, Hepatites, HTLV I e II, além de tipagem sangüínea. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses. Para doar sangue não é preciso estar em jejum. O doador deve estar bem alimentado. O Homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses.
O Hemopa espera por você na travessa Pe. Eutíquio, 2109.Funcionamento para coleta: de segunda a sexta-feira, de 7h30 às 18h, e aos sábados de 7h30 às 12h30. Maiores informações pelo fone: 08002808118 ou pelo site: http://www.hemopa.pa.gov.br/ ou pelo blog:: http://fundacaohemopa.blogspot.com/.

Hemopa promove palestra sobre Gripe A

A presidente da Fundação Hemopa, dra. Maria de Fátima Pombo Montoril, convida funcionários, familiares e amigos para assistirem palestra sobre a gripe “A”, causada pelo vírus H1N1, nesta quarta-feira, 27, às 10h, no auditório do hemocentro. O conteúdo será ministrado pelo dr. Romero Assef Souza, que é infectologista do Hospital Universitário “João Barros Barreto”. O evento será promovido pela Coordenadoria de Hemoterapia (COHEM) em parceria com a Assessoria de gestão de Pessoas (AGESP).
Dúvidas mais freqüentes
O que o novo vírus da gripe H1N1?
O novo vírus da Gripe A(H1N1)v, que apareceu recentemente, é um novo subtipo de vírus que afeta os seres humanos. Este novo subtipo contém genes das variantes humana, aviária e suína do vírus da gripe e apresenta uma combinação nunca antes observada em todo o Mundo. Em contraste com o vírus típico da gripe suína, este novo vírus da Gripe A(H1N1)v é transmissível entre os seres humanos.
Quais os sintomas da doença?
Febre, sintomas respiratórios (tosse, nariz entupido),dor de garganta, possibilidade de ocorrência de outros sintomas: Dores corporais ou musculares, Dor de cabeça ,arrepios,fadiga ,vômitos ou diarréia. Em alguns casos, podem surgir complicações graves em pessoas saudáveis que tenham contraído a infecção
Formas de contágio?
O modo de transmissão do novo vírus da Gripe A(H1N1)v é idêntico ao da gripe sazonal. O vírus transmite-se de pessoa para pessoa através de gotículas libertadas quando uma pessoa fala, tosse ou espirra. Os contactos mais próximos (a menos de 1 metro) com uma pessoa infectada podem representar, por isso, uma situação de risco. O contágio pode também ser verificado indiretamente quando há contacto com gotículas ou outras secreções do nariz e da garganta de uma pessoa infectada - por exemplo, através do contacto com maçanetas das portas, superfícies de utilização pública, etc. Os estudos demonstram que o vírus da gripe pode sobreviver durante várias horas nas superfícies e, por isso, é importante mantê-las limpas, utilizando os produtos domésticos habituais de limpeza e desinfecção.
Durante quanto tempo pode ocorrer o contágio?
Os doentes podem infectar (contagiar) outras pessoas por um período até 7 dias, a que se chama período de transmissibilidade. É prudente, contudo, considerar que um doente mantém a capacidade de infectar outras pessoas durante todo o tempo em que manifestar sintomas.
Como a doença pode ser tratada?
O novo vírus da gripe é sensível aos medicamentos antivirais oseltamivir e zanamivir.
Como evitar o contágio?
Limite o contacto com outras pessoas, tanto quanto possível. Mantenha-se em casa durante sete dias, ou até que os sintomas desapareçam, caso estes perdurem. Outras formas:Cubra a boca e o nariz quando espirrar ou tossir, usando um lenço de papel. Nunca com as mãos! Utilize lenços de papel uma única vez e coloque-os de imediato no lixo. Lave frequentemente as mãos com água e sabão, em especial após tossir ou espirrar.

Fonte: Portal da Saúde.




segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Hemopa faz avaliação de institucional

Nos dias 20 e 21, a Fundação Hemopa, através da Assessoria Técnica e de Planejamento (ASTEP), promoveu a 1ª Reunião de Análise Crítica de Desempenho Institucional, relativa ao período de Janeiro a Junho de 2009. O evento que contou com a presença de todos gerentes da hemorrede, refere-se aos Programas / Ações / Metas Programadas / Executados contidas no Plano Plurianual 2008-2011.
Durante as apresentações, os gerentes fizeram a análise crítica dos resultados alcançados, bem como os fatores positivos ou dificuldades que levaram aos resultados obtidos, e o que é necessário para melhorar.
A funcionária Mazirene Guedes, da ASTEP fez a abertura da reunião com informações gerais sobre o evento. A presidente do hemocentro, dra. Fátima Montoril recepcionou e falou da importância daquela atividade para a melhoria dos serviços e produtos oferecidos pelo órgão. Logo em seguida, a diretora Técnica do Hemopa, dra. Alessandra Bentes deu início à sua apresentação tratando dos resultados do PPA e suas ações: Implantação de Unidades Na Hemorrede; Captação de Doadores de Sangue; Implantação do Banco de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário; Implementação das Ações de Hemoterapia; Implementação das Ações de Hematologia; Implementação das Ações de Hemovigilância; Implementação de Suporte Laboratorial aos Serviços de Transplantes;Modernização da Gestão da Saúde. Resultados do HEMOPLAN:
OBJETIVO ESTRATÉGICO- Aumentar a captação de doadores de sangue: Estratégia- Para aumentar a captação de doadores será elaborado e implementado o projeto de marketing da Fundação HEMOPA.;
OBJETIVO ESTRATÉGICO- Aumentar a cobertura transfusional: Estratégia- Baseado em um levantamento das necessidades do Estado, serão definidas e implementadas estratégias de realocação de hemocomponentes e implantadas Agências Transfusionais.
Ao final, a presidente do Hemopa, dra. Maria de Fátima pombo Montoril parabenizou a todos pela apresentação dos trabalhos.
Em seguida, os diretores do Hemocentro Regional de Castanhal, Marbá e Santarém, dra. Sandra Lobato, Fernando Monteiro e Waldir Mesquyita, falaram sobre a Implantação de Unidades Na Hemorrede; Captação de Doadores de Sangue; Implementação das Ações de Hemoterapia; Implementação das Ações de Hematologia; Implementação das Ações de Hemovigilância.
Logo após, o diretor Administrativo e Financeiro, o administrador Joaquim Evilásio Oliveira fez exposição sobre as ações: Implantação de Unidades na Hemorrede; Modernização da Gestão da Saúde; Auxilio Alimentação; Implementação do Gerenciamento de Unidades de Abastecimento do Estado; Operacionalização das Ações Administrativas; Operacionalização das Ações de Recursos Humanos. Ele também mostrou os resultados do HEMOPLAN: OBJETIVO ESTRATÉGICO-Assegurar vale alimentação para os servidores: Estratégia- Rever o quantitativo de servidores, atualizar o valor do vale e aperfeiçoar o processo de fornecimento do vale, tornando-o mais ágil.
OBJETIVO ESTRATÉGICO- Assegurar recursos financeiros para viabilizar as metas contidas no PPA até dezembro de 2010: Estratégia- Os recursos financeiros necessários serão assegurados, atuando em duas frentes, uma para melhorar os processos administrativos e outra para atuar nas esferas do governo estadual.3 OBJETIVO ESTRATÉGICO- Implantar melhorias para otimizar o Sistema de Informação: Estratégia- Serão realizadas melhorias pontuais, como a implementação do projeto-piloto e melhorias sistêmica, como a elaboração e implementação do Plano Diretor de Informática da Fundação HEMOPA.As demais apresentações foram feitas, respectivamente, pelo titular da Coordenadoria de Apoio Administrativo (CAPAD), Jorge Rego; Celeste Lobo responsável pela Assessoria de Gestão de Pessoas (AGESP); Marizene Guedes, da Assessoria Técnica e de Planejamento (ASTEP); Vera Rojas responsável pela Assessoria de Imprensa (ASIMP); Michela Nascimento responsável pela Assessoria de Assuntos Jurídicos (AJUR); Ângela Ferreira responsável pela Assessoria de Técnica (Contas Médicas); Marla Mesquita, da Auditoria Interna (AUDIN); Lígia Garcia responsável pelo Núcleo da Qualidade (NQ); Lacy Brito Junior titular do Núcleo de Ensino e Pesquisa (NEPES) e Silvânia Ataídes titular da Ouvidoria.

Cai o número de coletas nos hemocentros brasileiros

O receio da contaminação com o vírus Influenza A (H1N1) está provocando redução de comparecimento de doadores voluntários de sangue em todos os hemocentros brasileiros, que estão enfrentando dificuldade no atendimento transfusional com a redução de coletas. No Pará não é diferente. Na Fundação Hemopa o índice de comparecimento caiu 30% no período de 17 a 21 deste mês, ou seja, diminuiu de 250 para 180 candidatos à doação de sangue.
Diante da situação, a gerente de Captação de Doadores do hemocentro, a assistente social Juciara Farias apela para a importância do papel dos dirigentes dos hospitais, no sentido de orientar seu corpo funcional de médico para a sensibilização de familiares de pacientes que vão precisar de transfusão de sangue. “Esse momento é de fortalecimento de parcerias. Todos tem sua importância na participação do processo da doação de sangue e, o médico, tem papel fundamental ao mostrar para o familiar a necessidade da doação de sangue”, observou .
Segundo ela, a redução de 30% na coleta de sangue causa impacto significativo no atendimento satisfatório das solicitações transfusionais de aproximadamente 218 hospitais, sendo que quase 90 hospitais somente na capital. Essa situação também vem interferindo no resultado das coletas externas. “A diferença no quantitativo de coleta é comparativo ao registrado na sede do hemocentro”, lamentou Juciara Farias, convocando doadores de sangue para comparecer no Hemopa sede, Hemocentros Regionais de Castanhal, Marabá e Santarém; e nos Núcleos de Hemoterapia de Abaetetuba, Altamira, Tucuruí, Redenção e Capanema.
O fortalecimento e composição de novas parcerias são algumas das alternativas que estão sendo providenciadas pelo setor. “Ninguém trabalha isoladamente. O Hemopa oferece produto final com segurança e qualidade. Cabe a sociedade colaborar com a doação de sangue.Contamos com a solidariedade de todos para salvar vidas”, comentou, ressaltando que representantes de instituições públicas, privadas, de classe, associações, escolas interessados em programar campanhas externas, devem entrar em contato através do fone: 32429100 – R- 205 ou 242, de segunda a sexta-feira de 7h30 às 18h, e aos sábados de 7h30 às 12h30.
Qualquer pessoa saudável, com idade entre 18 e 65 anos e portar documento de identidade.Com a doação são realizados exames para diversas doenças, entre elas: Aids, Sífilis,Doença da Chagas, Hepatites, HTLV I e II, além de tipagem sangüínea. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses. Para doar sangue não é preciso estar em jejum. O doador deve estar bem alimentado. O Homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses.
O Hemopa espera por você na travessa Pe. Eutíquio, 2109.Funcionamento para coleta: de segunda a sexta-feira, de 7h30 às 18h, e aos sábados de 7h30 às 12h30. Maiores informações pelo fone: 08002808118 ou pelo site: http://www.hemopa.pa.gov.br/ ou pelo blog:: http://fundacaohemopa.blogspot.com/.

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Diagnóstico precoce é qualidade de vida

“Socializar informações sobre as hemoglobinopatias e fazer o mapeamento estatístico dos portadores dessas doenças no Brasil para diagnóstico precoce e tratamento adequado”. Foram algumas das ações citadas pela dra. Joice Aragão de Jesus, da Coordenação do Programa de Sangue e Hemoderivados (CPNSH), do Ministério da Saúde (MS), na manhã de ontem, 19, durante I Seminário de Atenção Integral aos Portadores de Hemoglobinopatias no Pará”. O evento foi promovido pelo Governo do Estado, através da Fundação Hemopa.
O evento que aconteceu no auditório do Hemopa foi aberto pela presidente, dra. Maria de Fátima Pombo Montoril, que recepcionou os presentes e falou da prestação do atendimento médico prestados aos mais de 600 pacientes portadores de hemoglobinopatias cadastrados na instituição. “Temos uma cobertura transfusional de 85% dos 143 municípios. Queremos alcançar essa mesma cobertura com atendimento aos Portadores de doenças hematológicas”, comentou, enfatizando a importância dos programas de atenção integral a do MS a esses pacientes.
Para a gerente de Hematologia Clínica do Hemopa, dra. Saide Trindade, o diagnóstico precoce através da triagem neonatal e com o teste do pezinho muitas crianças podem ter maior qualidade de vida. “Cerca de 3.500 crianças portadores de hemoglobinopatias nascem anualmente no Brasil e outras 200 com traços falciformes. Isso implica na maior organização da atenção integral à saúde que está sendo estabelecida pelo MS”, observou a médica, adiantando que após esse seminário haverá consolidação das ações com a triagem neo natal de hemoglobinopatias e doenças falciforme, favorecendo a elaboração estatpisticas do casos, que oferecerá suporte para a rede básica de saúde com oferta de tratamento mais adequado.
As Hemoglobinopatias são doenças genéticas decorrentes de anormalidades na estrutura ou na produção da hemoglobina, molécula presente nos glóbulos vermelhos e responsáveis pelo transporte do oxigênio para os tecidos.
Uma das hemoglobinopatias mais comuns, a anemia falciforme é bastante comum em negros. A alta taxa de miscigenação difundiu a doença em praticamente todos os grupos populacionais. No Hemopa, são 460 pacientes ativos dessa anemia. Segundo Saíde Trindade, as talassemias são mais frequentes em populações descendentes de grupos originários do Mediterrâneo (italianos e espanhóis, entre outros). Em seu conjunto, estima-se que 5% de toda população mundial seja portadora de algum distúrbio de hemoglobina.
Embora não exista ainda cura para as hemoglobinopatias, as medidas de tratamento da anemia, na prevenção das crises hemolíticas previne infecções. No entanto, existe protocolo para pacientes com anemia falciforme que melhora qualidade de vida do paciente, através do diagnóstico precoce. “Alertados a tempo sobre o risco de recorrência da doença na família, os pais podem se beneficiar do aconselhamento genético e/ou do diagnóstico pré-natal para uma futura gestação. A realização do teste do pezinho pode salvar a vida de uma criança. Não esqueçam: diagnóstico precoce é qualidade de vida”, ressaltou a médica.
Programação
O evento teve início à 9h15, com a abordagem sobre o “Panorama atual da atenção integral aos portadores de Doenças Falciforme no Pará”, moderado pela diretora Técnica do hemocentro, dra. Alessandra Quinto Bentes. Da mesa redonda participaram: dra. Nazaré França, da Secretaria Estadual de Saúde do Pará (SESPA); dra. Saide Trindade (Hemopa); dra. Iê Fernandez (Hemopa); dr. João Farias Guerreiro (UFPA).Às 11h30, as atividades foram retomadas com palestra sobre “Panorama atual da Política Nacional de Atenção Integral às pessoas com Doenças Falciforme e outras Hemoglobinopatias”, tendo como moderadora a médica Saide Trindade e palestrante a dra Joice de Jesus, da Coordenação do Programa Nacional de Sangue e Hemoderivados (CPNSH).As atividades foram encerradas às 12h.

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Hemopa convoca doadores de sangue raro

A Fundação Hemopa convoca doadores voluntários de sangue negativo, especialmente os do tipo O Negativo. O hemocentro conta com apoio da imprensa no sentido de acionar a população potencialmente doadora de sangue para dirigir-se ao hemocentro e efetuar sua coleta de sangue, de segunda a sexta-feira, de 7h30 às 18h, e aos sábados de 7h30 às 12h30.
Diante do insuficiente estoque de sangue raro, o Hemopa tomou essa medida preventiva acionando comparecimento de doadores para evitar eventual priorização no atendimento de urgência e emergência.Para doar sangue basta estar bem de saúde, ter entre 18 e 65 anos e peso a partir de quilos. O candidato deve estar munido de documento de identidade. O Hemopa fica na Trav. Pe. Eutíquio, 2109. Mais informações: 32429100 ou 08002808118.

Hemopa adere campanha nacional da torcida rubro-negro

A Fundação Hemopa aderiu a campanha nacional da torcida Rubro-Negro, de 17 a 31 deste mês. A ação tem o objetivo é incentivar torcedores do clube a colaborar com os bancos dos hemocentros em todo o país. A iniciativa que tem apoio do Ministério da Saúde (MS), vai de 15 a 21 de agosto, mas em função das particulares do Hemopa, a mobilização se estenderá até o final do mês.
A mobilização é resultado de uma ação do Departamento de Marketing com a parceria das Embaixadas da Nação. É um projeto do Departamento de Planejamento que organiza representações oficiais do clube em diversos pontos do país e do mundo.A nova campanha ganhou corpo com a união entre duas ações similares já existentes. Em períodos distintos, o Departamento de Marketing do clube estimulava a doação no hemocentro do Rio de Janeiro, enquanto as Embaixadas promoviam o mesmo em alguns estados brasileiros. “Queremos estimular os torcedores rubro-negros a realizar doações de sangue em um mesmo período. Os períodos escolhidos foram dos meses de fevereiro e de agosto, meses mais críticos nos hemocentros de todo Brasil”, explica Ricardo Hinrichsen, diretor executivo de Marketing do Flamengo.A embaixada FlaSampa lançou a campanha no sábado passado, dia 15, em São Paulo. O encerramento será no dia 21 de agosto, no Rio de Janeiro, com participação das torcidas organizadas do Flamengo. Nos outros estados, o dia será escolhido através dos Hemocentros e, em alguns casos, com o apoio das Embaixadas da Nação locais.
A Gerente de Captação do Hemopa informa que os interessados em participar do projeto devem entrar em contato através dos fones: 08002808118 ou 32429100- R- 205/243, de 8h às 14h.Os Hemocentros de vários estados já confirmaram participação. Os endereços para doação de sangue estão no hotsite http://mkt.flamengo.com.br/hotsite/sanguerubronegro/. O hotsite reúne informações importantes como quem pode doar e como doar, além de uma área de interação: os doadores podem enviar fotos, vídeos e participar por meio de comunidades no Orkut e no Twitter da campanha.
Assim como nos demais estados, Juciara Farias aposta na grande participação da torcida do Flamengo nessa campanha . “Convido todos a vocês a fazerem parte dessa corrente pela vida e vamos mostrar ao resto do país que corre sangue solidário nas veias dos torcedores rubro-negro do Pará”, ressaltou.
Qualquer pessoa saudável, com idade entre 18 e 65 anos e portar documento de identidade.Com a doação são realizados exames para diversas doenças, entre elas: Aids, Sífilis,Doença da Chagas, Hepatites, HTLV I e II, além de tipagem sangüínea. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses. Para doar sangue não é preciso estar em jejum. O doador deve estar bem alimentado. O Homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses.O Hemopa espera por você na travessa Pe. Eutíquio, 2109.Funcionamento para coleta: de segunda a sexta-feira, de 7h30 às 18h, e aos sábados de 7h30 às 12h30. Maiores informações pelo fone: 08002808118 ou pelo site: http://www.hemopa.pa.gov.br/ ou pelo blog:: http://fundacaohemopa.blogspot.com/.

Hemopa debate diagnóstico e tratamento das hemoglobinopatias

Nesta quarta-feira, 19, de 9h às 12h, a Fundação Hemopa promoverá I Seminário de Atenção Integral aos Portadores de Hemoglobinopatias no Pará, que será aberto às 9h, pela presidente do hemocentro, dra Fátima Pombo Montoril. O evento que conta com a parceria do Ministério da Saúde (MS), debaterá os temas mais atuais dessas doenças que, atualmente atingem cerca de 3.500 novos pacientes por ano no Brasil. No Hemopa, são cadastrados 672 portadores de hemogobinopatias, que são doenças genéticas decorrentes de anormalidades na estrutura ou na produção da hemoglobina, molécula presente nos glóbulos vermelhos e responsável pelo transporte do oxigênio para os tecidos.
Mais de 300 defeitos estruturais da hemoglobina já foram identificados, sendo a anemia falciforme a hemoglobinopatia mais conhecida. Os defeitos na taxa de produção das cadeias de hemoglobina são as talassemias (alfa ou beta-talassemias, de acordo com a cadeia cuja síntese está prejudicada). A hemoglobina é uma proteína formada por duas cadeias alfa (codificadas por um gene) e por duas cadeias beta (codificadas por outro gene). As hemoglobinopatias são causadas por uma alteração em um desses genes, afetando a estrutura da molécula (hemoglobinopatia estrutural) ou sua taxa de produção (talassemia).
De acordo com a gerente de Hematologia Clínica do Hemopa, dra. Saíde Trindade, as manifestações clínicas das hemoglobinopatias variam muito de acordo com o tipo de problema apresentado. As crianças com anemia falciforme (que tem esse nome porque os glóbulos vermelhos apresentam a forma de foice) produzem hemoglobina S no lugar da hemoglobina A normal, sendo altamente suscetíveis à anemia hemolítica (por ruptura dos glóbulos vermelhos) e a infecções que podem levar à sepsis (infecção generalizada do sangue). “Obstruções em pequenos vasos causam quadro de dor e comprometem progressivamente a função de órgãos e tecidos”, explicou, destacando que as alterações nas hemácias afetam também o baço, que aumenta muito de tamanho e contribui ainda mais para a anemia. As talassemias, caracterizadas por deficiente produção de hemoglobina, são marcadas clinicamente pela presença de anemia.
Uma das hemoglobinopatias mais comuns, a anemia falciforme é bastante comum em negros. A alta taxa de miscigenação difundiu a doença em praticamente todos os grupos populacionais. No Hemopa, são 460 pacientes ativos dessa anemia. Segundo Saíde Trindade, as talassemias são mais frequentes em populações descendentes de grupos originários do Mediterrâneo (italianos e espanhóis, entre outros). Em seu conjunto, estima-se que 5% de toda população mundial seja portadora de algum distúrbio de hemoglobina.
Embora não exista ainda cura para as hemoglobinopatias, as medidas de tratamento da anemia, na prevenção das crises hemolíticas previne infecções. No entanto, existe protocolo para pacientes com anemia falciforme que melhora qualidade de vida do paciente, através do diagnóstico precoce. “Alertados a tempo sobre o risco de recorrência da doença na família, os pais podem se beneficiar do aconselhamento genético e/ou do diagnóstico pré-natal para uma futura gestação. A realização do teste do pezinho pode salvar a vida de uma criança. Não esqueçam: diagnóstico precoce é qualidade de vida”, ressaltou a médica.
Programação
Às 9h15, será abordado o “Panorama atual da atenção integral aos portadores de Doenças Falciforme no Pará”, moderado pela diretora Técnica do hemocentro, dra. Alessandra Quinto Bentes. Da mesa redonda participarão: dra. Nazaré França, da Secretaria Estadual de Saúde do Pará (SESPA); dra. Saide Trindade (Hemopa); dra. Iê Fernandez (Hemopa); dr. João Farias Guerreiro (UFPA).
Às 11h30, as atividades serão retomadas com palestra sobre “Panorama atual da Política Nacional de Atenção Integral às pessoas com Doenças Falciforme e outras Hemoglobinopatias”, tendo como moderadora a médica Saide Trindade e como palestrante a dra Joice de Jesus, da Coordenação do Programa Nacional de Sangue e Hemoderivados (CPNSH).As atividades serão encerradas às 12h.

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Campanha de verão supera meta de coleta em Marabá

O Hemocentro Regional de Marabá encerrou campanha do verão com 517 coletas, superando a meta de 500. A ação que teve como tema “Neste verão faça o calor humano aumentar.Doe Sangue”, foi promovida de 03 a 31 de julho. Do total de doações, 296 foram efetivadas por homens e 221 por mulheres.A ação estratégica contou com apoio da UNIMDE local que disponibilizou faixas e out door para divulgação do evento. Todos os doadores do período concorreram a participação em uma das maiores festas populares de Marabá, o Maraluar. A imprensa local também prestou importante apoio com a cobertura da mobilização em favor da vida: a doação de sangue.

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Pais de Marabá são homenageados com campanha

O Hemocentro Regional de Marabá, em parceria com a UNIMED SUL DO PARÁ, promoveu campanha de estímulo à doação voluntária de sangue em homenagem ao Dia dos Pais, que resultou no excelente saldo de 126 coletas. A ação estratégica que foi realizada no período de 3 a 7 de julho, e teve como tema “Nem todo ídolo tem fama. Parabéns, pai doador de sangue”, que distribuiu canetas personalizadas e ofereceu café da manhã aos pais doadores funcionários. O ambiente foi animado com música ao vivo.Do total de doações efetivadas, 71 foram de homens e 55 de mulheres. A ação contou com apoio dos meios de comunicação local, que representa extrema importância para disseminação de informações e geração de estímulo à esse ato solidário.

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Hemopa debate diagnóstico e tratamento das hemoglobinopatias

Na próxima quarta-feira, 19, de 9h às 12h, a Fundação Hemopa promoverá I Seminário de Atenção Integral aos Portadores de Hemoglobinopatias no Pará, que será aberto às 9h, pela presidente do hemocentro, dra Fátima Pombo Montoril. O evento que conta com a parceria do Ministério da Saúde (MS), debaterá os temas mais atuais dessas doenças que, atualmente atingem cerca de 3.500 novos pacientes por ano no Brasil. No Hemopa, são cadastrados 672 portadores de hemogobinopatias, que são doenças genéticas decorrentes de anormalidades na estrutura ou na produção da hemoglobina, molécula presente nos glóbulos vermelhos e responsável pelo transporte do oxigênio para os tecidos.
Mais de 300 defeitos estruturais da hemoglobina já foram identificados, sendo a anemia falciforme a hemoglobinopatia mais conhecida. Os defeitos na taxa de produção das cadeias de hemoglobina são as talassemias (alfa ou beta-talassemias, de acordo com a cadeia cuja síntese está prejudicada). A hemoglobina é uma proteína formada por duas cadeias alfa (codificadas por um gene) e por duas cadeias beta (codificadas por outro gene). As hemoglobinopatias são causadas por uma alteração em um desses genes, afetando a estrutura da molécula (hemoglobinopatia estrutural) ou sua taxa de produção (talassemia).
De acordo com a gerente de Hematologia Clínica do Hemopa, dra. Saíde Trindade, as manifestações clínicas das hemoglobinopatias variam muito de acordo com o tipo de problema apresentado. As crianças com anemia falciforme (que tem esse nome porque os glóbulos vermelhos apresentam a forma de foice) produzem hemoglobina S no lugar da hemoglobina A normal, sendo altamente suscetíveis à anemia hemolítica (por ruptura dos glóbulos vermelhos) e a infecções que podem levar à sepsis (infecção generalizada do sangue). “Obstruções em pequenos vasos causam quadro de dor e comprometem progressivamente a função de órgãos e tecidos”, explicou, destacando que as alterações nas hemácias afetam também o baço, que aumenta muito de tamanho e contribui ainda mais para a anemia. As talassemias, caracterizadas por deficiente produção de hemoglobina, são marcadas clinicamente pela presença de anemia.
Uma das hemoglobinopatias mais comuns, a anemia falciforme é bastante comum em negros. A alta taxa de miscigenação difundiu a doença em praticamente todos os grupos populacionais. No Hemopa, são 460 pacientes ativos dessa anemia. Segundo Saíde Trindade, as talassemias são mais frequentes em populações descendentes de grupos originários do Mediterrâneo (italianos e espanhóis, entre outros). Em seu conjunto, estima-se que 5% de toda população mundial seja portadora de algum distúrbio de hemoglobina.
Embora não exista ainda cura para as hemoglobinopatias, as medidas de tratamento da anemia, na prevenção das crises hemolíticas previne infecções. No entanto, existe protocolo para pacientes com anemia falciforme que melhora qualidade de vida do paciente, através do diagnóstico precoce. “Alertados a tempo sobre o risco de recorrência da doença na família, os pais podem se beneficiar do aconselhamento genético e/ou do diagnóstico pré-natal para uma futura gestação. A realização do teste do pezinho pode salvar a vida de uma criança. Não esqueçam: diagnóstico precoce é qualidade de vida”, ressaltou a médica.
Programação
Às 9h15, será abordado o “Panorama atual da atenção integral aos portadores de Doenças Falciforme no Pará”, moderado pela diretora Técnica do hemocentro, dra. Alessandra Quinto Bentes. Da mesa redonda participarão: dra. Nazaré França, da Secretaria Estadual de Saúde do Pará (SESPA); dra. Saide Trindade (Hemopa); dra. Iê Fernandez (Hemopa); dr. João Farias Guerreiro (UFPA).
Às 11h30, as atividades serão retomadas com palestra sobre “Panorama atual da Política Nacional de Atenção Integral às pessoas com Doenças Falciforme e outras Hemoglobinopatias”, tendo como moderadora a médica Saide Trindade e como palestrante a dra Joice de Jesus, da Coordenação do Programa Nacional de Sangue e Hemoderivados (CPNSH).As atividades serão encerradas às 12h.

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Campanha com mais de 4 mil comparecimentos


O Governo do Estado, através da Fundação Hemopa comemora o excelente resultado de 4.386 comparecimentos de doadores de sangue durante campanha do veraneio, promovida de 03 a 31 de julho. Desse total, 1.533 foi o saldo de nove campanhas externas e 2.853 no hemocentro coordenador. “Neste verão, faça o calor humano aumentar. Doe Sangue”, foi o tema da ação estratégica realizada em mais oito unidades da hemorrede nos municípios de Castanhal, Marabá, Santarém, Abaetetuba, Altamira, Tucuruí, Redenção e Capanema.
Para a gerente de Captação de Doadores do Hemopa, a assistente social Juciara Farias, o resultado da campanha é uma resposta da sociedade que, a cada dia, está mais receptiva a esse tipo de mobilização de responsabilidade social. “Só temos a agradecer todos aqueles que atendem nossos apelos em favor da vida, com a doação de sangue. Nossa responsabilidade é grande e temos que dividi-la com a sociedade potencialmente doadora, especialmente as instituições públicas e privadas”, observou.De acordo com a programação, foram realizadas as seguintes campanhas externas: Nos dias 01 e 02, Detran com 121 e 109 comparecimentos respectivamente. Nos dias 06 e 07, no Shopping Castanheira com 132 e 178 comparecimentos. No dia 08, na 8ª Região Militar 95 comparecimentos. No dia 14, no Hospital Metropolitano com 286 Comparecimentos. No dia 15, em Ação do Governo no Guamá com 126 comparecimentos. No dia 16, na Agência Central dos Correios com 53 comparecimentos. No dia 22, no Tribunal de Contas do Estado com 119 comparecimentos. Nos dias 28 e 29, no Shopping Castanheira, que resultou em 103 e 144, comparecimentos, respectivamente. No dia 30, em Ação do Governo do Estado, no bairro da Condor com 67 comparecimentos.

Simpósio sobre Doença Falciforme

Está agendado para o período de 03 a 07/10/09, V Simpósio Brasileiro de Doença Falciforme e outras Hemoglobinopatias e Encontro Pan-Americano para Doença Falciforme OPAS/OMS, em Belo Horizonte (MG). Maiores informações: www.cehmob.org.br/simposio.

Hemopa no novo Conselho Estadual de Saúde

A Fundação Hemopa é órgão suplente do novo Conselho Estadual de Saúde, que foi instituído pela governadora Ana Júlia Carepa. Com 56 representantes, a eleição e posse dos conselheiros foi comemorado como um avanço em direção a participação popular nas decisões política significativas do Estado. O Hemopa estará representado pela gerente do Serviço Social de pacientes, a assistente social Marilda Brito Fernandes. Ela declarou seu orgulho de fazer parte desse processo que oportuniza a participação social que ouve o povo em sua gestão estadual.

Hemopa conectado com o mundo

Seguindo tendência mundial no uso de ferramentas de comunicação virtual, o Hemopa está com novo site, onde os usuários da internet poderão obter informações gerais sobre os serviços e produtos oferecidos. O hemocentro possui ainda Página no Orkut: Fundação Hemopa e uma comunidade: Doe Vida. Doe Sangue. Acesse e faça parte dessa corrente solidária.
Site: http://www.hemopa.pa.gopv.br/. BLOG: http://fundacaohemopa.blospot.com/.

Educação para assistência de enfermagem

Nos dias 18 e 19 deste mês, a equipe de enfermagem do hemorede participará do curso de “Assistência de enfermagem em catetes venosos e centrais”, ministrado pela enfermeira Rosilene Ilma R. de Freitas. O evento faz parte do programa de Educação Continuada do Serviço de Enfermagem do Hemopa, cujo objetivo é agregar informações específicas para as melhores práticas profissionais.