sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Alunos do Cesupa visitam a Fundação Hemopa para conhecer o modelo de gestão do hemocentro

Ligia Garcia explica como funciona o modelo de gestão do Hemopa
Os alunos dos cursos de Administração e Ciências Contábeis fizeram uma visita técnica ao Centro de Hematologia e Hemoterapia do Estado do Pará (Fundação Hemopa), na manhã desta sexta-feira, 27. No auditório do hemocentro, os universitários assistiram palestras sobre o modelo de gestão do Hemopa.


Foram apresentados aos alunos o Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ), a Política de Gestão de Pessoas e a Gestão de Atendimento ao Cidadão pela Ouvidoria, processos que colaboraram para A acreditação nacional e internacional concedida pela Assossiação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular (ABHH) e a American Association of Blood Banks (AABB)  recebida pelo hemocentro em novembro de 2014. Após as palestras, os estudantes participaram do ‘’hemotour’’, atividade que apresenta as rotinas de cada setor do hemocentro.

‘’Disseminar o modelo de gestão que seguimos para universitários é fundamental porque eles passam a ter a ciência da excelência administrativa em empresas públicas ou privadas. Ao passarmos esta cultura, incentivamos a manutenção da qualidade pelos futuros gestores’’, explica Ligia Garcia, titular do Núcleo de Qualidade do Hemopa.

Para o professor e coordenador do curso de Ciências Contábeis, Valter Barbosa Guimarães Júnior, a visita ao hemocentro faz parte do plano de ensino do CESUPA, que visa apresentar aos alunos de maneira prática a teoria apresentada em sala de aula, gerando debates que enriqueçam o conteúdo discutido e aprendido. ‘’As experiências que os alunos têm no Hemopa são diferenciadas porque eles entram em contato com a gestão de excelência no setor público. Perceber os resultados alcançados pelo serviço de qualidade e do respeito ao servidor e à população marcam o órgão como referência de competência’’, afirma o professor.

A universitária Jéssica Girard reconheceu a gestão eficiente
A estudante de ciências contábeis Jéssica Bentes Girard, 20, comenta que a gestão do hemocentro paraense é exemplar para o serviço público. ‘’Percebemos que o Hemopa planeja e controla seus procedimentos e recursos de maneira estratégica. É um órgão público que lembra as gestões de grandes empresas privadas, o que para a sociedade é excelente porque podem usufruir da eficiência que o hemocentro proporciona em relação aos serviços que oferece’’.

Quem pode doar sangue: candidatos com boa saúde; idade entre 16 anos completos e 69 anos. Peso acima de 50 kg. Necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum.

Serviço: A Fundação Hemopa fica na Travessa Padre Eutíquio, 2109 e no térreo da passarela Pórtico Metrópole, BR 316. Realiza coleta de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h.

Mais informações pelo fone 0800 - 280 - 8118.


terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Calouros doarão sangue com o Trote Solidário na hemorrede estadual

Com o início do ano letivo nos estabelecimentos de ensino superior públicos e federais, a Fundação Hemopa começa o agendamento do Trote Solidário, que estimula a substituição dos antigos trotes violentos, durante a recepção dos calouros no ensino superior, com o estimulo ao voluntariado da doação de sangue. A ação também tem outro importante objetivo ao reforçar estoque estratégico da hemorrede estadual, tendo em vista que a atividade será realizada em todas as oito unidades do Hemopa no interior paraense.

Na próxima segunda-feira, 2, será realizado a campanha do Trote Solidário em parceria com a Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), no Hemonúcleo de Capanema (Henca), no nordeste do Estado, que se estenderá até o dia 06. A meta será de 100 doações voluntárias de sangue. Em Belém, o Trote Solidário está agendado para o dia três, às 15h, com a participação de técnicos da Gerência de Captação de Doadores do Hemopa, durante recepção de aula inaugural, com os vestibulandos da Universidade Federal do Pará (Ufpa).

Segundo a responsável pelo serviço de captação de doadores do Henca, Luiza Helena Progênio, a campanha contará como apoio do 4º Centro Regional de Saúde da Secretaria de Estado de Saúde (Sespa) que disponibilizará material impresso educativo e preservativos que serão distribuídos  aos voluntários do Trote Solidário.

“Além da doação de sangue, os calouros doarão alimentos e roupas para o Abrigo de Idosos de Capanema”, comentou, informando que as alunas serão estimuladas ao engajamento na campanha de doação de cabelos para a Organização das Vítimas de Acidente de Motor (Orvam), que atua na promoção e apoio a essas vítimas. 

Luiza Helena agradece e parabeniza pela atitude de responsabilidade social da Ufra e seus calouros pela realização da campanha que salvará muitas vidas. “Essa ação deve servir de exemplo para outros estabelecimentos de ensino. Estamos abertos para novas parcerias”, destacou.

Para a gerente de Captação de Doadores da Fundação Hemopa, a assistente social Juciara Farias o engajamento à campanha do Trote Solidário é muito importante para a formação de um novo voluntariado acadêmico que pode incluir a ação no calendário de ações do estabelecimento, através dos seus respectivos centros acadêmicos. “Eles podem, inclusive, envolver a comunidade ao redor da instituição a participar dessas ações de responsabilidade social com a promoção da doação de sangue”, sugeriu.

A Fundação Hemopa possui unidades de coleta e transfusão de sangue em Castanhal, Santarém, Marabá, Capanema, Redenção, Altamira, Abaetetuba e Tucuruí. Os doadores ainda dispõe da Estação de Coleta Hemopa Castanheira.

Quem pode doar sangue: candidatos com boa saúde; idade entre 16 anos completos e 69 anos. Peso acima de 50 kg. Necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum.

Serviço: A Fundação Hemopa fica na Travessa Padre Eutíquio, 2109, e realiza coleta de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18 h, e aos sábados, das 7h30 às 17 h.


Estação de Coleta Hemopa-Castanheira, fica no térreo da passarela Pórtico Metrópole, que dá acesso ao Castanheira Shopping, funciona de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18 h, e aos sábados, das 7h30 às 17 h. . Mais informações pelo fone 0800 280-8118.




segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Expandir e fortalecer a hemorrede são prioridades da nova gestão

O auditório da Fundação Centro de Hemoterapia e Hematologia (Hemopa) ficou lotado na manhã desta sexta-feira, 20, por servidores e representantes de instituições parceiras, durante transmissão de cargo de presidente pela dra Luciana Maradei, que dirigiu a instituição no período de 2011 a 2014, para Ana Suely Leite Saraiva, que vai conduzir o hemocentro até 2019. Na ocasião, a nova gestão recebeu a certificação de Acreditação concedido pela Associação Brasileira de Hemoterapia e Hematologia (ABHH) e pela Associação Americana de Banco de Sangue (AABB).
O evento contou a presença da secretária de Estado de Saúde, Heloisa Guimarães e do ex-secretário de Estado de saúde, dr. Hélio Franco. Ao transmitir o cargo de presidente à Ana Suely Saraiva, Luciana Maradei, agradeceu o apoio dos servidores da hemorrede e do governo do Estado, nos quatros anos de convivência e com trabalho árduo. Ao entregar o Relatório de Gestão à nova presidente do Hemopa, a médica pontuou as ações mais relevantes de sua gestão.
“Após 33 anos de serviços públicos prestados, me despeço de todos com a sensação de dever cumprido”, ressaltou, estendendo seus agradecimentos aos seus diretores, assessores, gerentes, nominando cada um deles. Das ações implantadas, Luciana Maradei destacou a Estação de Coleta Hemopa Castanheira, como o marco da descentralização da doação de sangue no Pará. Outros dois projetos deixados devem expandir o serviço para o Distrito de Icoaraci e Cidade Nova V, em Ananindeua.
A médica citou também o programa de aula virtual promovendo o ensino à distância, focando na educação em saúde, em todas as unidades do Hemopa no interior do Estado: Castanhal, Marabá, Santarém, Abaetetuba, Altamira, Redenção e Tucuruí. A finalização de quatro convênios para captação de recursos para a modernização dos serviços e maior qualidade dos serviços e da sustentabilidade, também foi mencionado pela médica
Luciana Maradei finalizou citando a mais recente Acreditação concedida pela ABHH e AABB, reconhecendo a excelência de gestão praticada no hemocentro paraense, conduzindo-o ao topo dos melhores serviços de hemoterapia e hematologia do Brasil e do mundo para o biênio de 2015/2016.
Com a palavra, a atual presidente do hemocentro, Ana Suely Saraiva agradeceu ao governador Simão Jatene pela oportunidade de conduzir o hemocentro, e mais uma vez, dar sua contribuição de forma gerencial ao hemocentro onde atua, indiretamente, desde sua implantação, em 1978, acompanhando o seu marido, fundador e ex presidente do Hemopa, dr. João Carlos Pina Saraiva. “Então, posso dizer que a Fundação Hemopa está literalmente no meu sangue”, comentou, a servidora de carreira, que faz parte do corpo funcional há quase 30 anos.
Ana Suely Saraiva falou da sua responsabilidade enquanto nova gestora de uma instituição com elevado grau de visibilidade e reconhecimento nacional e internacional que o Hemopa alcançou nesses 35 anos, pelos serviços de qualidade prestados com seriedade à população. “Sou pelo diálogo e pelo trabalho em equipe. Daremos continuidade ao trabalho exitoso que a Dra. Luciana e seus diretores e demais servidores desenvolveram nos últimos quatro anos, fruto de muito comprometimento e amor ao cumprimento da nossa missão”.
De acordo com ela, a busca pela excelência continua porque faz parte da cultura organizacional da instituição. “Essa busca resulta em muitos desafios a enfrentar, visando uma hemorrede sustentável”, ressaltou, citando os dois grandes desafios que já se impõe: a manutenção da certificação da ABHH/AABB, a cada dois anos; e o fortalecimento da integração da hemorrede.
Logo após, o dr. Hélio Franco parabenizou pela gestão de Luciana Maradei, ressaltando o compromisso, a competência, a cooperação, a criatividade e o comprometimento de sua gestão à frente do hemocentro nesse quatro anos. “O Hemopa é um exemplo de excelência de gestão pública no Pará, no Brasil e no mundo. Todos estão de parabéns”.
Heloisa Guimarães agradeceu à Luciana Maradei e parabenizou sua sucessora pelo novo desafio de conduzir uma importante instituição como o Hemopa. “Nosso desafio está em regionalizar e fortalecer as unidades da hemorrede para que o usuário seja atendido e tratado na sua própria localidade ou região, através da oferta de serviços de confiança e de qualidade também em nosso interior paraense”, ressaltou.
Ela parabenizou pela proposta e implantação de descentralização da doação voluntária de sangue. Ela concordou que novas unidades devem ser implantadas em Icoaraci e Ananindeua. Heloisa Guimarães ressaltou ainda que apesar de alguns desafios econômicos que o País enfrenta, o Pará foi um dos oito Estados do Brasil que fecharam 2014 com suas contas  em dia. A médica também ressaltou que o governo, em sua nova gestão, dará prioridade ao Plano de Cargos/carreira e salários do servidor público.
Ao concluir sua fala, a secretária acentuou a necessidade imperativa de investimentos para educação em saúde. “A excelência de gestão aqui dentro é evidente, mas temos que levá-la para o nosso interior”, finalizou agradecendo a equipe de profissionais da hemorrede estadual pelo excelente trabalho na prestação de serviços de qualidade e segurança aos milhares de usuários.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Transmissão de cargo no Hemopa

Discurso de posse na íntegra, feito na transmissão de cargo de presidente, nesta sexta-feira (20)

“Ao ser convidada pelo Excelentíssimo Senhor Governador Simão Jatene, a quem reitero meus agradecimentos, para responder pela Presidência do Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará, já nominado como Fundação Hemopa, foi-me concedida à oportunidade de mais uma vez colaborar em uma função gerencial.
Saúdo, de forma reconhecida, quantos comigo trabalharam e que, por razões várias, deixam de compartilhar a jornada que prossegue.
Jornada em que eu estou desde a sua concepção em 1978, quando o então Secretário de Saúde, dr. Manuel Ayres, durante o governo do dr. Aloysio Chaves, convidou o dr. João Carlos Saraiva para concretizá-la. Assim, é que posso lhes dizer que a Fundação Hemopa está literalmente no meu sangue. 
Fomos o segundo hemocentro no Brasil, e logo percebemos que a estratégia para vencermos nossas adversidades (principalmente as adversidades impostas pela geografia) era criando uma Rede de Serviços – nascia o Hemocentro Regional de Castanhal (que, no Brasil, nascia com uma singularidade: ser o primeiro hemocentro localizado fora de uma capital. O pioneirismo foi, pois, a nossa marca. Em seguida, implantamos Santarém, Marabá, Tucuruí, Altamira, Redenção, Capanema, e Abaetetuba. Não, não quero colocar depois do Núcleo de Hemoterapia de Abaetetuba um ponto final; prefiro colocar reticências, a sugerir que a complexidade da nossa Hemorrede esteja em constante realinhamento estratégico com a implantação e desenvolvimento de novos serviços de média e alta complexidade na área da saúde no nosso Estado.
Tenho a consciência da enorme responsabilidade que me foi delegada, visto o grau de visibilidade e reconhecimento nacional e internacional que a Fundação Hemopa alcançou nos seus 35 anos pelos serviços de qualidade prestados com muita seriedade à população.
Sou pelo diálogo e pelo trabalho de equipe. Juntos, daremos continuidade ao trabalho exitoso que a dra. Luciana e seus Diretores de áreas em conjunto com todos os servidores, desenvolveram nos últimos quatro anos, fruto de muito comprometimento e amor ao cumprimento da nossa missão.
A impaciência pela busca da excelência continua, pois faz parte da nossa cultura organizacional. Essa busca resulta em muitos desafios a enfrentar visando uma hemorrede sustentável. Dentre esses desafios, dois grandes já se impõem: a manutenção da Certificação da ABHH/AABB a cada dois anos e o fortalecimento da integração da hemorrede estadual.
Eu lhes pergunto: - Será fácil?
Eu lhes respondo: Prefiro não lhes fazer essa pergunta; e sim, indagar: - Será possível?
Esta sim, eu posso lhes responder: Sim, será possível!
Sei que a gestão exige uma atitude permanente de estratégias, de construção, e por que não dizer de união, de uma maior integração por meio de parcerias interinstitucionais. E como construtores que somos do presente e do futuro desta fundação, muitas proposições faremos à Secretaria de Saúde e ao Governador Simão Jatene. E, desde agora, agradeço ao acolhimento que for dado a essas solicitações.
Afinal, durante os últimos 20 anos agregamos ferramentas de gestão que associadas ao nosso comprometimento de fazermos cada vez mais e melhor com os recursos possíveis e disponíveis, atingiremos nossas metas, ou seja, o objetivo de todos e de cada um, que na Fundação Hemopa labuta.
E parafraseando o escritor português José Saramago, que foi agraciado em 1998, com o Prêmio Nobel de Literatura, digo: “Não tenhamos pressa, mas não percamos tempo”.
Agradeço a toda a minha família aqui presente, como também, não poderia me furtar de lembrar e agradecer ao meu pai e ao meu irmão Marco Antônio, que da eternidade plena de luz, estão vibrando por mais esta conquista.
Que Deus me abençoe sempre e conceda sabedoria para conduzir com humildade a Política do Sangue no Estado do Pará em prol da nossa população”.

Ana Suely Leite Saraiva

Presidente da Fundação Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará (Hemopa)

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Excelência em gestão reconduz Hemopa ao comando do GesPúblicaFundação Hemopa

Fundação Hemopa
A reconhecida excelência de gestão da Fundação Hemopa reconduziu a instituição à ancoragem do Núcleo Estadual do GesPública, programa nacional vinculado ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão que tem como usuários diretos os órgãos que integram a administração pública do país. Atualmente, o programa possui 15 órgãos adesos no Pará, onde o GesPública iniciou sua atuação em 2003.
A solenidade que marca a recondução do Hemopa ao comando do Gespública no Estado será no dia 11 de março, com vigência de cinco anos e participação de representante do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Na ocasião será apresentada a nova agenda de trabalho.
O GesPública tem a finalidade de contribuir para a melhoria da qualidade dos serviços públicos prestados aos cidadãos e para o aumento da competitividade do País, buscando assegurar a eficácia e efetividade da ação governamental, promover a gestão democrática, participativa, transparente e ética e eliminar o déficit institucional.
Ana Suely Saraiva, Presidente do Hemopa
A presidente da Fundação Hemopa, Ana Suely Leite Saraiva, explica que o processo de ancoragem nos Estados se dá pela escolha de uma organização com comprovada referência na adoção do Modelo de Excelência em Gestão Pública. “Isso significa boas práticas de gestão, reconhecidas pela sociedade e com ciclos de reconhecimento por Prêmios da Qualidade e Certificações por Normas do Sistema de Gestão da Qualidade, como acontece com o Hemopa”, explica.
De acordo com a titular do Núcleo de Qualidade do Hemopa, a socióloga Ligia Garcia, desde que aderiu ao programa o hemocentro paraense participou de todos os ciclos de avaliação da gestão, tendo obtido vários reconhecimentos na área, disseminando o modelo de gestão na Região Norte e em outros Estados da Federação.
O GesPública iniciou sua atuação no Pará em 2003, tendo pela primeira vez como organização âncora, o Tribunal Regional do Trabalho da 8ª. Região (2003–2007), seguido pela Fundação Hemopa (2007–2009) e, por último, a Superintendência de Administração do Ministério da Fazenda – SAMF/PA (de 2009 até o momento).

Ouvidoria do Hemopa completa 10 anos

A ouvidoria do Hemopa conecta o hemocentro a sociedade
O serviço de Ouvidoria da Fundação Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará (Hemopa) completa 10 anos como um verdadeiro instrumento democrático de participação social, exemplo para outras ouvidorias do país e 99% de aprovação pelos usuários. Somente no ano passado, o setor registrou 2.143 manifestações de doadores, pacientes e servidores, pelos cinco canais de comunicação disponíveis. Entre eles, destaca-se o atendimento online (www.hemopa.pa.gov.br), que é pioneiro e coloca o hemocentro paraense como o único da hemorrede brasileira a dispor desse atendimento em tempo real.
“Para este ano, uma de nossas metas é ampliar a pesquisa de satisfação realizada com os usuários, para a hemorrede”, revela a titular do setor, Silvânia Assunção, que informa ainda que o serviço atende, em média, 200 demandas por mês, a maior parte vindas de doadores, das quais 90,43% por informação, demonstrando a importância da função educativa que o serviço presta ao cidadão.
Segundo a socióloga, as sugestões, críticas, elogios e solicitações são encaminhados aos setores competentes. “A Ouvidoria permite ao usuário participar efetivamente da melhoria da qualidade do serviço prestado pelo Hemopa, por intermédio das considerações que são posteriormente enviadas aos setores competentes para as devidas providências”, informa, destacando que 90% dos casos são resolvidos.
Nestes 10 anos, entre as melhorias sugeridas pelos usuários por meio da Ouvidoria, a técnica destaca o resultado de exames online de pacientes e doadores disponíveis no site da fundação, as chamadas eletrônicas no painel da Recepção de Doadores e Pacientes, a aquisição de cadeiras de rodas em todos os núcleos da hemorrede estadual, cursos de capacitação e ainda a implantação da nova unidade de Coleta do Hemopa Castanheira.
O setor integra a Rede de Ouvidoria do Sistema Único de Saúde (SUS), do Ministério da Saúde (MS) e também contribui nos eventos do Departamento de Ouvidoria do SUS, com palestras sobre relatos de experiências e apresentação de trabalhos. Como aconteceu na Mostra Nacional de Experiências em Gestão Estratégica e Participativa no SUS - II EXPOGEP, com a exposição do trabalho “Universalidade de Acesso ao Serviço de Ouvidoria do Hemopa. Relatos de Experiências Exitosas”, que pontua todos os canais de comunicação que o hemocentro dispõe ao usuário, focando na facilidade de acesso ao serviço.
Esse mesmo trabalho foi incluído no Banco de Práticas e Soluções em Saúde e Ambiente (IdeiaSUS), da Fundação Osvaldo Cruz (FIOCRUZ), iniciativa da cooperação técnica entre a FIOCRUZ, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde e o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde, no âmbito da Rede de Apoio à Gestão Estratégica do SUS.  Coordenado pela vice-presidência de Ambiente, Atenção e Promoção da Saúde da FIOCRUZ, o IdeiaSUS tem como finalidade a divulgação e consulta de práticas e soluções para o SUS, implantadas nos diversos territórios do país.
Os demais meios que a Ouvidoria disponibiliza ao usuário são: carta, atendimento presencial na sede da fundação, e-mail (ouvidoria@hemopa.pa.gov.br) e a linha 0800 280 8118, exclusiva e gratuita para todo o Estado, inclusive liberado para telefonia, o mais utilizado, representando 78% dos atendimentos do setor.
Serviço: A Ouvidoria funciona de segunda a sexta-feira, de 8h as 18h, no andar térreo do hemocentro, localizado na Travessa Padre Eutíquio, nº 2109. Batista Campos. Alô Hemopa: 0800 280 8118.

Hemopa recebe certificação de excelência no próximo dia 20

O hemocentro paraense é referência em gestão de qualidade
O Centro de Hematologia e Hemoterapia do Pará (Hemopa) conquistou Acreditação nacional e internacional, em reconhecimento ao modelo de excelência de gestão que aponta o órgão como um dos melhores hemocentros do mundo. A certificação foi emitida oficialmente ao hemocentro em dezembro do ano passado e será entregue simbolicamente aos servidores no próximo dia 20, às 9h, em solenidade no auditório do hemocentro.
A certificação foi concedida pela Associação Brasileira de Hematologia e Hemoterapia (ABHH) e pela norte-americana American Association of Blood Banks (AABB). A mais recente conquista representa a oferta de serviços e produtos de qualidade em todos os processos internos e externos do hemocentro.
Ana Suely Saraiva, atual presidente do Hemopa
Para a atual presidente do hemocentro, Ana Suely Leite Saraiva, a Acreditação é um marco diferencial para qualquer instituição e, no caso da Fundação Hemopa, é o reconhecimento do comprometimento, trabalho e muito amor de todos os servidores que a compõem. “Esta certificação é muito gratificante para nós, pois espelha que desenvolvemos nossas atividades em consonância também com os padrões internacionais”, observou.
A certificação foi conquistada durante a gestão da ex-presidente do Hemopa, Luciana Maradei, que define o prêmio
como resultado da dedicação do hemocentro para com a sociedade. "É o reconhecimento pelo esforço de todos os servidores da Fundação Hemopa, para que a gestão se mantenha e evolua dentro dos critérios de excelência, assim como afirmação da garantia da qualidade de nossos serviços e produtos", ressalta a médica.
Luciana Maradei, ex presidente do Hemopa, oficializando o resultado
O processo da busca pela excelência de gestão teve início em 1994, quando a Fundação Hemopa adotou o Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ), visado garantir o padrão de excelência para todos os processos, produtos e serviços ofertados pelo órgão. A titular do Núcleo da Qualidade, socióloga Ligia Garcia, explica que o reconhecimento nacional e internacional só é possível quando os resultados são "percebidos de maneira prática pelos usuários, servidores e sociedade".
Resultados
Doadora de sangue há um ano, a acadêmica do 7° período de enfermagem, Maria de Lourdes de Moraes, 23, aponta que a Fundação também é um centro de pesquisa, além de englobar o ciclo do sangue (coleta, processamento, armazenamento e distribuição) e atendimento dos pacientes. "Desenvolvi um projeto de pesquisa com base no Hemopa e ficou evidente que o hemocentro é referência de qualidade, tanto administrativa quanto técnica", explica a estudante.
Ismael e Romário recebem tratamento humanizado e eficiente
O estudante Ismael Santos dos Santos, 20, portador de anemia falciforme, recebe tratamento no hemocento há 18 anos. Ele conta que já chegou a receber até três transfusões mensais, mas que agora só passa pelo procedimento quando necessário. "Agora meu tratamento tem como auxílio a medicação Hidroxiuréia, fornecida integralmente pelo Hemopa, assim como todo o resto do tratamento. Aqui é minha casa e os servidores são minha família. O reconhecimento é merecido e eu assino embaixo’’, afirmou.
Irene dos Santos, 49, mãe de Ismael, conta que o irmão do paciente, Romário Santos dos Santos, também tem anemia falciforme e recebe o mesmo tratamento que Ismael. "Os dois são atendidos pelo Hemopa e se estão bem é graças ao atendimento recebido aqui. Hoje, o Ismael recebe uma transfusão por causa de uma operação de retirada de pedra na vesícula. Faz tempo que o Romário não precisa das transfusões. Graças a Deus e ao tratamento especializado que tem aqui”, destacou.
Serviço:
A Fundação Hemopa fica na Travessa Padre Eutíquio, 2109, e realiza coleta de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h. Mais informações pelo fone 0800 280-8118.

Hemopa encerra campanha de carnaval com saldo positivo de doações

A campanha de carnaval teve saldo positivo
A campanha de carnaval do Hemopa, iniciada no último dia 7, foi encerrada nesta sexta-feira, 13. O saldo parcial, até às 14h, apontava 2.256 comparecimentos e 1.968 bolsas de sangue, que deverão atender 7.872 pacientes internados na rede hospitalar do Estado. Somente em Belém são cerca de 90 hospitais, a maioria de média e alta complexidade, onde a maioria das solicitações são oriundas de atendimentos de urgência e emergência, especialmente, nos períodos festivos, como o carnaval.
Devido o carnaval, o Hemopa terá o seguinte funcionamento para coleta de sangue: no sábado, 14, o expediente será normal, de 7h30 às 17h; na segunda e terça-feira, dias 16 e 17, não haverá coleta de sangue; no diia 18, somente a partir do meio-dia. O serviço de atendimento transfusional, no entanto, é ininterrupto.
A campanha foi desenvolvida, paralelamente, nas unidades do Hemopa no interior: Marabá, Castanhal, Santarém, Redenção,Capanema, Abaetetuba, Altamira e Tucuruí. Normalmente, essas cidades recebem grande fluxo de foliões pelo feriadão do carnaval, o que eleva naturalmente a demanda transfusional da localidade ou região, exigindo estoque de sangue reforçado e com todos os tipos sanguíneos.
Ano passado, no hemocentro coordenador, em Belém, a campanha do carnaval teve a participação de 2.177 voluntários, o que resultou em 1.584 coletas e possibilitou o atendimento de 6.336 pacientes. Este ano, a mobilização teve apoio de instituições públicas e privadas, além da sociedade civil organizada. Durante todo o período da campanha, os doadores receberam preservativos, doados pela Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), além de orientações sobre Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs), repassadas pelas técnicas do serviço social de doadores.
Pedro Pinheiro da Silva salvou vidas e pontuou para o Papão
Doador de sangue há dez anos, o comerciante Pedro Pinheiro da Silva, 33, colaborou com a campanha I RexPa da Doação de Sangue 2015. ''Vim colaborar com minha doação de sangue neste período e ajudar o Papão a vencer o clássico das doações. Doar sangue salva vidas, e nós apoiamos essas iniciativas. Doei também nas edições anteriores'', afirmou.
Continuidade – A campanha em Belém também ocorreu, simultaneamente, na nova unidade de coleta fixa: Estação de Coleta Hemopa-Castanheira, que funciona no térreo da passarela de acesso ao shopping na BR-316, km 1, oferecendo a mesma qualidade e segurança aos usuários. A localização da unidade facilita acesso para quem está saindo ou chegando a Belém. Portanto, antes de cair na folia, o cidadão deve dar uma paradinha na unidade e ajudar a salvar vidas doando sangue, sugere a assistente social Lilian Bouth.
Lilian Bouth lembra ainda que a campanha se encerrou nesta sexta, mas a necessidade de abastecer a rede hospitalar do Estado é contínua. Não caba nunca. Portanto, ela sugere o agendamento para coleta de sangue. “Se todas as pessoas que atendem os critérios básicos da doação praticassem esse ato, pelo menos duas vezes ao ano, não haveria insuficiência de sangue na hemorrede brasileira”, informa.
Podem doar sangue candidatos com boa saúde, que tenham entre 16 e 69 anos e pesem acima de 50 quilos. Menor de 18 anos doa somente com autorização dos pais ou responsáveis. É necessário portar documento de identidade original com foto. Não precisa estar em jejum. O homem pode doar a cada dois meses, e a mulher, a cada três meses.
A Fundação Hemopa fica na Travessa Padre Eutíquio, 2.109, em Batista Campos, e faz coleta de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h. A Estação de Coleta Hemopa-Castanheira fica no térreo da passarela Pórtico Metrópole, que dá acesso ao shopping Castanheira, e funciona no mesmo horário. Mais informações pelo telefone 0800-2808118.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Campanha do Hemopa registra média de 300 coletas diárias

A campanha do Hemopa “No carnaval, use a fantasia de salva-vidas.Doe Sangue”, que se encerra nesta sexta-feira, 13, em três dias coletou uma média diária de 307 doações, somadas entre os voluntários da sede do hemocentro em Belém e da Estação de Coleta Hemopa-Castanheira, na BR-316, km 1. A ação tem o objetivo de atender pacientes internados em mais de 200 hospitais do Pará.
A nova opção de local para coleta de sangue aos candidatos à doação fica no térreo da passarela que dá acesso ao shopping Castanheira. A descentralização do serviço tem o objetivo de estimular a participação de um maior número de voluntariado, especialmente para atendimento no carnaval. Não haverá coleta de sangue nos dias 16 e 17. O Hemopa retoma o expediente a partir do meio-dia de quarta-feira, 18.
Com o novo serviço, o Hemopa facilita o acesso do candidato da região metropolitana de Belém à doação voluntária de sangue. Para a gerente de Captação de Doadores, Juciara Farias, a unidade é mais uma opção para quem quer salvar vidas doando sangue.
“Vamos funcionar normalmente no sábado, então quem sair de Belém pode dar uma paradinha na Estação de Coleta do Castanheira e fazer a sua parte doando sangue antes de cair na folia”, diz ela, ressaltando a necessidade da participação da população nessa mobilização para atender, principalmente, os setores de urgência e emergência no período momesco, quando normalmente é registrado aumento nos casos de trauma, provocados por acidentes de trânsito e todo tipo de situação de violência.
A campanha do carnaval também tem o apoio do “I RexPa da Doação de Sangue 2015”, que se encerra na sexta-feira, 13. A partir das 9h30, está agendada a doação de sangue de 30 voluntários da torcida bicolor, que chegarão ao Hemopa na Caravana Solidária, tranporte oferecido pelo hemocentro para pequenos grupos de doadores e com agendamento prévio.
Iniciativa – Pacientes do Hemopa receberam a visita do grupo de art clown Sorria, da Unimed Belém, na manhã desta quarta-feira (11). O grupo composto pelos personagens Doutora Arica, Lindinha e Mobilete esteve na sede do hemocentro para levar alegria, como forma de auxiliar no tratamento dos pacientes e fazer com que eles mantenham-se otimistas durante a recuperação.
Um dos pacientes é Arnaldo Santos Alves, 27, que iniciou tratamento contra anemia há oito meses. O grupo foi até o ambulatório onde ele recebia transfusão de sangue, o que se repete de três em três meses. ‘’Gostei muito presença do grupo. Isso faz com que a gente encare esse momento de forma diferente”, disse, contando que tem um irmão doador voluntário e já estimulou dois vizinhos a também se tornarem.
Além de alegrar os pacientes, o grupo doou sangue. Thaiana da Costa Vasconcelos, 24, a “Doutora Mobilete”, é voluntária do projeto há quatro anos e doa há três. “Na primeira vez que doei, vim acompanhando uma prima. Sempre tive vontade, mas tinha medo. Foi super tranquilo, e desde então me tornei uma doadora regular”, contou. “Sou recém-formada em enfermagem e conheço a necessidade dos pacientes. As pessoas precisam se conscientizar que a doação de sangue salva vidas”, destacou.
Podem doar sangue candidatos com boa saúde, que tenham entre 16 e 69 anos e pesem acima de 50 quilos. Menor de 18 anos pode doar somente com autorização dos pais ou responsáveis. É necessário portar documento de identidade original com foto. Não precisa estar em jejum. O homem pode doar a cada dois meses, e a mulher, a cada três meses.

A Fundação Hemopa fica na Travessa Padre Eutíquio, 2.109, em Batista Campos, e faz coleta de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h. A Estação de Coleta Hemopa-Castanheira fica no térreo da passarela Pórtico Metrópole, na BR, e funciona no mesmo horário. Mais informações pelo telefone 0800-2808118.

Hemopa recebe soberanas do carnaval 2015 para incentivar doações

A Rainha das Rainhas, Dayane Dourado
A campanha “No carnaval, use a fantasia de salva-vidas.Doe Sangue”, que começou dia 7 e se estenderá até esta sexta-feira, 13, ainda não atingiu a meta de 250 coletas por dia. Amanhã,12,  a campanha ganha um importante aliado na divulgação da ação com a visita da Rainha das Rainhas e as Princesas do Carnaval 2015, às 11, na sede do Hemocentro, em Belém. 

A visita tem o objetivo de estimular a participação de um maior número de voluntariado à campanha, que tem a responsabilidade de atender a demanda tranbsfusional do feriadão do carnaval, que começa neste sábado, 14 e vai até a quarta-feira de cinzas, 18. A campanha está sendo realizada para reforçar o banco de sangue, tendo em vista que não haverá coleta de sangue nos dias 16 e 17, retornando o expediente a partir das 12h de quinta-feira, 18.

Estação de coleta Hemopa - Castanheira
Além da sede do Hemopa, no bairro da Batista Campos, a direção do hemocentro adotou uma política de descentralização do serviço com a inauguração, desde dezembro do ano passado, da Estação de Coleta Hemopa-Castanheira, aonde também está sendo realizada a campanha do carnaval. A unidade funciona no térreo da passarela que dá acesso ao shopping na Br – 316. A Estação de Coleta tem o mesmo horário de atendimento, conforto e segurança oferecido na sede do Hemopa.

A implantação desse novo serviço veio atender o anseio de cerca de 700 mil habitantes daquela área da Região Metropolitana de Belém (RMB). É o Hemopa facilitando o acesso ao candidato à doação voluntária de sangue. Para a gerente de Captação de Doadores, a assistente social Juciara Farias, a unidade é mais uma opção para quem quer salvar vidas, doando sangue.

“Vamos funcionar normalmente no sábado.Então quem sair de Belém, pode dar uma paradinha na Estação de Coleta, fazer a sua parte, doando sangue, antes de cair na folia”, sugeriu, ressaltando a necessidade da participação da população nessa mobilização para atender, principalmente, os setores de urgência e emergência no período momesco, quando normalmente é registrado aumento nos casos de trauma, provocados por acidentes de trânsito e todo tipo de situação de violência.

A campanha do carnaval também está contando com o apoio do “I RE X PA da Doação de Sangue/2015”, que encerra nesta sexta-feira, 13. A partir das 9h30, está agendada a doação de sangue de aproximadamente 30 voluntários da torcida bicolor, através de um microônibus denominado “Caravana Solidária”, disponibilizada pelo hemocentro para pequenos grupos de doadores e com agendamento prévio.

Quem pode doar sangue: candidatos com boa saúde; idade entre 16 anos completos e 69 anos. Menor de 18 anos somente com autorização dos pais ou responsáveis. Peso acima de 50 kg. Necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses.

Serviço: A Fundação Hemopa fica na Travessa Padre Eutíquio, 2109, e realiza coleta de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18 h, e aos sábados, das 7h30 às 17 h.


Estação de Coleta Hemopa-Castanheira, fica no térreo da passarela Pórtico Metrópole, que dá acesso ao Castanheira Shopping, funciona de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18 h, e aos sábados, das 7h30 às 17 h. . Mais informações pelo fone 0800 280-8118.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Hemopa conta com parceria da rede hospitalar para elevar número de doações

A Fundação Hemopa prossegue com a campanha “No carnaval, use a fantasia de salva-vidas. Doe Sangue”, que começou no dia 7 e se estende até a próxima sexta-feira, 13. Nos dois primeiros dias da ação, foram registrados 814 comparecimentos. A meta é de 250 coletas por dia, para garantir atendimento das solicitações transfusionais, especialmente no período do carnaval, quando a necessidade se eleva em torno de 30%.
Segundo a gerente de Captação de Doadores do Hemopa, Juciara Farias, é necessário fortalecer a parceria com a rede hospitalar para sensibilizar usuários e acompanhantes. “Todos devemos nos envolver na captação de doadores, especialmente, nos hospitais de grande porte”, diz.
Segundo dados do Ministério da Saúde, a hemorede brasileira vivencia o crescimento de 84% do número de transplantes; de 619% nos procedimentos cirúrgicos e de 627% de atendimentos de urgência. Portanto, cresce a necessidade do número de coletas para atender a demanda. “Em período festivo e de longos feriados normalmente os hemocentros estaduais enfrentam dificuldades com a evasão de voluntários”, observa a gerente, sugerindo a doação de sangue antes de cair na folia.
Times – Na sexta-feira, 13, a campanha também contará com apoio da torcida do Paysandu, que vai encaminhar doadores ao hemocentro. A concentração será às 8h30, na Curuzu. Os voluntários serão transportados pela “Caravana Solidária”, que é um microônibus cedido pelo Hemopa para facilitar acesso às doações de pequenos grupos de doadores, no máximo de 30, por viagem. É importante informar no momento do cadastro que a doação é para o time do Papão.
Suzan Campelo Garcia, 28 anos, trabalha com eventos e mora no bairro Parque Verde. Ela foi convidada a doar pelas Azulindas, torcida feminina do Clube do Remo, da qual faz parte há dois anos. A remista fez a primeira doação de sangue e ainda marcou um ponto para o time do coração no "I RexPa da Doção 2015". "Foi muito tranquilo. Sei da necessidade e urgência de quem precisa. É um gesto importante, pois devemos fazer o bem sem olhar a quem”, disse.
A campanha de doação de sangue do carnaval ocorre na capital e interior do Estado: Castanhal, Santarém, Marabá, Altamira, Abaetetuba, Tucuruí, Capanema e Redenção. Em Belém, as doações podem ser feitas ainda na Estação de Coleta Hemopa-Castanheira”, que é o mais novo ponto fixo de doação, no térreo da passarela que dá acesso ao shopping na BR-316. O horário de funcionamento é o mesmo da sede do hemocentro: segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h.
Podem doar sangue candidatos com boa saúde, que tenham entre 16 e 69 anos e pesem acima de 50 quilos. Menor de 18 anos pode doar somente com autorização dos pais ou responsáveis. É necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum. O homem pode doar a cada dois meses, e a mulher, a cada três meses.

A Fundação Hemopa fica na Travessa Padre Eutíquio, 2.109, em Batista Campos. A Estação de Coleta Hemopa-Castanheira fica no térreo da passarela Pórtico Metrópole, que dá acesso ao shopping Castanheira. Mais informações pelo telefone 0800-2808118.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Hemocentro de Castanhal promove campanha de carnaval

Em consonância com o Hemocentro Coordenador, em Belém, o Hemocentro Regional de Castanhal promove a campanha “Neste Carnaval, use fantasia de salva-vidas. Doe sangue”, que começou nesta segunda (9) e vai até sexta-feira (13), com o objetivo de manter o estoque técnico de sangue, para atendimento da demanda transfusional da rede hospitalar da região do nordeste do Estado. A unidade tem a meta de 50 doações por dia.
O ponto alto da campanha será o arrastão do “Bloco da Solidariedade”, que reunirá servidores, doadores, amigos, familiares e a população em geral, dia 13. A concentração está marcada para as 17h30, em frente ao Hemopa. O bloco vai participar da abertura do Carnaval de Apeú Castanhal. A ação tem o apoio da prefeitura local.
A responsável pelo serviço de Captação de Doadores, Katilene Abreu, aposta no sucesso da campanha, que vai ajudar a salvar milhares de vidas. “Vamos cair nessa folia e fazer um carnaval de muita alegria e solidariedade aos pacientes que necessitam desse gesto simples para sobreviver. Antes de viajar, passe na unidade de coleta mais próxima de você e doe sangue”, diz.
Segundo ela, durante todo o período da campanha, haverá distribuição de preservativos e lanche especial.  Para estimular o maior número de participações possíveis, o serviço de captação de doadores desenvolveu várias linhas de atuação, com apoio de instituições públicas e privadas, com mobilização na mídia local, telecaptação de doadores e divulgação nas redes sociais.
Bastante satisfeita com a expectativa de sucesso na ação, a responsável técnica pelo hemocentro, Sandra Lobato, destaca as parcerias que ajudam a promover as ações da unidade, entre elas, o apoio da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), através da 3ª Regional; Prefeitura de Castanhal; Grupo Ibaraki; Companhia Têxtil de Castanhal (CTC); e os artistas Ery Holanda, Haroldo Reis, Jurandir e Walbinho dos teclados, entre outros, que contribuíram para composição da marchinha do bloco de carnaval.
Podem doar sangue pessoas com boa saúde, que tenham entre 16 e 67 anos e pesem acima de 50 quilos. Menor doa apenas com autorização dos pais. É necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum. O doador deve estar bem alimentado. O resultado dos exames dos doadores pode ser obtido on-line, no site www.hemopa.pa.gov.br, em 30 dias após a coleta do sangue.
Para ser doador de medula óssea, o candidato deve ter boa saúde e entre 18 e 67 anos e portar documento de identidade original. O Hemopa de Castanhal funciona de 7h às 13h, na Rua Floriano Peixoto, Alameda Rita de Cássia, em frente ao Líder.


segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Hemopa inicia campanha de coleta de sangue do carnaval

O primeiro dia da campanha “No carnaval, use a fantasia de salva-vidas. Doe sangue”, do Hemopa, neste sábado, 7, teve o apoio de diversos grupos de voluntariado que animaram a sede do hemocentro, desde às 7h30. Ate às 16h, foi registrado o comparecimento de 474 candidatos à doação de sangue. A primeira grande campanha de 2015 vai até sexta-feira, 13, com a meta de coletar 250 bolsas de sangue por dia.
Vários grupos de doadores voluntários de sangue participaram da abertura da ação, entre elas a Torcida Remista e Azulindas, do Clube do Remo; Salvos Pelo Sangue, da Igreja Presbiteriana; Grupo Vem Pará Rua; Grupo de Ouro Nacional, da Terra Firme; e os alunos da Escola Ômega. O Hemopa abriu mais uma sala de coleta para atender a demanda, agilizando o atendimento com o dobro de cadeiras de coletas.
Na frente do hemocentro um palco foi armado para a apresentação dos cantores Jorginho Gomez e Gina Lobrista, e de ritmistas das escolas de samba Rancho Não Posso Me Amofiná e Grande Família. O Rei Momo do Carnaval 2015 de Belém, Raimundo Santos, conhecido como “Toquinho”, também prestigiou a abertura da campanha
O Hemopa também recebeu a visita de 60 alunos de um curso de técnico em enfermagem de Vigia, no nordeste paraense, para contribuir com a campanha do Carnaval. Eles assistiram à palestra sobre doação voluntária de sangue e cadastro de doadores de medula óssea e doaram sangue.
Edneia Furtado Correa, 32, fez a primeira doação após receber as orientações dos técnicos do Hemopa. “Estou me sentindo muito bem. Vou passar esse sentimento para todos os meus familiares e incentivá-los a doarem. Esse é um gesto de amor, o maior que existe. Sei que vou ajudar muitas pessoas”, disse ela, que é moradora de Colares.
Doadora há sete anos, a professora da Escola Ômega Louise Angélica Silva de Carvalho, 26, também doou sangue. “A doação é muito importante, pois além de ajudar outras pessoas, conhecidas ou não, me faz sentir muito bem. Acho de grande valor a iniciativa do Hemopa em organizar essa campanha”, afirmou.
Francildo Pinheiro da Fonseca, 27, morador da Cremação, foi um dos centenas de doadores que estiveram na sede do Hemopa neste sábado. A primeira doação dele atendeu um amigo que precisava de transfusão. “Depois dessa experiência me conscientizei da importância desse ato. Vou repetir o gesto a cada três meses e salvar muitas vidas”, afirmou. Torcedor do Paysandu, ele aproveitou a oportunidade para contabilizar ponto para o “I RexPa da Doação de Sangue”, que vai até a próxima sexta-feira, 13.
A campanha de doação de sangue do carnaval ocorre na capital e no interior do Estado: Castanhal, Santarém, Marabá, Altamira, Abaetetuba, Tucuruí, Capanema e Redenção. Em Belém, as doações podem ser feitas ainda na Estação de Coleta Hemopa-Castanheira, o mais novo ponto fixo de doação, no térreo da passarela que dá acesso ao shopping na BR-316. O horário de funcionamento é o mesmo do Hemopa: de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h.
“A campanha se encerra na próxima sexta-feira, mas a necessidade continua. Se todas as pessoas potencialmente doadoras agendassem duas doações por ano, a hemorrede brasileira não passaria por dificuldades com a insuficiência de doadores”, disse a gerente de Captação de Doadores do Hemopa, Juciara Farias, incentivando o gesto, especialmente no período que antecede do carnaval, quando a necessidade transfusional aumenta cerca de 30%.
Podem doar sangue pessoas com boa saúde, que tenham entre 16 e 69 anos e pesem acima de 50 quilos. Menor de 18 anos pode doar somente com autorização dos pais ou responsáveis. É necessário portar documento de identidade original com foto. Não precisa estar em jejum. O homem pode doar a cada dois meses, e a mulher, a cada três.
O Hemopa fica na Travessa Padre Eutíquio, 2.109, em Batista Campos. A Estação de Coleta Hemopa-Castanheira fica no térreo do Pórtico Metrópole, na BR-316. Mais informações: 0800-2808118.

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Hemopa espera adesão da população para atingir a meta de doações no carnaval

 “Precisar de transfusão para sobreviver é uma batalha diária”. A afirmação é da agricultora de Curuçá, nordeste paraense, Maria Irene dos Santos Coelho, 49, que tem dois filhos adultos portadores de Anemia Falciforme (doença genética e hereditária) em tratamento, desde crianças, na Fundação Hemopa, e que frequentemente precisam de sangue para sobreviver. Assim como tantos outros pacientes hematológicos, os filhos de Maria Irene são alguns dos muitos que serão beneficiados com a campanha “No carnaval, use a fantasia de salva-vidas. Doe Sangue”, que será aberta neste sábado, 7, para suprir a demanda da rede hospitalar no período momesco.

A campanha, que se estenderá até o dia 13, tem a meta de coletar, somente na abertura do evento, 500 bolsas de sangue, e nos demais dias da semana, 250. Neste sábado, uma vasta programação vai animar o dia dos candidatos à doação com apresentação dos cantores Jorginho Gomez e Nilton César, da cantora Gina Lobrista, das baterias das Escolas de Samba Rancho Não Posso Me Amofiná e Grande Família. A folia solidária contará, ainda, com a presença do Rei Momo do Carnaval 2015, Raimundo Santos, mais conhecido como “Toquinho”, acompanhado de sua corte, além de outras atrações.

Parceiro da Fundação Hemopa em várias campanhas, o servidor e cantor Jorginho Gomez convida amigos e fãs para participar da abertura da campanha neste sábado. “Mais do que a doação de sangue, vamos doar a nossa arte para a promoção da vida, ao sensibilizar pessoas para esse ato solidário. É sempre um prazer fazer parte desse trabalho”, comentou.

Paralelamente à campanha, haverá o “I RE x PA da Doação de Sangue/2015”, que unirá as torcidas de Remo e Paysandu em mais um campeonato de solidariedade. E amanhã, encerra a campanha nacional “Doe Sangue e Jogue Rugby. Faça um try pela vida”, que em Belém terá a adesão das equipoes Acemira Rugby Belém e Locomotiva Rugby. A mobilização começou nesta sexta, 6.

A movimentação para atrair o maior número de doadores à campanha provoca expectativas em Maria Irene, que já acionou familiares e amigos para a doação de sangue. Seu filho mais novo, Esmael Santos dos Santos, 20, passará por uma cirurgia para a retirada de pedra na vesícula. “Minha vida é pedir doações de sangue para todos que conheço. O doador é uma pessoa que deve ter muito amor para ajudar pessoas que nem conhece, como meus filhos, por exemplo. Sou muito agradecida por todos eles”.

Paciente do Hemopa há dois anos, a autônoma Graziele Azevedo, 35, também é portadora de anemia falciforme e conta que precisa de duas bolsas de sangue por semana, mas que já chegou a necessitar de quatro transfusões no mesmo período. ‘’A quantidade de transfusões que recebo depende de como meu organismo reage, mas nunca recebi menos que duas bolsas por semana. Estou viva por causa da solidariedade dos doadores e pelo tratamento humano e afetuoso que recebo aqui no Hemopa. Se para mim, que tenho uma tipagem sanguínea frequente na população (A positivo) é complicado, imagina para quem sofre da mesma doença que eu e tem sangue de tipo raro’’, comentou, torcendo para o sucesso da campanha.

A estudante Jamile Nonato Ferreira, 22 anos, estudante de Ciências Contábeis, foi uma das doadoras voluntárias de sangue que compareceu à Estação de Coleta Hemopa-Castanheira nesta semana. Moradora do Distrito de Icoaraci, ela fez a sua segunda doação para ajudar uma vizinha que vai passar por uma cirurgia. “É importante, pois ajuda as pessoas que necessitam, e ainda nos faz sentir muito bem.”

Ano passado, 2.177 voluntários compareceram à sede do hemocentro, em Belém, o que somou 1.584 coletas que viabilizaram o atendimento de 6.336 pacientes. Este ano, a organização do evento tem a meta de elevar esse quantitativo de doações em 20%, para assegurar o atendimento das solicitações dos hospitais públicos do Pará no período carnavalesco, quando as intercorrências hospitalares, especialmente, na urgência e emergência, aumentam.

A campanha conta, ainda, com outras importantes parcerias: grupo de voluntários do Instituto Áster; torcedores dos times do Corinthians, Flamengo e Vasco; grupo Rock na Veia; Associação da Juventude do Paar e o grupo A Partilha, de Benevídes; além da Fundação Cultural do Município de Belém (Fumbel), Sistema Fiepa/Sesi, REC Filmes, Pátio Belém, Castanheira Shopping e a imprensa local, que tem papel fundamental na divulgação das ações com incentivo à doação voluntária de sangue.

A gerente de Captação de Doadores, assistente social Juciara Farias, informa que devido ao aumento do fluxo de doadores, esperado neste sábado, o atendimento ficará mais ágil com a ampliação do espaço para doação. O ambulatório será totalmente transformado em uma grande e confortável sala de coleta, que abrigará mais 14 cadeiras de coleta somando um total geral de 28 pontos de captação.

Além da sede do Hemopa, em Belém, a direção do hemocentro oferece outros locais para coletar doações: Estação de Coleta Hemopa-Castanheira, na BR 316; e nas unidades do Hemopa em Castanhal, Santarém, Marabá, Altamira, Abaetetuba, Tucuruí, Capanema e Redenção.

Podem doar sangue pessoas com boa saúde, peso acima de 50 kg e idade entre 16 anos completos e 69 anos. Menores de 18 anos precisam da autorização dos pais ou responsáveis. É necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum, ao contrário, a boa alimentação garante ao doador que não apresente mal estar durante a coleta. O homem pode doar a cada dois meses, e a mulher a cada três.

Serviço: A Fundação Hemopa fica na Travessa Padre Eutíquio, 2109, e realiza coleta de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18 h, e aos sábados, das 7h30 às 17h. A Estação de Coleta Hemopa-Castanheira funciona no térreo da passarela Pórtico Metrópole, que dá acesso ao Shopping Castanheira, e funciona de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h. Mais informações pelo fone 0800 280 8118.

Atletas de rugby do Pará doam sangue no Hemopa


Promovida por atletas que praticam o esporte de origem britânica, a campanha nacional “Doe sangue, jogue rugby. Faça um try pela vida” reúne mais de 60 times em todo o Brasil e conta com adesão das equipes Acemira Rugby Belém e Locomotiva Rugby, do Pará, que estiveram na sede do Hemopa em Belém e no Hemocentro Regional de Castanhal, respectivamente, nesta sexta-feira, 6. A ação se estenderá até este sábado, 7, e reúne, além dos desportistas, amigos e familiares para a doação de sangue e realização do cadastro de doadores de medula óssea. A mobilização visa abastecer os hemocentros do país nesta época do ano, quando normalmente há uma queda nas doações voluntárias.
“Os jogadores de rugby utilizam tanto dentro de campo como no dia a dia cinco princípios básicos: integridade, respeito, solidariedade, paixão e disciplina. Nosso intuito, com esta campanha, é explorar o princípio da solidariedade. Pretendemos fazer uma corrente do bem, com a participação do maior número possível de times de rugby do Brasil, para reforçar a importância da doação de sangue em suas respectivas cidades e mobilizando a população local para doar também”, explica Camila Quirino de Sousa, 31, educadora física e organizadora da ação em Belém.
Movida pelo espírito dos praticantes de rugby, a estudante de Educação Física, Jullie Ann Paraense Campos, 23, doou sangue novamente. Doadora há três anos, ela fez a primeira doação para ajudar a avó e não parou mais. “Nosso compromisso com a solidariedade é dentro e fora de campo. Doar sangue é ajudar a salvar vidas”, reforça a jovem, que atua na posição de Pilar I no Acemira.
Juciara Farias, titular da Gerência de Captação de Doadores do Hemopa, afirma que o movimento no período carnavalesco apresenta ligeira queda no número de comparecimentos, por isso campanhas internas com diferentes grupos e instituições, como o Grupo de Oração Terço dos Homens, voluntários do Instituto Áster, da empresa BB Tecnologia e Serviços e os calouros de Medicina da Universidade do Estado do Pará, são de extrema importância. ‘’Parcerias são fundamentais. Os atletas do Rugby são mais um grupo que se torna parceiro do Hemopa. Associar a prática esportiva à doação de sangue é um grande exemplo que deve ser seguido pelos demais grupos esportivos, pois apresentam doadores voluntários em potencial’’.
A assistente social reforça ainda que neste sábado, 7, a partir das 9h, acontece a abertura da campanha “No Carnaval, use a fantasia de salva-vidas. Doe sangue”, com shows de Gina Lobrista, Jorginho Gomez, baterias do Rancho Não Posso Me Amofiná e Grande Família, além da presença dp Rei Momo da capital e outras atrações. “Vamos realizar uma grande folia solidária para o doador voluntário que comparecer à sede da Fundação Hemopa. Os que não puderem vir têm a semana inteira, até o dia 13, para dar a sua colaboração, inclusive na Estação de Coleta Hemopa Castanheira e nas unidades da hemorrede no interior do estado.”, lembra a técnica.
Podem doar sangue pessoas com boa saúde, peso acima de 50 kg e idade entre 16 anos completos e 69 anos. Menores de 18 anos precisam da autorização dos pais ou responsáveis. É necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum, ao contrário, a boa alimentação garante ao doador que não apresente mal estar durante a coleta. O homem pode doar a cada dois meses, e a mulher a cada três.
Serviço: A Fundação Hemopa fica na Travessa Padre Eutíquio, 2109, e realiza coleta de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18 h, e aos sábados, das 7h30 às 17h.
A Estação de Coleta Hemopa-Castanheira funciona no térreo da passarela Pórtico Metrópole, que dá acesso ao Shopping Castanheira, e funciona de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h. Mais informações pelo fone 0800 280 8118.