terça-feira, 30 de abril de 2013

Parabéns, trabalhadores do Brasil!


A Fundação Hemopa parabeniza todos os trabalhadores brasileiros que serão homenageados amanhã, dia 1º de maio. Um agradecimento especial para todos os funcionários da hemorrede estadual que fazem do hemocentro uma referência no Brasil em gestão de qualidade

Hemopa coleta sangue na “Presidente Vargas”


 A campanha externa de coleta de sangue e cadastramento de doadores de medula óssea, que está sendo realizada na Av.Presidente Vargas, em frente ao prédio do Banco do Brasil, prossegue até às 15h de hoje (30), com a meta de 100 doações voluntárias.
Hemopa fixa ponto de coleta na "Presidente Vargas"
A unidade móvel de coleta do hemocentro retornará para o mesmo local no próximo dia 02/05, de 8h às 15h. Na manhã desta terça-feira, o economista e doador de sangue, Ronaldo Andrade, 49, aproveitou a oportunidade para doar sangue. Ele afirmou que sempre participa das campanhas em frente ao Banco do Brasil. “Todas as vezes que o ônibus do Hemopa está aqui na Presidente Vargas eu faço questão de doar sangue e ajudar ao próximo, não custa nada!”, afirmou, ressaltando a importância do  hemocentro buscar doadores nas principais avenidas de Belém. “Muitas vezes não temos tempo de ir até a sede do Hemopa. Então, assim, fica muito mais fácil para todos”, destacou.
Unidade proporciona mesmo conforto e segurança na coleta
Instituições interessados em compor parceria para campanha externa, entrar em contato com a Gerência de Captação de Doadores (Gecad), de 2ª a 6ª-feira, de 7h30 às 18h; e aos sábados até às 17h, através do fone: 3224.5048, 32429100-R-205.
Quem pode doar sangue: candidatos com boa saúde; idade entre 16 anos completos e 67 anos. Menor de 18 anos somente com autorização dos pais ou responsáveis. Peso acima de 50 kg. Necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses.
Quem pode fazer cadastro de doação de medula óssea: Homem ou mulher saudável e com faixa etária de 18 a 55 anos. Necessário portar documento de identidade original e com foto
A novidade do Hemopa é que os doadores podem obter o resultado desses exames pela internet, através do site www.hemopa-pa.gov.br, em até 30 dias.
Serviço: O Hemopa espera por você na Tv. Pe. Eutíquio, 2109. Funcionamento para coleta: de segunda a sexta-feira, de 7h30 às 18h, e aos sábados de 7h30 às 17h. Maiores informações pelo fone: 08002808118.

Hemopa homenageia as mães servidoras

No Dia da Mulher orientações e serviços de beleza

A Fundação Hemopa promoverá homenagem alusiva às mães servidoras do hemocentro coordenador Belém, nos dias 7, 9 e 10/05, com programação comemorativa para parabenizar e agradecer todas as mães funcionárias que contribuem para o êxito das ações desenvolvidas pela organização.
Coordenada pela Assessoria de Gestão de Pessoas (Agesp) com apoio do Serviço de Assistência à Saúde do Servidor (SASS), a programação contemplará várias atrações. O evento será aberto às 11h, com apresentação do coral do Hemopa. Logo em seguida, profissionais da CIA Arte de Dançar farão apresentação aos presentes. As atividades serão encerradas com sorteio de brindes, doados por instituições parceiras.
 No dia 8, de 9h às 12h e de 14h às 16h, as mãe servidoras poderão dispor de serviços de limpeza de pele e “Spa dos Pés”, em parceria com a empresa “Hinode”. As senhas podem ser obtidas no SASS.
No dia 10, a programação contará com oferta de corte de cabelo, escova e chapinha, em parceria com a empresa “Talentos Mundial”. O serviços serão executados de 8h às 12h e de 13h às 16h.

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Hemopa nas ruas para você doar sangue


Nesta terça-feira, 30, a Fundação Hemopa estará com sua unidade móvel de coleta de sangue na Av. Presidente Vargas, em frente ao prédio do Banco do Brasil (BB), para captar doadores de sangue e efetivar cadastro de doadores de medula óssea, de 8h às 15h. Aproveite essa oportunidade de salvar vidas. A meta será de 100 coletas.
A ação tem o objetivo de incrementar o estoque estratégico do hemocentro para garantir atendimento transfusional em quantidade e qualidade para a rede hospitalar pública e privada do Estado.
As campanhas externas, em parceria com instituições de todas as esferas, são  previamente programadas, através da Gerência de Captação de Doadores (Gecad), que realiza o trabalho de sensibilização e posterior campanha. Segundo a titular do setor, a assistente social Juciara Farias, o hemocentro coloca a unidade de coleta de sangue em pontos estratégicos da grande Belém para aumentar o número de doações e proporcionar mais facilidade de acesso ao candidato à doação. “Tem pessoa que não tem tempo de se dirigir até a sede do Hemocentro. Então, nós vamos até ela”, justificou.
O cronograma de coleta na Av. Presidente Vargas prossegue no dia 02/05, no mesmo local e horário.
Instituições interessados em firmar parceria para campanhas externas, entrar em contato com a Gecad, de 2ª a 6ª-feira, de 7h30 às 18h; e aos sábados até às 17h, através do fone: 3224.5048, 32429100-R-205.
Quem pode doar sangue: candidatos com boa saúde; idade entre 16 anos completos e 67 anos. Menor de 18 anos somente com autorização dos pais ou responsáveis. Peso acima de 50 kg. Necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses.
Quem pode fazer cadastro de doação de medula óssea: Homem ou mulher saudável e com faixa etária de 18 a 55 anos. Necessário portar documento de identidade original e com foto
A novidade do Hemopa é que os doadores podem obter o resultado desses exames pela internet, através do site www.hemopa-pa.gov.br, em até 30 dias.
Serviço: O Hemopa espera por você na Tv. Pe. Eutíquio, 2109. Funcionamento para coleta: de segunda a sexta-feira, de 7h30 às 18h, e aos sábados de 7h30 às 17h. Maiores informações pelo fone: 08002808118.

Jovens da Igreja Batista Sião doam sangue


A Fundação Hemopa agradece a iniciativa de responsabilidade social do grupo de jovens da Igreja Batista Sião, que doou sangue na sede do hemocentro, dia 27/05. As coletas reforçaram estoque estratégico do Hemopa, que atende a demanda transfusional de aproximadamente 218 hospitais do Estado.Somente em Belém são 85 casas de saúde.
Bastante satisfeita com participação desses jovens no processo da doação voluntária de sangue, a a gerente de Captação de Doadores, a assistente social Juciara Farias, revelou que das doações efetivadas em Belém, mais de 50% são do segmento jovem (18/29anos). “Eles são muito receptíveis às causas sociais, ao bem estar da população”, ressaltou, parabenizando todos eles.
Quem pode doar sangue: candidatos com boa saúde; idade entre 16 anos completos e 67 anos. Peso acima de 50 kg. Necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses. O doador deve estar bem alimentado. O resultado dos exames dos doadores podem  ser obtidos on line, através do site: WWW.hemopa.pa.gov.br, em 30 dias após a coleta do sangue.
Serviço: O Hemopa espera por você na Tv. Pe. Eutíquio, 2109. Funcionamento para coleta: de segunda a sexta-feira, de 7h30 às 18h, e aos sábados de 7h30 às 17h. Maiores informações pelo fone: 08002808118.

sexta-feira, 26 de abril de 2013

Unidade móvel coleta sangue na Presidente Vargas


Para incrementar o número de doações de sangue e de cadastro de medula óssea, a Fundação Hemopa está realizando campanhas externas, em parceria com instituições públicas e privadas, visando reforçar estoque estratégico do hemocentro, para garantir atendimento satisfatório da demanda transfusional da rede hospitalar, que somente em Belém é composta por mais de 80 estabelecimentos.
Dia 30/04 e 02/05, de 7h às 16h, na Av. Presidente Vargas, em frente ao prédio do Banco do Brasil. A meta é  de 100 bolsas  de sangue e 100 cadastros de doadores de medula óssea.
Instituições interessados em compor parceria para campanha externa, entrar em contato com a Gerência de Captação de Doadores (Gecad), de 2ª a 6ª-feira, de 7h30 às 18h; e aos sábados até às 17h, através do fone: 3224.5048, 32429100-R-205.
Quem pode doar sangue: candidatos com boa saúde; idade entre 16 anos completos e 67 anos. Menor de 18 anos somente com autorização dos pais ou responsáveis. Peso acima de 50 kg. Necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses.
Quem pode fazer cadastro de doação de medula óssea: Homem ou mulher saudável e com faixa etária de 18 a 55 anos. Necessário portar documento de identidade original e com foto
A novidade do Hemopa é que os doadores podem obter o resultado desses exames pela internet, através do site www.hemopa-pa.gov.br, em até 30 dias.
Serviço: O Hemopa espera por você na Tv. Pe. Eutíquio, 2109. Funcionamento para coleta: de segunda a sexta-feira, de 7h30 às 18h, e aos sábados de 7h30 às 17h. Maiores informações pelo fone: 08002808118.

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Reunião de Ouvidores do SUS

Ouvidora Silvânia Assunção (vestido) fala sobre o serviço

A responsável pelo serviço de Ouvidoria da Fundação Hemopa, a socióloga Silvânia Assunção, participou nesta manhã, da reunião dos “Ouvidores Regionais do Estado”, que está sendo realizado no auditório do hemocentro, com a finalidade efetivar o planejamento integrado das Ouvidorias do Sistema Único de Saúde (SUS) no Pará.
o Hemopa é o único órgão do Estado que possui esse serviço on line, por meio de seu site que proporciona contato em tempo em real com o usuário. Se a demanda for encaminhada para resolução de processos, o interessado receberá o número do registro que possibilita o acompanhamento da consideração. Outras formas de acesso:foram por meio do  08002808118; 36 por email e por formulários. O Hemopa quer ouvir você. End: Pe. Eutíquio, 2109. Mais informações: 08002808118 ou 32429100.

Hemopa Santarém com Espaço Criança

O pequeno William ficou muito feliz com o espaço
Ambiente humanizado com atividades recreativas e educativas. Esse é a mais nova proposta do Hemocentro Regional de Santarém (HRS): “Espaço Criança”, destinado aos pacientes da pediatria ambulatorial que, assim como os demais, recebem tratamento médico especializado no hemocentro. O novo espaço tem o objetivo de descontrair as crianças, enquanto aguardam o atendimento.


O pequeno William da Silva Marialva, 5 anos, que recebe atendimento no Hemopa Santarém desde outubro de 2012, foi o primeiro a inaugurar o espaço. Sua mãe, Mariane da Silva, contou que ele ficou muito feliz com o novo “cantinho”.
Bastante satisfeita com a nova atividade, a gerente administrativa daquela unidade, Luanna Matos, aposta no resultado positivo ao proporcionar um ambiente recreativo às crianças. “Esse ambiente é de todos os pacientes. Espero que todos sejam muito mais felizes aqui”, desejou, ressaltando que garantir saúde também é oferecer ambiente lúdico e com alegria.
O atendimento médico ambulatorial é realizado de segunda sexta-feira, de 7h30 às 11h30.
Serviço: O Hemopa Santarém espera por você na Av. Frei Vicente, 696. Entre Alameda 30 e Alameda 31. Bairro: Aeroporto Velho CEP: 68.040-040.Fone: (93) 3522.7763 / 3522.1448 / 3522.1143, ou ainda: 08002808118, de 2ª a 6ª, de 8h às 18h, e aos sábados até ás 17h.


quarta-feira, 24 de abril de 2013

Hemopa em busca de reconhecimento internacional

Envolvimento geral em torno da Acreditação
 A Coordenação Geral de Sangue e Hemoderivados (CGSH), do Ministério da Saúde (MS), em parceria com Associação Brasileira de Hemoterapia e Hematologia (ABHH)/Associação Americana de Bancos de Sangue (AABB), está desenvolvendo programa estratégico na hemorrede brasileira para qualidade dos serviços de hemoterapia em nível internacional, através da obtenção da Acreditação da ABHH/AABB.
Para tanto, a CGSH indicou cinco hemocentros do Brasil para receber visita técnica para diagnóstico de Acretição. A Fundação Hemopa, faz parte desse seleto grupo que também é composto pela Fundação Pró Sangue, Hemocentro de Minas Gerais (Hemoninas), Hemocentro de Campinas e do Ceará. A visita técnica programada para o Hemopa teve início na manhã desta quarta-feira (24) e se estenderá até esta quinta-feira, 25. A equipe é coordenada  pelo consultor Ricardo Haddad e composta por  Ana Paula, Rocha Diniz Zanelli, Priscila Murador e Márcio Almeida Pinto.
Logo pela manhã, a equipe reuniu com servidores que lotaram o auditório do hemocentro, onde ouviram explicações sobre todo o processo da visitação, feita por Ricardo Haddad, que enfatizou o foco do programa: educação e observação criteriosa dos procedimentos. “O programa busca a conformidade com requisitos apropriados cada atividade. Isso ajuda a organização a se preparar para outras inspeções, servindo como ferramenta de melhoria”, observou Ricrado Haddad. A consultoria foi contratada pela CGSH e não gera ônus ao Hemopa.
Ricardo Haddad (dir) visitando Gerência de Informática
Durante esses dois dias, eles visitarão 18 setores do hemocentro. Os consultores foram recepcionados pela alta administração do hemocentro.

Para a presidente do Hemopa, dra. Luciana Maradei, a busca pelo reconhecimento internacional da qualidade dos produtos e serviços oferecidos pelo Hemopa, brinda diretamente  os usuários. 'Todos nossos esforços são direcionados para a segurança e bem estar daqueles que dependem do nosso atendimento", ressaltou.
Após a visita, a equipe vai elaborar diagnóstico para preparar o ambiente na organização para a conquista da Acreditação, num prazo de seis meses. 

terça-feira, 23 de abril de 2013

Henal realiza semana da saúde


No período de 15 a 19 deste mês, o Hemonúcleo de Abaetetuba (Henal) realizou a “I Semana da Saúde”. O evento voltado para o corpo funcional da unidade teve como foco o repasse de informações e indicações de ações preventivas para maior qualidade de vida.
Durante a semana, houve vacinação contra o vírus influenza tipo A, distribuição de preservativos e material educativo de saúde extensivo para os doadores de sangue.
O encerramento do evento teve como ponto lto a realização de dinâmica de integração, distribuição de chocolates e palestras para todos os servidores com abordagen de vários temas, entre eles, Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST´s), AIDS e Hepatites Virais, ministrada pela enfermeira Carla Nazaré Brito Durães. Os participantes ainda tiveram oportunidade de saber mais sobre “Câncer no Colo do Útero”, que foi  ministrada pelo dr. Adilson Fonseca dos Santos.

Unidade móvel coleta sangue na Presidente Vargas



Para incrementar o número de doações de sangue e de cadastro de medula óssea, a Fundação Hemopa estará realizando uma série de campanhas externas, em parceria com instituições públicas e privadas, visando reforçar estoque estratégico do hemocentro, para garantir atendimento satisfatório da demanda transfusional da rede hospitalar, que somente em Belém é composta por mais de 80 estabelecimentos.
De acordo com a programação, hoje (23) e amanhã, 24, de 9h às 15h, a unidade móvel do hemocentro estará estacionada na Av. Presidente Vargas, em frente ao Banco do Brasil, para coleta de sangue e cadastro de doadores de medula óssea. A meta é de 100 doações.
Campanha externa realizada na sede Sesan, 18/04
Quem pode doar sangue: candidatos com boa saúde; idade entre 16 anos completos e 67 anos. Menor de 18 anos somente com autorização dos pais ou responsáveis. Peso acima de 50 kg. Necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses.
Quem pode fazer cadastro de doação de medula óssea: Homem ou mulher saudável e com faixa etária de 18 a 55 anos. Necessário portar documento de identidade original e com foto.
Instituições interessados em compor parceria para campanha externa, entrar em contato com a Gerência de Captação de Doadores (Gecad), de 2ª a 6ª-feira, de 7h30 às 18h; e aos sábados até às 17h, através do fone: 3224.5048, 32429100-R-205.
A novidade do Hemopa é que os doadores podem obter o resultado desses exames pela internet, através do site www.hemopa-pa.gov.br, em até 30 dias.
Serviço: O Hemopa espera por você na Tv. Pe. Eutíquio, 2109. Funcionamento para coleta: de segunda a sexta-feira, de 7h30 às 18h, e aos sábados de 7h30 às 17h. Maiores informações pelo fone: 08002808118

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Hemopa capacitou Agentes Comunitários de Saúde


No último dia 16, a Fundação Hemopa, através Gerencia de Captação de Doadores (Gecad) deu continuidade a oficina para formação de “Agentes Multiplicadores da Doação de Sangue”, que contou com a participação de 30 membros do Programa Saúde Família (PSF) e dos Agentes Comunitários de Saúde (PAC´s), da Região Metropolitana de Belém (RMB), para que se tornem multiplicadores de informações sobre a doação voluntária de sangue  e cadastro de doação de medula óssea em suas respectivas áreas de atuação, para potencializar o atendimento da demanda da rede hospitalar.
A turma foi composta por agentes de várias comunidades do Distrito do Bengui (Daben). Durante a oficina, eles assistiram palestra sobre “O atendimento a Pacientes na Fundação HEMOPA”, “Atuação da Captação de Doadores de Sangue no HEMOPA”, “Planejamento das Estratégias de ação para efetivação do Projeto agente da doação junto ao programa saúde da família”, Apresentação dos trabalhos e discussão/plenária. Os agentes também assistiram vídeo sobre o Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome), seguido de discussão sobre o tema.
A atividade que é coordenada pela Gerência de Captação de Doadores (Gecad), capacitou 180 agentes ano passado, através da realização de 11 oficinas que culminaram em campanhas externas que somaram 203 comparecimentos.
Serviço: Instituições interessadas em firmar parceria com o hemocentro devem entrar em contato com a Gecad, de 2ª a 6ª-feira, de 8h às 17h; e aos sábados de 8h às 16h, através dos fones:32245048 ou 32429100 R- 205.

quinta-feira, 18 de abril de 2013

Campanhas potencializam estoque de sangue


Luan Iuri atendeu apelo da irmã e salvou vidas
A Fundação Hemopa agradece a participação do voluntariado nas campanhas externas de doação de sangue e cadastro de doadores de medula óssea na primeira quinzena deste mês. Essas ações só são possíveis com a parceria de instituições públicas e privadas que desenvolvem atividades de responsabilidade social em favor dessa causa.
No dia 06, o hemocentro participou do programa “Nesta rua tem saúde”, em parceria com o SESC, na Unidade de Saúde do Telegrafo, na rua do Fio, entre as ruas São João e São Pedro, resultou em 36 novos cadastros de doação de medula óssea.
No dia 9, foi realizada campanha de doação de sangue e cadastro de doadores de medula óssea, na escola “Poranga Jucá”, no conjunto da Cohab, que somou mais 90 coletas e 25 cadastros. No dia 17, houve ação na sede da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Sema), em espaço reservado no Parque Ambiental do Utinga, av. João Paulo II, que obteve excelente saldo de 104 doações de sangue e 45 cadastros de medula óssea.
Até às 17h de hoje, campanha de doação de sangue e cadastro de medula na sede da Secretaria Municipal de Saneamento (Sesan), na av. Almirante Barroso, 3110- Souza.
O  jovem Luan Iuri, 18 anos, realizou sua primeira doação de sangue e efetvou seu cadastro de doador de medula óssea nesta manhã de quinta-feira, durante campanha na Sesan, incentivado por sua irmã. “Ele disse  que eu iria me sentir muito  bem ajudando as pessoas que precisam de sangue para viver”, disse o estudante,  que pretende doar novamente.
Instituições parceiras incentivam doação de sangue

Quem pode doar sangue: candidatos com boa saúde; idade entre 16 anos completos e 67 anos. Menor de 18 anos somente com autorização dos pais ou responsáveis. Peso acima de 50 kg. Necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses.

Quem pode fazer cadastro de doação de medula óssea: Homem ou mulher saudável e com faixa etária de 18 a 55 anos. Necessário portar documento de identidade original e com foto
A novidade do Hemopa é que os doadores podem obter o resultado desses exames pela internet, através do site www.hemopa-pa.gov.br, em até 30 dias.
Serviço: O Hemopa espera por você na Tv. Pe. Eutíquio, 2109. Funcionamento para coleta: de segunda a sexta-feira, de 7h30 às 18h, e aos sábados de 7h30 às 17h. Maiores informações pelo fone: 08002808118

Hemopa mobiliza a sociedade para restaurar estoque de sangue

Elas são responsáveis por 30% das coletas efetivadas

 O atendimento da demanda transfusional da rede hospitalar  pode sofrer intervenção com adiamento de cirurgias eletivas (sem rico de morte) e priorização de urgência e emergência, tendo a drástica redução do número de coletas de bolsas de sangue ao longo desta semana, que reduziu de 250 para 150. O período chuvoso é um dos entraves para o restabelecimento do banco de sangue do Hemopa.
Somente sua solidariedade salva vidas.
Desde segunda-feira passada até ontem (17), o hemocentro havia coletado apenas 628 bolsas de sangue, quando a média será de , pelo menos, 750. Diante da situação, a direção do hemocentro mobiliza a sociedade paraense para regularizar o estoque de sangue, doando sangue. A ação também depende diretamente do fortalecimento da parceria com o corpo clínico dos hospitais, especialmente, os de grande porte.
Para a gerente de Captação de Doadores do Hemopa, a assistente social Juciara Farias, somente o comprometimento com o próximo pode mudar esse quadro. “Sabemos de todas as dificuldades para enfrentar o período chuvoso em Belém. Vamos fazer mais um esforço para celebrar a vida, inspirando a esperança, através da doação de sangue”, destacou.
De acordo com ela, várias são as ações ara reverter o quadro, entre elas, realização de campanhas externas, mobilização social por meio da mídia local que está destinando todo o apoio para a causa, divulgação da convocação nas redes sociais e solicitação de fortalecimento parcerias com todos os segmentos sociais.
A necessidade de transfusão não escolhe idade.
Para quem não tem tempo para doar nos dias úteis, Juciara Farias informa que o hemocentro também funciona para coleta de sangue aos sábados de 7h30 às 17h. ‘Faça da doação de sangue  um programa de final de semana com familiares ou amigos”, sugeriu.
Quem pode doar sangue: candidatos com boa saúde; idade entre 16 anos completos e 67 anos. Peso acima de 50 kg. Necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses. O doador deve estar bem alimentado. O resultado dos exames dos doadores podem  ser obtidos on line, através do site: WWW.hemopa.pa.gov.br, em 30 dias após a coleta do sangue.
Serviço: O Hemopa espera por você na Tv. Pe. Eutíquio, 2109. Funcionamento para coleta: de segunda a sexta-feira, de 7h30 às 18h, e aos sábados de 7h30 às 17h. Maiores informações pelo fone: 08002808118.

Hemopa realiza campanha em Oriximiná


O Hemocentro Regional de Santarém (HRS) está realizando campanha externa de doação voluntária de sangue, desde ontem (17) e hoje, 18, na Agência Transfusional (AT) no município de Oriximiná. A parceria ocorre desde a implantação da unidade naquela localidade. A ação tem o objetivo de reforçar estoque estratégico do hemocentro regional que tem a responsabilidade de abastecer a rede hospitalar do sul do Pará. A meta de coleta é de 200 bolsas.
O gerente técnico do hemocentro, dr.  Waldir Mesquita  convoca todos os moradores, com potencial para a doação de sangue, a participar dessa mobilização solidária. Os voluntários devem se dirigir ao Hospital Municipal, localizado na Rua Barão do Rio Branco, 3288 - Bairro de Santa Terezinha.
Quem pode doar sangue: candidatos com boa saúde; idade entre 16 anos completos e 67 anos. Peso acima de 50 kg . Necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses. O doador deve estar bem alimentado. O resultado dos exames dos doadores podem ser obtidos on line, através do site: WWW.hemopa.pa.gov.br, em 30 dias após a coleta do sangue.
Serviço: O Hemopa Santarém espera por você na Av. Frei Vicente, S/N. Entre Alameda 30 e alameda 31.Fone: (93) 3522.7763 / 3522.1448 / 3522.1143/08002808118.  Bairro: Aeroporto Velho CEP: 68.040-040.

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Hemopa celebrou Dia Mundial da Hemofilia com debates

Dra. Luciana Maradei parabenizou participantes
A presidente da Fundação Hemopa, Dra. Luciana Maradei  recepcionou os participantes da reunião comemorativa ao Dia Mundial da Hemofilia, comemorado  na ma nhã desta quarta-feira (17), no auditório do hemocentro.  Ela parabenizou a todos, lembrando que data seria festejada com o alerta de que o tratamento  seguido de forma adequada e o  atendimento especializado oferecido pela instituição, garantem mais qualidade de vida.  O evento científico contou com mais de 50 pessoas entre pacientes portadores da doença e de outras coagulopatias hereditárias, familiares e representantes de vários segmentos da sociedade.
Para a presidente da Associação Paraense de Portadores de Hemofilia e Coagulopatias Hereditárias (Aspahc), Christianne Costa, que no ato também representou a Federação Brasileira de Hemofilia (FBH), a disseminação de informação correta, clara e objetiva é o segundo melhor remédio para viver melhor e emocionalmente bem. O primeiro remédio, que ela fez referência, é o medicamento chamado de “fator de coagulação” que trata da hemofilia. “Sou mãe de portador de hemofilia e só quem passa pela situação entende a importância do atendimento especializado”, comentou, parabenizando a instituição pela iniciativa de comemorar a data com evento científico.
Dra Saide Trindade repassando informações sobre a doença
A data foi comemorada com debate com “Mesa Redonda”, de 8h às 12h, com a titular da da Coordenadoria de Atendimento Ambulatorial (COAMB) do Hemopa, Dra Saíde Trindade; com o gerente de Hematologia Clínica, o farmacêutico Hugo Almeida; com a assistente social Vera Suely Ferreira, da gerência de Serviço Social; e com a presidente da Associação Paraense de Portadores de Hemofilia e Coagulopatias Hereditárias (Aspahc), Christianne Costa, que no ato também representou a Federação Brasileira de Hemofilia (FBH). Foram abordados temas, como: “Hemofilia e outras coagulopatias”, “Profilaxia primária e secundária”, “O trabalho da FBH”. Logo após, será apresentado performance do teatro de bonecos do Laboratório Beneficente de Belém.
DE acordo com o Ministério da Saúde (MS), o Brasil ocupa a terceira posição mundial em relação ao número de pacientes com hemofilia. Estima-se que mais de 10 mil brasileiros convivam com a doença. No Pará, dos 13.144 pacientes hematológicos com atendimento ativo no Hemopa, 367 são portadores de Hemofilia, sendo que 283 do tipo A; 82 do tipo B e apenas 02 dos tipos A e B. Eles recebem tratamento especializado por uma equipe multidisciplinar composta por médicos, enfermeiros, fisiatras, farmacêutico, terapeuta ocupacional, fisioterapeuta, psicólogos, dentistas, assistente sociais, pedagogos e técnicos de enfermagem.
Equipe COAB e Christianne Costa (Esq)
A data comemorativa foi instaurada em 1989 pela Federação Mundial de Hemofilia (FMH), que por sua vez, completa 50 anos de atuação em busca de avanços no tratamento para todos os portadores da doença. Por isso, a programação deste ano contará com realização de “Mesa Redonda”.
O que é Hemofilia



A Hemofilia é um distúrbio hereditário que se origina de um defeito da coagulação sangüínea, provocando sangramento. O corpo depois de uma lesão depende da coagulação do sangue para parar o sangramento. A coagulação normal previne as equimoses (manchas roxas) e o sangramento dentro dos músculos e articulações, que poderiam ser o resultado de pequenas lesões em consequência das atividades da vida diária. Isso depende de elementos do sangue que são chamados fatores de coagulação. Se um desses fatores não estiver presente em quantidade suficiente, pode acontecer um sangramento excessivo. Uma pessoa com hemofilia possui menor quantidade ou ausência de alguns fatores da coagulação.
A doença tem dois tipos mais comuns: o tipo A é a mais comum, conhecida como Clássica devido a deficiência Fator VIII (FVIII). A Hemofilia B, conhecida como Fator Christmas, ocorre em função de uma deficiência do Fator IX (FIX).
A doença afeta quase exclusivamente os homens e atinge todas as populações. É transmitido por mulheres que normalmente não possuem problemas de sangramento. Das desordens genéticas, a Hemofilia tem a maior taxa de mutações com aproximadamente 1/3 de novos casos em famílias sem registro anterior. A ocorrência é de um caso em cada 10 mil habitantes.
Os primeiros sintomas hemorrágicos da Hemofilia podem ser percebidos desde a infância, por exemplo, um pequeno traumatismo pode desencadear dor intensa, hematomas, episódios hemorrágicos nos músculos e articulações. Por ser uma doença hereditária relacionada ao cromossomo X, a Hemofilia é transmitida por um homem hemofílico ou por uma mulher portadora do gene com essa informação, aos seus descendentes.

terça-feira, 16 de abril de 2013

Hemopa comemora Dia Mundial da Hemofilia


Paciente Márcio Mafra, fazendo
Auto-infusão
Nesta quarta-feira, 17, a Fundação Hemopa estará unindo-se ao resto do mundo em comemoração ao Dia Internacional da Hemofilia, com a finalidade de incrementar informações para maior consciência sobre a doença, tratamento e forma de vida saudável que todo portador pode ter, se seguir todas as orientações médicas. Para comemorar a data, o hemocentro elaborou programação científica para usuários hemofílicos, portadores de outras coagulopatias, familiares e demais interessados pelo assunto
Segundo o Ministério da Saúde (MS), o Brasil ocupa a terceira posição mundial em relação ao número de pacientes com hemofilia. Estima-se que mais de 10 mil brasileiros convivam com a doença. No Pará, dos 13.144 pacientes hematológicos com atendimento ativo no Hemopa, 367 são portadores de Hemofilia, sendo que 283 do tipo A; 82 do tipo B e apenas 02 dos tipos A e B. Eles recebem tratamento especializado por uma equipe multidisciplinar composta por médicos, enfermeiros, fisiatras, fisioterapeuta, psicólogos, dentistas, assistente sociais, pedagogos e técnicos de enfermagem.
A data comemorativa foi instaurada em 1989 pela Federação Mundial de Hemofilia (FMH), que por sua vez, completa 50 anos de atuação em busca de avanços no tratamento para todos os portadores da doença. Por isso, a programação deste ano contará com realização de “Mesa Redonda”, dia 17, de 8h às 12h, com representantes da Coordenadoria de Atendimento Ambulatorial (COAMB) do Hemopa; da Associação Paraense de Portadores de Hemofilia e Coagulopatias Hereditárias (Aspahc); e da Federação Brasileira de Hemofilia (FBH) . Eles vão abordar os seguintes temas: “Hemofilia e outras coagulopatias”, “Profilaxia primária e secundária”, “O trabalho da FBH”. Logo após, será apresentado performance do teatro de bonecos do Laboratório Beneficente de Belém.
Paciente Marcus Alexandre
Segundo a médica hematologista Iêda Pinto, o tratamento da hemofilia teve um grande avanço nos últimos anos com várias iniciativas do Ministério da Saúde (MS), entre elas, a liberação dos protocolos de Profilaxia primária e secundária. “Com este tratamento, o paciente recebe o fator deficiente para prevenir eventual sangramento, mas para preveni-lo, com infusões de fator, de 1 a 3 vezes por semana. Com isso, os sangramentos intra-articulares (hemartroses), que evita as seqüelas”, explicou, informando que crianças que tinham várias limitações nas suas atividades diárias, agora estão levando uma vida normal. “Daqui a dez anos, veremos uma geração de pacientes sem seqüelas”, acredita.
Iêda Pinto também destacou outro importante avanço no tratamento da hemoflia no Brasil, com a disponibilização, dentro de poucos meses, do Fator VIII Recombinante, preparado por engenharia genética, que não é derivado de sangue, não tendo assim nenhum risco de transmissão de doenças, e o melhor, não dependente da doação voluntária de sangue.
Dos pacientes atendidos pelo Hemopa, Marcos Alexandre Dias Sousa, 26 anos, recebe tratamento desde os três anos de idade. “Vivo uma vida normal, trabalho, estudo e me relaciono normalmente como qualquer outra pessoa”, afirmou, revelando que segue o tratamento rigorosamente e tem consulta agendada a cada três meses.
Portador de Hemofilia B, o paciente Marcio Mafra dos Santos, 27 anos, só tem a agradecer. “Sem o Hemopa eu não sei como seria minha vida. Sempre que venho aqui sou bem recebido e tenho todo o tratamento necessário para viver uma vida normal”. Ele recebe tratamento desde os sete anos.
Um dos casos mais raros no Brasil, a paciente com hemofilia Jéssica dos Anjos, 20 anos, tem muito a comemorar nesta data. A doença se manifestou porque o pai, já falecido, era hemofílico, mas só depois do nascimento da filha, descobriu que a mãe, Jane Cibele dos Anjos, também era portadora. A combinação do material genético dos pais fez com que a criança manifestasse desde cedo os sintomas. Confirmada a doença, Jéssica dos Anjos, recebe atendimento no Hemopa há 19 anos. Hoje, ela está casada e é mãe de uma menina saudável de um ano de três meses.
Programação da ASPAHC
Fundada em junho do ano passado, a Aspahc conta com apoio do Hemopa para o desenvolvimento de suas ações junto aos portadores da Hemofilia e pacientes com outras coagulopatias hereditárias. A entidade também realizará ação comemorativa ao Dia Mundial da Hemofilia, no dia 20/04, às 15h30, no auditório da Unama promoção de  com palestras educativa e de auto  ajuda. Durante o evento, o público alvo vai dispor de cadastramento para a emissão da carteira de identificação dos associados, além de sorteio de distribuição brindes.Atualmente a entidade é presidida por Christianne Maria Oliveira Costa, que é mãe de paciente portador de hemofilia.
O que é Hemofilia
A Hemofilia é um distúrbio hereditário que se origina de um defeito da coagulação sangüínea, provocando sangramento. O corpo depois de uma lesão depende da coagulação do sangue para parar o sangramento. A coagulação normal previne as equimoses (manchas roxas) e o sangramento dentro dos músculos e articulações, que poderiam ser o resultado de pequenas lesões em consequência das atividades da vida diária. Isso depende de elementos do sangue que são chamados fatores de coagulação. Se um desses fatores não estiver presente em quantidade suficiente, pode acontecer um sangramento excessivo. Uma pessoa com hemofilia possui menor quantidade ou ausência de alguns fatores da coagulação.
A doença tem dois tipos mais comuns: o tipo A é a mais comum, conhecida como Clássica devido a deficiência Fator VIII (FVIII). A Hemofilia B, conhecida como Fator Christmas, ocorre em função de uma deficiência do Fator IX (FIX).
A doença afeta quase exclusivamente os homens e atinge todas as populações. É transmitido por mulheres que normalmente não possuem problemas de sangramento. Das desordens genéticas, a Hemofilia tem a maior taxa de mutações com aproximadamente 1/3 de novos casos em famílias sem registro anterior. A ocorrência é de um caso em cada 10 mil habitantes.
Os primeiros sintomas hemorrágicos da Hemofilia podem ser percebidos desde a infância, por exemplo, um pequeno traumatismo pode desencadear dor intensa, hematomas, episódios hemorrágicos nos músculos e articulações. Por ser uma doença hereditária relacionada ao cromossomo X, a Hemofilia é transmitida por um homem hemofílico ou por uma mulher portadora do gene com essa informação, aos seus descendentes.

Seguindo os quadros abaixo, baseados em históricos familiares da hemofilia, você irá conhecerá as várias possibilidades de uma criança nascer com hemofilia.



Mãe Normal + Pai com Hemofilia
Todas as filhas serão portadoras do gene e todos os filhos serão normais.

Mãe Portadora + Pai Normal
Cada gravidez tem a chance de 25% em resultar em uma filha normal e 25% em uma filha portadora do gene, 25% em resultar em um filho Normal e 25% em um filho com Hemofilia

Mãe Portadora + Pai Hemofílico
Cada gravidez tem a chance de 25% em resultar em uma filha normal e 25% em uma filha com Hemofilia, 25% em resultar em um filho Normal e 25% em um filho com Hemofilia

Mãe Hemofílica + Pai Hemofílico
Todos nascerão com Hemofilia (casos raros)

Mãe Hemofílica + Pai Normal
Todas as filhas serão portadoras do gene e todos os filhos serão Hemofílicos

Embora incurável, a Hemofilia é controlável desde que se administre a transfusão do Fator de coagulação do sangue faltante e seja acompanhada por equipe multidisciplinar especificamente treinada. O hemofílico bem atendido pode e deve ter uma vida normal. Pela especificidade das características da Hemofilia como patologia e com o firme propósito de buscar melhores condições de tratamento aos hemofílicos, estes se organizaram no mundo fundando a Federação Mundial de Hemofilia, onde os hemofílicos brasileiros são representados pela Federação Brasileira de Hemofilia: www.hemofiliabrasil.org.br.
Serviço: O Hemopa espera por você na Tv. Pe. Eutíquio, 2109. O hemocentro disponibiliza atendimento médico hematológico de segunda a sexta-feira, de 7h às 17h. Mais informações: 08002808118.

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Movimento de doadores diminui e Hemopa convoca voluntariado

Hemopa espera por doadores de sangue

 A Fundação Hemopa enfrenta dificuldades com a redução no comparecimento de voluntários da doação de sangue. Semana passada o número de coletas caiu de 250  para cerca de 150, que deve interferir no atendimento da demanda da rede hospitalar que conta com mais de 200 estabelecimentos. Isso sem contar com os aproximadamente 150 pacientes atendidos mensalmente pelo hemocentro, e que tem na transfusão de sangue, o seu remédio para tratar as doenças hematológicas.
O equilíbrio da oferta e demanda depende diretamente da mobilização da sociedade em realizar as doações de sangue. O ato também ganha reforço com a efetividade de parcerias, entre elas, a rede hospitalar que recebe o produto final: sangue para a melhoria da saúde dos milhares de pacientes no Estado. Familiares e acompanhantes devem ser sensibilizados pela equipe técnica hospitalar sobre a importância imperativa da captação hospitalar que culmina no suprimento do estoque de sangue que vai beneficiar à todos.  
Milhares de pacientes precisam desse ato solidário
Os hospitais que principalmente atendem casos de alta complexidade com realização diária de cirurgias cardíacas, transplantes, pacientes oncológicos, por exemplo, precisam de maior comprometimento com a doação de sangue juntos aos seus usuários. “A causa requer ações diárias de educação continuada. O tema deve ser incluído como informação de saúde. Isso exige dedicação da equipe multiprofissional dos hospitais das redes pública e privada. Precisamos unificar esforços com o apoio do corpo clínico, familiares e comunidade atendida pela instituição”, ressaltou a gerente de Captação de Doadores (Gecad), a assistente social Juciara Farias.
Entre alguns motivos que dificultam o acesso ao hemocentro, o período chuvoso reduz o número de comparecimento de doadores. Entre eles, os do tipo raro considerados sangue dos tipo Negativo, cuja predominância na população é a seguinte:
Tipo Sanguineo
% na população
O Negativo
4%
A Negativo
2,5%
B Negativo
1%
AB Negativo
0,5%
De acordo com ela, o alerta é para os cadastrados no Clube de Doadores Raros do Serviço Social que conta com aproximadamente 8 mil associados. “A maioria precisa atualizar os dados, como: número de celular, telefone convencional e endereço. As informações precisas são determinantes para o sucesso do acionamento do doador”, informou, ressaltando que a prática é necessária para restaurar estoque em período de crise. A situação pode ser revertida com o fortalecimento da rede de relacionamento da sociedade com a instituição, fomentando o tema da doação.
Juciara Farias aproveita a oportunidade para sugerir a doação de sangue aos sábados. “Faça da sua doação de sangue um programa especial com a família e ou amigos. Marque um encontro para salvar vidas no Hemopa”, lançou o convite solidário.
Quem pode doar sangue: candidatos com boa saúde; idade entre 16 anos completos e 67 anos. Peso acima de 50 kg. Necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses. O doador deve estar bem alimentado. O resultado dos exames dos doadores podem  ser obtidos on line, através do site: WWW.hemopa.pa.gov.br, em 30 dias após a coleta do sangue.
Serviço: O Hemopa espera por você na Tv. Pe. Eutíquio, 2109. Funcionamento para coleta: de segunda a sexta-feira, de 7h30 às 18h, e aos sábados de 7h30 às 17h. Maiores informações pelo fone: 08002808118.

Dia Mundial da Hemofilia com informação e maior consciência


Nesta quarta-feira, 17, a Fundação Hemopa realizará programação comemorativa ao Dia Mundial da Hemofilia. Este ano, as ações serão voltadas para incrementar a informação para maior conscientização sobre a importância do encaminhamento, diagnóstico e tratamento da doença que já atinge mais de 10 mil pessoas no Brasil e mais de 612 no Pará. No hemocentro, a homenagem se dará com realização de mesa redonda, de 8h às 12h, no auditório da instituição.
Atendimento especializado garante melhores resultados
Segundo a gerente do Serviço Social dos Pacientes, a assistente social Cristina Socorro Mendes dos Santos, a reunião terá como público alvo os usuários hemofílicos, portadores de outras coagulopatias, familiares e demais interessados pelo assunto. “É muito o repasse de informações tanto para os pacientes, familiares e a sociedade em geral, para inclusive, anular eventuais preconceitos sobre a hemofilia, onde ainda existem muitos mitos sobre o tema”, observou.
Atualmente o Hemopa possui 13.144 pacientes hematológicos com atendimento ativo, desses 367 são portadores de Hemofilia, sendo que 283 do tipo A; 82 do tipo B e apenas 02 dos tipos A e B. Todos recebem tratamento especializado por uma equipe multidisciplinar formada por médicos, enfermeiros, fisiatras, fisioterapeuta, psicólogos, dentistas, assistente sociais, pedagogos e técnicos de enfermagem. Os pacientes também recebem tratamentos alternativos, como acupuntura, associados ao tratamento convencional e que está surtindo excelentes efeitos na melhoria da qualidade de vida.
Técnica alternativas fazem a diferença na qualidade de vida
A data comemorativa foi instaurada em 1989 pela Federação Mundial de Hemofilia (FMH), que por sua vez, completa 50 anos de atuação em busca de avanços no tratamento para todos os portadores da doença. A “Mesa Redonda” vai reunir representantes da Coordenadoria de Atendimento Ambulatorial (COAMB) do Hemopa; da Associação Paraense de Portadores de Hemofilia e Coagulopatias Hereditárias (Aspahc); e da Federação Brasileira de Hemofilia (FBH) . Serão abordados os seguintes temas: “Hemofilia e outras coagulopatias”, “Profilaxia primária e secundária”, “O trabalho da FBH”. Logo após, será apresentado performance do teatro de bonecos do Laboratório Beneficente de Belém.
Em Belém, a comemoração ganhará reforço com as atividades que serão realizadas pela Aspahc, fundada em junho do ano passado. A presidente da entidade, Christianne Maria Oliveira Costa, informa que o evento se dará no dia 20/04, às 15h30, no auditório da Unama,  com palestras educativa e de auto  ajuda. Na oportunidade, o público alvo vai dispor de cadastramento para a emissão da carteira de identificação dos associados, além de sorteio de distribuição brindes.
O que é Hemofilia
A Hemofilia é um distúrbio hereditário que se origina de um defeito da coagulação sangüínea, provocando sangramento. O
 corpo depois de uma lesão depende da coagulação do sangue para parar o sangramento. A coagulação normal previne as equimoses (manchas roxas) e o sangramento dentro dos músculos e articulações, que poderiam ser o resultado de pequenas lesões em consequência das atividades da vida diária. Isso depende de elementos do sangue que são chamados fatores de coagulação. Se um desses fatores não estiver presente em quantidade suficiente, pode acontecer um sangramento excessivo. Uma pessoa com hemofilia possui menor quantidade ou ausência de alguns fatores da coagulação.

Ano passado, o evento foi um sucesso .
A doença tem dois tipos mais comuns: o tipo A é a mais comum, conhecida como Clássica devido a deficiência Fator VIII (FVIII). A Hemofilia B, conhecida como Fator Christmas, ocorre em função de uma deficiência do Fator IX (FIX).
A doença afeta quase exclusivamente os homens e atinge todas as populações. É transmitido por mulheres que normalmente não possuem problemas de sangramento. Das desordens genéticas, a Hemofilia tem a maior taxa de mutações com aproximadamente 1/3 de novos casos em famílias sem registro anterior. A ocorrência é de um caso em cada 10 mil habitantes.
Os primeiros sintomas hemorrágicos da Hemofilia podem ser percebidos desde a infância, por exemplo, um pequeno traumatismo pode desencadear dor intensa, hematomas, episódios hemorrágicos nos músculos e articulações. Por ser uma doença hereditária relacionada ao cromossomo X, a Hemofilia é transmitida por um homem hemofílico ou por uma mulher portadora do gene com essa informação, aos seus descendentes.
Embora incurável, a Hemofilia é controlável desde que se administre a transfusão do Fator de coagulação do sangue faltante e seja acompanhada por equipe multidisciplinar especificamente treinada. O hemofílico bem atendido pode e deve ter uma vida normal. Pela especificidade das características da Hemofilia como patologia e com o firme propósito de buscar melhores condições de tratamento aos hemofílicos, estes se organizaram no mundo fundando a Federação Mundial de Hemofilia, onde os hemofílicos brasileiros são representados pela Federação Brasileira de Hemofilia: www.hemofiliabrasil.org.br.
Serviço: O Hemopa espera por você na Tv. Pe. Eutíquio, 2109. O hemocentro disponibiliza atendimento médico hematológico de segunda a sexta-feira, de 7h às 17h. Mais informações: 08002808118.