sexta-feira, 27 de junho de 2014

Hemopa não funcionará no sábado

A Fundação Hemopa informa que não funcionará para atendimento aos candidatos à doação de sangue neste sábado, 28, em virtude do jogo da seleção brasileira na Copa do Mundo. Nesta sexta-feira (27), doadores podem se dirigir à unidade móvel de coleta de sangue que se encontra no shopping Castanheira, na BR-316, até às 19h; à sede do hemocentro até às 18h ou às unidades da hemorrede até às 13h. Na segunda-feira, 30, o hemocentro retoma o horário normal, de 7h30 às 18h. O Hemopa fica na Travessa Padre Eutíquio, 2109, Batista Campos. Alô Hemopa: 08002808118. O calendário de campanhas externas do mês de julho pode ser acessado pelo 
www.hemopa.pa.gov.br

Grupo da Terra Firme mobiliza comunidade para o cadastro de medula óssea e doação de sangue

Tocada pela situação de um aluno, a professora de língua portuguesa, literatura e redação da Escola Brigadeiro Fontenelle, Lilia Melo, 37, decidiu mobilizar a comunidade da Terra Firme para fazer o cadastro de doadores de medula óssea, doação voluntária de sangue e outras causas sociais. Ela esteve nesta quinta-feira (26) na sede da Fundação Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará (Hemopa), acompanhada de alunos da escola para o ato solidário.

“O linfoma do Alexandre Cacela, que tem 18 anos e foi meu aluno desde a sexta série, nos comoveu muito e iniciou todo nosso esforço para ajudá-lo. Fizemos campanhas para arrecadação de fundos para o tratamento dele, conseguimos viagem para São Paulo, onde ele está hoje, e esperamos encontrar um doador compatível o mais breve possível”, disse a professora.

Lilia – cujo tipo sanguíneo é A Positivo – disse que a iniciativa motivou a criação do movimento Grupo de Ouro Nacional, que ela coordena. “É uma referência ao Alexandre, que era conhecido como menino de ouro em toda a escola, por ser muito bom aluno”, explicou ela, revelando que o grupo foi criado há dois meses e já tem onze ativistas. “Futuramente pretendemos nos tornar uma organização não governamental (ONG) com sede própria, focada no atendimento às crianças com câncer”, enfatizou.

Uma das participantes do grupo, a estudante do ensino médio Paola Rocha Ribeiro, 19, ficou sensibilizada pela história de Alexandre e decidiu doar sangue. “É bonito ajudar outras pessoas. Não preciso criar a consciência só quando um parente meu precisar. Tenho que ter esse pensamento para o meu próximo”, disse a jovem.

A titular da Gerência de Captação de Doadores do Hemopa, Juciara Farias, destacou que o hemocentro, sempre preocupado em abastecer o estoque e aumentar o número de cadastros de medula óssea, estimula a responsabilidade compartilhada com diversas parcerias. “É sempre positivo que as pessoas desenvolvam ações voluntárias, sejam vindas de familiares de pacientes ou da sociedade em geral. Essa parceria com o Grupo de Ouro Nacional fomenta a doação de sangue em prol da vida humana”, afirmou.

O grupo faz reuniões semanais na Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Brigadeiro Fontenelle, que fica na Rua São Domingos, s/n, Terra Firme. Contatos pelos telefones (91) 92176292 e 82739486 ou na página facebook/gonoficial.

Pode doar sangue qualquer pessoa com boa saúde, que tenha entre 16 e 69 anos e pese acima de 50 quilos. É necessário portar documento de identidade original e com foto e não precisa estar em jejum. O homem pode doar a cada dois meses, e a mulher, a cada três meses. O doador deve estar bem alimentado. Menores de 16 a 17 anos só podem doar com a autorização dos pais. Para fazer o cadastro de doadores de medula óssea, o candidato deve estar bem de saúde, ter entre 18 e 55 anos e portar documento de identidade original e com foto.


O Hemopa funciona para coleta de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h. E-mail: captacao@hemopa.pa.gov.br. Alô Hemopa: 0800-2808118. O calendário das próximas campanhas está disponível no site www.hemopa.pa.gov.br.

Hemopa retoma calendário de campanhas de doação de sangue

A Fundação Hemopa encerra nesta sexta-feira (27) o calendário de junho de campanhas externas com a unidade móvel, no pátio do shopping Castanheira (na BR-316), no horário de 10h às 19h. Durante este mês, foram feitas nove campanhas em parceria com várias instituições, que resultaram em 741 comparecimentos e 52 novos cadastros de doadores de medula óssea. A meta de todas as campanhas é fazer 100 coletas por dia. As ações externas serão retomadas no veraneio, com o mesmo propósito de reforçar o estoque de sangue do hemocentro.

As campanhas externas de junho começaram nos dias 3 e 4, com a unidade móvel de coleta na Avenida Presidente Vargas, em frente ao prédio do banco do Brasil, com 141 comparecimentos e 35 cadastros de doadores de medula. No dia 5, a instituição teve o apoio da direção da Escola Maria Helena Valente, no Distrito Industrial, em Ananindeua, recebendo a participação de 132 voluntários e 27 cadastros de medula óssea.

No dia 18, o Hemopa contou com a colaboração da congregação da Assembleia de Deus, que doou sangue em ação comemorativa aos 103 anos da igreja. A campanha ocorreu no Vale da Bênção e teve a adesão de 155 pessoas. No dia 16, a unidade móvel do hemocentro coletou sangue no pátio do Castanheira, somando mais 116 participações e 17 cadastros de medula óssea. Nos dias 24 e 25, a campanha foi feita em parceria com a Santa Casa de Misericórdia do Pará, culminando em 197 comparecimentos e 38 novos cadastros de doadores de medula óssea.

Julho – O cronograma de campanhas externas em julho começa no dia 1º, de 8h às 18h, em parceria coma Igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, na Rodovia Arthur Bernardes, s/n, no bairro do Telégrafo. Nos dias 2, 3, e 31, a unidade móvel de coleta de sangue estará na Avenida Presidente Vargas, em frente ao Banco do Brasil, de 8h às 15h, com previsão de fazer 80 coletas por dia.

Nos dias 15, 16, 23 e 24, a unidade móvel voltará ao pátio do shopping Castanheira, de 10h às 19h, com a meta de coletar 80 doações por dia. Todas as campanhas farão cadastro de doadores de medula óssea.

Podem doar sangue pessoas com boa saúde, com idade entre 16 e 69 anos e que pesem acima de 50 quilos. Menores podem doar apenas com a autorização dos pais. É necessário portar documento de identidade original com foto. Não precisa estar em jejum. O homem pode doar a cada dois meses, e a mulher, a cada três meses. O doador deve estar bem alimentado. Para fazer o cadastro de doação de medula óssea, é preciso ter entre 18 e 55 anos e portar documento de identidade original e com foto.




O Hemopa fica na Travessa Padre Eutíquio, 2.109, em Batista Campos, e funciona para coleta de segunda a sexta-feira, de 7h30 às 18h, e aos sábados de 7h30 às 17h. Alô Hemopa: 0800-2808118.

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Santa Casa e Hemopa em nova parceria para doação de sangue


Com a ideia de captar 100 doadores por dia, a Unidade Móvel de Captação Externa do Hemopa está no estacionamento da Santa Casa para sensibilizar doadores de sangue, sejam servidores ou o público externo. É o caso de Lucelino das Neves, de 32 anos, analista financeiro. Por intermédio de uma amiga, ele soube da campanha e reservou 10 minutos da manhã para doar sangue. “É o desejo de ajudar ao próximo que me move. Espero que mais pessoas também ajudem a contribuir com esse processo”, disse. É a terceira vez que ele doa sangue para o Hemopa durante ação de coleta externa realizada na Santa Casa.
Sandra Medina, colega de trabalho de Lucelino, foi quem avistou uma faixa alertando sobre a campanha de doação de sangue. Aos 36 anos, Sandra também doa sangue sempre que pode. “Acredito que é algo muito importante para quem está precisando. Tenho essa consciência e espero que mais pessoas possam ajudar”, disse a analista financeira.
A servidora da Santa Casa, Corina Lima, também doou sangue por duas razões. “Me move o desejo de contribuir com o serviço e, consequentemente, contribuir também com o sistema”, disse a médica, de 36 anos. A programação iniciou na terça-feira e prossegue até esta quarta-feira às 17 horas.
Para doar sangue há alguns pré-requisitos, como ter idade de 16 a 69 anos, estar saudável e bem alimentado. Ainda há uma avaliação feita pela equipe do Hemopa. A assistente social, Lilian Booth, afirmou que a captação externa é uma alternativa para aumentar o estoque de sangue do Hemopa, que está baixo, entre outras razões, o estoque cai em épocas de movimentação anormal do público de doadores, como vem ocorrendo por conta da Copa do Mundo.

terça-feira, 24 de junho de 2014

Torcedores remistas mobilizam comunidade para doar sangue

O comando Terra Firme da torcida Remista realiza mobilização para doação de sangue entre integrantes da organizada e moradores da comunidade. A ação nasceu da necessidade da mãe de um torcedor amigo, que passará por cirurgia e precisará de aproximadamente nove unidades de hemoderivados. Desde a sexta-feira, 20, dez doadores voluntários já passaram pela Fundação Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará (Hemopa). Nesta segunda-feira, 23, o hemocentro recebeu a visita de mais nove torcedores doadores.

Participante da torcida há mais de 15 anos e coordenador da Remista no bairro, Rener Araújo Ribeiro, 35, disse que o grupo já é parceiro do Hemopa em muitas ações, a mais recente foi o Carnaval. “Não poderíamos deixar a mãe de um amigo sem socorro e falamos com as pessoas para que ajudassem também”.

Doador há cinco anos, do tipo sanguíneo “O” Positivo, Rener Ribeiro sabe muito bem da importância de doar. “Já doei sangue no sábado e minhas outras doações sempre foram de forma voluntária. Nunca saberemos quando vamos precisar, por isso ajudar quem precisa é fundamental. É até um estímulo para que mais pessoas façam igual”, declarou o torcedor.

Trabalhador da construção civil e integrante da torcida há 14 anos, Joel da Trindade Souza, 29, atendeu ao apelo dos amigos e se uniu ao grupo para doar. Ele realizou sua segunda doação. “As pessoas têm que vir doar, pois podem precisar também. Eu estou doando sangue porque sei que vai ajudar alguém. Me sinto feliz por salvar vidas”, afirmou o apaixonado torcedor do Clube do Remo.

Para a assistente social do hemocentro, Lilian Bouth a iniciativa da torcida é muito bem-vinda. Ela considera importante o envolvimento de familiares e amigos de pacientes na doação. “É bastante positivo, porque auxilia na manutenção do nosso estoque e sensibiliza a comunidade para a questão da doação de sangue”, comemorou a técnica.

Pode doar sangue qualquer pessoa com boa saúde, que tenha entre 16 e 69 anos e pese acima de 50 quilos. É necessário portar documento de identidade original e com foto e não precisa estar em jejum. O homem pode doar a cada dois meses, e a mulher, a cada três meses. O doador deve estar bem alimentado. Menores só podem doar com a autorização dos pais. Para fazer o cadastro de doadores de medula óssea, o candidato deve estar bem de saúde, ter entre 18 e 55 anos e portar documento de identidade original e com foto.


Serviço: horário para coleta: de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h. E-mail: captacao@hemopa.pa.gov.br. Alô Hemopa: 0800-2808118. O calendário de campanhas para o mês de junho está disponível no site www.hemopa.pa.gov.br.

Hemopa encerra campanhas externas de junho

A Fundação Hemopa encerra o calendário de campanhas externas de junho com ação em parceria com a Fundação Hospital Santa Casa de Misericórdia do Pará, nesta terça e quarta-feira, 24 e 25, de 8h às 15h. Nos dias 26 e 27, está agendada campanha em parceria com a direção do Castanheira Shopping, de 10h às 19h. A meta será de 100 doações/dia, em cada campanha.

O comparecimento de doadores na sede do hemocentro vem sendo gradativamente restaurado com o voluntariado e parcerias com instituições públicas e privadas. Nesta segunda-feira, 23, por exemplo, até às 11h40, havia sido registrado 140 comparecimentos. Mas o expediente para coleta de sangue foi encerrado às 12h, conforme decreto do estado que encerra expediente nos órgãos públicos ao meio dia, durante os jogos da seleção brasileira na Copa do Mundo 2014.

Para a assistente social Lilian Bouth, que atua na Gerência de Captação de Doadores (Gecad), o movimento foi considerado satisfatório. “Para um dia com o jogo do Brasil, o movimento foi bom. Mas estamos aguardando doadores durante a semana, pois a necessidade continua, sempre”, observou, reforçando a necessidade de antigos e novos doadores adotarem a postura de doação habitual. “Os homens podem doar a cada dois meses e as mulheres a cada 90 dias”, orientou Lilian Bouth.

Doador de sangue há 3 anos, o jornalista Luiz Paulo de Moraes, 23, doou pela primeira vez em uma campanha da Fundação Hemopa em parceria com os clubes do Remo e Paysandu. A sua doação foi destinada à uma amiga que passaria por uma cirurgia. "Percebi a importância da doação de sangue e me tornei doador regular. Muitas pessoas precisam da nossa solidariedade e não nos custa nada ajudar. É importante doar a quem estiver precisando. Saber que eu salvo vidas é gratificante", diz o jornalista.

Quem pode doar:
Qualquer pessoa saudável, peso acima de 50 quilos, ter entre 16 e 69 anos. Menores de 18 somente com autorização dos pais ou responsáveis. Apresentar documento de identidade original e com foto.

Serviço:
O Hemopa fica na Trav. Padre Eutíquio, 2109. Horário para coleta de sangue: segunda a sexta-feira, de 7h30 às 18h e aos sábados até 17h. Mais informações: 08002808118.


sexta-feira, 20 de junho de 2014

Parcerias colaboram para restauração do estoque de sangue no Pará

Neste sábado, 21, a Fundação Hemopa receberá cerca de 20 alunos da Academia da Polícia Civil que decidiram comemorar de uma forma diferente a conclusão da fase acadêmica, doando sangue. Eles vão participar do “Trote Solidário”, que vai envolver aproximadamente 400 pessoas. O mutirão será realizado até o dia da posse dos novos policiais civis, previsto para ocorrer até o final deste mês.

A notícia foi muito bem recebida pela gerência de captação de doadores do  Hemopa. A assistente social Juciara Farias comemorou esse reforço no estoque de sangue do hemocentro. “A composição de novas parcerias representa mais apoio e melhores resultados na elevação do número de bolsas coletadas, o que melhorar ainda mais atendimento da demanda”, comentou.

A assistente social ressaltou que durante esta semana, o hemocentro também contou com importante parceria da Igreja Assembleia de Deus, que promoveu campanha de doação de sangue na sede do hemocentro e na unidade móvel de coleta, no Vale da Bênção, na Rodovia Augusto Montenegro. A ação foi realizada no dia 18, em comemoração aos 103 anos da congregação em Belém, e fez parte do projeto ‘’Missão de Saúde’’. O resultado foi de 400 doações que viabilizarão o atendimento de aproximadamente 1.600 pessoas.

De acordo com Juciara Farias, somando o resultado da campanha da “Assembleia de Deus” com as doações efetuadas no decorrer da semana, até as 12h desta sexta-feira, 20, houve registro global de 1.039 comparecimentos e 773 coletas. “Um saldo bastante positivo diante das dificuldades impostas pelo período festivo deste mês, que vem causando queda no número de bolsas coletadas. Parece que o movimento de doadores vai começar a melhorar e beneficiar os usuários do serviço”, avaliou. Juciara também incentou a doação neste sábado, na sede do hemocentro. “Faça um programa de final de semana bem diferente. Venha doar sangue e traga um parente ou amigo”.

Voluntários - O militar Cristiano Silva Jesus, 19, foi um dos voluntários que contribuiu com sua doação para melhorar estoque do hemocentro. “Minha doação foi voluntária porque soube da necessidade do Hemopa. Trouxe um amigo. Todas as vezes que posso estou de prontidão para ajudar”, comentou o jovem doador.

Há 12 anos, o servidor público Allan Barroso Pinheiro, 32, doa sangue habitualmente. “Hoje eu doei para meu cunhado, mas das outras vezes não foi direcionado a ninguém, apenas quis contribuir. É um pequeno gesto que significa muito para muitos pacientes que precisam de transfusão para sobreviver”, observou.

No Brasil, a remuneração da doação de sangue é proibida. Do total de pessoas que procuram os hemocentros, 64,8% são doadores do sexo masculino e 35,1% são do sexo feminino. A faixa etária que mais realiza doações vai de 18 a 29 anos (41,3%). As demais faixas, acima dos 29 anos, respondem por 58,6% das doações. 

Quem pode doar: Qualquer pessoa saudável, peso acima de 50 quilos, ter entre 16 e 69 anos. Menores de 18 somente com autorização dos pais ou responsáveis. Apresentar documento de identidade original e com foto.


Serviço: Hemopa fica na travessa Padre Eutíquio, 2109. Funcionamento para coleta de sangue: segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h; e aos sábados até as 17h. Alô Hemopa: 08002808118.

Doença Falciforme tem programação especial no Hemopa

Há um ano e meio, Raimundo Xavier Dias, 36 anos, fez transplante de medula óssea, em Ribeirão Preto (SP), tendo uma das irmãs como doadora. “Foi uma grande felicidade, nós explodíamos de alegria, e o transplante para o meu caso era a última alternativa”, conta ele, que por mais de 20 anos fez tratamento de anemia falciforme na Fundação Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará (Hemopa).

O terceiro transplantado de medula óssea no Estado, Raimundo foi um dos participantes da programação alusiva ao Dia Mundial de Conscientização e Sensibilização das Pessoas com Doença Falciforme, celebrado na quinta-feira (19) e comemorado na quarta-feira (18) pelo Hemopa, em programação para pacientes, acompanhantes e familiares de pessoas com a doença.

Temas como a “Prevenção de úlcera de perna”, “O papel da pedagogia junto aos pacientes com doença falciforme”, “Experiências do Projeto Vida-Educa” e “Saúde Bucal” foram debatidos em palestras, rodas de conversa e dinâmicas de grupo. Os participantes receberam kits com produtos de higiene pessoal arrecadados entre os servidores do Hemopa, que participaram de uma campanha interna.

“Nossa intenção é disseminar informação sobre a doença e os tratamentos disponíveis, bem como sensibilizar os usuários para adesão ao tratamento sistemático, promovendo a qualidade de vida”, disse a hematologista Saide Trindade. Segundo ela, a data, estabelecida pela Organização das Nações Unidas (ONU), objetiva a eliminação de preconceitos, bem como o fortalecimento dos direitos das pessoas com a doença.

Raimundo Dias disse que a importância de eventos como esse está em justamente levar aos pacientes informações, pois ainda existe muito desconhecimento sobre a doença. “Tive uma limitação muito grande, mas sabia até onde podia ir. Espero que mais pessoas conheçam e que isso aconteça mais vezes”, frisou.

Até chegar ao transplante, a vida de Raimundo Dias era cheia de crises e da necessidade de transfusões de sangue. “A doação voluntária de sangue não dói. Uma pessoa só pode salvar até quatro vidas. É um exemplo de amor ao próximo. Não falta para quem doa e ajuda outras pessoas. É um ato de amor”, completou.

Segundo o Ministério da Saúde, todos os anos 3,5 mil crianças brasileiras nascem com anemia falciforme, e outras 200 mil com o traço falciforme. A doença é mais comum na população afrodescendente. Para diagnosticar a anemia falciforme o principal exame a ser feito é o teste do pezinho.

Os principais sintomas são: anemia crônica, icterícia (cor amarelada na parte branca dos olhos), mãos e pés inchados, dor nos punhos e tornozelos (frequente até os 2 anos de idade) e crises de dores em músculos, ossos e articulações. Quando as crises de dor são frequentes, é necessário acompanhamento médico.

O ambulatório de pacientes funciona na sede da Fundação Hemopa, na Travessa Padre Eutíquio, 2.109, em Batista Campos, de segunda a sexta-feira, das 7h às 18h. Mais informações pelo Alô Hemopa: 0800-2808118.

quarta-feira, 18 de junho de 2014

Hemopa funcionará para coleta neste feriado


O Hemopa espera por vocês neste feriado de Corpus Christi

 A Fundação Hemopa abrirá para coleta de sangue nesta quinta-feira, 19, feriado de Corpus Christi, com o objetivo de reforçar estoque de sangue do hemocentro que vem enfrentando dificuldades com a significativa redução de 35% do número de bolsas coletadas, diariamente. A meta será de 250 unidades de bolsa de sangue.
O período festivo da quadra junina, associada a realização da Copa do Mundo 2014, no país, provoca evasão de candidatos à doação na hemorrede brasileira, que ainda vai enfrentar essas mesmos problemas até o final do campeonato mundial, em julho, que também é um mês de férias, que é um fator complicador para captação de doadores. No Pará, não é diferente.
Segundo a gerente de Captação de Doadores do Hemopa, a assistente social Juciara Farias, esses período de festas e feriado prolongado provocam uma lacuna entre demanda e oferta. “Aumenta o número das solicitações transfusionais e o mesmo não acontece com o número de coletas”, observou a técnica, apelando para aquelas pessoas em condições de doar, que compareçam na sede do Hemopa. “Venha e traga parente ou amigo”, sugeriu.
As mulheres são responsáveis por 30% das doeações
Quem pode doar sangue: Qualquer pessoa com boa saúde; idade entre 16 anos completos e 69 anos. Menores de 18 anos somente com autorização dos pais ou responsáveis. Peso acima de 50 kg. Necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses. O doador deve estar bem alimentado. 
Para cadastro de doadores de medula óssea: estar bem de saúde, ter entre 18 e 55 anos e portar documento de identidade original e com foto.
Serviço: O Hemopa funciona na Tv. Padre Eutíquio, 2109. Alô Hemopa: 08002808118.

Assembléia de Deus promove campanha de doação de sangue

Sala de Coleta da Fundação Hemopa
Pastor Manuel e doador.
Uma campanha de doações de sangue foi promovida pela Assembléia de Deus nesta quarta-feira, 18, em virtude das comemorações dos 103 anos da congregação em Belém. São esperadas 1.500 coletas entre a sede da Fundação Hemopa  e a unidade móvel do hemocentro, que, durante a mobilização, esteve no centro de convenções da Igreja, na Avenida Augusto Montenegro. A ação faz parte do projeto ‘’Missão de Saúde’’, que visa ajudar pessoas que p
recisam de serviços como transfusões de sangue e cirurgias.

O pastor Manuel de Jesus Diniz de Farias conta que a idéia da mobilização surgiu para suprir a demanda de transfusões no estado. ‘’Acompanhamos as notícias  e sabemos qual é a situação do estoque de sangue nesta época do ano. Esta campanha serve como retorno à sociedade. É u
m presente da Igreja para quem precisa. As doações são fundamentais e é uma responsabilidade de todos nós, independentemente de religião, raça ou classe social’’, afirma o pastor.

Wellington conheceu uma das pessoas que salvou
Devido o suporte do Hemopa ao hemocentro de Manaus (Hemoan) durante a Copa do Mundo e a aproximação das férias escolares de julho, as doações reduzem em um período em que a demanda aumenta, assim, fazendo com que campanhas de reposição de estoque sejam programadas em diferentes segmentos da população.

‘’A doação de sangue é uma das formas mais simples de ajudar pessoas. É um ato que salva vidas, inclusive conheço uma das vidas que salvei’’, diz Wellington Moreira da Silva, 37, e doador de sangue há 8 anos. ‘’ Fiz 8 doações de sangue para uma jovem que precisava de transfusões e sei o quanto ela precisava da solidariedade dos doadores’’, complementa Wellington.

Maria de Fátima
Maria de Fátima Soares Santa Brígida, 38, tornou-se doadora de sangue há 4 anos, quando uma amiga precisou de transfusões por conta de um acidente de carro ‘’Uma amiga minha sofreu um
acidente e precisou de sangue porque teve hemorragia. Vim ao Hemopa e doei para ela, mas depois comecei a doar de forma espontânea. Venho e dôo para quem está precisando. É um ato de amor’’, conta Maria de Fátima.

Juciara Farias, titular da Gerência de Captação de Doadores (GECAD), diz que campanhas de doações de sangue são importantes em diversos segmentos da sociedade ‘’O Hemopa fomenta várias parcerias e com a Assembléia de Deus não é diferente. Cada voluntário, além de salvar vidas com a doação, também forma opinião sobre a causa’’, afirmar juciara.

Quem pode doar sangue: Qualquer pessoa com boa saúde; idade entre 16 anos completos e 69 anos. Menores de 18 anos somente com autorização dos pais ou responsáveis. Peso acima de 50 kg. Necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses. O doador deve estar bem alimentado. 

Para cadastro de doadores de medula óssea: estar bem de saúde, ter entre 18 e 55 anos e portar documento de identidade original e com foto.

Serviço: O Hemopa funciona na Tv. Padre Eutíquio, 2109. Alô Hemopa: 08002808118.


terça-feira, 17 de junho de 2014

Doença Falciforme em debate no Hemopa

“Pelo menos uma vez por mês tenho que vir do PAAR até aqui para fazer infusão de sangue tipo O Positivo fenotipado. É muito triste saber que pessoas saudáveis, que podem doar não estão vindo. É um ato importante que salva vidas”, a declaração é de Arcilena Sousa, 41, portadora de anemia Falciforme, que faz acompanhamento no Hemopa há mais de 30 anos. Ela é um dos alvos da programação alusiva ao “Dia Mundial de Conscientização e Sensibilização das Pessoas com Doença Falciforme (DF)”, que a Fundação Centro de Hemoterapia do Pará (Hemopa), realizará nesta quarta-feira, 18, das 8h às 15h, com a presença de 100 pessoas, entre pacientes e familiares.

Instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU), a data é celebrada dia 19 de junho, que esse ano cai no feriado de Corpus Christi, daí a comemoração antecipada no Hemopa, onde atualmente, existe cadastro com atendimento ativo de 13.667 pacientes, desses, 729 são portadores de DF, que recebem tratamento especializado com a equipe multidisciplinar da Coordenadoria de Atendimento Ambulatorial (Coamb) do hemocentro.

Durante o dia serão debatidos os seguintes temas: “Prevenção de úlcera de perna”; “O papel da pedagogia junto aos pacientes com DF. Experiências do Projeto Vida- Educa”; “Saúde Bucal” e “Fisioterapia com pacientes portadores de DF”. As palestras, reuniões e rodas de conversa, acontecerão na sala de espera do ambulatório e na Sala de Estar do hemocentro. Os participantes do evento também receberão kits com produtos de higiene pessoal arrecadado entre os servidores do Hemopa, que participaram de uma campanha interna promovida pela Gerência de Serviço Social (Geses).

A DF é uma das doenças genéticas e hereditárias mais comuns no Brasil. É causada por uma modificação no gene (DNA) que, em vez de produzir a hemoglobina A, de adulto, produz em seu lugar outra hemoglobina diferente chamada S. Esta mutação ocorreu no continente africano e apresenta altas incidências na África, Arábia Saudita e Índia.

De acordo com o Ministério da Saúde, todos os anos, 3.500 crianças brasileiras nascem com anemia falciforme e 200 mil crianças brasileiras nascem com o traço falciforme. A doença é mais comum na população afrodescendente. Para diagnosticar a anemia falciforme o principal exame a ser feito é o famoso teste do pezinho.

Os principais sintomas são: anemia crônica, icterícia (cor amarelada na parte branca dos olhos), mãos e pés inchados e muita dor nos punhos e tornozelos (frequente até os dois anos de idade), e crises de dores em músculos, ossos e articulações. Quando as crises dolorosas causadas pela doença são frequentes, é necessário acompanhamento médico. Já as crises com intensidade leve podem ser tratadas em casa, com analgésico e ingestão de bastante líquido.

Por isso é importante que os pacientes sejam acompanhados por equipes multidisciplinares com hematologistas, nutricionistas, psicólogos, fisiatras, enfermeiros, pedagogos, fisioterapeutas, odontólogos, assistentes sociais, técnicos e auxiliares.


Serviço: O ambulatório de pacientes funciona na sede da Fundação Hemopa, na Travessa Padre Eutíquio, 2109, de segunda a sexta-feira, das 7h às 17 h. Mais informações Alô Hemopa: 08002808118.

Hemopa volta a convocar doadores para restaurar estoque de sangue

A Fundação Hemopa convoca antigos e novos doadores de sangue para ajudar a restaurar o estoque do hemocentro, frente às constantes dificuldades com a redução de aproximadamente 30% das coletas efetivadas na sede da instituição, em Belém, provocada pelo período festivo da quadra junina, aliada à Copa do Mundo 2014. Nesta quinta-feira, 19, no feriado de Corpus Christi, a coleta de sangue funcionará, excepcionalmente, de 7h30 às 12h.

Para a assistente social da Captação de Doadores, Lilian Bouth, o reduzido comparecimento de candidatos à doação está atingindo todos os hemocentros da hemorrede. No Pará, o Hemopa vem realizando ações paralelas para reforçar o estoque de sangue, como as campanhas externas em parceria com instituições públicas e privadas, além de contar com o apoio do corpo técnico da rede hospitalar na sensibilização de familiares e amigos de pacientes internados nos mais de 200 hospitais paraenses.

“Estamos vivenciando uma imensa lacuna entre a demanda e a oferta de sangue. Enfrentamos uma  série de dificuldades com períodos festivos, que elevam o número de intercorrências hospitalares, especialmente em hospitais de urgência/emergência. A necessidade transfusional só aumenta. Já o número de coletas está em queda”, avisou a técnica de captação de doadores.

Sensível à causa da doação de sangue, a biomédica Iami Raiol Borges, 22, comemorou na terça-feira (17), seu aniversário na sede do Hemopa, pelo quinto ano consecutivo. A ação solidária contou com a presença de vários amigos. Com tipo de sangue O Positivo, a jovem doadora é também uma incentivadora desse ato. ‘’Doar sangue é um ato de solidariedade. É tão simples quanto importante’’, afirma a aniversariante, que doa sangue regularmente.

Uma das convidadas de Iami era a técnica de enfermagem Paula Caroline Lopes de Conceição, 28, que preparou-se para estrear como a mais nova doadora do Hemopa. Enquanto aguardava ansiosamente sua vez para atendimento na triagem clínica, Paula Caroline falou da satisfação em saber que ajudará muitas pessoas. ‘’É minha primeira doação. É espontânea. Atendi um convite da minha amiga. Doar sangue e saber que vou salvar vidas é gratificante’’.

Outro exemplo de responsabilidade social com a causa da doação de sangue é a pedagoga Lidia Helena Souza Sobral, 29, que efetuou sua primeira doação, também nesta terça-feira. “Estou feliz de poder doar. Estava ansiosa também, mas a felicidade é bem maior”, confessou a jovem doadora, que faz parte de um segmento que ainda precisa aumentar sua participação no processo da doação de sangue. Das coletas efetivadas no Pará, 70% são homens e 30% do sexo feminino.

Lidia Helena vivenciou na própria pele a necessidade de transfusão de sangue para um parente. Ela doou para uma tia que vai passar por cirurgia. “Imaginava que não pudesse doar, pois tive hepatite na infância, por esse motivo sempre estimulei familiares e amigos pelas redes sociais para que comparecessem ao Hemopa”.

Ela própria já precisou de sangue em duas ocasiões, numa delas, a mobilização foi tão grande que bateu recorde de doadores e foi parabenizada. “Sangue é algo que recebemos de graça e muita gente precisa. Por isso, procuro ajudar a quem precisa, pois sei o valor que esse gesto tem”.

Quem pode doar: pessoas com peso mínimo de 50 quilos; ter entre 18 e 69 anos. Também podem ser aceitos candidatos à doação de sangue com idade entre 16 e 17 anos, com o consentimento formal do responsável legal.


Serviço: A sede do Hemopa funciona na Travessa Padre Eutíquio, 2.109. Alô Hemopa: 08002808118.

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Hemopa convoca voluntários no Dia Mundial do Doador de Sangue

Neste sábado, 14, é comemorado o Dia Mundial do Doador Voluntário de Sangue. Mas a hemorrede brasileira não tem muito a festejar, devido ao reduzido estoque de sangue, tendo em vista que apenas 1.8% da população doa sangue, quando a Organização Mundial de Saúde estima uma médica necessária entre 3% a 5% para atendimento satisfatório da demanda transfusional. No Pará, a média é de 2.2%, mas ainda precisa aumentar mais e atender a meta estipulada.

Além do reduzido número de comparecimento na sede do hemocentro, em Belém, que atualmente chega a 40%, o serviço de Captação de Doadores está traçando estratégias para enfrentar o feriado prolongado na próxima semana, o que acaba provocando uma reação inversa com aumento da demanda hospitalar causada pelos excessos cometidos em dias festivos e feriados.

Segundo o Ministério da Saúde (MS), o crescimento de diversas áreas da saúde pública, como transplantes, cirurgias e atendimentos de urgências e o importante papel do sangue doado na garantia desse processo, exige a necessidade imperativa de aumentar o número de voluntários da doação no Brasil.

No Pará, a professora Jéssica Banhos da Costa, 24, doa sangue há cinco anos. ‘’Doar sangue é um ato de solidariedade. Temos sangue em abundância e doá-lo não custa nada, pelo contrário, é ótimo”, afirma a professora. Jéssica relembra que seu pai precisou de uma transfusão por conta de um AVC, mas que as pessoas tinham medo de doar sangue para ajudá-lo ‘”Foi muito complicado, mas acredito que o Dia Mundial do Doador de Sangue é um incentivo para este ato de amor”, ressaltou a jovem doadora.

O policial militar Jeysson Kallebe de Sousa Oliveira, 24, que pratica esse ato há seis anos, contou que a avó já precisou de sangue por causa de uma cirurgia no estômago. “Minha avó precisou receber sangue porque foi operada no estômago. Ela já precisou, mas a qualquer momento pode ser eu. Doar sangue é importante porque todo dia, muitas pessoas precisam de transfusão e o Dia Mundial do Doador de Sangue é uma homenagem legal a quem salva vidas dessa forma”, disse o PM.

Na ala ambulatorial do Hemopa estava Natália Carvalho da Silva, de seis anos de idade, e que há quatro anos recebe tratamento devido à anemia falciforme. Acompanhando a filha, estava a mãe Iozete Carvalho da Silva, 39. Enquanto brincava com bonecas, Natália recebia uma bolsa de concentrado de hemácias. Sua genitora afirma que a rotina de Natália é normal graças às doações de sangue. “O doador faz com que pessoas que precisam de transfusão renasça. E a Natália é uma dessas que renasce, graças as doações”, disse agradecida.

Campanha - Neste sábado, 14, o Hemopa encerrou a campanha “O futebol corre em nossas veias. A generosidade também. Doe sangue”. Iniciada no dia 7 deste mês, a campanha não conseguiu atingir a meta de 300 doações/dia.

Quem pode doar sangue: Qualquer pessoa com boa saúde; idade entre 16 anos completos e 69 anos. Menores de 18 anos somente com autorização dos pais ou responsáveis. Peso acima de 50 kg. Necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses. O doador deve estar bem alimentado. 

Para cadastro de doadores de medula óssea: estar bem de saúde, ter entre 18 e 55 anos e portar documento de identidade original e com foto.


Serviço: O Hemopa funciona na Tv. Padre Eutíquio, 2109. Alô Hemopa: 08002808118.

sexta-feira, 13 de junho de 2014

Hemopa comemora o Dia Mundial do Doador de Sangue

O ex-doador Oswaldo Bellarmino, 76 anos, que doou sangue 176 vezes e salvou cerca de 704 pessoas, expressa bem a necessidade de estimular o ato de doar sangue no mundo inteiro, quando se comemora, neste sábado (14), o Dia Mundial do Doador de sangue. Para comemorar a data, o Ministério da Saúde lançou, na última quarta-feira, a nova campanha, que neste ano ressalta o crescimento de diversas áreas da saúde pública, como transplantes, cirurgias e atendimentos de urgências e o importante papel do sangue doado na garantia desse processo.

No Pará, a data será marcada com o encerramento da campanha “O futebol corre em nossas veias. A generosidade também. Doe sangue”, que a Fundação Hemopa começou último dia 7. Em quatro dias, 1.371 voluntários compareceram, resultando em um total parcial de 1.091 bolsas de sangue, que vão reforçar estoque do banco de sangue paraense e suprir o Hemocentro do Amazonas, em eventual necessidade de atendimento.

Atendendo ao apelo da campanha de doação de sangue da Copa 2014, a estudante de enfermagem Maria de Lourdes Maia de Moraes, 22, doou sangue pela segunda vez, na manhã desta quinta-feira (12). Acompanhada pelo pai, Sérgio Moraes, 52 anos, que é servidor do Hemopa há 27 anos, a estudante contribui para salvar muitas vidas. ‘’A doação de sangue é fundamental. Não custa nada vir ao Hemopa e doar’’, disse.

Nesta quinta-feira, a sede do hemocentro também contou com a parceria da Cruz Vermelha Brasileira, que fez a campanha “Doe sangue e faça o gol da vida”, para contribuir com o estoque de sangue do hemocentro. Segundo a presidente da entidade, Jane Hassegawa, a meta é de 100 doações. “Esperamos que muitos craques da solidariedade participem dessa ação. Se alguém apresentar algum tipo de impedimento, vai levar outra pessoa para doar”, disse ela, que também é servidora do Hemopa.

Felícia Maria Neri da Silva, 19, estudante de enfermagem e membro da Cruz Vermelha, aderiu à campanha e doou sangue pela segunda vez. Com sangue do tipo O Positivo, ela foi ao hemocentro para doar sangue, pensando também no estoque durante as férias de verão. “Em julho muitas pessoas viajam e, por causa disso, o estoque diminui. Doar sangue neste período é muito importante’’, disse ela.

Assim como os demais hemocentros brasileiros, a Fundação Hemopa está em consonância com o Ministério da Saúde em manter o slogan usado na campanha anterior – “Seja para quem for, seja doador” –, devido à necessidade de reforçar junto à população que não é preciso conhecer ou ser próximo de alguém para se sensibilizar com a causa e doar sangue.

No Brasil, a remuneração da doação de sangue é proibida. Do total de pessoas que procuram os hemocentros, 64,8% são doadores do sexo masculino e 35,1% são mulheres. A faixa etária que mais doa vai de 18 a 29 anos (41,3%). As demais faixas, acima dos 29 anos, respondem por 58,6% das doações.


A campanha do hemocentro coordenador em Belém segue até sábado (14), de 7h30 às 17h. Com ambiente totalmente no clima da Copa do Mundo, os doadores do período estão sendo brindados com camisetas personalizadas da Copa, doadas por instituições parceiras. Após a coleta, o doador pode desfrutar de lanche à base de comidas típicas, como vatapá, mingau de milho, bolo de macaxeira e suco.

quinta-feira, 12 de junho de 2014

Ministério da Saúde lança nova campanha de doação de sangue

Sala de coleta da Fundação Hemopa

Necessidade de doação de sangue acompanha crescimento no número de cirurgias eletivas, transplantes e atendimentos de urgências nos últimos anos no país  
O Ministério da Saúde lançou, nesta quarta-feira (11), a nova campanha de incentivo à doação de sangue, que neste ano, ressalta o crescimento de diversas áreas da saúde pública, como transplantes, cirurgias e atendimentos de urgências e o importante papel do sangue doado na garantia desse processo. Com apoio dos Estados e Municípios, por meio da Hemorrede Pública Nacional, a meta é aumentar continuamente a quantidade de doadores de sangue no país e também comemorar o Dia Mundial do Doador de Sangue. 
O Ministério da Saúde decidiu manter o slogan utilizado na campanha anterior ‘Seja para quem for, seja doador’, devido à necessidade de reforçar junto à população que não é preciso conhecer ou ser próximo de alguém para se sensibilizar com a causa e doar sangue. A campanha passa a ser veiculada - a partir de hoje - em rádio, TV, internet e mídia impressa. Além disso, os 32 hemocentros coordenadores e 368 regionais, mais de 1.400 agências transfusionais, além dos núcleos de hemoterapia vão receber o material explicativo (folders).
Ministro da Saúde, Arthur Chioro
Para o ministro da Saúde, Arthur Chioro doar sangue é um ato de solidariedade, que salva vidas. “Todos sabem da necessidade e da importância deste ato. É preciso criar o habito de doar. Este é um ato seguro”, afirmou. O ministro acrescentou que o Ministério conseguiu expandir as idades mínima e máxima dos doadores o que possibilitou a abertura para 8,7 milhões novos voluntários.
Atualmente, são coletadas no país, cerca de 3,6 milhões de bolsas/ano, o que corresponde ao índice de 1,8% da população doando sangue. Embora o percentual esteja dentro dos parâmetros da Organização Mundial de Saúde (OMS), o Ministério da Saúde trabalha para aumentar este índice. Em 2012, o Ministério da Saúde reduziu a idade mínima de 18 para 16 anos (com autorização do responsável). Com a expansão das idades mínima e máxima dos doadores, houve a abertura para 8,7 milhões novos voluntários.
Durante o período da Copa do Mundo, os hemocentros estarão disponíveis para prestar o atendimento regular aos doadores.
O Ministério da Saúde vem investindo na rede de sangue em hemoderivados. Os investimentos chegaram a R$ 1,1 bilhão. Os recursos foram aplicados no custeio do serviço (R$ 500,6 milhões), na qualidade da coleta e na modernização das unidades (R$ 610,4 milhões), inclusive com a implantação de tecnologias mais seguras. A ampliação e a renovação do parque tecnológico dos hemocentros incluem itens como a aquisição de centrífugas refrigeradas e reforço de equipamentos de laboratório.
ESTRATÉGIA - A campanha deste ano conta com a participação de pessoas envolvidas em casos reais. A Priscila Takamura, que tem doença falciforme e necessitou de transfusão de sangue com frequência, e Alex Carvalho, que passou por uma cirurgia e precisou de transfusão de sangue. Entre 2003 e 2013, houve aumento de 84% no número de transplantes, saindo de 12.722 para 23.457, 619% em cirurgias, passando de 12,3 milhões para 88,9 milhões, e 627% em atendimentos de urgência, saltando de 898,2 milhões para 9,1 bilhões de procedimentos. Priscila e Alex estão presentes nos materiais de divulgação, que incluem peças como vídeo publicitário, spot de rádio, cartazes e folders e peças de internet.
Nas redes sociais, a mobilização será feita pelo aplicativo de Doação de Sangue do Ministério da Saúde -http://goo.gl/TOX9gL. A página que conta com novos serviços permite que o visitante veja informações, dicas e locais de doação.
SEGURANÇA – No final de 2013, o Ministério da Saúde publicou portaria que tornou obrigatória a realização do Teste NAT (Teste de Ácido Nucleico) em todas as bolsas de sangue coletadas no país. A qualidade da rede de sangue brasileira já é reconhecida internacionalmente. A implantação deste teste, adicionado aos já existentes (sorológico e triagem clínica de doadores de sangue) complementam o controle do sangue doado. A totalidade do sangue coletado na rede pública já é testada pelo NAT.
O Sistema Único de Saúde (SUS) oferta, desde a década de 90, os testes para detecção dos vírus das hepatites B e C, HIV, HTLV I/II, Doença de Chagas, Sífilis e Malária (na Região Norte). O exame reduz a chamada “janela imunológica” para a identificação mais rápida destes vírus.
Desde 2011, o NAT passou a ser implantado por meio do desenvolvimento gradativo de tecnologia nacional, sem importação de produtos e com rigorosos processos que garantem a qualidade do sangue. O Teste NAT brasileiro é produzido pelo laboratório público Bio-Manguinhos, da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz). A Fiocruz desenvolve tecnologia para detecção da hepatite B no teste NAT com previsão de uso a partir do segundo semestre de 2014.  
PERFIL– No Brasil, a remuneração da doação de sangue é proibida. Do total de pessoas que procuram os hemocentros, 64,8% são doadores do sexo masculino e 35,1% são do sexo feminino. A faixa etária que mais realiza doações vai de 18 a 29 anos (41,3%). As demais faixas, acima dos 29 anos, respondem por 58,6% das doações. 
SERVIÇO
Quem pode doar: pessoas com peso - de no mínimo - 50 quilos; ter entre 18 e 69 anos. Também podem ser aceitos candidatos à doação de sangue com idade entre 16 e 17 anos, com o consentimento formal do responsável legal.
Quem não pode doar: quem teve diagnóstico de hepatite após os 11 anos de idade; mulheres grávidas ou amamentando; pessoas que estão expostas a doenças transmissíveis pelo sangue como aids, hepatite, sífilis e doença de chagas; usuários de drogas; aqueles que tiveram relacionamento sexual com parceiro desconhecido ou eventual, sem uso de preservativos.