sexta-feira, 30 de abril de 2010

Campanhas externas reforçam estoque de sangue

Para reforçar estoque técnico de sangue da Fundação Hemopa, a Gerência de Captação de Doadores (GECAD) está fortalecendo e ampliando parcerias para realização de campanhas externas em vários pontos da cidade. No dia 29, o houve ação com a unidade móvel na Universidade do Estado do Pará (UEPA), de 8h às 15h, resultando em 52 cadastros de doação de medula óssea. A ação faz parte da programação da III Jornada Estadual de Saúde do Trabalhador, promovida pelo Centro de Referência Estadual em Saúde do Trabalhador. Paralelamente foi promovida a mesma ação na Secretaria de Saneamento, de 8h às 15, com 106 comparecimento para doação de sangue.
Nesta sexta-feira, 30, de 8h às 13h será vez de alunos, corpo docente e comunidade próxima da Escola Adventista de Icoaraci, fazer doação de sangue e inscrição para cadastro de doadores de medula óssea.
Nos dias 11 e 12 de maio, haverá ação estratégica com cadastro de medula e doação de sangue, em parceria com o Hospital de Clínicas “Gaspar Viana”, de 8h às 19h. A atividade faz parte do desenvolvimento do programa de “Captação Hospitalar”, que tem a finalidade de incentivar esses atos solidários em familiares de pacientes e comunidade atendida pelo estabelecimento de saúde.
Segundo a titular da GECAD, Juciara Farias, as campanhas externas são ações preventivas para incrementar o banco de sangue do hemocentro para garantir atendimento transfusional à rede hospitalar pública e privada do Estado. “Detectamos uma leve redução no nosso estoque de sangue. Para evitar eventual prejuízo ao serviço, saímos para rua com nossas unidades em parcerias com instituições de todas as esferas”, comentou, ressaltando a extrema importância da contribuição da sociedade civil organizada para manutenção da qualidade dos produtos e serviços oferecidos pelo Hemopa.
Qualquer pessoa saudável, com idade entre 18 e 65 anos e peso acima de 50 quilos. É necessário portar documento de identidade.Com a doação são realizados exames para diversas doenças, entre elas: Aids, Sífilis, Doença de Chagas, Hepatites, HTLV I e II, além de tipagem sangüínea. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses. Para doar sangue não é preciso estar em jejum. O doador deve estar bem alimentado.
O Hemopa espera por você na travessa Pe. Eutíquio, 2109. Funcionamento para coleta: de segunda a sexta-feira, de 7h30 às 18h, e aos sábados de 7h30 às 12h30. Maiores informações pelo fone: 08002808118 ou pelo site: www.hemopa.pa.gov.br
Foto: Hemopa convoca doadores de sangue

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Dia da sogra.Guerra? Que nada!

:: Por Tatiane Quadra

Aquela imagem da sogra “cobra cascavel”, que dá palpite em tudo, inclusi-ve na casa, no relacionamento e na criação dos filhos, já se dissipou. Não que elas não estejam prontas para proteger as crias com todas as armas, a qualquer sinal de perigo. Mas, ao que parece, as mães deixaram de encarar o cônjuge dos filhos como rival. Pelo contrário, o mais comum agora é ser aliada.Essa mudança de comportamento é um motivo forte para que se comemore em 28 de abril o Dia da Sogra. Veja bem que no calendário esta data fica bem distante do Dia das Bruxas. Portanto, não há desculpas para não parabenizá-la e dar um abraço apertado, ou até mesmo um presentinho. Afinal, ela criou tão bem o amor da sua vida.Mas, o mais importante é cultivar um bom relacionamento. Uma das chaves para isso é a comunicação. Para a operadora de caixa Aparecida Maria Marciano, 49 anos, que é sogra três vezes, não há nada que não possa ser resolvido na base do diálogo. “Converso com minhas noras e meu genro sobre todos os assuntos”, conta. “Nós almoçamos juntos e eles me levam para passear.” Até mesmo quando algo a incomoda, ela puxa o filho ou filha no canto e diz o que pensa, amigavelmente. “Não acho certo me intrometer”, explica.Dona Cida é a típica sogra amiga. E gosta de paparicar os pretendentes prestes a entrar na família. Ela admite que faz as comidas preferidas de cada um, só para agradar, porque sabe que este é o ponto fraco deles. “Não tenho o que reclamar de nenhum deles, pelo contrário”, afirma. “E não é para mim que eles têm de ser bons, mas sim para meus filhos. E se meu filhos estão felizes eu também estou.” Apesar disso, ela admite que já foi uma sogra “ruim” de propósito, embora não tenha chegado a ser má. Apenas não aprovou o primeiro namorado da filha. E por conta disso tratava o rapaz de modo formal. “Deixei que ela decidisse. E hoje ela me dá razão.” Cida garante que continuará a ser uma boa sogra quando os filhos casarem. Jura que irá cuidar dos netos, sem reclamar, e que vai respeitar o espaço dos casais. “Nunca tive ciúmes deles e não pego no pé de ninguém”, enfatiza. “Acho que não existe mais sogra ruim. A cabeça das mães mudou e agora somos mais liberais.” E ela é mesmo. Diz que já está acostumada com a bagunça dos namorados dormindo na casa, e que adora. Brinca que o único problema é o genro: um palmeireinse entre uma família de corintianos.
DicaPara Cida o Dia da Sogra é o segundo Dia das Mães, e deve ser comemorado. Ela conta o segredo de ser uma sogra legal. “Tem que tentar ser amiga, para conhecer melhor”, opina. “Não é certo julgar pela primeira impressão ou aparência da pessoa.”
Fonte: Tribuna da Revista





GAT tem novo integrante do Hemopa

O funcionário Luis Renato Franco Hagmann de Figueiredo, aceitou convite para compor o Grupo Técnico em Gestão de Equipamentos, da Coordenação Geral de Sangue e Hemoderivados (CGSH). Esse comitê tem como objetivo elaborar propostas e pactuar ações na área de gestão de Equipamentos nos Serviços de Hemoterapia e Hematologia, visando ainda, minimizar as desigualdades regionais, otimizando a aplicação de recursos, para se obter serviços com qualidade, funcionalidade e segurança nos procedimentos médicos. Parabéns!!

SESPA FAZ CURSO DE ATUALIZAÇÃO

O Núcleo de Ensino e Pesquisa (NEPES) informa que a Secretaria xde Estado de Saúde do Pará (SESPA) publicou edital para realização do curso de Atualização de Técnicos e auxiliares de Enfermagem com atuação nas maternidades, UTI e neonatal e atenção primária, através da escola Técnica do SUS “Dr, Manuel Ayres”. São 823 vagas que irão atender as necessidades de 15 municípios prioritários, durante uma semana por mês, no período de 3 meses. As inscrições iniciaram dia 14 e seguem até o dia 27/04. Os interessados devem acessar o site da SESPA, para ter acesso ao formulário de inscrição e o termo de compromisso com o curso.

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Hemopa convoca doadores e esclarece sobre vacina H1N1.

A falta de informação sobre o impedimento temporário da vacina contra a gripe Influenza H1N1 para a doação voluntária de sangue, que é de apenas 48 horas, pode estar provocando a redução de 4% no comparecimento de doadores na Fundação Hemopa. Para reverter a situação e evitar eventual prejuízo ao atendimento transfusional, a Gerência de Captação de Doadores (GECAD), esclarece especialmente à população jovem com idade entre 18 e 29, cujo cronograma de vacinação encerra nesta sexta-feira, que a vacinação não impede por muito tempo esse ato solidário. O setor também atribui que o período de intensas chuvas, sobretudo pela parte da tarde, dificulta o acesso ao hemocentro.
A campanha de vacinação contra a gripe Influenza H1N1, desenvolvida pelo Ministério da Saúde (MS), começou no dia 08 de março, para profissionais da saúde e indígenas, se estenderá até o dia 21 de maio, com imunização de pessoas na faixa etária de 30 a 39. No entanto, o que mais afeta a formação do estoque de sangue do hemopa, são as coletas do segmento jovem, que hoje representa mais de 50% das doações efetivadas no Estado. A vacinação desse público começou dia 05 de março e vai até hoje. Por isso, a atenção da GECAD voltada ao esclarecimento desse grupo de doadores de que a vacina só suspende a doação de sangue por dois dias.
Para a titular da GECAD, a assistente social Juciara Farias, o período chuvoso de nossa região dificulta o acesso de candidatos à doação não só na sede como nas unidades espalhadas pelo interior do Estado. “Sabemos que as pessoas evitam sair de casa com chuvas intensas, especialmente pela parte da tarde, mas apelamos para antigos e novos doadores fazer um esforço a mais e efetive sua coleta de sangue para formar estoque técnico”, comentou, afirmando que o hemocentro ainda não deixou de atender nenhuma solicitação de transfusão, mas pode ocorrer com a redução das ações voluntárias. “Queremos evitar o atendimento priorizado de urgência e emergência”, destacou.
Segundo ela, o Hemopa está incrementando as coletas com campanhas externas, entre elas, nos dias 26 e 27/04, de 8h às 16h, em frente ao Banco do Brasil, agência da Presidente Vargas.
Quem pode doar sangue
Qualquer pessoa saudável, com idade entre 18 e 65 anos e peso acima de 50 quilos. É necessário portar documento de identidade.Com a doação são realizados exames para diversas doenças, entre elas: Aids, Sífilis, Doença de Chagas, Hepatites, HTLV I e II, além de tipagem sangüínea. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses. Para doar sangue não é preciso estar em jejum. O doador deve estar bem alimentado.
O Hemopa espera por você na travessa Pe. Eutíquio, 2109. Funcionamento para coleta: de segunda a sexta-feira, de 7h30 às 18h, e aos sábados de 7h30 às 12h30. Maiores informações pelo fone: 08002808118 ou pelo site: www.hemopa.pa.gov.br

Militares tornam-se doadores de medula óssea

O Batalhão de Infantaria de Aeronáutica Especial de Belém (BINFAE-BE), Batalhão Marajó, iniciou uma campanha de doação de medula óssea entre recrutas. Até o momento, 1.300 militares já foram cadastrados no Registro Brasileiro de Doador Voluntário de Medula Óssea – REDOME.
A ação social é feita em parceria com o Centro de Hemoterapia e Hemologia do Pará – HEMOPA que fornece instrutores e profissionais de saúde que recolhem amostras de sangue para o registro.Segundo a assistente social do HEMOPA, Maria Cláudia da Silva Oliveira, quanto mais pessoas cadastradas maior são as chances de se encontrar pacientes compatíveis.
“Em oito anos, o estado do Pará conseguiu cadastrar 36 mil doadores. Neste período, apenas três foram os casos de compatibilidade, já que o índice de compatibilidade no país é de 1/100 mil. Ou seja, é muito difícil salvar vidas quando não há conscientização da sociedade. Temos cerca de 150 pacientes aguardando a doação de medula sendo esta a única chance de sobreviverem, já tendo sido feito quimioterapia, radioterapia e todas as demais alternativas médicas. Por isso a iniciativa do BINFAE-BE é um exemplo digno de ser lembrado e seguido”, afirma.
A doação é feita em aproximadamente 90 minutos, com punções nos ossos posteriores da bacia para a retirada da medula, no máximo 10%, sendo que esta retirada não causa qualquer comprometimento à saúde do doador. A medula também pode ser colhida pelo braço (sangue periférico) através do procedimento de aférese, que separa apenas as células necessárias ao transplante. O doador fica, no máximo, 24h no hospital para exames e avaliações, sendo recomposta a medula doada em apenas 15 dias. Pode doar qualquer pessoa entre 18 e 55 anos não tendo tido câncer ou HIV.
O 1º Ten GDS Jorge Luiz Bernardo da Silva, idealizador e grande entusiasta das ações de responsabilidade social do Batalhão Marajó, a adesão é de 95% dos militares tendo sido 100% nesta última edição, com 190 doadores. No total, já são 1.300 nomes cadastrados
“Nos três anos de parceria com o HEMOPA mostramos que é possível atuarmos voluntariamente em prol da sociedade plantando sementes de conscientização social. Além da doação propriamente dita, oferecemos aos recrutas palestras e aulas que fazem deles multiplicadores da iniciativa. Só assim poderemos melhorar a situação do país, que é o terceiro do ranking mundial de doadores, perdendo apenas para os EUA e Inglaterra”, conclui.
Fonte: I COMAR

terça-feira, 20 de abril de 2010

Brinquedoteca humaniza atendimento médico às crianças

Espaço humanizado com atividades recreativas, educativas, pedagógicas e de terapia ocupacional. Esse é o ambiente do mais novo espaço inaugurado na Fundação Hemopa: a “Brinquedoteca”, voltado para pacientes da pediatria ambulatorial. A fita inaugural foi descerrada pela presidente do hemocentro, dra. Maria de Fátima Pombo Montoril; a diretora Técnica, dra. Alessandra Bentes; e o diretor Administrativo e Financeiro, o contador Gilmar Rocha, que contaram com a presença da gerente do Serviço Social (GESES), Marilda Brito e demais gerentes da área de atendimento ambulatorial.
A inauguração fez parte da programação comemorativa ao Dia Mundial da Hemofilia, que foi festejado dia 17 passado. Para tanto, o Hemopa promoveu nos dias 19 e 20, Curso sobre Coagulopatias para funcionários da hemorrede, pacientes e familiares; e profissionais da área de saúde em geral, no auditório do hemocentro. A capacitação encerra hoje às 18h.
Demonstrando muita satisfação ao inaugurar o novo espaço, a médica Fátima Montoril parabenizou toda a equipe da Coordenadoria de Atendimento Ambulatorial (COAMB), mas especificamente da GESES, pelo empenho em oferecer um espaço humanizado às crianças que recebem tratamento médico especializado no hemocentro. “Esse ambiente é de todos os pacientes. Espero que todos sejam muito mais felizes aqui”, desejou.
Com a palavra, a dra. Alessandra Bentes ressaltou que a “Brinquedoteca” é uma forma de valorizar o trabalho da equipe da GESES, ao proporcionar um espaço mais humanizado e sem o estigma das doenças. “Garantir saúde também é oferecer ambiente lúdico e com alegria. Todos nós podemos fazer com que a vida dessas crianças seja mais feliz. Isso é muito importante”, observou.
Segundo a assistente social Marilda Brito, o objeto da inauguração faz parte do projeto “Espaço Brincar”. Ela agradeceu o apoio da alta administração do hemocentro para viabilizar a brinquedoteca, que tem uma proposta terapêutica, pedagógica e recreativa. “Tudo nesse espaço é voltado para o melhor atendimento de nossas crianças”, finalizou.
Enquanto a “Brinquedoteca” era inaugurada, os pacientes Pedro Paulo Lima Mendonça, 7 anos e João Batista Gomes Farias de Andrade, 6 anos, ambos portadores de anemia falciforme, já desfrutavam do novo espaço. Para o primeiro menino, o cantinho da leitura é o seu local preferido. Já o seu coleguinha, acha mais divertido os brinquedos espalhados pelas prateleiras.Eles recebem tratamento especializado pela equipe mutidisciplinar do Hemopa, desde os cinco e seis meses de idade, respectivamente.
Foto 1-Alta administração e demais gerentes na inauguração da "Brinquedoteca". Foto 2- O paciente Pedro Paulo no "Cantinho da Leitura". Foto 3- Auditório lotado para curso de Coagulopatias.

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Caminhão baú reforça frota de veiculos

A Gerência de Transporte (GETRA) da Fundação Hemopa ganhou novo reforço na manhã desta quinta-feira, 15, com a aquisição de um caminhão baú com capacidade para 5 toneladas, que facilitará o transporte de cargas e hemocomponentes.
O veículo foi recebido pelo titular da GETRA, Wilson Pereira, que ressaltou a importância dessa mais nova aquisição à frota de veículos do hemocentro, para melhorar cada vez mais o atendimento dos serviços internos e externos da instituição.O Hemopa espera por você na travessa Pe. Eutíquio, 2109. Funcionamento para coleta: de segunda a sexta-feira, de 7h30 às 18h, e aos sábados de 7h30 às 12h30. Maiores informações pelo fone: 08002808118 ou pelo site: www.hemopa.pa.gov.br.
Foto: Wilson Pereira entrega chaves do caminhão ao motorista Araújo que vai conduzir a nova aquisição do Hemopa.

Dia da Hemofilia comemorado com capacitação e bem estar

Tratamentos eficazes e seguros ao alcance de todos, centros de tratamento verdadeiramente multidisciplinares, que olhem para o imediato dos problemas físicos da hemofilia, mas também, que cuide das vertentes emocionais, psicológicas, educacionais e sociais dos pacientes, porque todas as dimensões do ser humano são indissociáveis. É com este pensamento que o Governo do Estado, através da Fundação Hemopa, que presta atendimento a 360 pacientes hemofílicos, comemora o Dia Mundial da Hemofilia, neste sábado, 17. Em homenagem alusiva à data, a Coordenadoria de Atendimento Ambulatorial (COAMB) do hemocentro promoverá Curso de Capacitação em Hematologia/Hemoterapia-Coagulaopatias Hereditárias, nos dias 19 e 20 de abril, no auditório do hemocentro, visando melhorar cada vez mais o atendimento e os serviços aos pacientes portadores de Coagulopatias Hereditárias, incluindo as hemofilias A e B, além de proporcionar maior integração entre a equipe multidisciplinar, pacientes e familiares.
Segundo a titular da COAMB, a médica Iê Bentes, na manhã do dia 20, por ocasião do segundo dia de atividades do curso sobre coagulopatias, o Hemopa vai inaugurar o novo espaço da “Brinquedoteca”, onde pacientes pediátricos receberão atendimento com atividades recreativas, educativas e de terapia ocupacional monitorados por profissionais especializados. “É mais um espaço para oferecer aos nossos pequenos pacientes a oportunidade de interagir com as demais crianças, enquanto aguardam atendimento”, observou.
Atualmente a fundação presta assistência ativa para cerca de 12.724 pacientes, que têm atendimento especializado por uma equipe multidisciplinar composta por médicos, psicólogos, fisiatras, fisioterapuetas, odontólogos, enfermeiras e pedagogas, que garantem tratamento diferenciado e com excelentes índices de resultabilidade, assegurando melhor qualidade de vida aos pacientes e melhor orientação aos seus familiares.
De acordo com as explicações de Iê Bentes, a Hemofilia é um distúrbio hereditário que se origina de um defeito da coagulação sangüínea, provocando sangramento. O corpo depois de uma lesão depende da coagulação do sangue para parar o sangramento. A coagulação normal previne as equimoses (manchas roxas) e o sangramento dentro dos músculos e articulações, que poderiam ser o resultado de pequenas lesões em consequência das atividades da vida diária. Isso depende de elementos do sangue que são chamados fatores de coagulação. Se um desses fatores não estiver presente em quantidade suficiente, pode acontecer um sangramento excessivo. O portador de hemofilia possui menor quantidade ou ausência de alguns fatores da coagulação.
A doença tem dois tipos mais comuns: o tipo A é a mais comum devido a deficiência Fator VIII (FVIII). A Hemofilia B ocorre em função de uma deficiência do Fator IX (FIX).
A doença afeta quase exclusivamente os homens e atinge todas as populações. É transmitido por mulheres que normalmente não possuem problemas de sangramento. Das desordens genéticas, a Hemofilia tem a maior taxa de mutações com aproximadamente 1/3 de novos casos em famílias sem registro anterior. A ocorrência é de um caso em cada 10 mil habitantes.
Os primeiros sintomas hemorrágicos da Hemofilia podem ser percebidos desde a infância, por exemplo, um pequeno traumatismo pode desencadear dor intensa, hematomas, episódios hemorrágicos nos músculos e articulações. Por ser uma doença hereditária relacionada ao cromossomo X, a Hemofilia é transmitida por um homem hemofílico ou por uma mulher portadora do gene com essa informação, aos seus descendentes.
Embora incurável, a Hemofilia é controlável desde que se administre a transfusão do Fator de coagulação do sangue faltante e seja acompanhada por equipe multidisciplinar especificamente treinada. O hemofílico bem atendido pode e deve ter uma vida normal.Pela especificidade das características da Hemofilia como patologia e com o firme propósito de buscar melhores condições de tratamento aos hemofílicos, estes se organizaram no mundo fundando a Federação Mundial de Hemofilia, onde os hemofílicos brasileiros são representados pela Federação Brasileira de Hemofilia: http://www.hemofiliabrasil.org.br/.
O Hemopa espera por você na travessa Pe. Eutíquio, 2109. Funcionamento para coleta: de segunda a sexta-feira, de 7h30 às 18h, e aos sábados de 7h30 às 12h30. Maiores informações pelo fone: 08002808118 ou pelo site: www.hemopa.pa.gov.br .
Foto1- Monitores auxiliam pacientes ususárias da brinquedoteca. Foto 2- Um momento de relax durante espera da consulta


terça-feira, 13 de abril de 2010

Mudanças no Código de Ética Médica

Várias mudanças dão o novo contorno para o Código de Ética Médica, que há 22 anos não sofria alterações. As novas mudanças, que estão valendo a partir de hoje, 13, têm como principal objetivo mudar a rotina no relacionamento entre médico e paciente e deverão ser aplicadas imediatamente.
Os artigos do código levaram dois anos para serem alterados e dependeram do posicionamento de cerca de 400 delegados de conselhos, responsáveis pela definição das novas regras.
Entre as principais mudanças, destacamos: Falta de plantões: Falta já era proibido.O novo código inclui uma cláusula que responsabiliza o estabelecimento de saúde, que pode ser advertido, notificado e, na reincidência, até descredenciado. Caligrafia: Os médicos estão proibidos de receitar, atestar ou emitir laudos de forma secreta ou ilegível, sem a devida identificação de seu número de registro no CRM ou assinar em branco. Manipulação genética: O médico não pode influenciar sobre genoma humano, com vista à sua modificação, exceto em terapia que influencie beneficamente, excluindo-se qualquer ação em embriões que resulte em mudança genética. Pacientes terminais: O médico deve evitar realização de diagnósticos e terapias que não resultem em cura, melhora clínica, alívio de dor ou aumento no conforto do paciente e proporcionará a ele todos os cuidados paliativos apropriados.Segunda opinião: O médico não pode se opor à realização de um trabalho em conjunto. Relação com farmácias: O médico não pode ter relação com farmácia e comércio.
Fonte: Conselho Federal de Medicina (CFM)

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Capacitação em Hemovigilância

Nesta terça-feira, 13, o Governo do Estado, através da Fundação HEMOPA, realizará a I Oficina em Hemovigilância, que tem o objetivo de minimizar os riscos à saúde, decorrente da prestação desses serviços, da produção e uso de hemocomponentes, buscando a proteção da saúde coletiva. A Atividade é uma espécie de pré congresso do XV Congresso Médico Amazônico, que será promovido em Belém, de 25 a 28 deste mês.
Segundo a diretora Técnica do Hemopa, a dra. Alessandra Bentes, a hemovigilância insere-se no contexto do controle dos riscos transfusionais relacionados aos serviços de hemoterapia. Nesse aspecto, a programação conta com a participação da dra. Maria de Fátima Alves Fernandes, da Unidade de Bio e Hemovigilância (BHEM/ANVISA), do dr. Cleber Marques, da Vigilância Sanitária do Pará (VISA), das dras. Ana Luiza Langanke e Alessandra Bentes (HEMOPA) e do dr. Rubenilson Valois, também do HEMOPA.
Em parceria com a Sociedade Médico Cirúrgica, o evento tratará dos seguintes temas: Hemovigilância – Sua importância para a prática de Vigilância Sanitária no Brasil;Notificações de reações transfusionais – NOTIVISA;Hemovigilância no Brasil – Análise dos dados de 2007 e 2008; Hemovigilância no Pará – Análise dos dados de 2007 e 2008;Comitê Transfusional – Ferramenta para redução de subnotificação em hemovigilância;Mesa redonda – As interfaces da hemovigilância; O papel da ANVISA; O papel da VISA estadual;O papel do serviço de hemoterapia;Fluxo de investigação de doenças infecciosas e parasitárias transmitidas pelo sangue;Reações transfusionais – diagnóstico diferencial, algoritmos de investigação e incidências das reações transfusionais imediatas;Reações transfusionais - diagnóstico diferencial, algoritmos de investigação e incidências das reações transfusionais tardias não infecciosas.

Hemopa oficina sobre captação hospitalar

Nesta quinta-feira, 15, a Fundação Hemopa participará do XV Congresso Médico Amazônico, com a realização da Oficina de Captação Hospitalar, no auditório do hemocentro, de 9h às 12h. O evento tem a finalidade de promover educação continuada em captação de doadores de sangue aos profissionais da área de saúde, além de formar agentes multiplicadores para sensibilização e divulgação desses serviços.
A oficina será aberta pela presidente do Hemopa, dra. Maria de Fátima Montoril em conjunto com a diretora Técnica dra. Alessandra Quinto Bentes, que recepcionarão os presentes, enfatizando a responsabilidade do hemocentro em atender a comunidade hospitalar, desenvolvendo atividades educativas para incentivar a questão da responsabilidade social da doação de sangue na sociedade potencialmente doadora.
A programação científica terá início às 9h30, com palestra sobre “ O cenário brasileiro da captação de doadores”, ministrada pela consultora Técnica do Ministério da Saúde MS) assistente social Vânia Lúcia de Mello (DF). Às 10h, a gerente de Captação de Doadores do Hemopa, a assistente social Juciara Farias falará sobre “O perfil da captação de doadores do Estado do Pará”. Às 10h50, será abordado o tema “Doadores de medula óssea- A importância da Captação”, pela assistente social Maria Aparecida Rocha Salgado. Logo em seguida o paciente transplantado, Paulo Sérgio da Silva Figueredo, dá seu depoimento sobre sua experiência, que será complementado por Marcelo Silva, que doou medula óssea.Às 11h40, terá início mesa redonda que abordará o tema “A experiência da captação hospitalar na Fundação hemopa”, pela assistente social Cristina Mendes. O evento será encerrado com o relato de experiências de profissionais dos hospitais ‘Porto Dias” e “Gaspar Viana”

quinta-feira, 8 de abril de 2010

IASEP AMPLIA ATENDIMENTO MÉDICO

A Fundação Hemopa informa aos seus servidores que o IASEP realizará ação descentralizada para agilizar o acolhimento de requerimentos e cópias de documentos para assegurar inscrição de filhos de 18 a 24 anos, no serviço de assistência à saúde.
O atendimento para funcionários do Hemopa será realizado no período de 13 a 20 deste mês, de 9h às 16h, no auditório da Casa do Trabalhador, na Av. Magalhães Barata, nº 53, entre Trav. 14 de março e Trav. Alcindo Cacela.A ampliação desses direitos consta na Lei nº 7.379/2010, que assegura a inclusão de dependentes de 18 a 24 anos, cujo efeito legal ocorrerá em 11/05/2010. Mais informações: 40067951.

Hemopa faz Trote solidário no Madre Celeste

A unidade móvel de sangue da Fundação Hemopa esteve nesta quarta-feira, 7, de 16h às 22h, na Escola Superior Madre Celeste, realizando campanha de doação voluntária de sangue e cadastro de doadores de medula óssea, resultou em 162 comparecimentos para coleta de sangue e 92 novas inscrições para medula óssea. A iniciativa solidária foi dos alunos do curso de Gestão Hospitalar.
A atividade de coleta externa em estabelecimentos de ensino superior, faz do programa “Trote Solidário”, do hemocentro, que tem o objetivo de estimular o ato na comunidade acadêmica, mais especificamente, entre os calouros. Atualmente, do total de coleta efetivadas na sede do hemocentro, mais de 50% são de jovens entre 18 e 29 anos. Para a gerente de Captação de Doadores, a assistente social Juciara farias, isso reflete o resultado prático do programa “Doador do Futuro”, que atua em escolas da rede pública e privada, e tem a finalidade de mostrar a doação de sangue como ato de responsabilidade social aos futuros adultos. “O Trote Solidário é o desdobramento desse programa”, explicou.
Segundo ela, instituições públicas ou privadas interessadas em participar de um desses programas, devem entrar em contato com a Gerência de Captação de Doadores (GECAD), de 2ª a 6ª, de 8h às 18h, através dos fones: 3242.9100-R/205.
Quem pode doar sangue
Qualquer pessoa saudável, com idade entre 18 e 65 anos e peso acima de 50 quilos. É necessário portar documento de identidade. Com a doação são realizados exames para diversas doenças, entre elas: Aids, Sífilis, Doença da Chagas, Hepatites, HTLV I e II, além de tipagem sangüínea. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses. Para doar sangue não é preciso estar em jejum. O doador deve estar bem alimentado. O Homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses.
O Hemopa espera por você na travessa Pe. Eutíquio, 2109. Funcionamento para coleta: de segunda a sexta-feira, de 7h30 às 18h, e aos sábados de 7h30 às 12h30. Maiores informações pelo fone: 08002808118 ou pelo site: www.hemopa.pa.gov.br ou pelo blog: http://fundacaohemopa.blogspot.com

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Universitários do “Madre Celeste” doam sangue

A unidade móvel de sangue da Fundação Hemopa estará nesta quarta-feira, 7, de 16h às 22h, na Escola Superior Madre Celeste, realizando campanha de doação voluntária de sangue. A iniciativa é dos alunos do curso de Gestão Hospitalar.
A atividade de coleta externa em estabelecimentos de ensino superior, faz do programa “Trote Solidário”, do hemocentro, que tem o objetivo de estimular o ato na comunidade acadêmica, mais especificamente, entre os calouros. Atualmente, do total de coleta efetivadas na sede do hemocentro, mais de 50% são de jovens entre 18 e 29 anos. Para a gerente de Captação de Doadores, a assistente social Juciara farias, isso reflete o resultado prático do programa “Doador do Futuro”, que atua em escolas da rede pública e privada, e tem a finalidade de mostrar a doação de sangue como ato de responsabilidade social aos futuros adultos. “O Trote Solidário é o desdobramento desse programa”, explicou.
Segundo ela, instituições públicas ou privadas interessadas em participar de um desses programas, devem entrar em contato com a Gerência de Captação de Doadores (GECAD), de 2ª a 6ª, de 8h às 18h, através dos fones: 3242.9100-R/205.
Quem pode doar sangue
Qualquer pessoa saudável, com idade entre 18 e 65 anos e peso acima de 50 quilos. É necessário portar documento de identidade. Com a doação são realizados exames para diversas doenças, entre elas: Aids, Sífilis, Doença da Chagas, Hepatites, HTLV I e II, além de tipagem sangüínea. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses. Para doar sangue não é preciso estar em jejum. O doador deve estar bem alimentado. O Homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses. O Hemopa espera por você na travessa Pe. Eutíquio, 2109. Funcionamento para coleta: de segunda a sexta-feira, de 7h30 às 18h, e aos sábados de 7h30 às 12h30. Maiores informações pelo fone: 08002808118 ou pelo site: www.hemopa.pa.gov.br ou pelo blog: http://fundacaohemopa.blogspot.com