terça-feira, 31 de maio de 2011

Campanhas externas

Para incrementar o número de doações de sangue e de cadastro de medula óssea, a Fundação Hemopa elaborou programação de campanhas externas durante todo o mês.
Até as 15h de hoje (31),a unidade móvel de coleta de sangue na Companhia de Comando da 8ª Região Militar (Cia Cmd 8ª RG), com doação de sangue e cadastro de medula.
Dia 2,na Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA), de 8h30 às 18h, com doação de sangue e formação de cadastro de medula óssea.
Dia 3, na Escola de Ensino Fundamental e Médio "Ruth Almeida", de 8h às 17h, com doação de sangue e cadastro de doação de medula óssea. Dia 7, de 8h às 16h,na Cia Atlética, com doação de sangue.
Dias 8 e 9, de 8h às 18h, no Hospital de Santa Casa, com doação de sangue.

Quem pode doar sangue: Qualquer pessoa saudável, com idade entre 18 e 65 anos. Necessário portar documento de identidade original e com foto.Com a doação são realizados exames para diversas doenças, entre elas: Aids, Sífilis, Doença da Chagas, Hepatites, HTLV I e II, além de tipagem sangüínea. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses. Para doar sangue não é preciso estar em jejum. O doador deve estar bem alimentado.
Quem pode fazer cadastro de doação de medula óssea: Homem ou mulher saudáveis e com faixa etária de 18 a 55 anos.
Serviço:O Hemopa espera por você na travessa Pe. Eutíquio, 2109.Maiores informações pelo fone: 08002808118 ou 32429100.www.hemopa.pa.gov.br.

Getra parabeniza funcionários


Pelo terceiro mês consecutivo, o gerente de Transportes (Getra), Mauro Freitas, promove comemoração de aniversariantes do mês, de profissionais daquele setor. Na manhã desta terça-feira, 31, houve reunião da equipe de motoristas e do quadro administrativo para parabenizar os funcionários Jory Santos, José Guimarães Gamacho e Carlos Alexandre Oliveira dos Santos.
Segundo o titular da Getra, a reunião mensal tem o objetivo de maior integração entre os colegas de trabalho e uma forma de parabenizar o empenho e profissionalismo de cada funcionário. “É um momento de descontração e valorização do servidor”, destacou Mauro Freitas, que também está à frente da Associação dos Servidores do Hemopa (Asmopa), e na organização da festa junina dos servidores, o VI “Forroglobina”, que será realizado no próximo dia 22, na sede Social do Clube do Remo, a partir das 22h.
Os participantes poderão desfrutar de várias atrações, entre elas: Aparelhagem “Pirata Som”, apresentação de “Jorginho Gomes e Banda”, do Grupo “Pará Folclórico”, concurso de Miss e Mister Caipira, além de sorteio de brindes.

Sespa apoia criação de Centros de Transplantes

A criação de um Grupo de Trabalho voltado à elaboração de um Projeto de Implantação de um Centro de Transplante de Medula Óssea no Pará foi a proposta que o secretário de Estado de Saúde Pública, Helio Franco, apresentou nesta sexta-feira, 27, no Workshop “Transplante de Medula Óssea na Região Norte: por que não?”, que compôs a programação do III Congresso de Hematologia e Hemoterapia, promovido pela Associação Brasileira de Hematologia e Hemoterapia (ABHH), no Hangar.
O workshop foi conduzido pelo coordenador nacional de Hemoderivados do Ministério da Saúde, Guilherme Genovez, e moderado pela médica Simone Maradei Pereira, com a presença de médicos hematologistas de diversos Estados, incluindo a presidente da Fundação Hemopa, Luciana Maradei.
Segundo Helio Franco, o governo do Estado tem todo interesse e vontade política de viabilizar, em médio prazo, a implantação do Centro de Transplante de Medula Óssea. "E esse projeto, com certeza, será incluído no Plano Plurianual (PPA), que prevê ações para o período de 2012 a 2015. Pois para viabilizá-lo é preciso planejamento e financiamento”, observou.
Falando de maneira geral sobre a necessidade de Centros de Transplante de Medula Óssea nos Estados brasileiros, Helio Franco disse que é fundamental convencer os gestores sobre a importância desse serviço e envolver a sociedade nessa luta e até o Ministério Público, se possível.
"O projeto é perfeitamente viável porque já existe uma equipe de profissionais especializados e dispostos a lutar por isso, além de uma excelente estrutura na Fundação Hemopa. No entanto, o Estado ainda precisa definir o local de implantação do Centro, e essa escolha também caberá a esse Grupo de Trabalho", disse.
De acordo com o secretário, o Centro de Transplante de Medula Óssea deve funcionar dentro de um Hospital Geral, com todo o suporte necessário ao serviço de transplante, e não isoladamente. Assim, uma das opções do Estado é o Hospital Ophir Loyola (HOL), que é referência em Oncologia. O transplante de medula poderia funcionar no mesmo local dos demais transplantes, já que o governo do Estado também pretende expandir os serviços de transplante de rim e implantar o transplante de fígado. “Até já avançamos um pouco este ano, já que enquanto no primeiro trimestre de 2010 foi realizado apenas um transplante de rim no Pará, no mesmo período deste ano já foram feitos 18”.
O presidente da Fundação de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas (Hemoam), Nelson Abrahim Fraiji, criticou a postura do Ministério da Saúde, que precisa universalizar os Centros de Transplantes de Medula Óssea, da mesma forma que fez com os Hemocentros, ou seja, criou uma política específica e determinou que os Estados implantassem, por isso o funcionamento, em termos de qualidade, é semelhante em todo o Brasil. Ele propõe, assim, que o Ministério da Saúde tome a iniciativa e financie a implantação dos Centros de Transplante de Medula Óssea em todos os Estados, especialmente na Região Norte, onde não existe nenhum. Para ele, há necessidade de todos terem acesso às tecnologias nessa área.
Como o titular da Sespa faz questão de destacar sempre, Fraiji também criticou o fato de o Ministério da Saúde tratar de forma igual os desiguais. E defendeu que a Amazônia seja tratada de forma diferenciada por causa das suas peculiaridades, que incluem os aspectos geográficos e longas distâncias entre os municípios do interior e a capital.
Com ausência de um representante da Coordenação do Sistema Nacional de Transplantes do Ministério da Saúde, coube ao diretor do Centro de Transplante de Medula Óssea (Cemo) do Instituto Nacional do Câncer (Inca), Luís Fernando da Silva Bouzas, e a Guilherme Genovez defender o Ministério da Saúde. Os dois informaram que os Estados devem apresentar seus projetos de implantação de Centros de Transplantes de Medula Óssea e que receberão todo o apoio necessário para tal.
Na hora do debate, a presidente da Fundação Hemopa, Luciana Maradei, disse que hoje, diferentemente da época em que os Hemocentros foram implantados, o Brasil dispõe de tecnologia e locais de treinamento, sendo desnecessário enviar profissionais para fora do País. Como Nelson, ela defende que seja adotada no transplante de medula óssea a mesma lógica dos hemocentros. “Eles são o melhor exemplo de universalidade do SUS”, enfatizou.
O evento também contou com palestra da supervisora do Centro de Transplante de Medula Óssea da Fundação de Hematologia e Hemoterapia de Pernambuco (Hemope), Érika Oliveira de Miranda Coelho, que relatou a experiência do Centro desde sua criação até os dias atuais.
Roberta Vilanova - Ascom/Sespa

Estande do Hemopa mobilizou congresso


Duas universitárias foram as premiadas com aparelho Ipad no dia, 26, no estande da Fundação Hemopa, durante o primeiro dia do III Congresso Pan Amazônico de Hematologia e Hemoterapia, realizado no Hangar. As duas sortudas foram as estudantes Joze Carla Leite, do curso de Enfermagem do Centro de Estudos Superiores do Pará (Cesupa); e Elisa Chaves Oliveira, da Escola de Ensino Superior da Amazônia (Esamaz). No dia 27, foi sorteado mais um aparelho Ipad cujo ganhador foi o universitárioRodrigo Andrade da Silva, de Rondonópolis (MT). Os três aparelhos foram doados pelo empresa Fujicom, que esteve representada pelo seu gerente Geral Comercial Celso Rodrigues.
Neste mesmo dia, ainda foram sorteados quatro aparelhos de celular doados pela TIM. As ganhadoras foram Karla Augusta Gabriel, que é estudante da Escola de Ensino Superior da Amazônia (Esamaz);Lucilene Gonsalez, da Esamaz;Cássia da Silva e Maria Luiza Coimbra, ambas estudantes da Universidade Federal do Pará (UFPA).
Durante o sorteio, o estande do Hemopa ficou completamente tomado por congressistas concorrentes. No espaço, o visitante teve a sua disposição dois aparelhos de notebooks com acesso livre à internet; dois monitores de TV LCD com exibição de vídeos institucionais e outras peças publicitárias para a captação de doadores e demonstração de outros produtos e serviços oferecidos pela instituição aos seus usuários.
Para quem não conhece o Hemopa, um monitor de LCD exibe o vídeo “Hemotur”, com fotos do "Ciclo do Sangue", que mostra desde a captação de doadores até a distribuição do produto para a rede hospitalar pública e privada do estado, que atualmente é composta por 218 casas de saúde. Mas, o visitante também pode conhecer, pelo mesmo sistema, o atendimento médico especializado a pacientes portadores de doenças do sangue; além do Banco de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário (BSCUP) e a engrenagem da hemorrede no interior do Estado. Mas isso não é tudo, durante todo o dia, uma equipe de funcionários repassam informações gerais sobre os serviços, além da distribuição de sachês com cheiro do Pará, biscoitos regionais, bombons, canetas com logo do Hemopa e material educativo.

Congresso debateu criação de Centros de Transplantes na região Norte

O segundo dia do III Congresso Pan Amazônico de Hematologia e Hemoterapia, realizado no Hangar, dia 27, de 8h às 18h, teve como foco de discussão a implantação de Centros de Transplantes da Região Norte. Segundo recente pesquisa do Instituto Nacional do Câncer (Inca) a região tem o menor número de cadastros enviados a Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea. O Pará, através da Fundação Hemopa, tem elevado gradativamente o número de inscritos, que somente de 2009 a 2010 aumentou em 142%.
O debate sobre o tema foi travado dentro do "Workshop TMO na Região Norte: Por que não?", tendo como coordenador de mesa Guilherme Genovês, da Coordenação Geral do Sangue de Hemoderivados (CGSH), do Ministério da Saúde (MS), com a moderação da hematologista Simone Maradei (Inca); a médica Érika Coelho (PE), dr. Luis Fernando Bouzas, coordenador do Inca; o secretário de Estado de Saúde do Pará, Hélio Franco; Nelson Fraji, do Hemocentro do Amazonas.
Atualmente o Brasil registra a marca de 2,2 milhões de doadores de medula óssea, sendo o terceiro maior banco de dados do gênero do mundo, ficando atrás apenas dos registros dos Estados Unidos e Alemanha. O crescimento progressivo de cadastrados no Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome), aumentou as possibilidades de se encontrar compatibilidade no Brasil. No Pará, o serviço é oferecido pelo Hemopa desde 2002, e até março deste ano já efetivou quase 62 mil cadastros, registrando elevação de 142% entre 2009 e 2010.
Segundo Luis Fernando Bouzas, a quantidade de doadores cresceu depois de investimentos na parceria com hemocentros e instituições responsáveis pela captação de doadores no Brasil. O grande aumento de registro no Redome fez com que o Inca, coordenador do registro, mudasse o foco do trabalho. “Agora estamos em busca da fidelização do doador. Todo esse empenho para termos um registro de doadores brasileiro confiável, que chega a impressionar os profissionais de outros países, não seria válido se a doação não chegasse ao paciente, que é o objetivo final de todo este esforço", comentou Bouzas.
Para a gerente do serviço de cadastro de doadores de medula óssea do Hemopa, a assistente social Juciara Farias, o aumento de inscrições no Redome no Pará, deu-se em função da informatização do sistema, que impulsionou o serviço e agilizou a realização da tipagem do Antígenos Leucocitário Humano (HLA). “Não podemos esquecer a grande importância das parcerias de instituições públicas e privadas na realização de campanhas interna e externa”, completou, informando que a atuação do Pará ajuda a salvar vidas no Estado, no Brasil e no mundo, já que o sistema de busca de doador compatível é mundial. Atualmente cerca de 1.200 pacientes aguardam por transplantes no Brasil. No Pará, a fila é formada por aproximadamente 150 pessoas.
Foto 1-Mesa coordenada pelo secretário de Saúde, dr. Hélio Franco.

PPA de 2012-2015 começa a ser elaborado

A presidente da Fundação dra. Luciana Maradei e sua Comissão Técnica, participaram da reunião inicial para a elaboração do Plano Plurianual (PPA), principal instrumento de planejamento de médio prazo das ações do Governo, foi dado na manhã desta segunda-feira (30), durante o Seminário de Integração do PPA, realizado no Hangar – Centro de Convenções e Feiras da Amazônia. O plano, que é coordenado pela Secretaria de Estado de Planejamento, Orçamento e Finanças do Estado do Pará (Sepof), envolve todos os órgãos e secretarias do governo e estabelece os projetos e os programas do Estado, definindo objetivos e metas da ação pública, no quadriênio 2012-2015. O prazo final para o PPA ser levado à aprovação da Assembleia Legislativa do Estado do Pará (Alepa), é o dia 31 de agosto.
O governador Simão Jatene participou da abertura do seminário e falou sobre a importância do PPA. “O plano é um bom momento para que possamos captar o sentimento da sociedade. É um momento de refletir sobre as desigualdades, definir um ponto de partida, fixar metas e assumir um compromisso com a sociedade. Não vamos fazer disso uma coisa meramente formal”, disse o chefe do executivo para uma plateia lotada de gestores de todos os órgãos do governo.
Na opinião do governador, o PPA deve ser encarado como um processo pedagógico, de aprendizado. “Tudo que acontece no estado tem a ver com todos nós. Se nós fizermos a nossa parte, conseguiremos construir outro tempo. Para os que já têm mais tempo de experiência no serviço público, peço para que se alimente da turma mais jovem e vice-versa, é assim que se faz um governo”, ressaltou.
Objetivos
O titular da Sepof, Sérgio Bacury, que ficará à frente do plano, explicou que o PPA tem quatro principais objetivos: organizar, sob forma de programa, os serviços prestados à população; definir metas e prioridades da administração pública; integrar planejamento, orçamento e gestão, orientando os gestores para o cumprimento de metas e resultados e viabilizar o monitoramento e a avaliação das ações do governo. “Há cerca dois meses, durante os 100 dias do governo, foi lançada a Agenda Mínima, com base naquilo que foi levantado durante a campanha. O que está sendo feito a partir de hoje é um plano de governo com todos os compromissos que vão anunciar os resultados. No plano, teremos tudo aquilo que está constituído na agenda e todas as estratégias que visam resgatar e possibilitar a melhoria de vida para a população deste estado”, explicou Bacury.
A partir de amanhã, gestores de todas as secretarias e órgãos do governo participarão de oficinas de trabalho onde serão organizadas ações governamentais em programas de governo. O primeiro grupo a se reunir será formado por órgãos responsáveis pela educação. As oficinas continuam até o dia 10 deste mês no Hangar. Em julho, serão realizadas as audiências públicas nas 12 regiões do estado, onde a população poderá dar sugestões para a elaboração do plano. No dia 25 de agosto está prevista a elaboração da versão final do PPA e no dia 31 o prazo final para a apreciação da Alepa.
Bruna Campos - Secom

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Belém sediou maior evento científico da Amazônia


Belém sediou o maior evento científico da área da saúde, o III Congresso Pan Amazônico de Hematologia e Hemoterapia. A solenidade de abertura aconteceu na noite de 26/05, no Hangar Centro de Convenções e Feiras da Amazônia, e contou com a presença do secretário de Estado de Saúde, Hélio Franco, que na ocasião, levou uma mensagem do governador do Estado, Simão Jatene, em sua representação. “O governador me pediu para agradecer a todos que fazem o Hemopa e todos que contribuíram para a realização deste congresso, pois sabe da sua relevância”, disse o secretário, que também falou sobre os dados da saúde médica no estado e sobre a importância dos estudos na área.
O congresso, que se estendeu até sexta-feira (27) foi promovido pela Associação Brasileira de Hematologia e Hemoterapia (ABHH) com apoio da Fundação Hemopa. A coordenadora da Comissão Organizadora do Pan-Amazônico e diretora da Fundação Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará (Hemopa), Luciana Maradei, agradeceu a participação de todos e deu boas vindas aos participantes de outros estados e países. “O Pará se orgulha de estar sediando este evento que é um importante momento para a troca de experiências”, disse.
A abertura do Congresso também foi momento de uma homenagem para o médico João Carlos Pina Saraiva, por suas contribuições à hematologia nacional, em especial, na cidade de Belém, sede do Congresso este ano, do qual o especialista é presidente de honra. O médico também é e o responsável pela concepção do Pan-Amazônico e fundador da Fundação Hemopa e atual diretor de comunicação da ABHH.
Prêmio

Na ocasião, a diretoria da ABHH fez a entrega do Prêmio João Carlos Pina Saraiva para o melhor trabalho científico do III Congresso Pan-Amazônico, na categoria poster, para a Dra Aylla Lima da Silva. O estudo da médica foi escolhido entre mais de 200 projetos pelos coordenadores do evento, como de grande contribuição para a área da saúde. A premiada recebeu certificado e um cheque no valor de R$ 1.000,00. A escolha do nome de Dr. Saraiva é uma homenagem ao idealizador do Congresso.
O presidente da ABHH, Dr. Carmino Antonio de Souza, agradeceu a contribuição de todos para a realização do evento. “Os esforços conjuntos foram fundamentais para a realização e sucesso desse evento, o número de participantes representa isso”. Mais de 1.200 pessoas participam do evento, entre estudantes, hematologistas, hemoterapeutas, profissionais da saúde.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Hemopa festeja aprovação em teste da ABHH

A Associação Brasileira de Hematologia e Hemoterapia (ABHH), realizou prova de Proficiência Técnica, no dia 26 de maio, no Hangar, cuja lista de aprovados foi divulgado na quinta-feira, 26, durante a abertura do III Congresso Pan Amazônico de Hematologia e Hemoterapia.
A Fundação Hemopa parabeniza todos os aprovados, em especial os seguintes profissionais do hemocentro:Enfermagem em Hematologia e Hemoterapia:Kati Nascimento Seixas, Thaís Bezerra de Figueiredo.Laboratório em Hematologia:- Andrea Silvestre Lobão Costa.Imunohematologia:- Letícia de Souza Nóbrega. Hemostasia:- Charles Ricardo machado Soares.

Hemorrede brasileira precisa ser autosuficiente

“Precisamos aumentar a coleta de sangue para podermos atingir a autosuficiência no abastecimento da hemorrede brasileira”. A afirmação é do presidente da Associação Brasileira de Hematologia e Hemoterapia (ABHH), dr. Cármino Antônio de Souza, durante o “III Congresso Pan Amazônico de Hematologia e Hemoterapia” e “IV Encontro Anual de Glóbulos Vermelhos e do Ferro”, que começou hoje e se estenderá até esta sexta-feira (27), no Hangar, de 8h às 18h. O evento está sendo promovido pela ABHH com apoio da Fundação Hemopa.
Ele agradeceu e parabenizou a presidente da Fundação Hemopa, Dra. Luciana Maradei e sua equipe pelo empenho e apoio na organização desse evento científico com qualidade e amplitude, reunindo mais de mil congressistas, contabilizando a exibição de 200 trabalhos em pôsteres de profissionais da Região Norte e de outras regiões do país, que concorrerão ao prêmio de “João Carlos Pina Saraiva”, cuja premiação será entregue hoje às 19h, durante a solenidade de abertura oficial do evento. “O Pan Amazônico já faz parte do calendário de eventos da ABHH pelo sucesso das seguidas edições do evento. E este Pan superou todas expectativas”, afirmou o médico.
Sobre o cenário da doação voluntária de sangue no Brasil, Cármino pontuou a imperativa elevação da quantidade e qualidade das coletas efetivadas no Pais, para minimizar, entre outras situações, a dependência da importação de hemoderivados que industrializados, são usados para o tratamento das coagulopatias hereditárias, como Hemofilias, por exemplo
Ainda sobre panorama nacional da captação de doadores, a responsável pela atividade no Ministério da Saúde ( MS), a assistente social Vânia Melo informa que atualmente a média nacional de doação é de aproximadamente 1.9%, sendo que algumas regiões brasileiras o índice chega a 2.5%. No Pará é de 1.7%. No entanto, a Organização Mundial da Saúde (OMS) sugere entre 3% a 5% dos habitantes brasileiros doadores.
No entanto, ela destaca que cada estado tem suas peculiaridades e complexidade da rede hospitalar. Ou seja, cada hemocentro estadual só coleta de acordo com sua necessidade. “Para incentivar a doação voluntaria no Brasil, o MS investe na divulgação das ações estratégicas em âmbitos nacional, regional e municipal”.
Segundo a gerente de Captação de Doadores do Hemopa, a assistente social Juciara Farias quase 70% das coletas efetivadas no Pará são do tipo espontâneas. “Isso reflete uma atitude que incentiva o exercício de cidadania nos jovens, tendo em vista que mais de 50% dessas coletas são desse segmento”, revelou.
O III Congresso Pan Amazônico de Hematologia e Hemoterapia prossegue amanhã, 27, de 9h às 17h, no Hangar.

Foto: Dr. Cármino Antônio de Souza, presidente da ABHH, ao lado o reitor da Unicamp Prof. dr. Fernando Ferreira Costa, e o dr Roberto Passeto Falcão, diretor da ABHH.

terça-feira, 24 de maio de 2011

Controle da qualidade

Biomédicos, farmacêuticos, enfermeiros e técnicos de enfermagem da Fundação Hemopa estão participando da “Oficina de processamento e controle da qualidade do sangue total e hemocomponentes”, até o dia 25 deste mês. A atividade que teve inicio dia 23, tem o objetivo de capacitar a hemorrede no processo do ciclo do sangue, com ênfase no processamento e controle de qualidade.
O primeiro dia de aula foi ministrado por Caroline Borges, da Gerência de Processamentos (GEPRO); Adriana Estácio e Roberta Sodré, da Gerência de Controle da Qualidade (GECOQ).As equipes de ambos setores ministraram ainda a aula prática da oficina, pela parte da tarde

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Captação de doadores sangue regulares ainda é um desafio na região Norte



Especialistas e representantes do MS se reúnem em Belém para discutir estratégias de aumento no número de doadores na região Hematologistas, hemoterapeutas, profissionais da saúde e representantes do Ministério da Saúde (MS) irão discutir e traçar um panorama da captação de doadores de sangue na região Norte do País, nos próximos dias 26 e 27 de maio, durante o III Congresso Pan-Amazônico de Hematologia e Hemoterapia, maior encontro de doenças do sangue do Norte, organizado pela Associação Brasileira de Hematologia e Hemoterapia (ABHH).
A extensa geografia do estado, o difícil acesso da população aos serviços de hemoterapia, as doenças endêmicas e prevalentes como malária e hepatite, a prevalência de hemoglobina baixa entre as mulheres e a falta de consciência da população quanto à necessidade de doar como gesto de responsabilidade social, são alguns dos grandes desafios enfrentados na região Norte do País, aponta a coordenadora da Comissão Organizadora do Pan-Amazônico e diretora da Fundação Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará (Hemopa), Luciana Maradei.
De acordo com o presidente da entidade, Dr. Carmino Antonio de Souza, uma das medidas é centrar esforços para aumentar o número de doadores de repetição, ou seja, regulares. “A fidelização traz benefícios como menor risco de transmissão de doenças e custo menor a Saúde. Doar sangue é fundamental para aqueles pacientes atendidos em emergências com grande perda sanguínea, que sofrem de doenças hematológicas ou que serão transplantados”, ressalta o especialista.
Em Belém, as estratégias de captação tem sido educar e sensibilizar por meio de campanhas externas em pontos fixos, divulgação na mídia, envio de mala direta, telecaptação, acolhimento em atendimento social e, atualmente, também com apoio das redes sociais.
Segundo a Dra. Luciana, se considerar que 65% dos doadores de sangue do Hemopa são espontâneos, não vinculados às necessidades de parentes ou pessoas conhecidas, isto reflete uma atitude de cidadania. Entretanto é pouco, especialmente para suprir o déficit de doadores frente a demanda em períodos de feriados, datas festivas e, no Pará, em julho, o mês de veraneio. “Quando mais pessoas se conscientizarem da importância do ato de doar não só como solidariedade (que é pontual), mas como responsabilidade social, aí sim não haveria déficit de estoques e não haveria necessidade de induzirmos essa doação”, avalia.
Doações em números
Atualmente, o número de doadores de sangue está abaixo do esperado no Brasil. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o ideal é alcançar um percentual em torno de 3 a 5% da população como voluntários, porém atualmente representam apenas 1,7% dela e, entre todos os doadores nos últimos cinco anos, 40% o fizeram pelo menos duas vezes ao ano. • A Fundação Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará (Hemopa), responsável por suprir a demanda por bolsas de sangue dos 218 hospitais do estado, sendo 85 em Belém. São coletadas diariamente cerca de 250 bolsas de sangue para atender uma média diária de 300 solicitações transfusionais da rede hospitalar. Serviço
III Congresso Pan-Amazônico de Hematologia e Hemoterapia e IV Encontro Anual de Glóbulos Vermelhos e Ferro. Data: 25 e 26 de maio .Horário: 9h às 18h .Local: Hangar Centro de Convenções - Av. Dr. Freitas S/N .

Parcerias incrementam doações

O período chuvoso em Belém vem contribuindo para a redução do número de doadores de sangue na sede do Hemopa. Para reverter o quadro e reforçar o estoque de sangue e assim garantir a distribuição do produto de forma satisfatória para os milhares de pacientes da rede hospitalar, o hemocentro vem intensificando campanhas externas em pontos estratégicos da cidade e em parceria com instituições públicas e privadas. Nos dias 24 e 25, de 8h às 17h, a unidade do Hemopa estará no Hospital Porto Dias. No dia 31, de 8h às 15h, na Companhia de Comando da 8ª Região Militar (Cia Cmd 8ª RG), com doação de sangue e cadastro de medula.
Quem pode doar sangue: Qualquer pessoa saudável, com idade entre 18 e 65 anos. Necessário portar documento de identidade original e com foto.Com a doação são realizados exames para diversas doenças, entre elas: Aids, Sífilis, Doença da Chagas, Hepatites, HTLV I e II, além de tipagem sangüínea. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses. Para doar sangue não é preciso estar em jejum. O doador deve estar bem alimentado.
Quem pode fazer cadastro de doação de medula óssea: Homem ou mulher saudáveis e com faixa etária de 18 a 55 anos.
Serviço:O Hemopa espera por você na travessa Pe. Eutíquio, 2109.Maiores informações pelo fone: 08002808118 ou 32429100.www.hemopa.pa.gov.br.

A anemia acomete homens e mulheres de todas as idades

Embora seja caracterizada por uma deficiência de fácil tratamento, cerca de 30% da população mundial sofre de algum tipo de anemia, sendo que a maior prevalência dessa deficiência nutricional acomete crianças menores de dois anos, sobretudo em bebês com aleitamento artificial ou após os seis meses de idade mesmo naqueles que recebem aleitamento materno. Esse será um dos diversos temas que serão debatidos durante o III Congresso Pan-Amazônico de Hematologia e Hemoterapia, que será promovido nos dias 26 e 27/05, pela Associação Brasileira de Hematologia e Hemoterapia (ABHH), com apoio da Fundação Hemopa.
Entre os vários tipos da doença, a titular do Núcleo de Ensino e Pesquisa (NEPES), a hematologista Socorro Cardoso aponta a anemia ferropriva que é a perda de sangue, nos homens, mas frequentemente, pelo trato gastrointestinal e nas mulheres, pelo sangramento menstrual. “A causa da anemia deve ser sempre investigada”, alertou a médica, explicando que a perda de sangue pode ser benigna pelo uso de aspirina, por exemplo, ou uma causa maligna, como câncer no intestino.
De acordo com a hematologista, os sintomas da carência de ferro são inespecíficios, exigindo a realização de exames laboratoriais para confirmação do diagnóstico de anemia ferropriva, que atinge crianças, gestantes, lactantes, adolescentes e mulheres adultas em fase de reprodução, embora a doenças possa afetar homens adolescentes e adultos e idosos.
A alimentação rica em ferro ou forticada com nutrientes são algumas das formas preventivas contra a doença. As melhores fontes naturais de ferro são as de origem animal, como fígado.Entre os de origem vegetal, Socorro Cardoso destaca feijão, grão-de-bico, fava, lentilha, ervilha, grãos integrais, nozes, castanha, rapadura, açúcar mascavo e as hortaliças (couve, agrião, taioba, salsa), além da farinha de trigo e milho, cereais matinais, entre outros.
A Fundação Hemopa disponibiliza atendimento especializado com equipe multidisciplinar composta por médicos, fisiatras, fisioterapeutas, enfermeiras, assistentes sociais, psicólogos, pedagogas e odontólogos.
Serviço: Atendimento médico e multidisciplinar de 2ª a 6ª-feira, de 7h às 17h. Agendamento de consulta por telefone: de 2ª a 6ª-feira, de 10h às 12h, e das 15h às 17h. O Hemopa espera por você na Trav. Padre Eutíquio, 2109.Mais informações: 08002808118.

terça-feira, 17 de maio de 2011

Pastas do III Pan Amazônico.

A Fundação Hemopa informa as pastas do III Congresso Pan Amazônico de Hematologia e Hemoterapia, estão sendo entregues a partir de hoje (17) até o dia 21/05, na empresa ATUAL EVENTOS, na AV. Senador Lemos, 242 SALA 06 – Umarizal

Esquina da Almte. Wandenkolk, nos seguintes dias e horários: de 17 a 20/05, das 09h às 11h30; e das 15h/17h. No dia 21, das 9h às 11h30.

O evento que será realizado nos dias 26 e 27/05, no Hangar, será promovido pela Associação Brasileira de Hematologia e Hemoterapia –ABHH, com apoio do Hemopa. Mais informações:panamazonico.com.br

Feliz aniversário!

ANIVERSARIANTES DA SEMANA– MAIO Sede: Belém Caroline Borges (16), Jesus Laércio da Silva (16), Silvia Helena Teixeira (17), Esnita Simplício (17), Maria do Socorro Queiroz (17), Cecília Mina Watanabe (17), Ana Amélia de Freitas (18), Jorivaldo Silva (18), Osvaldina da Costa (19), Ana Tereza de Amorim (19), Francicrei Santos (20), Paulo Sena Correa (20), Sueli do Socorro Nascimento (22), Miraci ferreira (22), Kelly de Menezes (23), Ernane pereira (23). Abaetetuba: Rosileide da Silva (17). Santarém: Rita Maria matos (22), Maria de Jesus Nascimento (23). Tucuruí: Charlene Rodrigues (19).

Campanhas externas para o mês de Maio

Para incrementar o número de doações de sangue, o Hemopa realiza campanhas externas: Dia 17, de 8h às 17h, na Unidade de Saúde de Águas Lindas, rua Paulo Fonteles doação de sangue . Dias 18 e 19, de 10h às 20h, no Shopping Castanheira, doação de sangue. Dias 24 e 25, de 08h às 17h, no Hospital Porto Dias, com doação de sangue e cadastro de medula. Dia 31, de 8h às 15h, Companhia de Comando da 8ª Região Militar (Cia Cmd 8ª RG), com doação de sangue e cadastro de medula.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Chuvas voltam a interferir no abastecimento de sangue.

O período chuvoso volta a interferir no número de comparecimento de doadores nas unidades da hemorrede estadual. Em Belém, na sede do Hemopa, o fluxo de doadores voluntários de sangue e de medula óssea caiu em torno de 30%, o que pode interferir no atendimento das solicitações de transfusão na rede hospitalar. As intensas chuvas dificultam acesso ao serviço, tendo em vista o alagamento que toma conta da cidade. A mesma situação é vivenciada nos Hemocentros Regionais de Marabá, Santarém e Castanhal; e nos Hemonúcleos de Abaetetuba, Altamira,Tucuruí, Redenção e Capanema.
Para a gerente de Captação de Doadores do Hemopa, a assistente social Juciara Farias, até mesmo o comparecimento de candidatos às campanhas externas, em pontos estratégicos da cidade, está sofrendo interferência. “A chuva abala toda a cidade, mexe com o cotidiano de todos, causando sérios problemas de acesso”, comentou, adiantando que o cronograma de campanhas vai até o dia 31 deste mês, com apoio de instituições públicas e privadas, visando retomar o estoque técnico de sangue do hemocentro, o Hemopa estará com unidade móvel nos dias 18 e 19, de 10h às 19h, em frente ao Shopping Castanheira; e nos dias 24 e 25, em frente ao Hospital “Porto Dias”, na Almirante Barroso, de 8h às 18h.
Desde o dia 02 deste mês até o dia 13, o hemocentro registrou 649 comparecimentos em campanhas realizadas na Igreja Adventista Grão Pará, Agência do Banco do Brasil, Presidente Vargas; e Igreja do Perpétuo Socorro, Hospital Ophir Loyola, Escola Superior da Amazônia (Esamaz) e Faculdade Metropolitana da Amazônia (Famaz), respectivamente, resultando em 799 comparecimentos. O calendário prossegue até o dia 31 deste mês. No entanto, a programação é passível de eventuais alterações.
Quem pode doar sangue: Qualquer pessoa saudável, com idade entre 18 e 65 anos. Necessário portar documento de identidade original e com foto.Com a doação são realizados exames para diversas doenças, entre elas: Aids, Sífilis, Doença da Chagas, Hepatites, HTLV I e II, além de tipagem sangüínea. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses. Para doar sangue não é preciso estar em jejum. O doador deve estar bem alimentado.
Quem pode fazer cadastro de doação de medula óssea: Homem ou mulher saudáveis e com faixa etária de 18 a 55 anos.
Serviço:O Hemopa espera por você na travessa Pe. Eutíquio, 2109.Maiores informações pelo fone: 08002808118 ou 32429100.www.hemopa.pa.gov.br.

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Hemopa coleta sangue aos sábados

Estimular a população para fazer da doação de sangue um programa de final de semana.Essa é a nova proposta de captação de doadores da Fundação Hemopa para incrementar o número de coletas aos sábados, que atualmente registra uma média de 80 doações voluntárias, quando precisa aumentar para cerca de 150 e suprir o estoque estratégico do hemocentro que tem a responsabilidade de assegurar atendimento da rede hospitalar pública e privada do estado.
O serviço de coleta aos sábados, de 7h30 às 12h30, foi instituído atendendo resultado de pesquisa de satisfação do usuário que não tem tempo de efetivar a coleta de sangue nos dias úteis da semana. No entanto, o comparecimento de doadores de final de semana está deixando a desejar e não atende a meta prevista.
A gerente de Captação de Doadores do Hemopa, a assistente social Juciara Farias enfatiza que a coleta aos sábados é bem mais calma que nos dias de semana. “Temos uma demanda reprimida aos sábados. O processo da doação é mais rápido do que durante a semana, tendo em vista o número reduzido de candidatos. Faça de sua doação de sangue um programa de final de semana”, incentivou, sugerindo que o candidato pode vir acompanhado de filhos ou sobrinhos e assim dar um bom exemplo de cidadania e solidariedade.
Ela ressaltou, por exemplo, que o saldo da campanha em homenagem ao Dia das Mães, realizada nos dias 6 e 7/05, superou as expectativas com 374 voluntários, sendo que 248 somente no sábado (7), superando a meta de 100 comparecimentos.”Foi um resultado surpreendente, especialmente pelo elevado número de doações femininas que era o alvo da ação”, destacou a assistente social.
Quem pode doar sangue: Qualquer pessoa saudável, com idade entre 18 e 65 anos. Necessário portar documento de identidade original e com foto.Com a doação são realizados exames para diversas doenças, entre elas: Aids, Sífilis, Doença da Chagas, Hepatites, HTLV I e II, além de tipagem sangüínea. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses. Para doar sangue não é preciso estar em jejum. O doador deve estar bem alimentado.
Serviço:O Hemopa espera por você na travessa Pe. Eutíquio, 2109.Maiores informações pelo fone: 08002808118 ou 32429100.www.hemopa.pa.gov.br. Foto 1-Doações ajudam a salvar vidas.Foto 2- Fracionamento do sangue para atendimento satisfatório da demanda hospitalar.

Ações externas suprem estoque de sangue

A responsabilidade do abastecimento integral da rede hospitalar do Estado, que atualmente é composta por cerca de 218 casas de saúde, exige desenvolvimento de ações estratégicas, entre elas o incremento de campanhas externas para dar suporte ao estoque de sangue da Fundação Hemopa. Desde o dia 02 deste mês até o dia 12, o hemocentro registrou 649 comparecimentos em campanhas realizadas na Igreja Adventista Grão Pará, Agência do Banco do Brasil, Presidente Vargas; e Igreja do Perpétuo Socorro, Hospital Ophir Loyola e Escola Superior da Amazônia (Esamaz),respectivamente.
Nesta sexta-feira (13), de 13h às 21h, será a vez de estudantes, professores funcionários e comunidade do entorno da Faculdade Metropolitana da Amazônia (Famaz), contribuírem com doação voluntária de sangue e formação de cadastro para doação de medula óssea. O calendário prossegue até o dia 31 deste mês. No entanto, a programação é passível de eventuais alterações.
Segundo a gerente de Captação de Doadores (Gecad)do Hemopa, assistente social Juciara Farias, de janeiro a abril deste ano foram realizadas 37 campanhas externas com 3.482 comparecimento de voluntários. Em 2010, foram efetivadas 136 ações externas que resultaram em 10.493 doações de sangue, que equivalem a dois meses de coletas efetivas do hemocentro. “Essas ações são de fundamental importância para a manutenção do atendimento transfusional.A composição de parcerias são decisivas nesse processo”, afirmou, destacando que instituições públicas e privadas interessadas em promover campanhas externas devem entrar em contato com a Gecad, de segunda a sexta-feira, de 8h às 17h, através do 08002808118 ou 32245048 ou 32429100-R/205.
Quem pode doar sangue: Qualquer pessoa saudável, com idade entre 18 e 65 anos. Necessário portar documento de identidade original e com foto.Com a doação são realizados exames para diversas doenças, entre elas: Aids, Sífilis, Doença da Chagas, Hepatites, HTLV I e II, além de tipagem sangüínea. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses. Para doar sangue não é preciso estar em jejum. O doador deve estar bem alimentado.
Quem pode fazer cadastro de doação de medula óssea: Homem ou mulher saudáveis e com faixa etária de 18 a 55 anos.
Serviço:O Hemopa espera por você na travessa Pe. Eutíquio, 2109.Maiores informações pelo fone: 08002808118 ou 32429100.www.hemopa.pa.gov.br.

terça-feira, 10 de maio de 2011

Experiência pioneira do Hemopa é destaque em congresso


A associação de técnicas complementares ao tratamento convencional de pacientes portadores de doenças hematológicas, patologias genéticas e crônicas atendidos pela Fundação Hemopa está revelando excelente índice de 85% de melhora clinica com o alívio das dores no aparelho locomotor provocadas pelas doenças. Entre as técnicas incluídas destacam-se a acupuntura, osteopatia, conceito mulligan, Neurodinâmica clínica (mobilização neural) e crochetagem mioaponeurótica. A experiência pioneira no Brasil será apresentada durante a realização do III Congresso Pan Amazônico de Hematologia e Hemoterapia, nos dias 26 e 27 deste mês, no Centro de Convenções e Feiras da Amazônia- HANGAR . O evento será promovido pela Associação Brasileira de Hematologia e Hemoterapia com apoio do Hemopa.
Segundo o responsável pelo setor de Fisioterapia do hemocentro, o fisioterapeuta Pedro Sávio Macêdo de Almeida, essas técnicas complementares são aplicadas principalmente em pacientes portadores de hemofilia e/ou doenças falciformes “Anualmente temos mais de 5 mil sessões fisioterapêuticas e mais de 500 pacientes atendidos”, revelou, informando que o Hemopa possui quase 20 mil pacientes cadastrados, desse total, 444 são hemofílicos e 584 doentes falciformes.
Ele pontua os vários benefícios do tratamento alternativo, o da acupuntura reduz a quantidade de transfusões, alivia as crises melhorando a qualidade de vida dos pacientes, cujo efeito varia de acordo com cada paciente que é avaliado a cada 10 sessões. A técnica de Mulligan busca a melhoria ampla dos movimentos sem dor. A mobilização neural proporciona melhoria funcional. A Osteopatia amplia as manobras para o paciente. “A técnica de acupuntura, por exemplo, está sendo acompanhada pela Sociedade Médica Brasileira de Acupuntura pelo ineditismo do tratamento nesta área”, afirmou, explicando que o procedimento não tem contra indicação por se tratar de um método de ação no mecanismo neurotransmissor da dor, que pode ser desenvolvido também em crianças. Mas ele avisa que para quem tem intolerância a agulhas, não há problema. O Hemopa dispõe de laser acupuntura que também oferece resultados satisfatórios.
O serviço de Fisioterapia da Fundação Hemopa foi implantado em 1998 e conta hoje com uma equipe de Fisioterapeutas e Fisiatras, que atende principalmente pacientes portadores de hemofilia e doença falciforme, patologias genéticas, crônicas que sem tratamento adequado evoluem com alterações articulares graves necessitando algumas vezes do uso de próteses.
Serviço: Atendimento médico e multidisciplinar de 2ª a 6ª-feira, de 7h às 17h. Agendamento de consulta por telefone: de 2ª a 6ª-feira, de 10h às 12h, e das 15h às 17h. O Hemopa espera por você na Trav. Padre Eutíquio, 2109.Mais informações: 08002808118.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Campanha das mães supera meta de coleta

A campanha de doação de sangue promovida pelo Hemopa em homenagem às mães, nos dias 06 e 07, superou a meta de doações em quase 100%. Na sexta-feira houve 203 comparecimentos com 183 coletas, e no sábado 248 voluntários atenderam apelo da ação com 191 doações efetivadas, somando 374 novas bolsas ao estoque estratégico do hemocentro que deverão atender cerca de 1.496 pacientes adultos. A meta era de 100 doações/dia.


Atendendo o apelo da campanha, a técnica de enfermagem, Bernadete Dias veio doar sangue atendendo pedido de uma amiga, mas ela já repete o ato solidário há oito anos. Com tipo de sangue A Positivo, a doadora destacou que a sensação de salvar vidas com esse simples gesto deveria ser experimentada por todos. Da mesma forma, a doadora Cassiane de Castro, enfatizou a importância de ser responsável pela melhora da qualidade de vida de muitos pacientes que dependem da transfusão para sobreviver. “Todos nós somos filhos de Deus, então vamos ajudar nossos irmãos que precisam. Feliz Dias das Mães, especialmente para todas nós que doamos sangue”, desejou a técnica de enfermagem que tem sangue tipo O Negativo e faz parte do Clube de Doadores Raros, que atualmente possui 707 associados e precisa aumentar em torno de 50% para garantir atendimento satisfatório da demanda de sangue raro.

A campanha foi aberta às 10h, com a apresentação do Coral do Hemopa, seguida do show da cantora Lia Sophia, além de apresentação de funcionários do Hemopa, Jorginho Gomes, da Gerência de Tecnologia da Informação (GETIN), Pedro Paulo, do Almoxarifado e João Paulo da Gerência de Compras (GECOM). As doadoras receberam cartão de agradecimento pelo gesto solidário, brindes e lanche especial, oferta de serviços de beleza da empresa de cosmético Racco. A ação estratégica contou com a parceria do Centro de Estudos Superiores do Pará (Cesupa) que disponibilizou alunos do curso de Nutrição para orientação nutricional; alunos da Escola Profissionalizante DNA, Força Sindical da Mulher/Secretaria da Mulher, e do projeto “Vida por Vidas”, da Igreja Adventista do 7º Dia.

Para a gerente de Captação de Doadores da instituição, a assistente Social Juciara Farias, muitas pessoas precisam de uma doação de sangue em qualquer canto do Brasil, mas infelizmente não são todos que a recebem quando necessário. “Infelizmente nem todos percebem a importância da doação de sangue nas vidas de outras pessoas”, observou, agradecendo o expressivo número de comparecimento da campanha. Ela ainda evidenciou que a mulher tem as mesmas condições de doar que o homem. Os únicos fatores de impedimento temporário são a gravidez e amamentação.

O Hemopa tem a responsabilidade de garantir atendimento transfusional para cerca de 218 hospitais públicos e privados. Somente em Belém são 85.O Hemopa espera por você na travessa Pe. Eutíquio, 2109.Funcionamento para coleta: de segunda a sexta-feira, de 7h30 às 18h, e aos sábados de 7h30 às 12h30. Maiores informações pelo fone: 08002808118 ou pelo site: www.hemopa.pa.gov.br ou pelo blog: http://fundacaohemopa.blogspot.com.

Foto 1- Mulheres atendem apelo da campanha.Foto 2- Bernadete estimula doações entre as mulheres. Foto 3- Oferta de serviço de beleza durante toda a campanha.

Hemopa investe em segurança transfusional

A Fundação Hemopa tem destinado investimentos na capacitação profissional para garantir a identificação do maior número de variáveis ao risco transfusional, para que possam ser tratados adequadamente e atingir a meta de gerenciamento do serviço. Segundo a gerente de Hemovigilância do Hemopa, a dra. Ana Luiza Meireles, a instituição vem ampliando esta prática através da adoção de protocolos e rotinas, baseados nas orientações do Ministério da Saúde (MS). Esse será um dos temas dos cursos que anteciparão o III Congresso Pana Amazônico de Hematologia e Hemoterapia, que será realizado em Belém nos dias 26 e 27 deste mês, no Hangar. Os cursos pré congresso começam nesta quinta-feira, 12, tratando sobre “Hemovigilância”, no auditório do Hospital de Clínicas “Gaspar Viana” e se estenderão até o dia 25/05, em parceria com Hemopa e instituições públicas e privadas da área de saúde.

Durante a exposição do tema, Luiza Meireles destacará que o serviço é uma iniciativa que visa cada vez mais capacitar profissionais de saúde para melhorar o monitoramento transfusional da rede hospitalar pública e privada do estado, que atualmente é composta por cerca de 218 hospitais, além de todos os serviços que lidam com o ato transfusional. Ela adianta ainda que já se observam bons resultados com a alcance progressivo dos índices de notificações. “Dentro dessa concepção, o investimento em conhecimento adquirido é fundamental", ressaltou a hematologista.

A relação entre Hemovigilância e Segurança Transfusional vêm alcançando destaque nos grupos de discussão sobre qualidade assistencial em serviços de hemoterapia. Conceitualmente a hemovigilância é definida como um conjunto de procedimentos de verificação para monitoramento do processo transfusional global. A importância de todo este sistema possibilita ao profissional de saúde prevenir a ocorrência e/ou a recorrência de efeitos adversos relacionados ao ciclo transfusional.

Em países como França e Inglaterra, onde os eventos transfusionais indesejados são notificados e analisados de forma compulsória, tendo que o risco de eventos adversos relacionados à transfusão está sempre presente, e que a maioria dos países que não têm um sistema de hemovigilância organizado ou participativo possui uma taxa de subnotificação expressiva.

Programação dos cursos pré congresso

No dia 12, no auditório do Hospital de Clínicas. Dia 19, no Centro de Estudos Superiores do Pará- CESUPA. Dia 23, no Laboratório Amaral Costa. Dia 24, no Hospital Barros Barreto. Dia 24, no Consellho regionais de Medicina. Dia 24, NO Laboratório Amaral Costa. Dia 25, Hemopa. Dia 25, na Estação Saúde Unimed. Dia 25, na Escola Superior da Amazônia (Esamaz). Os cursos serão ministrados pelos seguintes profissionais da área da saúde: Dra. Mônica Alencar (PA), dr. Marcos Laércio Pontes (PA) ,dra. Samantha Rodrigues (PA), dr. Daniel Gomes (PA), dra. Silvia Helena Teixeira (PA), dra. Iê Regina Bentes Fernandes (PA), Dra. Ana Luisa Langangke (PA), Dra. Alessandra Quinto Bentes (PA), Dra. Ana Maria Almeida (PA), Dra. Saide Maria Sarmento Trindade (PA), Dra. Larissa Martins Francês (PA), dr. David Bichara (PA), Dra. Tereza Cristina de Brito (PA), Dra. Maria Rita de Cássia Monteiro (PA), dr. Marcelo K. Santos (PE), Roberto Luiz D’Ávila (SC), dr. Diaulas Costa Ribeiro (DF), Dra. Vera da Costa Valente (PA), dr. Sebastião Aldo Valente (PA), dr. José Alexandre Lemos (PA), dr. Aldemir Oliveira Filho (PA), Dra. Priscila Rezende (PA), dr. Murilo Chermont Azevedo (PA), Dra. Ana Cristina Beltrão (PA), dr. Thales Gouveia Limeira (ES), Dra. Maria de Fátima Ribeiro Pinto (PA), Dra. Letícia de Souza Nóbrega (PA).

terça-feira, 3 de maio de 2011

Usuários aprovam serviços do Hemopa

Atendendo modelo de excelência de gestão, a Fundação Hemopa aplicou Pesquisa de Satisfação do Usuário e constatou 60% de satisfação dos doadores e 57% de pacientes que aprovam os serviços oferecidos pelo hemocentro na área de hemoterapia e hematologia.
A atividade desenvolvida pela socióloga Giselia Pereira, vai subsidiar as estratégias de implementação no atendimento humanizado do hemocentro que deve evoluir de forma efetiva, eficiente e eficaz, na realização de sua missão de coordenar a hemorrede do Estado do Pará, prestar assistência de qualidade em hemoterapia e hematologia, além e disseminar conhecimentos na área do sangue.A pesquisa de campo foi executada por meio de entrevista presencial em todas as Unidades da HEMORREDE tendo como público-alvo doadores e pacientes.
Segundo a socióloga, a pesquisa é uma importante ferramenta para avaliar, monitorar e melhorar os serviços disponibilizados para a sociedade. “Traçamos o perfil socioeconômico dos usuários, criamos novos indicadores e comparativos situacionais entre as unidades da hemorrede’, explicou.

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Belém sedia III Pan Amazônico

Especialistas em diagnóstico e tratamento das doenças do sangue, os hematologistas e hemoterapeutas brasileiros, em especial do Norte do Brasil, reúnem-se com médicos de países da Bacia Amazônica em Belém do Pará, dias 26 e 27 de maio, no III Congresso Pan-Amazônico de Hematologia e Hemoterapia e IV Encontro Anual de Glóbulos Vermelhos e Ferro, no Centro de Convenções e Feiras da Amazônia- HANGAR
Durante os dois dias de congresso, os participantes terão oportunidade de debater sobre vários temas de relevância da área, entre eles, a transfusão de sangue em três esferas: nas fronteiras; o difícil acesso da região Amazônica; e a transfusão em ambiente com alta prevalência do vírus da hepatite e de outras doenças como malária. Também serão discutidos os desafios da captação de doadores de sangue e o tratamento dos pacientes com anemias, linfomas, leucemias e Doença de Gaucher.
De acordo com o hematologista Carmino de Souza, presidente da entidade organizadora, a Associação Brasileira de Hematologia e Hemoterapia (ABHH), são esperados mais de mil profissionais da área e de outros segmentos como enfermagem, biomedicina, farmácia, farmácia-bioquímica, odontologia, fisioterapia, psicologia, assistência social e gestão. “Esta é a oportunidade de realizar o intercâmbio científico e promover o desenvolvimento da especialidade no Norte do País”, destaca.
O encontro conta com o apoio da Fundação Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará (Hemopa), responsável por suprir a demanda por bolsas de sangue dos 218 hospitais do estado, sendo 85 em Belém. Segundo a presidente do serviço e da Comissão Organizadora Local do Pan-Amazônico, Dra. Luciana Maria Cunha Maradei, o III Pan é um importante evento científico internacional que não se limitará a hemoterapia e hematologia. “Será um congresso multidisciplinar com outras especialidades que também atendem pacientes hemoterápicos”, disse apostando na significativa participação, tendo em vista quase mil inscrições confirmadas e cerca de 100 trabalhos inscritos. E as inscrições ainda não foram encerradas.
Prêmio João Carlos Pina Saraiva
A diretoria da ABHH criou o Prêmio João Carlos Pina Saraiva de melhor trabalho científico do III Congresso Pan-Amazônico na categoria pôster, única forma de apresentação científica do encontro.
A escolha do nome de Dr. Saraiva é uma homenagem ao diretor de comunicação da entidade, responsável pela concepção do Pan-Amazônico e por suas contribuições à hematologia nacional, em especial, na cidade de Belém, sede do Congresso este ano, do qual o especialista é presidente de honra.
Serviço
III Congresso Pan-Amazônico de Hematologia e Hemoterapia e IV Encontro Anual de Glóbulos Vermelhos e Ferro.
Data: 25 e 26 de maio
Horário: 9h às 18h
Local: Hangar Centro de Convenções - Av. Dr. Freitas S/N

Hemopa homenageará as mães durante campanha.

Da população feminina potencialmente doadora em Belém, 26,3% é doadora voluntária de sangue, o que ainda não atende a meta de 30% estipulado pelo Ministério da Saúde (MS). Para estimular a doação feminina, a Fundação Hemopa estará realizando campanha alusiva ao Dia das Mães, neste final de semana, dias 06 e 07/05, com o objetivo reforçar estoque estratégico do hemocentro e homenagear as mães doadoras. A meta é de 200 coletas/dia.
A campanha será aberta às 10h, com a apresentação do Coral do Hemopa, seguida do show da cantora Lia Sophia, além de apresentação de funcionários do Hemopa, Jorginho Gomes, da Gerência de Tecnologia da Informação (GETIN), Pedro Paulo, do Almoxarifado e João Paulo da Gerência de Compras (GECOM). Durante a ação estratégica serão distribuídos cartão de agradecimento pelo gesto solidário, brindes e lanche especial, oferta de serviços de beleza da empresa de cosmético Racco. Hemopa também contará com a parceria do Centro de Estudos Superiores do Pará (Cesupa) que disponibilizará alunos do curso de Nutrição para orientação nutricional; alunos da Escola Profissionalizante DNA, Força Sindical da Mulher/Secretaria da Mulher, e do projeto “Vida por Vidas”, da Igreja Adventista do 7º Dia.
Para a gerente de Captação de Doadores da instituição, a assistente social Juciara Farias, muitas pessoas precisam de uma doação de sangue em qualquer canto do Brasil, mas infelizmente não são todos que a recebem quando necessário. “Infelizmente nem todos percebem a importância da doação de sangue nas vidas de outras pessoas”, observou, convidando antigas e novas doadoras para comparecer ao Hemopa nesta sexta e sábado. Ela ainda evidenciou que a mulher tem as mesmas condições de doar que o homem. Os únicos fatores de impedimento temporário são a gravidez e amamentação.
O Hemopa tem a responsabilidade de garantir atendimento transfusional para cerca de 218 hospitais públicos e privados. Somente em Belém são 85.
Qualquer pessoa saudável, com idade entre 18 e 65 anos é um doador em potencial. É necessário portar documento de identidade oficial e com foto. Com a doação são realizados exames para diversas doenças, entre elas: Aids, Sífilis, Doença da Chagas, Hepatites, HTLV I e II, além de tipagem sangüínea. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses. Para doar sangue não é preciso estar em jejum. O doador deve estar bem alimentado.
O Hemopa espera por você na travessa Pe. Eutíquio, 2109.Funcionamento para coleta: de segunda a sexta-feira, de 7h30 às 18h, e aos sábados de 7h30 às 12h30. Maiores informações pelo fone: 08002808118 ou pelo site: www.hemopa.pa.gov.br ou pelo blog: http://fundacaohemopa.blogspot.com

Processo Seletivo para Monitorias

A Universidade Federal do Pará (UFPA), através do Centro de Ciências Sociais e da Educação, está disponibilizando 16 vagas para a capital, para a segunda etapa do Processo Seletivo de Monitoria Bolsista e Voluntária. As inscrições estarão abertas no período de 03 a 09 de maio de 2011. Mais informações pelo telefone (91) 4009 9500 ou 4009 9542.

Santarém disponibiliza vagas

O Município de Santarém está disponibilizando vagas para contratação temporária, em caráter de urgência, de profissional médico com especialidade em Pediatria, para prestar serviço no Hospital e Pronto Socorro Municipal. Os candidatos deverão ter disponibilidade para trabalhar em regime de plantão de 12 ou 24 horas. Mais informações pelos telefones (93) 2101-0100/0130/91854877 ou pelo email: semsa_santarem@yahoo.com.br.