quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Unidades da hemorrede estadual reforçam campanha de carnaval


Em sintonia com o Hemocentro Coordenador em Belém, as unidades da hemorrede estadual estão engajadas na campanha “No carnaval use fantasia de salva vidas. Doe sangue”, que se estenderá até o dia 24 deste mês, com a finalidade de abastecer o estoque de sangue para garantir atendimento transfusional da rede hospitalar do Pará. A média diária de coletas estipulada para cada unidade – hemocentros regionais de Castanhal, Marabá e Santarém; e Hemonúcleos de Altamira, Tucuruí, Abaetetuba, Redenção e Capanema – é de 100 a 250 bolsas no período, dependendo da demanda de cada unidade.

A gerente de Captação de Doadores da Fundação Hemopa, assistente social Juciara Farias, reforça que a necessidade de transfusão é muito grande. “A hemorrede estadual é responsável por suprir o estoque de sangue para atendimento integral da rede hospitalar no estado, que tem mais de 200 estabelecimentos de saúde”, explica.
No Hemonúcleo de Capanema (Henca), por exemplo, houve uma ação prévia no dia 6 deste mês, com a parceria dos municípios de Tracuateua e Primavera, que encaminharam 50 doadores para ajudar a abastecer o banco de sangue para o feriadão de carnaval.
O cearense José Batista, 51, morador de Capanema, que pela primeira vez doou sangue para a campanha do Henca destacou o caráter solidário da iniciativa. “Eu me sinto bem em poder ajudar o próximo. Assim como há muitas pessoas com problemas de saúde e necessitadas desse tipo de ajuda, também há muitas pessoas com boa saúde que podem fazer a diferença. Peço a Deus apenas que me conserve assim para continuar ajudando a salvar vidas”, diz.
A campanha conta ainda com a parceria dos Agentes Multiplicadores dos municípios de Tracuateua, São João de Pirabas, Primavera e Santa Luzia do Pará, por meio do projeto "Parceria pela Vida". “São parceiros presentes em nossas ações durante todo o ano, que organizam grupos de doadores pelo menos uma vez por mês e, sempre que os estoques estão muito baixos, são acionados pelo Henca”, explica a assistente social Luiza Helena.

Ela informa que a campanha promove também o cadastro de doadores de medula óssea e inclui distribuição de material sobre prevenção de doenças, de camisetas para os doadores de sangue aptos, e de preservativos masculinos e femininos, além de lanche especial. Mais de 50 comparecimentos foram registrados em um dia e meio de campanha.
Hemocentro Regional de Castanhal - Aniversariando nesta terça-feira (21), a responsável técnica pelo Hemocentro Regional de Castanhal (HRC), Sandra Lobato decidiu comemorar a data doando sangue. “É um presente para muitas pessoas que dependem desse gesto para sobreviver. Estou super feliz em poder ajudar”, disse a médica, que aposta na superação da meta de doações da campanha. 
Responsável por atender a demanda transfusional de 48 municípios do nordeste paraense, o Hemocentro Regional de Castanhal tem por meta a coleta de 250 bolsas de sangue até o dia 24. O atendimento ao público é feito de 7h as 13h e conta com uma programação cultural variada que inclui música ao vivo com artistas da terra, concurso de fantasia, distribuição de camisetas, preservativos, brindes e lanche especial. Nestas segunda e terça-feira já foram captadas 60 bolsas de sangue em Castanhal.

Hemocentro Regional de Marabá - Atendendo ao apelo da campanha, os irmãos Isabela e João Paulo dos Santos Gomes, de 19 e 16 anos, respectivamente, decidiram fazer a sua segunda doação de sangue nesta terça-feira (21) e ressaltam que estão na expectativa para a próxima campanha da unidade. Os jovens correspondem, hoje, a cerca de 70% das coletas feitas na região.
A campanha foi aberta no município com apresentação de artistas da terra em um palco montado em frente à unidade. O evento atraiu antigos e novos doadores e ofereceu serviços de beleza, cantinho da selfie e presença das candidatas ao concurso Miss Marabá 2017. Dia 22, o hemocentro agendou a “Caravana Solidária”, que trouxe candidatos à doação de sangue do município de Eldorado dos Carajás, através do Grupo Vida.

A programação encerra no dia 24 com um baile de carnaval e concurso de fantasia, que vai premiar os vencedores com a faixa de “Doador Salva Vidas” e mais um kit com brindes doados por comerciantes locais. A campanha recebeu apoio de 23 voluntários da Brigada de Infantaria de Selva (BIS), do Exército. Das 200 coletas estabelecidas como meta já foram efetivadas 56.
A campanha também prossegue no Hemocentro Regional de Santarém, oeste do Pará, onde 52 pessoas já compareceram para reforçar a campanha. No Hemonúcleo de Tucuruí, desde ontem até meio dia de hoje, 26 voluntários deram a sua contribuição. Em Redenção, já foram coletadas 31 bolsas de sangue e na unidade de Altamira, 25 doadores atenderam o apelo da campanha.
Podem doar sangue pessoas com boa saúde, que tenham entre 16 e 69 anos e pesem acima de 50 quilos. Menores de 18 anos podem doar somente com autorização dos pais ou responsável legal. É necessário portar documento de identidade original, assinado e com foto, além de estar bem alimentado. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher, a cada três.
Serviço: A Fundação Hemopa fica na Travessa Padre Eutíquio, 2.109, bairro de Batista Campos, e no acesso ao Pórtico Metrópole, na entrada do shopping Castanheira (BR-316, km 1). As coletas são feitas de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h.



Hemopa intensifica campanha para elevar coleta de sangue


Até a próxima sexta-feira (24) prossegue a campanha “No carnaval use fantasia salva vidas. Doe sangue”, promovida pela Fundação Hemopa para manter o estoque de sangue na rede de saúde estadual. No último sábado (18), primeiro dia da campanha, 450 voluntários aderiram à doação de sangue em Belém, sendo 356 na sede do Hemopa e 94 na Unidade de Coleta Castanheira. A meta é conseguir 200 coletas/dia, para garantir o atendimento transfusional na rede hospitalar, especialmente no feriado prolongado.

Nesta segunda-feira (20) começou a participação da Marinha do Brasil e Sociedade Amigos da Marinha do Estado do Pará (Soamar-PA), que por meio do Comando do 4º Distrito Naval devem encaminhar cerca de 200 militares aos locais de coleta de sangue até o dia 24, sob a coordenação do Hospital Naval de Belém.
A 1° tenente Isabella Caetano ressaltou que “em períodos festivos, as dificuldades em captar doadores aumenta, não só pela ausência de doadores, mas também pelo aumento de demanda devido ao número de acidentes registrados no feriado”.

Torcidas - Paralelamente à campanha no período do carnaval, realizada pela Fundação Hemopa em todas as unidades da hemorrede estadual, o diretor de Marketing do Paysandu Sport Club, Paulo Vinícius do Carmo, esteve na sede do hemocentro nesta segunda-feira acompanhado de torcedores do time bicolor para doar sangue, como parte da campanha “Torcedor Doador Futebol Clube”, realizada pela Cultura Rede de Comunicação até o final do Campeonato Parazão 2017, em abril.
A assistente social Juciara Farias, gerente de Captação de Doadores da Fundação Hemopa, reiterou a importância de aumentar o número de coletas. “Ao final deste campeonato muitas vidas serão salvas. Todos ganham, pois o importante é participar”, disse Juciara, que reforçou a convocação às torcidas dos dois maiores clubes de futebol da Região Norte – Remo e Paysandu -, para que entrem na campanha de doação de sangue.

O torcedor bicolor João Rodrigues, 48 anos, ajudou a aumentar o placar da doação de sangue. “Quero ganhar esse campeonato. No entanto, o mais importante é ver muitos pacientes vencendo a doença e indo ao estádio torcer pelo seu time do coração”, ressaltou.
Programação – De segunda a quarta-feira (20 a 22), a partir das 09 h, técnicos da Secretaria Municipal de Saúde de Belém (Sesma) vão orientar os doadores sobre formas de prevenção de doenças como dengue, zika e chikungunya, enquanto técnicos do Hospital João de Barros Barreto ensinarão como se prevenir da febre amarela.
Das 09 às 10 h, no mesmo período, haverá ainda ação de saúde, com profissionais da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) e Hospital Barros Barreto, com apoio da escola profissionalizante Siepa, Banco da Amazônia, Faculdade Brasil Amazônia (Fibra) e Universidade da Amazônia (Unama).

Durante toda a semana (20 a 24), o projeto Caravanas Solidárias participará da campanha, com grupos de instituições parceiras que, além de doarem sangue, vão disponibilizar um micro-ônibus para o transporte dos voluntários para doação.
Podem doar sangue pessoas com boa saúde, que tenham entre 16 e 69 anos e pesem acima de 50 quilos. Menores de 18 anos podem doar somente com autorização dos pais ou responsável legal. É necessário portar documento de identidade original, assinado e com foto, além de estar bem alimentado. O homem pode doar a cada dois meses, e a mulher, a cada três.
Serviço: A Fundação Hemopa fica na Travessa Padre Eutíquio, 2.109, no Bairro Batista Campos, e o posto de coleta Castanheira fica no acesso ao Pórtico Metrópole, na entrada do Shopping Castanheira (Rodovia BR-316, KM-01). As coletas são feitas de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17 h.

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Primeiro dia de campanha do carnaval reúne mais de 300 voluntários na sede do Hemopa



Um grande encontro de parcerias que levaram alegria, solidariedade com a doação de sangue na sede da Fundação Hemopa, no sábado (18), durante abertura da campanha “No carnaval use fantasia salva vidas. Doe sangue”, que até às 14h foi registrado o comparecimento de mais 300 voluntários. A campanha segue até o dia 24, com o desafio de 200 coletas de bolsas de sangue por dia, com o objetivo de suprir o estoque do hemocentro que ainda enfrenta uma queda de até 30%.

Logo no início da manha, mais de 100 alunos, entre 18 e 27, do Centro de Formação de Praças do Corpo de Bombeiros do Pará doaram sangue para colaborar com a campanha. De acordo com o comandante da instituição, major Helton Moraes, essa parceria é importante e permanente. “Estamos aqui para mais uma ação solidária, através desses jovens alunos recém ingressos e dispostos a salvas vidas”, disse, destacando que a doação de sangue é um ato de amor ao próximo que enobrece a corporação.
O clima no hemocentro coordenador, em Belém era de descontração e festa, com decoração carnavalesca com direito a um cantinho para selfie e registrar a participação do voluntariado com acessórios e enfeites de carnaval. O manipulador de alimentos, Rui Carlos Nogueira, 50, salva vidas com a doação de sangue há mais de 10 anos. “Doou sangue a cada três meses e fico muito feliz em ajudar pessoas com o meu sangue”.
O mesmo sentimento é da doméstica Marinete Marinho, 46, que efetuou sua primeira doação de sangue. “Vou repetir outras vezes. É uma satisfação muito grande ajudar um irmão”, ressaltou. Com recepção de doadores lotada, o grupo de atletas “Sangue AZUL”, de handebol masculino do clube do Remo, chamava atenção pela animação em poder contribuir com a campanha e a abastecer o estoque de sangue do Hemopa.
O professor de Educação Fìsica e técnico do time, Messivaldo Correa, 49, disse que além de praticar esporte, o grupo desenvolve ações sociais em benefício da coletividade e a primeira atividade foi a pratica da doação de sangue, cuja dia da campanha agendada, felizmente coincidiu com a abertura da campanha do carnaval. “Isso é muito importante para todos nós e para aquém precisa de transfusão para sobreviver”.
Membro da Igreja de Jesus dos Últimos Dias, o representante comercial Huddy Marcellos, veio colaborar mais uma vez com sua doação de sangue, atreves do projeto “Mãos que ajudam”. Ele doa a cerca de 15 anos. Sua colega Dilma Dias, 30, diretora de Assuntos Públicos da igreja, afirmou que encaminhou cerca de 100 voluntários para campanha.
O grupo “Doe sangue” de jovens da sociedade civil organizada trouxe cerca de 60 voluntários. Cerca de 20 pessoas participação da comemoração “Aniversariante solidário”, entre eles membros do Instituto Aster. Eles escolheram festejar a data com os doadores de sangue, na área frontal do Hemopa, com doces, salgados, refrigerantes e parabéns pra você.
A Faculdade da Amazônia (Famaz) também deu sua contribuição à campanha ao enviar cerca de 60 voluntários. Segundo Constantino Alcântara, 56, coordenador de Pesquisa e Extensão da faculdade, a doação de sangue é uma das principais ações de responsabilidade social da instituição. “Sabemos da relevância disso para a saúde pública do Pará e do Brasil”
Membro dos “Atletas Solidários”, Francoice Cardoso, 43, que é servidora pública federal, informou que os colegas já realizam ações em parceria com o Hemopa. “promovemos campanhas de doação de sangue duas vezes ao ano.Essa é a primeira”, informou, revelando que 20 pessoas
A campanha do carnaval será promovida na hemorrede estadual que abrange os pontos de coleta de sangue em Castanhal, Marabá, Santarém, Abaetetuba, Altamira, Tucuruí, Capanema e Redenção.
A programação cultural contou com a participação de ritmistas da Escola de Samba Rancho Não Posso me Amofiná ,  Escola de Samba Império Pedreirense, Grupo Top Ritmos, Cantora Gigi Furtado, Animadora Dona Sandra,  Rodolfo e Ronaldo.
Técnicos do DETRAN também estiveram com estande com dicas de prevenção à saúde do doador/condutor.  Alunos do curso de Desing de moda, da faculdade Estácio/FAP e da Unama customizaram as camisetas de doadores.
Programação campanha do carnaval/2017.
 De 20 a 22, a partir das 9h, técnicos da Secretaria Municipal de saúde (Sesma), repassarão orientações de prevenção contra Dengue, Zika e chikungunya.  Já os técnicos do Hospital Barros Barreto, repassarão informações preventivas sobre a Febre Amarela. Neste mesmo dia, haverá ainda ação de saúde com parceria da Secretaria de Estado de Saúde (Sespa) e Hospital Barros Barreto, de 9h às 10h. De 20 à 24/02/17, projeto  Caravanas solidárias com grupos de instituições parceiras, que doarão sangue durante o período da campanha, com micro ônibus disponibilizado para o transporte dos candidatos à doação.
Entre os dias 20 e 24 de fevereiro, a Marinha do Brasil, por meio do Comando do 4º Distrito Naval, vai aderir à campanha. A iniciativa conta com a participação da Sociedade Amigos da Marinha - Pará e pretende levar cerca de 200 militares, além de amigos da Marinha para doarem sangue.
Podem doar sangue: pessoas com boa saúde, que tenham entre 16 e 69 anos e pesem acima de 50 quilos. Menores de 18 anos podem doar somente com autorização dos pais ou responsável legal. É necessário portar documento de identidade original, assinado e com foto, além de estar bem alimentado. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher, a cada três.
Serviço: A Fundação Hemopa fica na Travessa Padre Eutíquio, 2.109, em Batista Campos, e no acesso ao Pórtico Metrópole, na entrada do shopping Castanheira (BR-316, km 1). As coletas são feitas de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Candidatas ao Rainha das Rainhas visitam sede do Hemopa

Na manhã de ontem, 13, a sede da Fundação Hemopa, em Belém, recebeu a visita de 21 candidatas do concurso Rainha das Rainhas, que trouxe alegria, beleza e incentivo à doação de sangue,  alterando positivamente o clima no hemocentro. Elas conheceram a estrutura do hemocentro e tiveram a oportunidade de saber como funciona o atendimento, conhecer o parque laboratorial, conversaram com pacientes e doadores, além de tirar dúvidas sobre doação de sangue e cadastro de doadores de medula óssea.
Muita gente aproveitou para registrar o momento e tirar muitas fotos. Elas foram recepcionadas pela presidente do hemocentro, Ana Suely Saraiva; e dos diretores Ana Luiza Meirelles e Jorge Rego, que conduzam as jovens para o auditório onde receberam informações gerais sobre a política estadual do sangue e a importância da participação da sociedade no processo da doação de sangue.
Ana Suely agradeceu a retomada da parceria com a inclusão da visista ao Hemopa, no agenda do concurso anual. “É um imenso prazer contar com o apoio das ORM para levar a causa da doação de sangue aos mais diversos segmentos da sociedade, através dos veículos de comunicação do grupo. Isso é responsabilidade social com a vida”.
Para Júlia Maiorana, a manutenção da parceria com a Fundação Hemopa é muito importante. “É uma otima oportunidade, em um evento tão grande como do Rainha das Rainhas, mostar a importância da doação de sangue para a população, além de instruir e explicar todo o procedimento de voluntariado”.
Pelas Organizaçõies Rômulo Maiorana (ORM), estiveram presentes: A diretora de Marketing, Júlia Maiorana; o assessor comecial do grupo, Marcílio Macedo e a bailarina Clara Pinto, que faz parte da organização do evento.
A parceria também conta com a entrega da Faixa Rainha doadora de sangue que será repassada pelo Hemopa para quem doar sangue, após o resultado do concurso que será realiazado na próxima sexta-feira, 17. A data da nova visita ainda será definida pela organização do evento. “A todas, boa sorte e sucesso”, desejou a presidente do Hemopa.
Quem pode doar? Podem doar sangue pessoas com boa saúde, que tenham entre 16 e 69 anos e pesem acima de 50 quilos. Menores de 18 anos podem doar somente com autorização dos pais ou responsável legal. É necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher, a cada três meses. Para fazer o cadastro de doadores de medula óssea, o candidato deve estar bem de saúde, ter entre 18 e 55 anos e portar documento de identidade original e com foto.

Serviço: A Fundação Hemopa fica na travessa Padre Eutíquio, 2.109, Batista Campos e a Estação de Coleta Hemopa-Castanheira, no térreo do Pórtico Metrópole (BR-316, km 1). As coletas são feitas de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h. Alô Hemopa: 0800-2808118.


sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Sorteio de camisas incentiva doação de sangue no Hemopa

Os torcedores dos times de Remo e Paysandu que forem doar sangue na campanha 'Doadores Futebol Clube', na Fundação Hemopa, concorrerão a camisas oficiais da ação autografadas pelos jogadores do Campeonato Paraense Banpará 2017. A campanha será lançada oficialmente no jogo entre Remo e Paysandu, neste domingo (12), onde os jogadores vão entrar em campo com as camisas da campanha. As peças serão sorteadas no decorrer do campeonato nos programas 'Meio de Campo', da TV Cultura, e 'Na Linha do Gol', da Rádio Cultura FM (93,7).
"No ano passado tivemos uma adesão muito grande à campanha, então esperamos que por meio desse lançamento oficial de domingo as torcidas possam se engajar mais. Este ano também tivemos a mudança na confecção das camisas, que vieram com uma cara mais esportiva, com uma identidade bacana dos times. Então contamos com a colaboração de todos para que seja um sucesso, afinal doar sangue também é um ato de amor ao próximo", destaca Joyce Okamoto, coordenadora de marketing da Cultura Rede de Comunicação, ao ressaltar que este é o segundo ano consecutivo de realização da campanha.   

"O Paysandu tem um poder muito grande por meio da mídia. A gente consegue incentivar as pessoas e uma ação dessas vem só para contribuir na construção de um país cada vez mais humano", afirma Matheus Pampolha, do setor de responsabilidade social do Paysandu. “Estamos muito felizes em participar da campanha novamente e tenho certeza que os jogadores e torcedores do Remo vão se envolver mais, assim como aconteceu no ano passado”, destaca Fábio Will, assessor de comunicação do Remo.
Pensada com cores e elementos que remetem aos times de Remo e Paysandu, as camisas deste ano foram desenvolvidas por Kelvin Albuquerque e Matheus Reis, da Cultura Rede de Comunicação. “Pensei em fazer algo que o torcedor possa usar no dia a dia, como uma camisa de futebol mesmo, com o escudo do time e da campanha. Na parte de trás procurei fazer uma homenagem aos 30 anos da TV Cultura, que serão comemorados agora em março”, detalha Kevin.
Como participar? Para participar da campanha, os torcedores de Remo e Paysandu, além de torcedores de outros clubes paraenses, podem se dirigir ao Hemopa, em Belém, ou nos hemocentros no interior e identificar os seus times na hora da doação. O Hemopa vai repassar o nome dos doadores para a Rede Cultura de Comunicação, responsável pela realização dos sorteios. “É uma campanha onde todos nós podemos fazer um gol pela vida e ter como resultado a melhoria da saúde daqueles pacientes que precisam de sangue nos hospitais. O mais importante é que eles se unam realmente em prol dessa causa de responsabilidade social", finaliza Juciara Farias, gerente de Captação de Doadores do Hemopa.
As camisas também serão apresentadas durante o programa 'Conexão Cultura - ao vivo', com Ney Messias, a partir das 11h da manhã desta sexta-feira (10), na TV Cultura do Pará. No programa 'Meio de Campo' de domingo, que entra no ar uma hora antes do Re-Pa, os torcedores já poderão concorrer aos sorteios das camisas, seguindo a orientação dos apresentadores. As próximas camisas sorteadas pela Rede Cultura de Comunicação serão assinadas pelos jogadores titulares de Remo e Paysandu.
Quem pode doar? Podem doar sangue pessoas com boa saúde, que tenham entre 16 e 69 anos e pesem acima de 50 quilos. Menores de 18 anos podem doar somente com autorização dos pais ou responsável legal. É necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher, a cada três meses. Para fazer o cadastro de doadores de medula óssea, o candidato deve estar bem de saúde, ter entre 18 e 55 anos e portar documento de identidade original e com foto.
Serviço: Para participar da campanha “Doadores Futebol Clube”, basta se identificar como torcedor de Remo e Paysandu antes da doação no Hemopa, e assim, concorrer a camisas autografadas. Torcedores do interior devem procurar o hemocentro mais próximo. A Fundação Hemopa fica na travessa Padre Eutíquio, 2.109, Batista Campos e a Estação de Coleta Hemopa-Castanheira, no térreo do Pórtico Metrópole (BR-316, km 1). As coletas são feitas de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h. Alô Hemopa: 0800-2808118.
Por Bruno Magno

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Doenças recorrentes no período chuvoso não impedem doação de sangue


No mês de fevereiro os estoques dos bancos de sangue em todo país tendem a baixar, principalmente pela ausência de doadores durante o carnaval. O período traz ainda aumento na demanda por causa do número de acidentes que costumam ocorrer no período. Os casos de gripes, as viroses e a dengue também afastam os doadores dos hemocentros. A Fundação Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará (Hemopa) esclarece as dúvidas dos usuários em relação à influência destas doenças sobre a doação de sangue.

“Sabemos que este é um período em que as pessoas comparecem menos ao hemocentro devido às chuvas, viroses e dengue, que ocorrem principalmente nesta época do ano, mas pedimos que elas não deixem de comparecer. A demanda vinda dos hospitais e também de pacientes portadores de anemias é alta e contínua. Qualquer baixa no estoque é sentida no atendimento”, explica a gerente de Captação de Doadores do Hemopa, Juciara Farias.
Com o aumento dos casos de febre amarela em algumas regiões do país, a população tem buscado por este tipo de imunização. A Secretaria de Saúde Pública já declarou que a doença está sob controle no Estado em função do alto índice de imunização, principalmente na infância. No entanto, quem decidiu tomar o reforço da vacina e quer fazer a doação de sangue deve se atentar aos períodos necessários para doação.

“É necessário que a pessoa doe o sangue antes da vacinação, pois de acordo com o Ministério da Saúde existe uma recomendação para que o paciente aguarde um mês antes de fazer a próxima doação. Como estamos com baixa nos estoques, esta seria uma estratégia melhor, principalmente para quem aguarda a doação”, diz o coordenador de Hemoterapia do Hemopa, Carlos Victor Cunha.
Critérios – Quem está disposto a doar sangue passa pela triagem, na qual são investigados os históricos de doenças que possam, de alguma forma, comprometer a qualidade do sangue. No caso da dengue, chikungunya e zika, o período recomendado é de 30 dias após a cura da doença. Para a dengue hemorrágica – considerada mais grave – é necessário aguardar por seis meses para total recuperação do paciente.
“Febre amarela, dengue, chikungunya e zika têm a possibilidade de transmissão pelo sangue. No caso das duas últimas, ainda não há estudos específicos para afirmar totalmente este tipo de risco durante a transfusão de sangue, mas devido à possibilidade de isso ocorrer, optamos por aplicar períodos de quarentenas aos doadores”, detalha o coordenador.
Todas estas informações são repassadas durante o atendimento aos doadores para esclarecer qualquer tipo de dúvida. Uma das mais frequentes é se a doação enfraquece as defesas do organismo. O Hemopa garante que isso é um mito, pois a doação não deixa os pacientes enfraquecidos ou suscetíveis a doenças. A única recomendação é que se alimentem antes e depois de doar.

Valdir Ferreira, 48, já frequenta o hemocentro há mais de dez anos. Esta semana ele decidiu fazer a doação por aférese, um método que separa as células do sangue (plaquetas, hemácias, etc) e demora em média uma hora. A doação convencional dura de cinco a dez minutos. Ele sempre passa pelas entrevistas e aproveita cada doação para checar as condições do sangue. “Essa doação vale a pena porque sei o quanto as pessoas precisam. Já frequento o Hemopa há muito tempo e venho voluntariamente sempre que posso. Decidi fazer essa doação desta forma devido à necessidade do banco de sangue. Muitas pessoas poderiam ter essa atitude também”, diz.
O impedimento permanente de doação só ocorre em casos mais específicos, como por exemplo a contaminação pelo vírus HIV, hepatite B, vírus linfotrópico da célula T humana (HTLV), que é um dos causadores de câncer e linfomas. “Também estão impossibilitadas de doar pessoas que tiveram doença de chagas, hanseníase ou histórico de doença cardíaca ou neurológica.  Nossa equipe estará ponta para esclarecer qualquer dúvida”, afirma Victor Cunha.
Serviço: A Fundação Hemopa fica na Travessa Padre Eutíquio, 2.109, em Batista Campos, e a Estação de Coleta Hemopa-Castanheira no térreo do Pórtico Metrópole (BR-316, km 1). As coletas são feitas de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h. Mais informações pelo telefone 0800-2808118.
Por Diego Andrade

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Hemopa prioriza campanhas para o reforço do estoque de sangue


Para reforçar o estoque de sangue do Hemopa, que vem sofrendo com a queda em mais de 40% no número de comparecimentos de doadores, principalmente em razão das intensas chuvas e das doenças do período conhecido como “inverno amazônico”, que dificulta acesso dos voluntários ao serviço de coleta de sangue, a Gerência de Captação de Doadores (Gecad) está programando ações internas e externas para este mês de fevereiro. A primeira será nesta sexta-feira (3), com o projeto “Aniversariante Solidário”, em que colaboradores do hemocentro pedem a amigos e familiares a doação de sangue em substituição ao tradicional presente.

No sábado (11) é a vez da campanha promovida pela Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, Roda Amizade Camarada e Igreja Adventista do Benguí, intitulada Projeto Vida por Vidas, que será realizada no horário de 8h às 14h, na sede da Fundação Hemopa.
A estudante de enfermagem Bianca Damasceno Barroso, 21 anos, optou por comemorar seu aniversário na sede do hemocentro, em Belém, juntamente com familiares e amigos mais próximos, para incentivar a doação voluntária de sangue e ajudar salvar vidas. Ela é paraense, mas reside no Rio de Janeiro. “Sempre tive vontade de doar sangue, mas não podia porque não tinha o peso mínimo necessário. Mas em setembro do ano passado consegui finalmente realizar esse sonho e fazer minha primeira doação. Foi nessa ocasião que vi um grupo de amigos celebrando o aniversário solidário e achei a idéia muito legal. Então decidi reunir meus amigos para também doar sangue”, conta a jovem.

Várias frentes de trabalho estão sendo desenvolvidas pela Gecad para estimular a participação das parcerias, entre elas a campanha “Doadores Futebol Clube”, da Cultura Rede de Comunicação, que será realizada ao longo do campeonato paraense de futebol, com a finalidade de incentivar as torcidas dos dez times participantes. Essa é a segunda edição da campanha, que no ano passado registrou um saldo de quase 400 doações de sangue. Na campanha, as equipes de Remo e Paysandu vão promover ações durante os jogos e também nas redes sociais para conseguir novas adesões entre os torcedores.
A titular da Gecad, assistente social Juciara Farias, convoca antigos e novos doadores para alavancar o número de coletas. E lembra qee as doações dos torcedores podem ser feitas também nas demais unidades da hemorrede estadual localizadas nos municípios de Abaetetuba, Altamira, Redenção, Capanema, Santarém, Castanhal, Tucuruí e Marabá.
Serviço: A Fundação Hemopa fica na travessa Padre Eutíquio, 2.109, em Batista Campos, e a Estação de Coleta Hemopa-Castanheira no térreo do Pórtico Metrópole (BR-316, km 1). As coletas são feitas de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h. Mais informações pelo Alô Hemopa: 0800 280 8118.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Hospital Jean Bitar terá Agência Transfusional própria


O Centro Hospitalar Jean Bitar vai inaugurar uma Agência Transfusional (AT) dentro de seu complexo médico, em parceria com a Fundação Hemopa, para agilizar o atendimento dos pacientes que necessitam de transfusão durante procedimentos cirúrgicos, garantindo mais tranquilidade e segurança aos usuários. A entrega do novo espaço, que contará com equipamentos de última geração, está prevista para a próxima quarta-feira (01).

O novo serviço consiste em uma unidade hemoterápica que tem como função armazenar sangue e seus hemoderivados – concentrado de hemácias, plaquetas e plasma humano – realizar exames imuno-hematológicos pré-transfusionais, liberar e transportar os produtos sanguíneos para transfusões.
“A média de consumo de bolsas de sangue aqui no ‘Jean Bitar’ atualmente é de 60 por mês, mas a Agência Transfusional terá capacidade para armazenar até 100 bolsas. Projetamos esta AT pensando no futuro, pois a tendência é essa média aumentar diante da oferta de especialidades do hospital”, explica o diretor executivo do hospital, Giovani Merenda.
Demanda
A AT do “Jean Bitar” se somará às unidades da hemorrede estadual, que atualmente é composta pelo hemocentro coordenador e pela unidade de coleta do Castanheira, ambos em Belém; os hemocentros regionais de Castanhal, Marabá e Santarém; os hemonúcleos em Abaetetuba, Altamira, Tucuruí, Redenção e Capanema; além de 44 agências transfusionais espalhadas pela capital e interior do Estado, que corresponde a uma cobertura de 90%.
Hoje, o hospital conta com 70 leitos e é referência estadual para procedimentos de endoscopia digestiva alta e colonoscopia, cirurgia gastrointestinal, entre outras especialidades clínicas.
De maio a dezembro de 2016, o “Jean Bitar” realizou 27.301 atendimentos ambulatoriais, 975 cirurgias e 1.115 internações por unidade. Foi essa demanda de atendimento que exigiu a implantação da AT.
Por conta de um quadro de desnutrição, a arquiteta Gisele Delgado, 33, internada no hospital, precisa de transfusões sanguíneas. A notícia da implantação da AT a deixou mais tranqüila. “Acredito que agora o atendimento vai ser mais ágil, porque antes eu tinha que esperar a minha bolsa vir de outro lugar. Agora não, porque ela já vai estar aqui à minha disposição. Isso me dá mais segurança, porque pra me recuperar eu necessito de transfusões”, comenta.
“A manutenção da vida dos pacientes depende da eficiência do serviço. Com uma Agência Transfusional aqui o tempo de resposta diminui e a qualidade do que oferecemos aumenta. Hoje nós gastamos de uma a três horas até que a bolsa de sangue esteja disponível, mas com este serviço o tempo cai para, no máximo, 30 minutos”, explica a coordenadora de Enfermagem, Solange Antonelli.
Investimentos
Além da Agência Transfusional, o hospital tem se dedicado a ampliar a capacidade de atendimentos. Também estão previstas para a primeira semana de fevereiro a entrega da área de recepção do público totalmente reformada e a inauguração de cinco ambulatórios médicos.
“Estes cinco ambulatórios serão somados a outros quatro, e ajudarão a agilizar ainda mais o atendimento. Já a recepção será repaginada para dar mais conforto a familiares e amigos de pacientes internados. Em abril do ano passado, tínhamos uma demanda reprimida de cerca de 800 pacientes com diagnóstico de problemas de cabeça e pescoço, mas, agora essa demanda caiu para cerca de 200, o que demonstra que os investimentos feitos já trouxeram resultados”, finaliza o diretor.
Por Sérgio Moraes