sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Campanha do Orlando Bitar prossegue multiplicando solidariedade

Alunos da Escola Estadual de Ensino Médio Professor Orlando Bitar estiveram na Fundação Hemopa, na última segunda-feira, 27, para se habilitar à doação de sangue. Até nesta sexta-feira, 31, compareceram ao Hemopa cerca de 70 candidatos a doação de sangue, da escola Orlando Bitar. Segunda a Gerência de captação de doadores (Gecad) 51 pessoas efetuaram doação de sangue.

A ideia de incentivar os alunos a doar surgiu através do Professor Moreira, que leciona Biologia no colégio. “Nos últimos tempos vi muitas notícias que o Hemopa estava precisando de sangue, resolvi ajudar e convidei meus alunos”, disse o biólogo.

Professor Moreira sugeriu que os alunos que não estiverem dentro do perfil para doar sangue levassem alguém para fazer a doação. Este foi o caso da estudante Elisa Santos, que não atendia os critérios de doação de sangue e levou a mãe, Maria Santos, 52, funcionária pública, para doar em seu lugar, “Eu trabalho na área da saúde e sei como é importante esse tipo de trabalho desenvolvido pelo hemocentro. Não pude dizer não ao convite da minha filha”, disse, toda orgulhosa da filha.

A ideia do professor poderá ser adotada pela direção do Orlando Bitar, para se tornar parte do calendário de atividades do colégio pelo menos duas vezes ao ano. “Eu convidei 11 turmas, se pelo menos 10 alunos de cada sala comparecerem ou trouxerem alguém, teremos mais de 100 doações”, comentou o professor, empolgado com os comparecimentos dos alunos no Hemopa. Só no primeiro dia foram efetivadas 27 doações de sangue. Na Gerência de captação de doadores (Gecad) o professor dividiu as turmas e agendou os dias para que os alunos pudessem comparecer ao Hemopa e doar.

Quem pode doar sangue: candidatos com boa saúde; idade entre 16 anos completos e 67 anos. Peso acima de 50 kg. Necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum. Com a doação são realizados exames para diversas doenças, entre elas: Aids, Sífilis, Doença de Chagas, Hepatites, HTLV I e II, além de tipagem sanguínea. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses. O doador deve estar bem alimentado.

Quem pode fazer cadastro de doação de medula óssea: Homem ou mulher saudáveis e com faixa etária de 18 a 55 anos. Necessário portar documento de identidade original e com foto

Para parcerias: Gerência de Captação de Doadores - de segunda a sexta, de 7h às 17h, pelo fone: 3224-5048 / 3242-9100 Ramal: 205/243

Serviço: O Hemopa funciona na Tv. Pe. Eutíquio, 2109. Horário para coleta: de segunda a sexta-feira, de 7h30 às 18h, e aos sábados de 7h30 às 17h. Maiores informações pelo fone: 08002808118

Hemopa Castanhal realiza capacitação

Cerca de 73 profissionais participaram da ”Capacitação em Doença Falciforme e outras Hemoglobinopatias”, realizado pelo Hemocentro Regional de Castanhal, nos dias 29 e 30/08, no Auditório do Hotel Durma Bem.O evento que teve início em Belém, dia 23/08, somado ao de Castanhal, capacitou 200 profissionais da área da saúde dos dois municípios.


O treinamento atualizou conhecimentos da equipe de saúde da hemorrede e profissionais da rede básica do Sistema Único de Saúde (SUS) de Paragominas, Mãe do Rio, Inhangapí, São João da Ponta, São Francisco do Pará, Terra Alta e Castanhal, para o diagnóstico precoce e da terapêutica adequada dos casos de Doença Falciforme e outras hemoglobinopatias, reduzindo o índice da morbimortalidade no Estado do Pará. A ação faz parte da programação alusiva aos 34 anos da Fundação Hemopa, comemorado no dia dois de agosto. A capacitação que conta com recursos do MS, através do convênio nº 673/2009. Dos 32.577 pacientes cadastrados no hemocentro coordenador Belém, 597 são portadores da doença. Eles recebem tratamento com equipe multiprofissional composta por médicos, enfermeiros, fisiatras, fisioterapeutas, assistentes sociais, psicólogos, odontólogos, pedagogos e farmacêuticos, que garante atendimento especializado proporcionando melhor qualidade de vida aos que dependem dos serviços.
Durante todo o dia, os participantes debateram os seguintes temas:Atenção integral da doença falciforme, a realidade do Brasil, Diagnóstico precoce das hemoglobinopatias, Fluxo de atendimento à pessoa com traço falciforme e doença falciforme, Atendimento Multiprofissional na doença falciforme I, Saúde bucal, Atendimento farmacêutico, Atendimento social, Atendimento psicológico, Atendimento Multiprofissional II , Atendimento de enfermeiros, Atendimento Fisioterápico, Protocolo de atendimento da doença falciforme I, Crise Álgica, Sequestro esplênico, Infecções, Hiperesplenismo, Protocolo de atendimento na pessoa com doença falciforme II, Alterações ósseas, Priapismo, Gestação, Cirúrgico, Tratamento na pessoa com doença falciforme, Transfusão crônica, Hidroxuréia, Quelação de ferro, Transplante de medula óssea, AVC na doença falciforme.
O evento será estendido para a hemorrede estadual, com o seguinte cronograma: Dias 12 e 13/09: Abaetetuba. Dias18 e 19/09:Tucuruí.Dias 26 e 27/09: Altamira. Dias 03 e 04/10: Capanema. Dias 17 e 18/10: Marabá. Dias 21 e 22/11 Santarém. A data para ação em Redenção ainda está sendo definida.

Anemia falciforme

É uma das doenças hereditárias mais comuns no Brasil. Ela é causada por uma modificação (mutação) no gene (DNA) que, em vez de produzir a hemoglobina A, produz uma hemoglobina chamada S. Se uma pessoa recebe um gene do pai e outro gene da mãe, que produzem a hemoglobina S, ela possui um padrão genético chamado SS, causador da anemia falciforme. Essa mutação genética, que produz a hemoglobina S, proliferou há muitos séculos no continente africano e, por isso, essa doença é muito presente no nosso país, cuja população tem em sua base de constituição os povos africanos.

Nas pessoas com anemia falciforme, as hemácias, em determinadas situações, assumem a forma de “meia lua” ou “foice”, daí o nome falciforme. Assim, as hemácias não oxigenam o organismo de maneira satisfatória, porque tem dificuldade de passar pelos vasos sangüíneos, causando má circulação, muitas dores e diversos outros problemas.

As pessoas com anemia falciforme (SS) apresentam sintomas muito diversificados. Enquanto algumas podem apresentar sintomas brandos, outras, tem sintomas graves, como crises de dores ósseas, dores na barriga, infecções repetidas. A intensidade das crises varia conforme a idade da pessoa e a presença de outros tipos de hemoglobinas associadas com a hemoglobina S. Os bebês têm mais infecções e dores, com inchaço nas mãos e nos pés. Nas crianças maiores, as dores ocorrem mais nas pernas, nos braços e no abdome.

Mais informações: 3241.1299/32429100/R- 327/08002808118.

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Hemonúcleo de Redenção recebe visita técnica da Ouvidoria

Sempre buscando a melhoria do atendimento ao público, a Fundação Hemopa está desenvolvendo ações para potencializar a divulgação do serviço de Ouvidoria na hemorrede estadual. A ação já aconteceu nos Hemocentros Regionais de Castanhal, Marabá e Santarém; e nos Hemonúcleos de Abaetetuba,, Altamira, Capanema e Tucuruí. No período de 28 a 30/08, o Hemonúcleo de Redenção é a última unidade visitada este ano. Segundo a ouvidora da Fundação Hemopa, a socióloga Silvânia Assunção, das unidades visitadas, foi estabelecido a elevação de 5% das manifestações para os Hemocentros Regionais e 2% para os Hemonúcleos.Desses, apenas o hemocentro de Castanhal elevou de 2.06% para 3.10%; e os Hemonúcleos de Abaetetuba passou de zero para 2.36% e a unidade de Tucuruí subiu de 0.45% para 1.61%. As demais unidades devem intensificar as ações para alcançar a meta prevista.
Silvânia Assunção ressaltou a importância da população em geral tomar conhecimento sobre o serviço para melhorar cada vez mais os serviços oferecidos, por meio da sua opinião, críticas construtivas, elogios e sugestões diversas.
São várias as formas de fazer valer a Ouvidoria, entre elas, o 08002808118, de 2ª a 6ª de 8h às 18h, e aos sábados até às 17h. A ligação é grátis para todo o Estado do Pará. Outras formas: formulário e presencial em todas as unidades nos municípios de Santarém, Castanhal, Marabá, Abaetetuba, Altamira, Tucuruí, Redenção e Capanema; por email:ouvidoria@hemopa.pa.gov.br; ou ainda on line, por meio do site www.hemopa.pa.gov.br.
Foto: Fachada da unidade que receberá visita técnica.

Alunos do colégio Orlando Bitar doam sangue

Da Redação
Agência Pará de Notícias


Alunos da Escola Estadual de Ensino Médio Professor Orlando Bitar estiveram na Fundação Hemopa, nesta segunda-feira, 27, para se habilitar à doação de sangue. A ideia de incentivar os alunos a doar surgiu através do Professor Moreira, que leciona Biologia no colégio. “Nos últimos tempos vi muitas notícias que o Hemopa estava precisando de sangue, resolvi ajudar e convidei meus alunos”, disse o biólogo.
Professor Moreira sugeriu que os alunos que não estiverem dentro do perfil para doar sangue levassem alguém para fazer a doação. Este foi o caso da estudante Elisa Santos, que não atendia os critérios de doação de sangue e levou a mãe, Maria Santos, 52, funcionária pública, para doar em seu lugar, “Eu trabalho na área da saúde e sei como é importante esse tipo de trabalho desenvolvido pelo hemocentro. Não pude dizer não ao convite da minha filha”, disse, toda orgulhosa da filha.
A ideia do professor poderá ser adotada pela direção do Orlando Bitar, para se tornar parte do calendário de atividades do colégio pelo menos duas vezes ao ano. “Eu convidei 11 turmas, se pelo menos 10 alunos de cada sala comparecerem ou trouxerem alguém, teremos mais de 100 doações”, comentou o professor, empolgado com os comparecimentos dos alunos no Hemopa. Só no primeiro dia foram efetivadas 27 doações de sangue. Na Gerência de captação de doadores (Gecad) o professor dividiu as turmas e agendou os dias para que os alunos pudessem comparecer ao Hemopa e doar.
Quem pode doar sangue: candidatos com boa saúde; idade entre 16 anos completos e 67 anos. Peso acima de 50 kg. Necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum. Com a doação são realizados exames para diversas doenças, entre elas: Aids, Sífilis, Doença de Chagas, Hepatites, HTLV I e II, além de tipagem sanguínea. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses. O doador deve estar bem alimentado.
Quem pode fazer cadastro de doação de medula óssea: Homem ou mulher saudáveis e com faixa etária de 18 a 55 anos. Necessário portar documento de identidade original e com foto
Para parcerias: Gerência de Captação de Doadores - de segunda a sexta, de 7h às 17h, pelo fone: 3224-5048 / 3242-9100 Ramal: 205/243
Serviço: O Hemopa funciona na Tv. Pe. Eutíquio, 2109. Horário para coleta: de segunda a sexta-feira, de 7h30 às 18h, e aos sábados de 7h30 às 17h. Maiores informações pelo fone: 08002808118




Texto:
Denis Baima - HemopaFone: (91) 8110-3843 / (91) 8859-2229
Email: denisbaima@gmail.com

Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará
Travessa Padre Eutíquio, 2.109. Belém-PA. CEP: 66033-000
Fone: (91) 3225-2404 / 3242-6905/9100
Site: www.hemopa.pa.gov.br Email: gabinete.hemopa@hotmail.com / ro.bcosta@yahoo.com.br

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Capacitação marca comemoração dos 34 anos Hemopa

Mais de 100 profissionais participaram da ”Capacitação em Doença Falciforme e outras Hemoglobinopatias”, realizado pela Fundação Hemopa nesta quinta-feira (23), que atualizou conhecimentos da equipe de saúde da hemorrede e de outras unidades do Sistema Único de Saúde (SUS) para o diagnóstico precoce e da terapêutica adequada dos casos de Doença Falciforme e outras hemoglobinopatias, reduzindo o índice da morbimortalidade no Estado do Pará. A ação faz parte da programação alusiva aos 34 anos da Fundação Hemopa, comemorado no dia dois de agosto .A capacitação que conta com recursos do MS, através do convênio nº 673/2009, será realizada nas unidades da hemorrede localizadas nos municípios de Castanhal, Marabá, Santarém, Altamira, Tucuruí, Capanema, Abaetetuba e Redenção.
Dos 32.577 pacientes cadastrados no hemocentro, 597 são portadores da doença. Eles recebem tratamento com equipe multiprofissional composta por médicos, enfermeiros, fisiatras, fisioterapeutas, assistentes sociais, psicólogos, odontólogos, pedagogos e farmacêuticos, que garante atendimento especializado proporcionando melhor qualidade de vida aos que dependem dos serviços.
Durante todo o dia, os participantes debateram os seguintes temas:
Atenção integral da doença falciforme, a realidade do Brasil, Diagnóstico precoce das hemoglobinopatias, Fluxo de atendimento à pessoa com traço falciforme e doença falciforme, Atendimento Multiprofissional na doença falciforme I, Saúde bucal, Atendimento farmacêutico, Atendimento social, Atendimento psicológico, Atendimento Multiprofissional II , Atendimento de enfermeiros, Atendimento Fisioterápico, Protocolo de atendimento da doença falciforme I, Crise Álgica, Sequestro esplênico, Infecções, Hiperesplenismo
Protocolo de atendimento na pessoa com doença falciforme II, Alterações ósseas, Priapismo, Gestação, Cirúrgico, Tratamento na pessoa com doença falciforme, Transfusão crônica, Hidroxuréia, Quelação de ferro, Transplante de medula óssea, AVC na doença falciforme.
O evento será estendido para a hemorrede estadual, com o seguinte cronograma: Dias 29 e 30/08: Castanhal. Dias 12 e 13/09: Abaetetuba.Dias18 e 19/09:Tucuruí.Dias 26 e 27/09: Altamira. Dias 03 e 04/10: Capanema. Dias 17 e 18/10: Marabá. Dias 21 e 22/11 Santarém. A data para ação em Redenção ainda está sendo definida.
Anemia falciforme
É uma das doenças hereditárias mais comuns no Brasil. Ela é causada por uma modificação (mutação) no gene (DNA) que, em vez de produzir a hemoglobina A, produz uma hemoglobina chamada S. Se uma pessoa recebe um gene do pai e outro gene da mãe, que produzem a hemoglobina S, ela possui um padrão genético chamado SS, causador da anemia falciforme. Essa mutação genética, que produz a hemoglobina S, proliferou há muitos séculos no continente africano e, por isso, essa doença é muito presente no nosso país, cuja população tem em sua base de constituição os povos africanos.
Nas pessoas com anemia falciforme, as hemácias, em determinadas situações, assumem a forma de “meia lua” ou “foice”, daí o nome falciforme. Assim, as hemácias não oxigenam o organismo de maneira satisfatória, porque tem dificuldade de passar pelos vasos sangüíneos, causando má circulação, muitas dores e diversos outros problemas.
As pessoas com anemia falciforme (SS) apresentam sintomas muito diversificados. Enquanto algumas podem apresentar sintomas brandos, outras, tem sintomas graves, como crises de dores ósseas, dores na barriga, infecções repetidas. A intensidade das crises varia conforme a idade da pessoa e a presença de outros tipos de hemoglobinas associadas com a hemoglobina S. Os bebês têm mais infecções e dores, com inchaço nas mãos e nos pés. Nas crianças maiores, as dores ocorrem mais nas pernas, nos braços e no abdome. Mais informações: 3241.1299/32429100/R- 327/08002808118.
Foto 1- Diretora Técnica recepciona os presentes.Foto 2- Titular da COAMB, dra. Iêda Pinto ministra palestra.Foto 3- Esq/Dir-Dra. Iêda Pinto, Enf. Nazaré França, dra. Silma Melo e dra.Socorro Cardoso.

Professores de Altamira são treinados para captar doadores



Fundação Hemopa comemorou resultado da oficina para “Formação de Multiplicadores”, realizada dia 20/08, em parceria com Hemonúcleo Altamira, que contou com 30 professores da rede de ensino público e privado daquela localidade Com mais essa ação, a atividade já capacitou 319 docentes de Belém, Castanhal, Capanema, Abaetetuba, Redenção e Tucuruí e Marabá. A meta é capacitar 400 docentes com a realização de 10 oficinas. O cronograma será encerrado dia 27, em parceria com o Hemocentro Regional de Santarém.
A ação em Altamira foi realizada em parceria com a Secretaria Municipal de Educação, que cedeu o auditório da Escola Estadual “Dom Clemente”, no bairro de Brasília, de 8h às 13h. A atividade faz parte do Programa Doador do Futuro, cujas ações serão desenvolvidas até agosto deste ano. Após a capacitação, os professores vão atuar como agentes multiplicadores e terão a responsabilidade de repassar para a sala de aula a importância da doação voluntária de sangue e de medula óssea para seus alunos e comunidade escolar.
Bastante satisfeito, o responsável técnico da unidade,o médico Francisco Renée Campos de Araújo, parabenizou toda sua equipe pelo sucesso alcançado e agradeceu as parcerias compostas para a realização do evento, especialmente, a disponibilidade dos professores que participaram da oficina, e que agora são agentes multiplicadores para estimular o voluntariado da doação de sangue do cadastro de doadores de medula óssea.
A gerente de Captação de Doadores da Fundação Hemopa, a assistente social Juciara Farias, que foi uma das palestrantes, destacou que a atividade está sendo desenvolvida graças ao apoio do Ministério da Saúde (MS), através do convênio nº 935, de 2006, com a finalidade de promover a educação continuada para o corpo docente, reafirmando a importância do papel social da escola. “Contamos ainda com o importante apoio dos técnicos do Hemonúcleo, principalmente, do serviço de captação, por meio da assiste social Josiane Gomes, que desenvolve importante trabalho no município, contribuindo para a manutenção do estoque de sangue”, ressaltou.
O evento foi aberto oficialmente pelo dr. Francisco Renée. Logo em seguida, os participantes assistiram palestra sobre “Educação como base de sustentação para promoção da doação de sangue”, “Mobilizando e motivando multiplicadores para o ato da doação de sangue”, “Doação de Medula Óssea:uma lição de vida”, ministrados pelas assistentes sociais Juciara Farias e Vânia Maia, ambas do hemocentro coordenador de Belém, com apoio da assistente social Josiane de Sousa Gomes, do Henal.
A programação ainda contou com exibição de vídeo educativo, para em seguida, ser abordado o tema sobre “Doação de medula óssea: uma lição de vida”. Os professores tiveram o momento para trabalhos em grupos e posterior apresentação dos mesmos.
Instituições interessadas em compor parceria para impulsionar a doação de sangue e cadastro de doação de medula óssea, devem entrar em contato com o serviço de Captação de Doadores do Hemopa Altamira , de segunda a sexta-feira, de 7h às 13h, através do fone 3515.2186. Ou ainda, pelo email:captação.altamira@hemopa.pa.gov.br
Serviço: O Henal espera por você na Av.Brig.Edurado Gomes, S/N- Esplanada do Xingu. Funcionamento para coleta: de segunda a sexta-feira, de 7h às 13h. Maiores informações pelo fone: 08002808118, de 2ª a 6ª feira, de 7h30 às 18h; e aos sábados até às 17h.
Foto 1-Dr. Renée recepciona os novos agentes multiplicadores.Foto 2- Josiane Gomes ministrando palestra sobre incentivo à doação de sangue. Foto 3- Altamira com novos captadores de doadores. Eles vão mostar aos alunos que daor sangue não é um bicho-de-sete-cabeças.

Hemopa presenteia a população no aniversário de 34 anos

 A Fundação Hemopa inaugurou oficialmente na tarde de ontem (23) a implantação de novos produtos e serviços em comemoração alusiva aos 34 anos instituição, que contou com a presença do secretário de Estado de Saúde do Pará, dr. Hélio Franco, que no ato representou o governador Simão Jatene.“O Hemopa está fazendo aniversário e presenteia a população com mais segurança transfusional e expansão laboratorial para realização de exames pré-transplantes”, ressaltou, destacando que o hemocentro é um exemplo de excelência de gestão que só tem provocado orgulho ao Estado do Pará, na área da saúde.
O dr. Hélio Franco chegou à instituição às17h, e foi recepcionado pela presidente do hemocentro, dra. Luciana Maradei, pelas diretoras Socorro Ferreira e Ana Flávia Guerreiro, das áreas Técnica e Administrativa, respectivamente; além de coordenadores, assessores e gerentes. Primeiramente, o secretário de Saúde foi conduzido ao auditório do hemocentro onde estava acontecendo treinamento para “Capacitação em Doença Falciforme e outras Hemoglobinopatias”, destinado à equipe de saúde da hemorrede e de outras unidades do Sistema Único de Saúde (SUS), visando o diagnóstico precoce e da terapêutica adequada para reduzir a morbimortalidade.
Ele deu boas vindas aos presentes para sem seguida parabenizar e agradecer cada funcionário da hemorrede estadual pela dedicação profissionalismo que tem garantindo, ao longo dos anos, atendimento de qualidade em respeito ao usuário cidadão. “Quero transmitir os votos de parabéns do governador Simão Jatene a todos que direta e indiretamente contribuem para a doação de sangue, pois isso não é problema só do Hemopa. É responsabilidade de cada um de nós”, pontuou, ressaltando que o papel do hemocentro é oferecer produto com qualidade e isento de doenças, tanto que adquiriu tecnologia que reduz a janela imunológica para detecção dos vírus do HIV e da Hepatite C no sangue dos doadores, e ainda expandiu a capacidade de realização de exames para suporte ao Programa de Transplantes do Estado.
A médica Luciana Maradei agradeceu a presença do secretário e complementou a informação de que a nova tecnologia do NAT (Teste de Ácido Nucléicos) vai diminuir a janela imunológica de 70 dias para 11dias para detecção do vírus da Hepatite C e, de 28 dias para 11 dias para detecção do virús do HIV no sangue dos doadores. “Isso representa mais tranqüilidade, mais qualidade e maior segurança para o receptor”, informou a médica, enfatizando a grande satisfação em presentear a população no aniversário do hemocentro. Em seguida, o Hélio Franco inaugurou simbolicamente as obras de expansão do Laboratório de HLA e a implantação do NAT.
Responsável pela Política estadual do Sangue, o Hemopa garante abastecimento transfusional de milhares de pacientes internados diariamente em 218 hospitais, sendo que 85 somente em Belém. Isso corresponde a uma cobertura de aproximadamente 90% da demanda de transfusões, por meio da hemorrede estadual composta pelos os Hemocentros Regionais de Castanhal, Marabá, Santarém; pelos Hemonúcleos de Redenção, Abaetetuba, Tucuruí, Altamira, Capanema; e por 11 Agências Transfusionais em Belém e as demais nas localidades de Paragominas, Tomé-Açu, Bragança, salinas, Tailândia, Cametá (duas AT´s), Hospital Regional Público do Oeste em Santarém, Juruti, Alenquer, Óbidos, Itaituba, Oriximiná, Porto de Trombetas, Hospital Regional da Transamazônica em Altamira, Hospital Regional de Marabá, Parauapebas, Hospital Regional de Tucuruí, Hospital Regional Público de Redenção, Conceição do Araguaia, Santana do Araguaia, Monte Alegre, Novo progresso, Canaã do Carajás, Tucumã, Xinguara e no Hospital Regional do Marajó em Breves.
Segundo hemocentro inaugurado no Brasil, o Hemopa foi instituído pelo decreto nº 10.741, no dia 02 de agosto de 1978, sob a denominação Fundação Centro Regional de Hemoterapia do Pará (FUNEPA). Em 1982, ele passou a ser denominado de Fundação Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará, através da lei nº 5.840, que a transformou em fundação de direito público.

Servidor do Hemopa é finalista em festival de música

A Fundação Hemopa comemora a primeira vitória de seu servidor, cantor e compositor Jorginho Gomez, que passou para a fase final do 4º Festival de Música Paraense, realizada na última quinta feira (23). O evento tem promoção da TV RBA. Jorginho concorreu com a música de sua autoria “QUERO FALAR”. A final acontecerá no dia 20 de setembro, na Sede Campestre da Assembléia Paraense. "Conto com o apoio e a torcida de meus colegas de trabalho, de outros circulos de amizade e da minha família, claro", comentou otimista, convidando a todos para uma grande e barulhenta torcida na final do festival. 
Segundo ele, sua carreira começou como  cavaquinhista de um grupo de pagode, intitulado “Astral do Samba”. Jorginho logo aprimorou suas técnicas de canto e começou a compor canções de diversos estilos musicais, e com isso montou, com alguns remanescentes do antigo grupo de pagode, a “BANDA ASTRAL”.
Com cinco anos “estrada”, ele participou de grandes bandas do nosso estado, entre elas, “QUERO MAIS”, “KANAXÊ”, “TECNO SHOW”, “MAKING OFF” e “FRUTA QUENTE”, além de trabalhar para campanhas publicitárias gravando jingles para rádio e Tv.                 Agora, em carreira solo, Jorginho Gómez utiliza a experiência adquirida em shows de grandes eventos sociais pela região Norte, somada a sua faceta de compositor, para começar a se destacar no cenário musical paraense. Além da música, o cantor d ivide seu tempo trabalhando na sua área de formação acadêmica como Gestor em Sistema de Informação, no Hemopa.
 Em 2011, Jorginho foi um dos finalistas do III Festival de Música Paraense, com a música “Não Esquece Do Meu Tambor”, e no 10º SERVIFEST, com a música “Terra Desunida”.
 Hoje, Jorginho Gomez é um artista que desenvolve um trabalho  bastante solicitado nos eventos realizados na capital e no interland paraense. Seu repertório atende aos mais variados gostos musicais, indo do carimbó (nosso ritmo regional) ao dance, passando pelo merengue, lambada, sertanejo, forró dentre outros.

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Campanhas externas elevam doações de sangue

A Fundação Hemopa vem intensificando programação de campanhas externas em parcerias com instituições públicas e privadas que estão incrementando estoque técnico de sangue para garantir atendimento da demanda transfusional da rede hospitalar. Amanhã, 25, de 8h às 16h, o hemocentro desenvolverá mobilização em parceria com a escola “Avertano Rocha”, no Distrito de Icoaraci, no bairro do Cruzeiro. A meta será de 100 doações
No dia 22, de 9h às 15h, a ação na Escola “Honorato Filgueiras”, em Mosqueiro, obteve excelente saldo de 185 comparecimentos com 135 coletas e 24 novos cadastros de doadores de medula óssea. A gente de Captação de Doadores do Hemopa, a assistente social Juciara Farias, agradece as instituições parcerias pelo êxito das ações. “Temos que agradecer cada iniciativa de responsabilidade social em favor do atendimento transfusional de pacientes internados na rede hospitalar do Estado”, comentou, ressaltando que a responsabilidade é de todos.
A paciente Isabela Paulo Lima Ramos, 24 anos, portadora de anemia falciforme (doença crônica e que necessita de transfusão a vida toda), torce para o sucesso de todas as campanhas. “Rogo todos os dias pela saúde dessas pessoas que salvam vidas anonimamente”, afirmou, incentivando o ato entre familiares e amigos.
Quem pode doar sangue: candidatos com boa saúde; idade entre 16 e 67 anos. Menores de 18 anos somente com autorização dos pais ou responsáveis. Peso acima de 50 kg. Necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum. Com a doação são realizados exames para diversas doenças, entre elas: Aids, Sífilis, Doença de Chagas, Hepatites, HTLV I e II, além de tipagem sangüínea. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses. O doador deve estar bem alimentado.
Cadastro de doação de medula óssea: Estar bem de saúde e ter entre 18 e 55 anos.
Serviço: O Hemopa espera por você na Tv. Pe. Eutíquio, 2109. Funcionamento para coleta: de segunda a sexta-feira, de 7h30 às 18h, e aos sábados de 7h30 às 17h. Maiores informações pelo fone: 08002808118, de 2ª a 6ª-feira, de 8h às 18h; e aos sábados até ás 17h.
Foto 1: Única filha, Isabela Ramos tem companhia de sua mãe, todas as vezs que precisa receber atendimento.Foto 2- Fachada da escola Honorato Filgueiras que superou meta de doações.

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Simão Jatene participa de comemoração alusiva aos 34 anos do Hemopa

Nesta quinta-feira, 23, às 17h, o governador Simão Jatene e comitiva estará visitando a Fundação Hemopa para comemoração alusiva aos 34 anos da instituição, (festejado dia 02/08). O órgão vai compartilhar com a sociedade em geral a implantação de novos produtos e serviços, entre eles, a inclusão de nova metodologia laboratorial com Ácidos Nucléicos (NAT), na triagem de doadores de sangue, que vai reduzir a janela imunológica para detecção do vírus do HIV e da Hepatite C, garantido maior segurança transfusional para milhares de pacientes que dependem do produto para sobreviver. O Hemopa será um dos nove hemocentros do Brasil a dispor desse mais novo serviço.
Durante a visita, Simão Jatene e sua comitiva conhecerão a área laboratorial do NAT; o Banco de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário (BSCUP), que possui unidade coletadora na maternidade do Hospital da santa Casa de Misericórdia do Pará; o novo espaço do Laboratório de Imunogenética que aumentou de 59m² para 92m². O referido setor serve de apoio ao Programa de Transplantes do Estado, realizando exames pré e pós transplantes.
Logo em seguida, o governador deve encerrar o curso para “Capacitação em Doença Falciforme e outras Hemoglobinopatias”, que vai iniciar em Belém, de 8h às 18h, desta quinta-feira, e posteriormente vai percorrer toda a hemorrede estadual, até novembro deste ano. Na oportunidade, a presidente do Hemopa, dra. Luciana Maradei vai falar sobre os avanços e as conquistas do hemocentro ao longos desses 34 anos, além de exibir projeto gráfico do segundo prédio anexo do Hemocentro que vai acolher novos serviços. A obra está prevista na Agenda Mínima do Governo 2012/2014, bem como a nova sede do Hemocentro Regional de Castanhal..
No final deste mês, o hemocentro encerrará as comemorações com o lançamento da segunda edição da “Carta de Serviços”, que vai orientar e facilitar o acesso aos serviços e produtos oferecidos pelo hemocentro aos usuários, com indicação de horários e acessos telefônicos e on line. Tudo isso, com informações claras e objetivas.
Considerado um dos hemocentros mais modernos do País, o Hemopa foi incluído no projeto piloto do Ministério da Saúde (MS) para aplicar o NAT na triagem dos doadores de sangue, devido sua excelência de gestão que dispõe de estrutura tecnológica e capacitação profissional. Ao comemorar os 34 anos de funcionamento, o Hemopa agradece os cerca de 400 mil doadores cadastrados na instituição, que salvam vidas anonimamente.
O doador André Luis de Sousa Lima, 34 anos, é um bom exemplo de solidariedade. Com tipo de sangue A positivo, ele salva vidas há mais de 10 anos. Residente no município de Marituba, ele não mede esforços para efetuar as coletas a cada três meses. “Doar sangue é um ato de maior ao próximo.A sensação de poder ajudar é indescritível.Gostaria que todos fizessem o mesmo”, desabafou, sem ter a idéia da gratidão da paciente Cristiele Sousa Corrêa, 19 anos, estudante, portadora de anemia falciforme (que é uma doença crônica e exige transfusão a vida toda), que será uma das pessoas beneficiadas com a nova metodologia do NAT.
Ela descobriu a doença em 2004, quando veio do Maranhão para Belém para fazer diagnóstico da doença. “Eu sofria com muitas dores. Mas agora tenho uma boa qualidade de vida graças às doações desses voluntários e da segurança transfusional proporcionada pela instituição”, agradeceu. Hoje ela te uma filha de 1 nos e sete meses, que possui apenas o traço falciforme e tem uma vida normal. “A doação é muito importante para mim e para todos que dependem desse gesto de amor para sobreviver. Graças a vocês, doadores, vou criar minha filha e vê-la crescer”.
No dia 23, a programação alusiva aos 34 anos do Hemopa, será aberta às 8h, com o curso em doença falciforme que tem o objetivo de capacitar a equipe de saúde da hemorrede e de outras unidades do Sistema Único de Saúde (SUS) e pacientes para o diagnóstico precoce e da terapêutica adequada dos casos de Doença Falciforme e outras hemoglobinopatias, promovendo a redução da morbimortalidade no Estado do Pará. O curso que deverá contar com 120 participantes, será estendido para as unidades do Hemopa nos municípios de Castanhal, Marabá, Santarém, Redenção, Abaetetuba, Tucuruí, Altamira, Capanema. A capacitação conta com recursos do MS, através do convênio nº 673/2009.
Responsável pela Política estadual do Sangue, o Hemopa atende demanda transfusional de 218 hospitais, sendo que 85 somente em Belém. Isso corresponde a uma cobertura de aproximadamente 90%, por meio da hemorrede, que é composta pelos os Hemocentros Regionais de Castanhal, Marabá, Santarém; pelos Hemonúcleos de Redenção, Abaetetuba, Tucuruí, Altamira, Capanema; e por 11 Agências Transfusionais em Belém e as demais nas localidades de Paragominas, Tomé-Açu, Bragança, salinas, Tailândia, Cametá (duas AT´s), Hospital Regional Público do Oeste em Santarém, Juruti, Alenquer, Óbidos, Itaituba, Oriximiná, Porto de Trombetas, Hospital Regional da Transamazônica em Altamira, Hospital Regional de Marabá, Parauapebas, Hospital Regional de Tucuruí, Hospital Regional Público de Redenção, Conceição do Araguaia, Santana do Araguaia, Monte Alegre, Novo progresso, Canaã do Carajás, Tucumã, Xinguara e no Hospital Regional do Marajó em Breves.
Segundo hemocentro inaugurado no Brasil, o Hemopa foi instituído pelo decreto nº 10.741, no dia 02 de agosto de 1978, sob a denominação Fundação Centro Regional de Hemoterapia do Pará (FUNEPA). Em 1982, ele passou a ser denominado de Fundação Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará, através da lei nº 5.840, que a transformou em fundação de direito público.
Foto 1- O doador André Luis salva vidas, frequentemente. Foto 2- A paciente Cristiele de Souza agora conta com maior segurança transfusional.Ela agradece.Foto 3- Área laboratorial para o NAT.foto 4- Expansão física laboratorial.

Servidor do Hemopa concorre em festival de música

O servidor da Fundação Hemopa, cantor e compositor Jorginho Gomez  foi selecionado para participar da 1ª eliminatória do 4º Festival de Música Paraense, que será  promovido pela TV RBA, ^nesta quinta-feira (23), a partir das 20h, na casa de show “Fazenda Show”. Ele vai concorrer com a música de sua autoria “QUERO FALAR” que vai concorrer com outras 24 selecionadas, para disputar as eliminatórias em Belém. apenas 10 finalistas. A eliminatória será no município de Marabá
Segundo ele, sua carreira começou como  cavaquinhista de um grupo de pagode, intitulado “Astral do Samba”. Jorginho logo aprimorou suas técnicas de canto e começou a compor canções de diversos estilos musicais, e com isso montou, com alguns remanescentes do antigo grupo de pagode, a “BANDA ASTRAL”.
Com cinco anos “estrada”, ele participou de grandes bandas do nosso estado, entre elas, “QUERO MAIS”, “KANAXÊ”, “TECNO SHOW”, “MAKING OFF” e “FRUTA QUENTE”, além de trabalhar para campanhas publicitárias gravando jingles para rádio e Tv. Agora, em carreira solo, Jorginho Gómez utiliza a experiência adquirida em shows de grandes eventos sociais pela região Norte, somada a sua faceta de compositor, para começar a se destacar no cenário musical paraense. Além da música, o cantor divide seu tempo trabalhando na sua área de formação acadêmica como Gestor em Sistema de Informação, no Hemopa.
 Em 2011, Jorginho foi um dos finalistas do III Festival de Música Paraense, com a música “Não Esquece Do Meu Tambor”, e no 10º SERVIFEST, com a música “Terra Desunida”.
Hoje, Jorginho Gomez é um artista que desenvolve um trabalho  bastante solicitado nos eventos realizados na capital e no interland paraense. Seu repertório atende aos mais variados gostos musicais, indo do carimbó (nosso ritmo regional) ao dance, passando pelo merengue, lambada, sertanejo, forró dentre outros.

Hemopa passa por avaliação do PNQH

Nesta manhã de quarta-feira (22), a Fundação Hemopa recebeu visita de avaliadores do Programa Nacional de Qualificação da Hemorrede (PNQH), que se estenderá até sexta-feira (24). Em outubro, a comissão formada por técnicos da Coordenação Geral de Sangue e Hemoderivados, do Ministério da Saúde (MS), seguirá para o Hemocentro Regional de Santarém, para avaliar os processos internos e identificar as oportunidades de melhorias.
A avaliação sendo executada por Marcelo Addas, do Hemocentro de Campinas (SP), Patrícia Carsten, do hemocentro de Florianópolis (SC) e Maria Betânia Pinto, do Hemocentro de Recife (PE). A equipe de avaliadores passará por 30 setores da instituição, incluindo as áreas técnica e administrativa. A visita é feita a cada três anos em toda a hemorrede brasileira e vai gerar relatório final para CGSH.
Foto 1- Marcelo Addas reunindo com servidores no auditório do hemocentro. Foto 2- Marcelo Addas fazendo avaliação dos processos na Gerência de Lavagem e Esterilização (Geles)


Liga de Hemoterapia e Hematogia do Pará

Nesta quinta-feira, 23/08, acontecerá a reunião da Liga de Hemoterapia e Hematogia do Pará (Lahhepa), às 19h30, no auditório do Hemopa, com palestra sobre: “Anemia Aplática/HPN” que será ministrada pela dr. Marcos Laércio, Hematologista da Fundação Hemopa.

Mais informações: lahhepa@hotmail.com

Link: http://fundacaohemopa.blogspot.com.br/search?q=liga

Governador prestigia comemoração de 34 anos do Hemopa

O governador Simão Jatene visitará a Fundação Hemopa nesta quinta-feira, 23, às 17h, para prestigiar evento alusivo aos 34 anos da instituição, festejado dia 02/08. A programação comemorativa se dará por todo o mês de agosto, brindando a população com implantação de novos produtos e serviços, entre eles, a implantação de testes de Ácidos Nucléicos (NAT), que vai reduzir tempo de detecção de HIV e Hepatite C, nas amostras de sangue dos doadores, aumentando a segurança transfusional; ampliação do Laboratório de Imunogenética, que dá apoio ao Programa de Transplantes do Estado; e inicio do curso para “Capacitação em Doença Falciforme e outras Hemoglobinopatias”, que vai percorrer toda a hemorrede estadual.
 Atualmente, o Hemopa é um hemocentros mais modernos do País e um dos nove hemocentros do projeto piloto do Ministério da Saúde (MS) para aplicar o NAT na sorologia dos doadores de sangue, devido sua excelência de gestão que dispõe de estrutura tecnológica e capacitação profissional.
Ao comemorar os 34 anos de funcionamento, o Hemopa agradece os cerca de 400 mil doadores cadastrados na instituição, entre eles, Alfredo de Jesus Monteiro, que aos 67 anos fez sua última doação de sangue no início deste mês. Doador desde os 18 anos, ele afirmou ter realizado mais de 100 doações. “Não poderei maias doar, mas trazer amigos e parentes. Será a minha forma de continuar salvando vidas”, prometeu Alfredo de Jesus que nunca vai esquecer a sensação de salvar vidas com um simples gesto: estendendo o braço.
A comemoração no dia 23, será aberta às 8h, com o curso em doença falciforme que tem o objetivo de capacitar a equipe de saúde da hemorrede e de outras unidades do Sistema Único de Saúde (SUS) e pacientes para o diagnóstico precoce e da terapêutica adequada dos casos de Doença Falciforme e outras hemoglobinopatias, promovendo a redução da morbimortalidade no Estado do Pará. O curso será estendido para as unidades do Hemopa nos municípios de Castanhal, Marabá, Santarém, Redenção, Abaetetuba, Tucuruí, Altamira, Capanema. A capacitação conta com recursos do MS, através do convênio nº 673/2009.
Responsável pela Política estadual do Sangue, o Hemopa garante abastecimento transfusional de milhares de pacientes internados diariamente em 218 hospitais, sendo que 85 somente em Belém. Isso corresponde a uma cobertura de aproximadamente 90% da demanda de transfusões, por meio da hemorrede estadual composta pelos os Hemocentros Regionais de Castanhal, Marabá, Santarém; pelos Hemonúcleos de Redenção, Abaetetuba, Tucuruí, Altamira, Capanema; e por 11 Agências Transfusionais em Belém e as demais nas localidades de Paragominas, Tomé-Açu, Bragança, salinas, Tailândia, Cametá (duas AT´s), Hospital Regional Público do Oeste em Santarém, Juruti, Alenquer, Óbidos, Itaituba, Oriximiná, Porto de Trombetas, Hospital Regional da Transamazônica em Altamira, Hospital Regional de Marabá, Parauapebas, Hospital Regional de Tucuruí, Hospital Regional Público de Redenção, Conceição do Araguaia, Santana do Araguaia, Monte Alegre, Novo progresso, Canaã do Carajás, Tucumã, Xinguara e no Hospital Regional do Marajó em Breves.
Segundo hemocentro inaugurado no Brasil, o Hemopa foi instituído pelo decreto nº 10.741, no dia 02 de agosto de 1978, sob a denominação Fundação Centro Regional de Hemoterapia do Pará (FUNEPA). Em 1982, ele passou a ser denominado de Fundação Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará, através da lei nº 5.840, que a transformou em fundação de direito público.
Para a presidente do hemocentro, dra. Luciana Maradei, a população paraense tem muito a comemorar com os 34 anos do Hemopa que ao longo os anos vem melhorando cada vez mais seus produtos e e na diversificações dos serviços, como por exemplo, no cadastramento de doadores de medula óssea e possui o primeiro e até então único Banco de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário (BSCUP da região Norte. “Sempre priorizamos o atendimento de qualidade em respeito aos nossos usuários”, destacou Luciana Maradei, que agradece os servidores da hemorrede e aos doadores de sangue pelo êxito das ações ao longos desses anos.
Fotos 1 e 2- Novo espaço do Laboratório de Imunogenética. Foto 3- Instalações do NAT.

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Hemopa capacita profissionais da saúde para atendimento de patologias do sangue


 Nesta quinta-feira, 23, de 8h às 18h, a Fundação Hemopa estará realizando “Capacitação em Doença Falciforme e outras Hemoglobinopatias”, que tem o objetivo de capacitar a equipe de saúde da hemorrede e de outras unidades do Sistema Único de Saúde (SUS) para o diagnóstico precoce e da terapêutica adequada dos casos de Doença Falciforme e outras hemoglobinopatias, promovendo a redução da morbimortalidade no Estado do Pará. O curso será estendido até novembro deste ano para a hemorrede estadual.
A ação faz parte da programação alusiva aos 34 anos da Fundação Hemopa, comemorado no dia dois de agosto .A capacitação que conta com recursos do MS, através do convênio nº 673/2009, será realizada nas unidades da hemorrede localizadas nos municípios de Castanhal, Marabá, Santarém, Altamira, Tucuruí, Capanema, Abaetetuba e Redenção.
Segundo a médica hematologista Saide Trindade, da Gerência de Hematologia. a Doença Falciforme é genética e de maior incidência no Brasil. No Pará, dos 32.577 pacientes cadastrados no hemocentro, 1.236 são portadores da doença hematológica. Eles recebem tratamento com equipe multiprofissional composta por médicos, enfermeiros, fisiatras, fisioterapeutas, assistentes sociais, psicólogos, odontólogos, pedagogos e farmacêuticos, que garante atendimento especializado proporcionando melhor qualidade de vida aos que dependem dos serviços.
A paciente Hellen Trícia Rodrigus de Jesus, 19 anos, portadora de anemia falciforme conhece o atendimento médico do hemocentro há 13 anos quando foi diagnosticada com a doença. Filha única, ela disse que agradece a Deus todos dias para a saúde dos doadores, de quem dependerá a vida toda. “Contamos ainda com parcerias para realização do atendimento de neuropediatras, através de exame de ecodoppler, para avaliar o fluxo sanguíneo cerebral para prevenção de eventual acidente vascular cerebral”, exemplificou, citando ainda outros tratamentos para reduzir a sobrecarga de ferro no organismo desses pacientes politraansfundidos.
Anemia falciforme
É uma das doenças hereditárias mais comuns no Brasil. Ela é causada por uma modificação (mutação) no gene (DNA) que, em vez de produzir a hemoglobina A, produz uma hemoglobina chamada S. Se uma pessoa recebe um gene do pai e outro gene da mãe, que produzem a hemoglobina S, ela possui um padrão genético chamado SS, causador da anemia falciforme. Essa mutação genética, que produz a hemoglobina S, proliferou há muitos séculos no continente africano e, por isso, essa doença é muito presente no nosso país, cuja população tem em sua base de constituição os povos africanos.
Nas pessoas com anemia falciforme, as hemácias, em determinadas situações, assumem a forma de “meia lua” ou “foice”, daí o nome falciforme. Assim, as hemácias não oxigenam o organismo de maneira satisfatória, porque tem dificuldade de passar pelos vasos sangüíneos, causando má circulação, muitas dores e diversos outros problemas.
As pessoas com anemia falciforme (SS) apresentam sintomas muito diversificados. Enquanto algumas podem apresentar sintomas brandos, outras, tem sintomas graves, como crises de dores ósseas, dores na barriga, infecções repetidas. A intensidade das crises varia conforme a idade da pessoa e a presença de outros tipos de hemoglobinas associadas com a hemoglobina S. Os bebês têm mais infecções e dores, com inchaço nas mãos e nos pés. Nas crianças maiores, as dores ocorrem mais nas pernas, nos braços e no abdome.

Traço falciforme
Se uma pessoa receber de um dos pais o gene para hemoglobina S e do outro o gene para hemoglobina A, ela não terá a doença, e sim o traço falciforme (AS). Portanto, essa pessoa não precisa de tratamento porque a doença não se desenvolverá. Caso tenha filhos ou filhas com outra pessoa que também herdou o traço, existe a possibilidade de ela ter uma criança com anemia falciforme (SS).
A médica faz um alerta para que as pessoas diagnosticadas com doença falciforme devem ser cadastradas nos Programas Estaduais de Atenção Integral e tratadas de acordo com as normas do Ministério da Saúde (MS). As pessoas diagnosticadas com traço falciforme tem direito a orientação e informação genética na rede pública de saúde, conforme instrução do MS. Para se informar mais sobre o tratamento e a orientação sobre o traço falciforme, procure o posto de saúde mais próximo.
Foto 1- Ambulatório do hemocentro. Foto 2- Apaciente Hellen Trícia agradece os gesto solidário de todos os doadores. Foto 3- Dr. Sávio em sessão de fisioterapia.

Hemocentro faz campanha externa em Alenquer

O Hemocentro Regional de Santarém estará realizando campanha externa no município de Alenquer nos dias 23 e 24 de agosto. A meta será de 300 coletas.
Quem pode doar sangue: Qualquer pessoa saudável, com idade entre 18 e 65 anos e peso acima de 50 quilos é um doador em potencial. O candidato deve estar bem alimentado. É necessário apresentar documento oficial original e com foto. Com a doação são realizados exames para diversas doenças, entre elas: Aids, Sífilis, Doença de Chagas, Hepatites, HTLV I e II, além de tipagem sangüínea. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses. Para doar sangue não é preciso estar em jejum. O doador deve estar bem alimentado.
Serviço: O Hemopa Santarém espera por você na Av. Frei Vicente, S/N. Entre Alameda 30 e alameda 31.Bairro: Aeroporto Velho CEP: 68.040-040.Fone: (93) 3522.7763 / 3522.1448 / 3522.1143, ou ainda: 08002808118, de 2ª a 6ª, de 8h às 18h, e aos sábados até ás 17h.

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Curso de interpretação de exames laboratoriais no pré-natal


A Universidade Federal do Pará (UFPA) torna público a realização do curso de interpretação de exames laboratoriais na consulta de pré-natal, que visa capacitar o enfermeiro ou o acadêmico de enfermagem na leitura de exames de pré-natal.

Público alvo: Enfermeiros, biomédicos, farmacêuticos, bioquímicos, acadêmicos de cursos da saúde, técnicos e auxiliares de enfermagem e outros profissionais interessados em atualizar-se no assunto.

Inscrições: R$5,00 + 1 pacote de fralda, no período de 21 a 23/08/12.

Data do evento: 23 e 24 de Agosto de 2012. Local: Auditório “Silveira Neto” do Instituto de Ciências da Saúde – ICS, em frente à Santa Casa. Mais informações: Ana Paula 8143-2432 / Denise 8886-3896 / Eulália 8229-7034 / Nathália 8217-8313.

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Hemopa Altamira capacitará professores para falar sobre doação de sangue



A Fundação Hemopa na próxima segunda-feira, 20, mais uma oficina para “Formação de Multiplicadores” com cerca de 30 professores da rede de ensino público e privado do município de Altamira, onde a instituição possui um Hemonúcleo sob a gerência técnica do médico Francisco Renée Campos de Araújo. Iniciada em maio deste ano, a atividade já capacitou 289 docentes de Belém, Castanhal, Capanema, Abaetetuba, Redenção e Tucuruí e Marabá. A meta é capacitar 400 docentes com a realização de 10 oficinas.
A ação em Altamira está sendo realizada em parceria com a Secretaria Municipal de Educação, que cedeu o auditório da Escola Estadual “Dom Clemente”, no bairro de Brasília, de 8h às 13h. A atividade faz parte do Programa Doador do Futuro, cujas ações serão desenvolvidas até agosto deste ano. Após a capacitação, os professores vão atuar como agentes multiplicadores e terão a responsabilidade de repassar para a sala de aula a importância da doação voluntária de sangue e de medula óssea para seus alunos e comunidade escolar.
Segundo a gerente de Captação de Doadores, a assistente social Juciara Farias, do hemocentro coordenador de Belém, a ação está sendo executada com o apoio do Ministério da Saúde (MS) que repassou recursos, através do convênio nº 935, de 2006, para a realização das oficinas que têm o objetivo de promover a educação continuada para o corpo docente, reafirmando a importância do papel social da escola.
O evento será aberta às 8h30, pelo dr. Francisco Renée Durante a oficina. Logo em seguida, os participantes assistirão palestra sobre “Educação como base de sustentação para promoção da doação de sangue”, “Mobilizando e motivando multiplicadores para o ato da doação de sangue”, “Doação de Medula Óssea:uma lição de vida”. Os temas serão ministrados pelas assistentes sociais Juciara Farias e Vânia Maia, ambas do  hemocentro coordenador de Belém, com apoio da assistente social Josiane de Sousa Gomes, do Henal.
A programação conta ainda com exibição de vídeo educativo, para em seguida, ser abordado o tema sobre “Doação de medula óssea: uma lição de vida”. Os professores tiveram o momento para trabalhos em grupos e posterior apresentação dos mesmos.
O cronograma segue até o dia 27, em Santarém. A ação vai gerar relatório final e prestação de contas das atividades em setembro e outubro deste ano.
Instituições interessadas em compor parceria para impulsionar a doação de sangue e cadastro de doação de medula óssea, devem entrar em contato com o serviço de Captação de Doadores do Hemopa Altamira , de segunda a sexta-feira, de 7h às 13h,  através do fone 3515.2186. Ou ainda, pelo email:captação.altamira@hemopa.pa.gov.br
Serviço: O Henal espera por você na Av.Brig.Edurado Gomes, S/N- Esplanada do Xingu. Funcionamento para coleta: de segunda a sexta-feira, de 7h às 13h. Maiores informações pelo fone: 08002808118, de 2ª a 6ª feira, de 7h30 às 18h; e aos sábados até às 17h.
Foto 1- Oficina realizada no municípío de Capanema. Foto 2- Oficina no município Tucuruí.

Hemopa promove palestra sobre Saúde do Homem


No último dia 10/08 a gerência de Serviço Social (Geses) promoveu palestra educativa sobre “Saúde do homem”, em parceria com a coordenação de saúde do homem da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa). A palestra educativa foi realizada na recepção de pacientes da Fundação Hemopa, e reuniu pacientes e familiares. A atividade faz parte do projeto de Humanização Sala de Espera que visa desenvolver ações educativas, planejadas e articuladas para a promoção da saúde e da qualidade de vida da demanda pelo ambulatório do Hemopa. Segundo a assistente social do Geses, Joice Cunha, a ação fez parte das comemorações alusiva ao Dia dos Pais, comemorado no segundo domingo de agosto.

Serviço: O Hemopa espera por você na Tv. Pe. Eutíquio, 2109. O atendimento para pacientes é de segunda a sexta-feira, de 7h às 19h, e aos sábados atendimento só em regime de urgência. Mais informações pelo: 08002808118

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Ações Capanema

Campanha interna de doação de sangue APAE Capanema
No próximo dia 21/08 será realizada a 2ª Campanha Interna para doação de sangue e cadastro de medula óssea, em parceria com a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) Capanema, instituição que já conta com vários doadores fidelizados. O hemonúcleo foi convidado a participar da ação, que faz parte das comemorações pelo Dia do Excepcional (22/08) e contará com a presença de diversas instiutições públicas e da sociedade civil organizada.

Campanha externa no município de Santarém Novo
No dia 1º de setembro acontecerá a campanha externa em Santarém Novo, município distante há 70 km de Capanema. A Ação acontecerá na Unidade Básica de Saúde, e será realizada com o apoio da Prefeitura e Secretária municipal de Saúde daquela localidade. Essa será a 1ª Campanha do hemonúcleo de Capanema no município. A equipe de Captação de doadores realizará o agendamento de candidatos a doação de sangue e cadastro de medula óssea, e encaminhará os candidatos ao Hemopa Capanema. A meta é coletar 100 bolsas de sangue e realizar 30 novos cadastros de medula óssea.



HENCA NO FACEBOOK

Encontre-nos e adicione no facebook, vamos aumentar a corrente-do-bem: Hemopa Capanema

SERVIÇO DE OUVIDORIA DA FUNDAÇÃO HEMOPA: 08002808118

A ligação é grátis para todo o Estado do Pará. Atendimento de 2ª a 6ª feira, de 7h30 às 18h; e aos sábados, até às 17h.

Hemopa comemora aniversário por todo o mês de agosto.

 No dia dois de agosto de 1978, a população paraense ganhava o segundo hemocentro do Brasil. Hoje, com 34 anos, a Fundação Hemopa é considerado um dos melhores hemocentros e mais moderno do Brasil pela excelência de gestão, modernidade, tecnologia, diversidade dos produtos e serviços e, sobretudo, pela dedicação e desempenho profissional do quadro de servidores da hemorrede estadual. A data será comemorada por todo o mês de agosto. Dentro das comemorações alusivas a data, o Hemopa promoverá a “Capacitação em Doença Falciforme e outras Hemoglobinopatias”, no dia 23 /08, de 8h as 18h, no auditório do hemocentro, em Belém. A ação se estenderá para a hemorrede estadual até novembro deste ano, envolvendo os seguintes municípios: Marabá, Santarém, Castanhal, Abaetetuba, Altamira, Tucuruí, Redenção e Capanema. A atividade capacitará profissionais da hemorrede, do Sistema Único de Saúde (SUS) e pacientes portadores da doença, para diagnóstico precoce e na terapêutica adequada dos casos de Doença Falciforme e outras hemoglobinopatias, promovendo a redução da morbimortalidade.

Uepa se une ao Hemopa na campanha de doação de sangue

Neste dia 14 de agosto, das 08h às 17h, será feito um mutirão de atendimento no auditório do Centro de Ciências Naturais e Tecnologia (CCNT), situado na travessa Enéas Pinheiro 2626, em Belém.

‘’Doar sangue faz bem ao coração’’ é mais uma campanha lançada pelo Hemopa em busca do crescimento de doadores de sangue, já que os estoques diminuíram durante o período das férias. Para ajudar nas doações, alunos, professores e demais funcionários da Universidade do Estado do Pará (Uepa) estarão participando de um dia de doação, que ocorrerá no Centro de Ciências Naturais e Tecnologia (CCNT), em 14 de agosto, a partir das 08h até às 17h. O atendimento será realizado no auditório do CCNT. A Uepa estende o convite à comunidade e demais instituições de ensino.

Para doar é necessário obedecer alguns requisitos, como, ser maior de 18 anos; pesar acima de 50 kg; estar bem alimentado; evitar cigarros até pelo menos duas horas antes da coleta, não apresentar estado de gravidez. O homem pode doar sangue a cada 60 dias e a mulher a cada 90 dias. No momento da coleta, o doador deverá apresentar um documento oficial com foto, efetuar um cadastro, passar por uma avaliação médica e seguir para a doação, que dura de oito a dez minutos.

‘’Minha mãe não queria que eu doasse sangue. Ela dizia que isso não faz bem. Mas eu sei que não é assim e fiz a minha última doação nas férias’’, conta o estudante de Engenharia Ambiental da Uepa, Rafael Rendeiro, que agora motiva os colegas de classe a fazer o mesmo. ‘’Tanta gente já doou. Isso não custa nada e pode fazer a maior diferença na vida de alguém’’, ressalta o jovem.

De acordo com o Hemopa, são constantes as dúvidas sobre a doação de sangue. ‘’Tem gente que diz que fazer doação engrossa o sangue. Mas não é verdade, nosso organismo repõe a parte líquida em no máximo 72 horas. Tem gente também que diz que se você doa pela primeira vez, tem que doar pelo resto da vida. A doação não vicia. A quantidade que retiramos é apenas 480 ml e é reposta naturalmente pelo corpo’’, diz o funcionário da ouvidoria do Hemopa, Alam William.

Com a ação do Hemopa na Uepa, a agente administrativa, Thamyres Falcão, aproveita a oportunidade para vencer o medo e doar pela primeira vez. ‘’Fico apreensiva por ser a primeira vez, mas sei que eles estão precisando e é sempre importante colaborar’’, diz.


Foto: Mácio Ferreira
Fonte: UEPA